Tote bag, eco bag, sacola ecológica, bolsa de pano: tem pra vender na loja da biblioteca?

Estava procurando uma bolsa de pano pra dar de presente a mim mesmo mas não encontrei nenhuma loja de biblioteca que tivesse pra vender. Bolsas de pano (tote bad, eco bag, sacola ecológica, como queiram indexar) são bastante comuns em congressos, brindes baratos e úteis de fato, que as pessoas continuam usando mesmo depois dos eventos. Algumas tem desenhos e logos bem feitos, então pow, é um presente legal, tô precisando pra fazer a feira. Essas bolsas são até um item de status, reparem, tem gente que vai em bibliotecas e museus do exterior, compram as bolsas nas lojinhas e depois desfilam aqui.

Bem, então tem algumas questões: por que no Brasil não é comum as bibliotecas terem lojinhas? Tem algumas, claro. Mas essas normalmente não contam com uma venda virtual, caso da Loja do Livro da BN. Tem mais lojinhas em museus, mas por que não também em bibliotecas? Comercializar/lojinhas são tabu em bibliotecas públicas? porque ninguém se espanta com livrarias em shoppings né, mas e se alguma prefeitura decide instalar e bancar uma biblioteca dentro de um shopping por exemplo, daria certo? As pessoas apoiariam a ideia? Ou que uma biblioteca pública grande, como a BMA-SP, lançasse uma pop-up store em algum local na cidade, não só para emprestar livros, mas para vendar produtos da marca? Dá pra conciliar legislação e prática, a biblioteca pública como tal e sua lojinha? Como seria utilizada a grana das vendas? A BP tem que virar uma fundação ou associação de amigos pra poder ter essa lojinha? Você compraria itens de uma loja da biblioteca? Quais tipos de itens, livros, papelaria, camisetas, bolsas?

São perguntas para um TCC quem sabe, acho que não temos muitas experiências desse tipo (já teve biblioteca que substituiu sacolas de plástico por bolsas ecológicas, ótima iniciativa), então mesmo em, ou em função de, um cenário de crise, seria legal a população fazendo uma propaganda das bibliotecas públicas locais, carregando as sacolas como uma consequência da estratégia promovida pelas bibliotecas e um símbolo de status (intelectual, hipster, consumo consciente, sei lá) para quem carrega.

Ainda não encontrei uma bolsa legal aqui no Brasil para presentear, mas fiz algumas buscas e vou deixar abaixo os links de lojas de bibliotecas (e bibliotecas somente, não vale livrarias ou lojas de confecção sob demanda) e as bolsas que gostei mais.

NYPL



Calgary Public Library Foundation


Library of Congress


British Library

Neilson Heys Library

Toronto Public Library Foundation

Brooklyn Public Library

Chicago Public Library

Los Angeles Public Library

State Library New South Wales

Morgan Library

Bodleian Libraries

* foto da Loja do Livro da BN: Alexandre Macieira | Riotur

Censura à pesquisa, censura em bibliotecas: cena de Chernobyl episódio 4

Censura em bibliotecas no Brasil normalmente aparece em quatro versões: censura religiosa, censura ética/social, censura política e censura militar. Censura religiosa é a que historicamente mais aparece nos noticiários e grande mídia (incluir obrigatoriedade de ou excluir bíblias, disputas no sincretismo, etc); censura ética/social acontece normalmente quando querem expurgar de escolas algum livro do tipo que você costuma ler com uma mão só (se é que me entendem meninos e meninas); censura militar mesmo quem não viveu entre 64 e 85 conhece bem, tem a ver com interesses estratégicos e propriedade industrial. Se confunde com a censura política/ideológica, que em governos supostamente democráticos é mais sutil, mas é a que tem aparecido com mais impulso nos últimos anos, desde a redemocratização.

Isso não é um argumento acadêmico, os dados aqui são difusos, mas mesmo considerando os principais casos de censura não lembro de situações extremas recentes que tenham causado a necessidade de algum tipo de reparação na práxis bibliotecária. Muitas das nossas normativas e código de ética em relação à censura são baseadas em preceitos universais do humanismo e democracia, vagos o bastante para se adequar à nossa realidade local. Isto é, para os bibliotecários, seja em uma biblioteca pública, infantil ou lidando com uma coleção especializada, nenhum instrumento de censura pode ser tolerado. Um ponto essencial é que, como trabalhamos com desenvolvimento de acervos, da compra ao descarte, estamos em posição ambivalente de censurar e sermos censurados. Não vou problematizar. Quem quiser saber mais basta procurar nas fontes da área que existem excelentes trabalhos sobre o tema.

Me peguei pensando nesse tema depois que vi o trecho abaixo, da série Chernobyl:

Também não vou problematizar Chernobyl enquanto série, acho que tá claro ali a narrativa ocidental enviesada ainda que o foco seja na tensão entre os pesquisadores/especialistas e os burocratas. A série é muito baseada no livro da Svetlana Aleksiévitch, Vozes de Tchernóbil, que é um trabalho excelente. São dois pontos que me chamaram a atenção nessa cena: fazer pesquisa na era pré-internet e fazer pesquisa sob regime de censura, ou as duas coisas juntas, tudo isso ambientado na biblioteca tradicional.

Eu sinto muita pena de quem tinha que fazer pesquisa na era pré-internet. Se hoje com a velocidade de troca que a gente tem, às vezes as informações ainda são lentas, imaginem naquela época. Pensem na chatice que era vasculhar catálogos de fichas, ter que fazer solicitações para uma bibliotecária gatekeeper e ainda ter que esperar semanas ou meses para obter um determinado artigo, sem saber de fato se ele é relevante para a pesquisa. Deixo aqui meus parabéns a todos os pesquisadores e bibliotecários guerreirinhos pré 1990s.

Sinto mais pena ainda de quem tem que fazer pesquisa sob censura. No trecho da série acima, a pesquisadora solicitou algo em torno de 4 artigos, mas o censor disse que ela poderia ter acesso a somente um deles. E este artigo ainda vinha com páginas a menos, por conta da censura. Era informação crucial para a prevenção de um acidente nuclear, mas que foi mantido em sigilo por um estratégia de Estado. Deu ruim.

