Liberdade do Leitor

A liberdade do leitor

Finalmente criei coragem e vergonha na cara para escrever um pouco sobre o tema que mais me fascina, a escolha do leitor a respeito do que vai ler, ou seja, sua liberdade de escolha, e como podemos, ou não, influenciar nessas escolhas como bibliotecários, professores, livreiros, pais ou mesmo amigos.

Mas antes de escrever sobre um dos vários empecilhos para que os leitores tenham essa liberdade de ler o que quiserem no país, vou apresentar alguns textos que abordam a liberdade do leitor recolhidos em leituras aleatórias (ou seriam libertárias?!) que fiz sobre o tema no último mês.

Começo a jornada com um trecho do excelente ensaio “Como se deve ler um livro?”, escrito por uma das maiores escritoras do século XX, Virginia Woolf. O ensaio foi publicado recentemente no Brasil pela Cosac Naify no livro “O valor do riso”. [Vale a pena ler o livro todo, é muito bom!]

Quero enfatizar, antes de tudo, o ponto de interrogação no fim do meu título. Ainda que eu pudesse responder para uso próprio à pergunta, a resposta só se aplicaria a mim, não a você. De fato, o único conselho sobre leitura que uma pessoa pode dar a outra é não aceitar conselho algum, seguir os próprios instintos, usar o próprio bom senso e tirar suas próprias conclusões. Se nos pusermos de acordo quanto a isso, sinto-me então em condições de apresentar algumas ideias e lhes fazer sugestões, pois você assim não permitirá que elas restrinjam a característica mais importante que um leitor pode ter, sua independência. Afinal, que leis podem se podem formular sobre livros? A Batalha de Waterloo foi sem dúvida travada em certo dia; mas será Hamlet uma peça melhor do que Rei Lear? Ninguém o pode dizer, cada um deve decidir por si mesmo essa questão. Admitir autoridades em nossas bibliotecas, por mais embecadas e empelicadas que estejam, e deixar que elas nos digam como ler, o que ler e que valor atribuir ao que lemos, é destruir o espírito de liberdade que dá alento a esses santuários. Em qualquer outra parte podemos ser limitados por convenções e leis – mas lá não temos nenhuma.

 

Leiamos agora o que diz o velho Roger Chartier (A aventura do livro, 1998):

A queles que são considerados não-leitores lêem, mas lêem coisa diferente daquilo que o cânone escolar define como leitura legítima. O problema não é tanto o de considerar como não-leituras estas leituras selvagens que se ligam a objetos escritos de fraca legitimidade cultural, mas é o de tentar apoiar-se sobre essas práticas incontroladas e disseminadas para conduzir esses leitores, pela escola mas também sem dúvida por múltiplas outras vias, a encontrar outras leituras. É preciso utilizar aquilo que a norma escolar rejeita como um suporte para dar acesso à leitura na sua plenitude, isto é, ao encontro de textos densos e mais capazes de transformar a visão de mundo, as maneiras de sentir e de pensar.

 

Tenha um pouco mais de paciência leitor, as citações já estão acabando. Tanto é assim que as próximas citações todas são de uma única autora. Trata-se da Graça Ramos, detentora do blog  tri-legal “A pequena leitora: literatura infantojuvenil” que fica dentro do portal do jornal carioca O Globo. Um achado!
Na primeira citação apresento dois trechos com constatações que ela alcançou depois de ler a pesquisa de uma professora da UFRJ que analisou os hábitos de leitura de alunos de escolas do Rio de Janeiro e de Barcelona. O artigo pode ser lido aqui.

Nas duas cidades, garotas e garotos não têm quase nenhuma ingerência na escolha de títulos adotados pelo sistema de ensino e apresentam resistência ao que é determinado como leitura pela escola. “Os alunos não são escutados e raramente são atraídos pela forma como lêem autores clássicos”, afirma a estudiosa.

Como ter liberdade de leitura sem poder escolher o que ler? A leitura na escola, e respectivamente, nas bibliotecas escolares, deve mudar, isso está muito claro há muito tempo. Apesar da distribuição de livros pelos governos municipais, estaduais e federal, o quadro não muda, porque? Será que esses programas estão pensando na bibliodiversidade de leitura? Será que ninguém lê? Claro que não, conforme indica a pesquisa, os alunos estão lendo outras coisas.
E por falar nisso, a Graça Ramos escreveu o seguinte em outro artigo:

Penso ainda ser melhor a companhia/leitura de qualquer livro do que a ausência total do hábito de ler.

 

Pronto! Termino o caminho das citações com um depoimento pessoal da própria Graça:

Foi na biblioteca pública da SQS 308, em Brasília, que fiz algumas das melhores descobertas de minha vida de leitora. Respeitada em minhas escolhas, conheci autores os mais diferentes, pois o importante era o prazer de ler. Ainda acho que essa é a primeira premissa para formar leitores.