Bem, as observações que eu pontuei na cena da biblioteca enquadram o tema que a série explora de maneira geral: o perigo de um poder tão centralizado que a verdade e a falsidade se invertem. Quando as sociedades depreciam não apenas o conhecimento especializado, mas também a natureza da própria verdade, a catástrofe inevitavelmente se segue. Se a gente aplicar essa maior mensagem da série de TV à mudança climática, a disseminação de fake news, terra planismo, campanhas anti-vacinas, memes bizarros no whatsapp e facebook, ela é uma fábula perfeita para os nossos tempos. E eu me pergunto: como nós bibliotecários vamos nos posicionar e lidar com isso? (quando for o momento, se ele não for agora)

Nós não estamos vivendo no Brasil um estado totalitário, mas estamos numa realidade onde um estudo da Fiocruz sobre uso de drogas no Brasil acabou de ser censurado. Um projeto de lei do governo prevê eliminar multa para quem levar criança sem o equipamento apropriado no carro, sendo que estudos mostram que o uso da cadeirinha reduz acidentes fatais. Um lugar onde a verdade não é fixa e as referências estão mudando, na medida em que a verdade é de quem a controla. Vira uma espécie de commodity, a gente pode comprar na esquina ou num ad farm chinês.

Eu trabalho na universidade, então eu sei que os pesquisadores tendem a ser ambíguos quanto aos controles sobre a aplicação e comunicação científica, porque ao mesmo tempo que se opõem a qualquer tipo de censura que possa prejudicar sua autonomia, aceitam algumas restrições justamente a fim de proteger a comunidade acadêmica de intervenção externa. Já os políticos simplesmente evitam qualquer repercussão baseada em dados científicos que mostra o impacto das merdas que estão fazendo. Escolha a cor da sua bandeirinha, não faz diferença. A novidade é que, além de tentar impedir pesquisas em áreas ditas sensíveis ou de “menor retorno”, o governo brasileiro atual está tentando forçar os cidadãos a ignorar que o conhecimento existe.

O paradoxo dos desenvolvimentos atuais desses mecanismos de censura é que eles tendem a destruir a base dos direitos civis ao restringir a liberdade intelectual e científica, quando o uso apropriado dessa censura seria para coibir a presença do anti-intelectualismo, convenhamos. Bibliotecários devem ter isso muito claro em mente.

A censura na maioria dos casos práticos é reduzida em um agente censor que acredita que um determinado banimento pode melhorar a sociedade, proteger criancinhas e restaurar aquilo que vê como valores morais perdidos. Os censores tentam usar o poder do Estado para impor sua opinião sobre o que é verdadeiro e apropriado, ou ofensivo e censurável, acima de tudo, acima de todos. Os censores pressionam as instituições públicas, como as bibliotecas, a suprimir e remover informações de acesso público que julgam inadequadas ou perigosas, de modo que ninguém mais tenha a chance de ler ou visualizar o material e decidir por ele. Isso tudo tá bonitinho lá nas diretrizes da IFLA, devemos combater com todas as forças. Mas quando bate aqui, na nossa porta, é duro de assimilar. Eu me sinto em 1986. Parabéns aos envolvidos.

Arquitetura de bibliotecas – edição nacional 2019

O dinheiro acabou pra todo mundo, exceto pras escolas Lemann e do high society paulistano. Mas continuo sonhando com obras e reformas de bibliotecas públicas no pinterest. Não fiz categorias específicas ou tendências, vou colocar abaixo alguns projetos que gostei, recentes ou nem tanto, critério estritamente pessoal.

Centro Educacional Pioneiro, SP

Bernoulli Go, BH

Beacon School, SP

Anglo 21, SP

Escola Eleva, RJ

Insper, SP

Educandario Imaculada Conceição, Florianópolis

Maison de France, RJ

Instituto Quindim, Caxias do Sul

Livro Livre, SP

Casa Plana, SP

Material BA-Z, SP

[créditos]

Centro Educacional Pioneiro e Bernoulli Go: projeto do StudioLux

Beacon School: projeto da Base Urbana

Anglo 21: projeto Novidário

Quindim: projeto de Jessica de Carli, foge bem da pegada das escolas bilingue, excelente. Manteve as características originais do moinho construído no final do século 19.

Eleva: projeto MPGAA

Maison: projeto Peckson

Insper: Athié Wohnrath

Educandario Imaculada Conceição: Studio 8

Casa Plana é livraria, não fazem empréstimo domiciliar, mas eles se auto-intitulam biblioteca, então está aqui pra gente cobrar depois.

Material BA-Z: primeira biblioteca com foco em materiais da América Latina. Aberta para todos os alunos, professores e funcionários da Belas Artes. Público externo, é necessário agendar visita.

Como realizar uma aula pública sobre a biblioteca universitária

Se você tivesse que montar uma banquinha na praça da cidade e explicar como é o trabalho em uma biblioteca universitária, como você faria? Me peguei pensando nisso, já que novamente existe uma pressão para justificar a existência da universidade e seus funcionários (aqui no caso, universidades públicas). Ideologias políticas e biblioteconômicas a parte, concluí que é um pouco difícil fazer essa explicação.

Pessoalmente eu entendo a biblioteca universitária como um conjunto de técnicas aplicadas ao implemento de outras áreas, ou seja, a BU seria uma espécie de meta-ciência, não uma “ciência” propriamente, mas um tipo de atividade no contexto especializado que está ao serviço de outras ciências. Mas como traduzir isso em termos de um entendimento comum, ao público que está fora da universidade?

Talvez essa aula pública pudesse ser um apanhando de experiências diárias, nos moldes do um dia na vida, ou uma espécie de agradecimento ou reconhecimento por parte dos pesquisadores tal qual em uma banca. Claro que em uma aula pública devemos ofertar antes de esperar aplausos e ampla defesa, mas é impressionante que seja tão raro que os acadêmicos de qualquer nível, as pessoas que de fato utilizam as bibliotecas das universidades, falem sobre como bibliotecários moldam seu trabalho quando articulam os métodos da pesquisa.

Pode ter um sido falta de treinamento de pesquisa propriamente ao decorrer de suas carreiras, mas os pesquisadores deveriam pelo menos intimamente reconhecer que as decisões que os bibliotecários tomam impactam o trabalho que eles, pesquisadores, conseguem realizar. No passado e hoje o acesso a coleções (ou falta desse acesso) determina quase toda a pesquisa acadêmica. Bibliotecas são moldadas pelo desenvolvimento dessas coleções, pelas políticas de acesso, gerenciamento de registros e decisões de avaliação feitas por bibliotecários ao longo dos anos, e são essas decisões que impactam as informações que os alunos e pesquisadores conseguem obter, para dar prosseguimento à suas pesquisas.

Quando um pesquisador vai até a biblioteca solicitando determinados materiais, a gente acaba trazendo outros documentos, deixando-o mergulhar a fundo nas coleções. As vezes só podemos oferecer respostas superficiais e acesso limitado aos registros (seja em razão de orçamento e quadro de pessoal insuficientes ou estar sujeitos à políticas restritivas da instituição). As decisões tomadas pelos bibliotecários podem influenciar também nas descobertas eventuais, e nesse caso é necessário o pesquisador confirmar esse processo para articular o desenvolvimento de seus métodos. Este é principal lembrete para bibliotecários de universidades de que todas as nossas decisões moldam o ambiente da pesquisa acadêmica mais profundamente do que nós mesmos tendemos a acreditar.

Ou seja, uma aula pública sobre a BU é bem vinda no momento atual, mas acredito que sempre haverá a oportunidade para desafiar os acadêmicos, mesmo aqueles que agradecem bibliotecários na seção de agradecimentos, a colocar o processo de pesquisa na biblioteca no corpo de seu trabalho e falar sobre como as bibliotecas determinaram e como os bibliotecários auxiliaram suas pesquisas. Se a pesquisa bibliotecária, física ou digital, fizer parte do método, que digam. Se vc faz pesquisa, pense naqueles momentos em que o acesso a coleções de bibliotecas, ou a falta dele, na verdade moldou as escolhas que você tomou. É necessário fazer essa defesa especialmente se a sua experiência de pesquisa na biblioteca tenha sido tão perfeita que você nem pensou em agradece-la.

Nem todo o público, gestores ou políticos entendem a importância e impacto das bibliotecas. Então uma boa maneira de ajudar a defender as bibliotecas na universidade é essa: demonstrar como você as usa.

Cultura e infraestrutura da publicação acadêmica

Apesar do scihub ter ampliado bastante o acesso por meio de leakings o panorama permanece o mesmo: a publicação científica ainda é dominada pelas grandes editoras (com crescentes margens de lucro financiadas pelo erário); a maior parte dos resultados de pesquisa permanece legalmente sob paywalls; pesquisadores dificilmente passam em concursos ou avançam na carreira se não publicarem em top journals; o número de periódicos continua a crescer exponencialmente (apertando ainda mais o gargalo no processo de submissão); problemas de replicação permanecem especialmente por conta desse gargalo (nem os top journals são mais confiáveis); as bibliotecas ainda estão sujeitas ao corpo docente que é intransigente em relação à manutenção das assinaturas de determinados journals; a tecnologia aplicada à literatura ainda é arcaica moldes anos 90 (muitos periódicos não tem hiperlinks, não tem gráficos 3d, não tem seção de comentários, não tem participação aberta, não oferecem plataformas de colaboração, etc); não existem soluções institucionais para armazenar os produtos dos pesquisadores além da produção textual (caso dos repositórios nas principais universidades). Esses pontos estão evidenciados em trabalhos de gente que pesquisa profundamente a publicação científica.

Uma mudança de percepção em relação a minha posição no passado foi a noção que o comportamento dos pesquisadores era determinado pelos incentivos. Mas agora entendo que, para além do benefício pecuniário e obtenção de recursos, uma vez inseridos na cultura da publicação científica, eles não se importam. Isto é, pesquisadores/docentes não se importam em pagar pra ter artigo publicado em gold access. Se eles pesquisam um artigo e o encontram via scihub, não conseguem avaliar em que grau isso é ou não prejudicial às suas carreiras. Não fazem a menor ideia de como as bibliotecas funcionam, rúbricas de pagamento, como o portal capes adquire as assinaturas, qual o real papel das bibliotecas nas avaliações da Capes e Inep, por que o sci-hub existe, por que ainda exigem a impressão de teses nascidas digitais, qual é o argumento central do open access, etc etc. Se importam somente com suas pesquisas e departamentos. Lidar com assinaturas de periódicos, aquisições de livros, implantação de uma cultura de acesso igualitário, não é com eles, essa deveria ser uma responsabilidade da burocracia e infraestrutura. Na verdade eles veem com bastante descrédito o sistema de aquisições, seja de periódicos ou livros. Estão errados? Talvez não. Entendo que eles tem suas razões para se ater ao sistema e ir contra o movimento de ciência aberta: falta de tempo para compreender o cenário amplo, medo de competição, preocupação com privacidade, plágio, etc. Alguns professores criticam minha abordagem defendendo que são conscientes de todo esse cenário, estão fazendo sua parte e que a Capes caminha positivamente. Preferem achar distorcida a realidade em que vivo, tratando minha experiência de bibliotecário em uma BU federal como uma narrativa fora da curva, eu generalizando a publicação a tal ponto que fica difícil para eles convencer seus orientandos a importância de escrever artigos.

Quando eu me dispunha a discutir e falar sobre o tema, em qualquer instância da universidade, minha defesa era simples: periódicos não são mais relevantes para a academia (em função das possibilidades de publicação e disseminação em base web, distinta dos moldes originais da royal society); o valor das assinaturas dos periódicos é tão alto que nos limita a investir na criação de uma infraestrutura própria (coisa que o Ibict capitania no Brasil, mas passaram muitos anos desde Budapeste e o parágrafo inicial permanece. O portal Capes é ótimo, não é o problema, mas ofusca o entendimento do panorama maior. Quanto custa anualmente o portal capes inteiro? E se esse dinheiro fosse revertido em outras frentes que não assinaturas?)