 

Muito bem, chega de enrolação, agora é minha vez. E já que a arapuca está armada, tenho que dizer que um dos empecilhos para a plena liberdade do leitor, principalmente do leitor com menos recursos financeiros, está na situação constrangedora de nossas bibliotecas, principalmente as públicas e as escolares de escolas públicas, mas não só nestas instituições.

E porque a situação é constrangedora?

Não quero generalizar a situação, mas pelo que conheço posso dizer que a situação em muitas bibliotecas públicas é essa, pois muitas não possuem efetivamente políticas de desenvolvimento de coleções que lhes ofereçam condições de proporcionar real liberdade ao leitor. Muitas vivem de doações, programas de distribuição de obras (com títulos escolhidos pelo doador e não pelo doado) e vários outros tipos de editais não permanentes, como o último edital da Fundação Biblioteca Nacional que na minha opinião, mais serviu para desovar livros encalhados do que para ampliar a diversidade e riqueza dos acervos das bibliotecas. Admito que colegas bibliotecários discordam de mim, e com razão, quando falo do edital da FBN, afinal, para quem não tem recurso para adquirir nada, quando tem a possibilidade de escolher algo, aquilo foi tudo de bom! Mas não posso deixar de me manifestar, mesmo depois de anos do acontecido.

Também não posso esquecer daquelas bibliotecas que possuem recursos, mas não suficientes para grandes compras e para proporcionar uma quantidade mínima de títulos que possibilitem essa liberdade.

E há também a dificuldade, que já enfrentei  de, com poucos recursos, ter de escolher entre clássicos e livros premiados e os best-sellers e livros de autoajuda. Nas duas últimas bibliotecas onde trabalhei as discussões para determinar a quantidade de obras a serem adquiridas de cada uma dessas categorias sempre gerou discussões sem fim, levando até a xingamentos explícitos em trabalhos acadêmicos!
Acredito que tenha aprendido algo relacionado à quinta lei de Ranganathan: para cada leitor o seu livro.

Essa discussão toda deve ser estimulada em nosso meio sempre, e com o tempo, pode ser possível chegar a parâmetros que atendam a todos os gostos.

E novamente, a Virginia Woolf pode ajudar (desculpa, mas não poderia deixar essa citação de fora; é a última mesmo!):

Para gozar de liberdade, se a platitude for desculpável, temos porém, é claro, de nos controlar. Não devemos desperdiçar nossas forças, com incompetência e inépcia, esguichando água por metade da casa a fim de molhar uma roseira apenas; devemos discipliná-las, com rigor e energia, no ponto certo. Essa pode ser uma das primeiras dificuldades com que nos defrontamos numa biblioteca. Qual será “o ponto certo”? Pode bem ser que lá não pareça haver senão acúmulo, senão amontoamento confuso. Poemas e romances, histórias e memórias, dicionários e publicações do governo; livros escritos em todas as línguas por homens e mulheres de todas as raças, idades e temperamentos acotovelam-se nas prateleiras. E do lado de fora o burro zurra, as mulheres tagarelam no poço, os potros galopam pelos campos. Por onde vamos começar? Como vamos pôr ordem nesse caos multitudinário e assim extrair do que lemos o prazer mais amplo e profundo?

 

Para finalizar essa questão, posso me usar como exemplo de leitor.
Gosto de ler os clássicos, quadrinhos, um ou outro best-seller (principalmente os de fantasia) e literatura brasileira e estrangeira contemporânea de autores premiados ou que recebem críticas positivas da famigerada, e em eterna crise, crítica literária brasileira. Também sou leitor de poesia, de literatura periférica paulistana e outras coisas meio estranhas….. Enfim, sou um multi-leitor, nem pior nem melhor que qualquer outro, diga-se, um pouco diferente de muitos leitores que preferem focar em poucos mundos, cada um à sua maneira.

E como leitor, o que sinto nas bibliotecas públicas da cidade onde moro quando a questão é bibliodiversidade e liberdade do leitor?
Infelizmente, não sinto essa liberdade tão citada, seja na Biblioteca de São Paulo, na Mário de Andrade, na Biblioteca do Centro Cultural São Paulou ou na Biblioteca Temática de Poesia Alceu Amoroso Lima.
Na Biblioteca de São Paulo a aquisição de acervo é mais ágil, mas como ela foca bastante em best-sellers, exceção seja feita aos livros ligados ao Prêmio São Paulo de Literatura, ela não agrada minha parte-leitor de livros não populares. Não localizo lá vários autores brasileiros premiados e bem criticados.
Nas outras bibliotecas citadas, em alguns momentos não encontro nem uma coisa ou nem outra, ou a demora é grande devido a toda a imensa burocracia enfrentada pelos colegas para fazer compras e aos constantes cortes e congelamentos de recursos que me canso esperar. Por outro lado, como são bibliotecas com grandes acervos, me divirto pegando clássicos e mais clássicos da literatura.
E mais, senti o mesmo em outras bibliotecas onde entrei: em Barueri-SP, no Rio de Janeiro (apesar de ótimas, o leitor chato aqui sentiu falta de mais variedade em Manguinhos e na Rocinha), em Brasília (na Biblioteca Demonstrativa – e judiada, na Biblioteca “Nacional” de Brasília em uma ramal de cidade satélite), Recife, Fortaleza e Florianópolis entre outras.