Atualmente o custo estimado da publicação mundial é 10 bi dólares anuais; o valor de assinatura de um top journal é da ordem de 5k por artigo. APC (article processing charges) varia entre 100 e 5k dólares. Os movimentos recentes estão na direção em que os recursos/verba devem ser usados para a publicação em vez da leitura (e ainda idealmente os casos de rompimento da alemanha, suécia, california com elsevier, plano S e Fapesp indo green access). O desafio é participar de discussões e atuar na prática em estratégias de acesso aberto total, convencer Capes (na figura do portal) e bibliotecas (como fornecedoras das avaliações e solicitações de assinatura) que é do melhor dos interesses cancelar assinaturas; reverter essa grana para desenvolvimento de infra; desenvolver padrões e definir as funcionalidades necessárias para uma infraestrutura de publicação moderna; estratégia para estabelecer um núcleo de funcionalidades para as instituições cooperadoras/conveniadas/capes. Não é uma tarefa simples, mas imaginem de início um scihub inteiramente legal, fazendo harvesting dos repositórios das maiores universidades daqui, que seriam alimentados localmente a contento (a partir de normativas institucionais ou não). As etapas posteriores são da mudança da cultura de avaliação/punição em relação aos locais de publicação dos produtos de pesquisa (difícil demais isso aqui, como fazer os pesquisadores se desvencilhar do fator de impacto, sou pessimista).

Enfim, a proposta é, deixar de pagar assinaturas e pegar esse dinheiro e investir na implementação de uma infra. Mas por quê? Porque os editores com fins lucrativos estão cada vez se movendo da publicação somente (dentro do ciclo de vida da pesquisa) para a aquisição da infraestrutura de pesquisa. A nossa atenção somente ao paywall nos distraiu das estratégias que essas empresas estão adotando. Não existem mecanismos com força suficiente para mitigar o poder e influência dessas editoras a partir do momento que possuírem controle sobre todo o ciclo da pesquisa (pesquisa, publicação e avaliação). Não existe margem para competição e tendem a adquirir qualquer novo serviço emergente independente (como aconteceu com Mendeley e algumas ferramentas de altmetria). Trata-se da mesma linha de atuação das grandes empresas que controlam os mercados digitais: mão de obra barata ou grátis, serviço em troca da liberação de dados e privacidade, lucros altos e centralização total, não interoperáveis. Uma vez dominado o mercado é impossível não participar do modelo.

Talvez a única maneira de fazer com que os docentes/pesquisadores abandonem as editoras tradicionais (que não seja pela força de normativas) é oferecer uma infra com todas as ferramentas que vc deseja que eles usem, com tudo mastigadinho (por exemplo, o default da publicação sendo aberta e não o contrário). Justamente aqueles que não se importam ou não fazem a menor ideia, vão adotar o que for mais conveniente, rápido e grátis, para enfim poderem focar na pesquisa. Os que tem receios e tem motivos pra manter o trabalho fechado, vão pelo menos ter a chance de avaliar os benefícios. Uma vez criada a infraestrutura para os produtos de pesquisa, pensar depois em mecanismos para avaliar a qualidade da pesquisa em um cenário em que os periódicos não mais existem.

FOLIO – O Futuro das Bibliotecas é aberto – Software livre para bibliotecas

O mercado de softwares livres de biblioteca já possui boas opções como o PMB e o Koha. Mas está sendo desenvolvido pela The Open Library Foundation um Software Livre que representa um novo conceito em softwares de biblioteca: o FOLIO, que é uma Library Services Platform (LSP – Plataforma de serviços para bibliotecas).

Para entender, é necessário comparar com o conceito anterior, o Integrated Library System (ILS). ILS são softwares que integram diversos módulos, mas cada um com uma função exclusiva. Por exemplo, num ILS, existe um módulo de catalogação, um de aquisições, um de circulação… Uma Library Services Platform (LSP) funciona de maneira diferente, a melhor comparação é com o Android, uma plataforma em que podem ser instalados diversos aplicativos que executam funções não exclusivas. Por exemplo, pode se ter um modulo de catalogação em MARC, mas também outro módulo de catalogação em Dublin Core, outro em BIBFRAME. A vantagem é poder montar o software de acordo com as necessidades da instituição, e não o contrário, em que a instituição tinha que se adaptar ao ILS.

Por se tratar de um conceito diferente, muitas serão as vezes que estranharemos usar um novo sistema:

  • Seu foco não é o MARC, é o Folio CODEX.
  • Não tem GUI, é tudo na nuvem.
  • Não tem OPAC, a instituição pode escolher o frontend que mais lhe atende.
  • Não tem reload, é um webapp.
  • Gerencia recursos eletrônicos e físicos, separadamente e tudo junto
  • Totalmente modular, inclusive permitindo retirar módulos que não são utilizados
  • Sim, pode ter mais de uma forma de cadastrar um registro, inclusive mais de um editor MARC, por exemplo. Ah, ele pode usar o MARC, apesar de não ter foco nele.

Uma ressalva bem importante: será um software livre bastante robusto e por isso, demandará uma infraestrutura de servidor bem robusta. E ainda, é sempre importante lembrar que ao contrário de um software proprietário, o software livre exige conhecimento técnico pela equipe de informática. É sempre importante lembrar que não se investe recursos em aquisição, mas é importante investir na capacitação da equipe.

O FOLIO permite que nós bibliotecários tenhamos uma oportunidade incrível de aprender como se constrói um software de biblioteca. Importante destacar que em todos os módulos, os bibliotecários foram protagonistas no desenvolvimento, participando de equipes multidisciplinares. Todo o processo está bem documentado (inclusive em um canal no Youtube), há diversas formas de interação… Há um texto completo de Como posso participar do projeto FOLIO?.

Por ser interativo, a tradução já está 100% em Português do Brasil. Foi feita por voluntários que se inscreveram no projeto

Tá curioso? Quer testar:

Você pode testar a demo da versão bellis (q1-2019) do FOLIO aqui: diku_admin (username) / admin (password)

Tem alguma dúvida, deixe um comentário.

UPDATE:

Haverá 3 eventos para divulgação do FOLIO para a comunidade bibliotecária no Brasil. Uma oportunidade boa para conhecer não só o software, mas o contexto por trás:
São Paulo – USP – 7 de maio de 2019
Porto Alegre – UFRGS – 8 de maio de 2019
Brasília – Biblioteca Nacional de Brasília – 9 de maio de 2019

Como ter acesso a artigos científicos pagos

Uma das minhas atividades de trabalho como bibliotecário é ir até as salas dos alunos de graduação, mestrado e doutorado e ensina-los a localizar os documentos que veem nas referências das suas pesquisas. As referências são aquelas listas de artigos/livros que aparecem ao final dos artigos/livros, que contêm todas as citações e menções a outros documentos. Mesmo quem nunca fez pesquisa acadêmica é capaz de reconhecer isso na literatura tradicional e a importância desse modelo para o avanço da ciência.

Normalmente os orientadores começam o processo de pesquisa indicando uma lista de referências e o aluno tem que correr atrás desse material inicial, até começar a se aprofundar no tema e então descobrir e percorrer suas próprias referências de maneira autônoma. O meu papel é fazê-los entender a diferença entre acesso e acessibilidade, nos termos da publicação acadêmica, que é a diferença entre confirmar que um documento existe e saber onde ele se encontra, para a etapa onde é possível de fato ter acesso e consultar esse material, pegar emprestado, imprimir, baixar e ler. Independente de referências individualmente serem bastante citadas, o desafio é garantir que o aluno consiga obter a maior quantidade possível de materiais que ele precisar, na íntegra.

Mas bem, eles não conseguem sozinhos encontrar tudo que precisam, seja por falta de familiaridade com as ferramentas de busca e catálogos de bibliotecas e bases de dados ou simplesmente porque em algum momento empacam em sites de editoras científicas que cobram algumas dezenas de dólares para ter acesso ao texto completo. Quais são então as estratégias que eu uso e indico a eles para conseguir esses artigos na íntegra? Como é o meu esquema de trabalho toda vez que um professor ou aluno me manda um email dizendo “tô precisando dessa publicação, não tem no portal capes, nem no scihub, pode ajudar?”

Eu venho fazendo muito disso nos últimos 10 anos trabalhando em uma das bibliotecas da UFRJ e embora quase todos os dias seja a mesma coisa, eu nunca soube ao certo como explicar o que faço de maneira clara e coerente. Nos treinamentos que a gente oferece normalmente eu explico os passos superficiais (catálogos de biblioteca, portal capes, comut, ccn) mas sempre esquivo na parte mais complexa dizendo para os alunos não perderem tempo e mandarem pra mim a referência quando encontrarem alguma dificuldade.

Enfim, eu decidi destrinchar algumas das táticas e macetes que utilizo com mais frequência, e oferecer isso em formato de vídeo-tutoriais, onde as pessoas pudessem ver o processo de busca exatamente como eu estou fazendo no meu computador. É um curso basicão sobre como encontrar artigos científicos usando métodos não tradicionais. Serve para bibliotecários claro, mas também para qualquer pessoa interessada ou que esteja fazendo pesquisa científica. O curso é pago, tem um custo operacional da plataforma, mas combinei com o Cauê de deixar bem acessível. A primeira aula é grátis pra quem quiser ver e saber como funciona.

No escuro da biblioteca, brilha uma luz

Se o mundo ficar pesado
Eu  pedir emprestado
A palavra poesia
Se o mundo emburrecer
Eu vou rezar pra chover
Palavra sabedoria

Jonathan Silva. Samba da utopia

Naquela noite, Mauro estava incumbido de fechar a biblioteca. Um funcionário ainda estava em férias quando o outro quebrou o pé no futebol de domingo, isso tudo ocorrendo durante a licença maternidade da bibliotecária do noturno. A chefe fez o que pode, colegas trocaram de horário para ajudar, mas sobraram três dias em não houve jeito, e o estagiário foi incumbido de fechar toda a área de acervo, enquanto o guardinha fechava a sala de leitura maior, enxotando suavemente os últimos leitores, e a porta de saída. O rapaz estava um pouco preocupado, mas bastante orgulhoso com a responsabilidade. Era uma tarefa importante, afinal, e o fizeram decorar uma listinha: examinar as janelas, esvaziar o reservatório do desumidificador da sala de obras raras, fazer a revista dos corredores em busca de algum distraído que ainda estivesse enfiado por lá, ver se o gato não estava dormindo em algum canto, apagar as luzes, acionar o alarme.

Mauro, estudante de letras e filho de professores, amava bibliotecas desde pequeno. Quase não acreditou em sua sorte quando lhe falaram da vaga de estagiário na biblioteca central da universidade. Dizia para os amigos que, além de trabalhar o dia todinho no meio dos livros, ainda iam lhe dar dinheiro por isso! Era muita felicidade. Diante de seu entusiasmo, a chefe explicou, tentando parecer muito séria mas sem conseguir disfarçar a ternura do olhar, que não esperasse muito do estágio. Seria, basicamente, guardar livros, procurar livros perdidos, fazer empréstimo e outros serviços menores. Talvez um pouco chato para um rapaz inteligente como ele, sorriu apreensiva a bibliotecária-chefe. Chato? Não, jamais. Como poderia ser chato pegar esse monte de livros, sentir o peso deles e a textura de suas capas, dar uma olhadinha rápida no títulos e arrumar tudo na estante de acordo com essas etiquetinhas? Não, Mauro achou maravilhoso e gostou mais ainda quando entendeu todos os detalhes da formação dos códigos de localização, cujo nome, número de chamada, achou poético. Trabalhava contente, fotografando com seu celular as capas que achava mais bonitas, os livros que um dia, quando terminasse a faculdade, iria ler. Os funcionários achavam meio bobo o entusiasmo do rapaz, mas para a bibliotecária-chefe, era “muito fofo”.

Em dias de pouco movimento, Mauro gostava de ouvir as histórias dos funcionários mais antigos e crivá-los de perguntas. Como era antes do computador, quando a gente precisava procurar os livros naquelas fichinhas? Quem era o professor Onofre Arantes, que doou, no entendimento do estagiário, “metade dos livros desta biblioteca”? Por que não encadernavam os livros de acordo com a classificação, cada assunto uma cor? As perguntas divertiam o pessoal, mas nada era melhor do que contar histórias de fantasmas, algumas já tradicionais, outras incrementadas pela fantasia de uma das bibliotecárias mais jovens.

Sim, bibliotecas são lugares notoriamente mal-assombrados. Funcionários muito apegados que morrem mas não querem ir embora, gente que morreu enquanto lia um dos livros, ou mesmo uma dessas almas perdidas que descobre um bom refúgio em lugares tão calmos, onde sempre há livros antigos. Fantasmas adoram coisas antigas, garantia Marlene, a bibliotecária mocinha. Mas são espíritos inofensivos, como o da senhora que guardou livros a vida toda, e até hoje aparece de vez quando para dar uma ajeitadinha nas estantes. Espíritos inofensivos, quase todos, frisou Marlene. Mauro adorava as histórias e, embora não acreditasse no sobrenatural, sentia alguma coisa parecida com inquietude quando ouvia ruídos de procedência incerta à noite, na biblioteca.

Mas, naquela noite, ele não estava pensando nessas coisas. Quando chegou a hora de fechar, pegou sua listinha (para não esquecer de nada) e foi fazer seu trabalho, calmo e confiante, até que viu as luzes. Depois de apagadas todas as lâmpadas que ele sabia existirem, Mauro vislumbrou, levemente piscantes, alguns focos de luz entre as estantes da classificação 300. Que diabo, será que algum retardatário maluco ainda está com a cara enfiada nesses livros e ligou o celular quando ficou escuro? Não seria tão surpreendente, em biblioteca o que não falta é gente doida no meio das estantes.

– Tem alguém aí? A gente está fechando… – avisou.

A única resposta foi um inequívoco aumento na intensidade das luzes. Assustado, Mauro correu até os interruptores, acendeu as luzes novamente e chamou pelo guardinha, que aguardava no saguão. Os dois examinaram corredor por corredor, começando pelas estantes onde as luzes haviam brilhado. Nada, não havia ninguém em meio às estantes, apenas livros em sua habitual impassibilidade. O guardinha nem pareceu muito surpreso com a bizarrice da história, fato que o estagiário achou estranho.

– Deve ter sido algum reflexo de alguma luz lá fora, Mauro. Não esquenta, não tem ninguém aqui dentro, vambora que eu não quero perder o busão.

Mauro considerou a explicação estapafúrdia, mas, como não conseguiu produzir outra, decidiu aceitá-la. Acompanhou o Rafa até o ponto do ônibus e foi para casa à pé, para relaxar e pensar um pouco. A noite, passou quase em claro, dividido entre sentimentos como medo, vergonha de ter medo e mais alguns que não conseguia nomear. Nos próximos dois dias, ele teria que fechar novamente a biblioteca. E apagar a luz.

No dia seguinte, perto da hora de fechar, Rafa veio avisar, num tom cúmplice, que iria adiantar o seu serviço na parte externa para ficar com ele na hora de fechar. Mas o guardinha só apareceu depois que Mauro já havia feito a ronda, botado o gato para fora e apagado todas as luzes, menos aquela que deixou atrás de si ao sair quase correndo do local. Quase tropeçou no Rafa, que se desculpou todo atrapalhado, explicando que tivera que atender a uma ligação da namorada que estava puta com ele por motivos que não vinham ao caso, e ficou dando bronca por uns 5 minutos.

– E hoje – perguntou – teve luz fantasma de novo?

Mauro só respondeu com um olhar aflito, que encheu o guardinha de remorsos por não ter cumprido o prometido. Achou que seria o caso de levar o estagiário até o boteco para tomar um troço, proposta que foi bem recebida. Depois da primeira dose da melhor cachacinha do estabelecimento, Rafa esfregou as mãos, criou coragem e aconselhou:

– Cara, se eu fosse você, ia falar com a Lídia. Aquela chefe lá do segundo andar, a de cabelo cinza.

Sim, Mauro sabia quem era Lídia. A chefe da catalogação era uma mulher de olhar penetrante e pisada dura, de idade indefinida e cabelos cinzentos  encaracolados, ainda bem bonita. Todos a respeitavam muito e calavam a boca quando ela passava. Mauro a atendia quando ia retirar livros à noite, depois da aula. A bibliotecária também era professora de grego, e dava aulas uma vez por semana numa faculdade próxima dali. Era educada, mas muito reservada e de pouca fala. Mas o que ela poderia fazer? Mauro confessou que teria vergonha de falar com ela sobre o assunto.

– Lídia é uma mulher dos mistérios, mano. Sabe de muitas coisas e já resolveu umas paradas estranhas lá na biblioteca – fez uma pausa, virou o último gole da cachaça e ficou olhando o copo antes de se decidir a continuar. E foi ela que tirou da casa da mãe do meu chefe uma coisa que não queria sair de lá. Fala com ela, amanhã, sem falta.

Mauro pediu mais uma rodada para espantar o arrepio que sentiu a ouvir “paradas estranhas” e não ousou perguntar o que era a coisa que não queria sair da casa da mãe do chefe. Beberam, mudaram de assunto e foram embora, Mauro ao encontro de mais uma noite ruim.

No final da tarde do dia seguinte, quando caminhava pelo corredor empurrando o carrinho de livros para guardar, sentiu uma sensação diferente na nuca que o obrigou a olhar para trás. Lídia olhava para ele, com uma expressão marota.

– Desculpa, não quis te assustar. Vamos ver quem está brilhando no escuro hoje?

A bibliotecária soltou uma risada suave diante da surpresa confusa do rapaz e fez sinal para caminharem até o jardim. Mauro seguiu-a vexado, procurando o guardinha linguarudo para fazer um gesto de ameaça, mas não o viu. Que vergonha da porra iria passar agora.

Sentaram-se num banco de madeira. Por alguns instantes, a bibliotecária ficou quieta, olhando as copas das árvores, como se estivesse pensando no que dizer. Por fim, soltou um pequeno suspiro e começou.

– Eles fazem isso, Mauro, ao menos alguns deles. Não é todo mundo que vê, mas os livros de alguns autores emitem luzes no escuro. Às vezes é só um leve brilho, mas também pode ser um verdadeiro holofote. Foi isso o que você viu, não?

Mauro não tinha certeza do que havia visto, mas a hipótese de livros emitindo luz era ainda mais absurda do que qualquer história de fantasmas em bibliotecas. Sem dar sinais de se importar com a incredulidade do rapaz, a bibliotecária continuou.

– Os livros de poesia são os maiores responsáveis por esses eventos luminosos. Drummond, Fernando Pessoa, Garcia Lorca… esses caras adoram iluminar estantes. Mas há livros que se manifestam em momentos específicos ou lugares específicos, de acordo com circunstâncias que os fazem necessários.  Nem sempre a luz que brilha na Síria é a mesma que brilha aqui ou em Londres, mas às vezes é. Gosto de pensar que temos os mesmos livros brilhando em várias bibliotecas do mundo. Que tal a ideia?

Mauro não respondeu. Não tinha certeza de que a mulher estivesse falando sério, e ela percebeu. Avisou que ficaria até o horário de fechar, para testemunharem juntos o fenômeno – se é que aconteceria novamente naquela noite.

Lídia ficou por lá, lendo e fazendo anotações em seu caderninho de capa preta. O estagiário terminou de guardar os poucos livros que ainda restavam no carrinho e foi para o balcão de atendimento. Pouco depois da nove e trinta, seu colega de balcão foi embora e a bibliotecária começou a ajudá-lo a fechar o local. Lá fora, Rafa dava umas espiadas, ressabiado, mas não entrou. O último usuário saiu, dando boa noite abraçado a uma pilha de livros “para o final de semana”. Quando Mauro desligou todos os interruptores, como nos dois dias anteriores, nem todas as luzes de apagaram. Lá nas estantes da classe 300, brilhavam levemente alguns focos de luz. Lídia sorriu.

– Ah, eu já desconfiava! –  e foi puxando o estagiário pela mão para dentro do corredor.

E de repente, Mauro viu e entendeu. Lá na classificação 370, sob o olhar de uma bibliotecária madura e de um jovem estudante que segurava com força a mão dela, com os títulos em suas lombadas perfeitamente visíveis sob a luz suave que agora se erguia quase até o teto, luziam os livros de Paulo Freire.

foto do cabeçalho: Micke Jakobsson (Flickr); foto do gato: Watchcaddy (Flickr) foto da biblioteca à noite: Marina

Imagens de arte e a arte de trabalhar com imagens

Comecei a trabalhar com organização de imagens de obras de arte na Biblioteca da Escola de Comunicações e Artes da USP ainda no tempo em que o melhor suporte para esse tipo de acervo eram os slides, no início dos anos 1980. E não me refiro ao power point, mas a fotografias em suporte transparente, montadas em molduras de plástico ou papelão, próprias para serem projetadas. Para quem não lembra, ou só nasceu muito depois:

Antes da internet e dos sites de museus, os professores usavam slides para mostrar e discutir obras de arte em sala de aula, e as bibliotecas de instituições que ofereciam cursos de artes precisavam se virar para formar coleções.

Como praticamente não existiam, no Brasil, esse tipo de material disponível para compra, a solução era obter doações com os próprios artistas e produzir artesanalmente nossos próprios slides. Inicialmente atendíamos às demandas específicas dos professores, que solicitavam imagens de obras de um determinado artista, por exemplo. Com o tempo e a experiência adquirida, chegamos a estabelecer uma política de desenvolvimento de acervo: já sabíamos que material fotografar, quais  slides deveríamos descartar etc.

Não era fácil. Precisamos aprender a  localizar e escolher as ilustrações, fotografar da melhor forma possível, iluminar,  analisar a qualidade das imagens depois de prontas, montar os slides etc. Isso tudo se passou em eras pré-internet e câmeras digitais –  quem nasceu depois disso tudo não tem ideia da pauleira que era montar uma coleção de imagens naquela época. Mas era bem divertido, devo admitir.

Nossa pequena coleção de slides, que não chegou a ultrapassar 25.000 itens, era bastante usada pelos professores da Escola e pelos alunos que davam aula em outras instituições, até ser engolida pela evolução tecnológica.

Quando projetores de slides entraram para a lista de espécies em extinção e os professores se convenceram de que outros brinquedos eram necessários,  começamos a digitalizar os itens da coleção que ainda tinham relevância: slides de obras que não estavam disponíveis na internet, geralmente doados pelos próprios artistas ou reproduzidos de catálogos de exposições brasileiros. Infelizmente, as imagens digitalizadas não chegavam aos usuários, porque o único catálogo disponível era uma base de dados em rede local – praticamente o mesmo que não ter catálogo.

Enquanto a coleção de slides perdia a relevância e o público, outro acervo de imagens crescia e adquiria cada vez mais importância na instituição: os trabalhos acadêmicos dos cursos de graduação e pós-graduação em Artes Visuais que se expressam fundamentalmente em imagens, ou que são trabalhos artísticos originais. Nos cursos da ECA, principalmente na área de concentração em Poéticas Visuais da Pós-Graduação, é possível apresentar  gravuras, desenhos, esculturas, objetos, livros de artista etc como trabalho final do curso.

A escultura monumental Lugar com Arco, por exemplo, que enfeita o jardim da Escola, é resultado da tese de doutorado da escultora Norma Grinberg, docente aposentada da instituição.

Regina Silveira, Ana Tavares, Evandro Carlos Jardim, Carmela Grosz, Dora Longo Bahia, Carlos Fajardo, Geraldo de Souza Dias Filho, Henrique de Souza Oliveira e Leda Catunda são alguns dos artistas brasileiros que deixaram trabalhos acadêmicos no acervo da Biblioteca da ECA. Em alguns casos são obras originais, como o álbum de gravuras Anamorfas, de Regina Silveira, em outros são trabalhos de reflexão  – com muitos registros fotográficos- do artista sobre a própria obra, ou ensaios fotográficos resultantes do processo de pesquisa. Um acervo belíssimo catalogado em sistemas que, por serem concebidos para registrar documentos textuais, não dão a necessária visibilidade à sua dimensão  mais importante: a imagem.

Fotos de alguns trabalhos do acervo

DTEEP: dinâmicas e trocas entre estados de performance, de Yiftha Peled

A pesquisa de mestrado da minha colega Sarah Lorenzon Ferreira constatou que nossos professores e alunos das artes visuais precisam de um catálogo de imagens acessível pela internet, com imagens de alta qualidade técnica, boa resolução e diferentes opções de visualização, e que contenha, prioritariamente: criações artísticas dos professores; obras resultantes de pesquisas de mestrado e doutorado; trabalhos de conclusão de curso de graduação; registros do processo criativo dos artistas da ECA. Ou seja, o mínimo que uma biblioteca de uma escola que forma artistas e pesquisadores da área de artes deveria poder oferecer aos seus usuários.

O projeto começou a se tornar viável quando o Tiago Murakami veio para o Departamento Técnico do nosso Sistema Integrado de Bibliotecas e nos apresentou ao Omeka, software open source desenvolvido para exibir coleções digitais em bibliotecas e museus. O Omeka tem instalado um plugin para os metadados VRA Core, desenvolvidos pela Visual Resources Association para descrição conjunta de obras de artes e suas imagens.

O VRA Core, usado com o Cataloging Cultural Objects – CCO é uma solução muito boa para bases de dados de imagens. Resolve bem a questão de catalogar os dados da obra e de suas imagens em registros diferentes, relacionando os dois tipos de registros, sem misturar e confundir as informações como faz o insuportável formato MARC, por exemplo. Tentei explicar essas  todas paradas neste texto aqui.

Além disso, o Omeka tem plugins para aplicações do International Image Interoperability Framework (IIIF), um conjunto de protocolos para visualização de imagens criado em 2001 por um consórcio internacional de bibliotecas. Eis aí uma ferramenta muito legal que precisa ser urgentemente pesquisada no Brasil, porque permite visualização de imagens em alta resolução com carregamento rápido e possibilidade de fazer anotações, além de ter recursos de edição básica, zoom profundo etc. Tudo isso sem precisar carregar várias imagens de tamanhos diferentes na base de dados, basta uma única em alta resolução. Melhor ainda: o freguês consegue compartilhar, editar  e comparar imagens de bases de dados diferentes numa mesma interface online, sem precisar baixá-las. Vejam 0 que dá pra fazer nesse demo do Projeto Mirador

O IIIF tem um canal no Youtube com apresentações muito interessantes de instituições que fazem parte da comunidade de usuários da coisa. Em breve a Biblioteca da ECA  estará lá, aguardem. Já colocamos o Brasil na comunidade e a Sarah está na equipe do código de conduta .

Falta mais gente no Brasil usando e interessada na discussão. Também falta um jeito brasileiro de pronunciar a sigla IIIF, que os falantes do inglês pronunciam “triple I F“. Em português não temos o hábito de dizer “i triplo”, mas repetir a letra “i” na fala vai ficar estranho por excesso de iiis. Sem contar que pode virar  piada…

O protótipo da nossa Biblioteca Digital da Produção Artística da ECA/USP já existe e está sendo testado. Funciona, mas ainda temos muito o que resolver. Precisamos customizar o Omeka para melhorar a navegação entre registros da obra e suas imagens, criar um tema mais agradável e outras coisinhas.  Com relação ao conteúdo, temos que encontrar um curador entre os docentes de artes visuais, escolher as imagens, digitalizar ou fotografar os trabalhos, entrar em contato com os artistas para obter sua autorização para divulgação das images, catalogar etc. Os “etcs” são muitos, na verdade. Nossa professora Vânia Lima, que voltou de suas andanças por instituições de arte dos Estados Unidos com as primeiras notícias que ouvimos sobre o IIIF (ó, tá todo mundo usando isso aqui, estudem), já está pensando em projetos e tentando contratar bolsistas.  Nossa Biblioteca Digital da Produção Artística da ECA/USP promete ser um laboratório interessante para os alunos de biblioteconomia.

Já apresentamos alguns trabalhos em eventos da área. Vejam aí:

V Seminário de Informação em Arte da Redarte -RJ

https://doity.com.br/anais/seminario-de-informacao-em-arte

Colóquio de Dados, Metadados e Web Semântica

https://cdmws.isci.com.br/ocs/index.php/cdmws/home/paper/view/13

I Seminário de Humanidades Digitais – IV Congresso Internacional em Tecnologia e Organização da Informação

https://prezi.com/h2smfyo-5zl7/biblioteca-digital-da-producao-artistica-da-ecausp/?utm_campaign=share&utm_medium=copy

Assim que os testes estiverem concluídos e a Biblioteca Digital da Produção Artística da ECA/USP tiver seu endereço definitivo, divulgaremos o link.

A lógica do uso da API REST do DSpace

Este é um post para explicar um pouco da lógica do DSpace REST API. A grande maioria das APIs REST permite com as operações básica CRUD (acrónimo de Create (Criar), Read (Ler), Update (Atualizar) e Delete (Excluir)).
É possível desenvolver uma nova interface totalmente utilizando a API REST. É possível também sincronizar qualquer fonte externa ao DSpace. Vou explicar um pouco do que é necessário. Para testar o REST, sugiro o uso do Postman. Não irei colocar os códigos aqui, porque cada linguagem tem sua especificidade, mas o principio é o mesmo:

LOGIN:

A primeira operação no REST é o Login. Para o login, é necessário enviar os dados de login e senha. Importante lembrar que este login tem que ter permissões para submeter nas coleções. A resposta do POST /login é:

HTTP/1.1 200 OK
Set-Cookie: JSESSIONID=6B98CF8648BCE57DCD99689FE77CB1B8; Path=/rest/; Secure; HttpOnly

É necessário pegar esse Cookie para as outras operações.

CRIAR REGISTRO:

Para criar um item, é necessário utilizar o comando (POST /collections/{collectionId}/items) com o cookie do login. Importante: o colletionID é uma hash criada pelo DSpace, por exemplo: 6b9f840e-7bfe-4511-a4f5-2e181990679e
E enviar por POST um registro como por exemplo:

{"type":"item";
"metadata":[
{
"key": "dc.contributor.author",
"value": "LAST, FIRST"
},
{
"key": "dc.description",
"language": "pt_BR",
"value": "DESCRICAO"
},
{
"key": "dc.description.abstract",
"language": "pt_BR",
"value": "ABSTRACT"
},
{
"key": "dc.title",
"language": "pt_BR",
"value": "TITULO"
}
]}

O programa tem que conseguir consultar a fonte de dados e gerar esse formato, mapeado com o dublin core do DSpace.
Importante: É necessário que todos os metadados enviados estejam cadastrados no registro de metadados do DSpace.

É possível usar os outros comandos para Atualizar, Deletar, adicionar Bitstreams, etc…

LOGOUT:

Depois de executar as operações, é importante finalizar a sessão.

A grande maioria dos softwares atuais disponibiliza uma API REST, por exemplo o Omeka ou Koha. Temos que usá-los a nosso favor.