Infelizmente, nos últimos tempos tenho sentido essa liberdade nas grandes livrarias. Foi nelas que tive de comprar pelo menos 75% dos livros que tive vontade, desejo ou necessidade de ler!
Tenho alguma condição de fazer isso, apesar de ter prometido à minha conta bancária que não utilizarei recursos dela esse mês para aquisição de livros.
E quem não tem condições, como fica?!
Em tese, quem não tem condições é um leitor sem liberdade, meio que aprisionado em plena era dos e-book/e-readers!
Como muitos ainda não possuem boa internet ou bons smartphones, sequer tem condições de participar das comunidades (piratas) de livros digitalizados e distribuídos a quem contribui com 10 ou 20 reais mensais….

Enfim, é tempo de conquistarmos essa liberdade para nós mesmos e para os nossos leitores, familiares, amigos, cachorros e gatos. Precisamos LUTAR por recursos para bibliotecas, sejam elas públicas, comunitárias ou escolares. Precisamos participar de todos os Planos Municipais ou Estaduais do Livros. Precisamos pressionar governadores, deputados, senadores, prefeitos e vereadores!

Só assim o leitor brasileiro poderá ser livre!

Só assim poderei chegar em uma biblioteca e encontrar o livro “A Primavera da Pontuação” do Vitor Ramil. Obra que peguei na estante de uma livraria depois de ver um monte de pontos, virgulas, travessões, tremas e outros componentes da língua portuguesa na capa, ler a engraçada apresentação da Natércia Pontes, e mesmo como livro plastificado pegar e levá-lo sem nenhuma referência. Sem nenhuma referência anterior tive acesso a um dos livros mais divertidos que já li na vida e que só depois descobri que havia sido patrocinado pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e publicada pela conceituada Cosac Naify. Liberdade total!

Só assim poderei chegar em uma outra biblioteca e encontrar o livro “A vida do livreiro A. J. Fikry” da Gabrielle Zevin. Best-seller internacional cuja capa com várias janelinhas coloridas me chamou a atenção e que, por acaso, ao pegar vi que se tratava de uma história ligada ao mundo do livro, mas contada de forma suave e divertida, sem a erudição de um Alberto Manguel, lançada pela Paralela, o selo de livros “pop” da Companhia das Letras. [Em tempo, o livro é muito bom]. Liberdade total!

Quero essa liberdade total nas bibliotecas, e quero logo!

Edson Nery da Fonseca , Escritor , Bibliotecário e Professor Universitário em frente a sua casa em Olinda , Pernambuco

Pequena bibliografia sentimental de Edson Nery da Fonseca

Dormiu Edson Nery da Fonseca. Ficamos tristes, todos os bibliotecários perdemos alguém importante. Não existe um bibliotecário brasileiro que não tenha o conhecido de alguma forma. Se não o conheceu, não pode ser bibliotecário. Escrevi diversos textos em blogs falando do que o Professor significa para mim, e minha homenagem a ele acabou sendo sugerida pelo Moreno Barros: bibliografia sentimental. O sentimento, nesse caso, é o meu em relação à bibliografia escrita pelo Professor. É o que eu tento fazer abaixo: Bibliografia sentimental de Edson Nery da Fonseca.

Os primeiros contatos que tive com Edson Nery da Fonseca foram através dos textos que eu lia no Diário de Pernambuco e no Jornal do Commercio. Sempre gostei de ler a parte de cartas/opinião, e vez ou outra notava que os textos dos quais eu mais gostava estavam os desse autor Edson Nery da Fonseca. Com aquele nome gravado, acabei notando que um livro que meu pai tinha em casa chamado “O Recife de Manuel Bandeira” tinha sido organizado justamente por aquele autor de quem eu gostava de ler as opiniões. O livro é muito belo, grande, os poemas trazem textos de Edson sobre Bandeira e sobre o poema em si. É uma aula tanto de poesia quanto de pernambucanidade. E o livro me aproximou tanto de um quanto de outro.

recife de manuel bandeira

Alguns anos depois, já na universidade, vez ou outra escutava algum professor, especialmente as professoras Gilda Verri e Silvia Cortez, magníficas sempre, citando Edson Nery da Fonseca. E nunca foi en passant. Parece que falar do Professor era uma aula à parte. E foi nesse meio tempo que através de um Grupo de Estudos formado pelos amigos Uiraquitan Coutinho (in memorian) e Karine Villela que tive contato com o texto que posso dizer mudou minha visão da biblioteconomia: “Ser ou não ser bibliotecário”. Sentimentalmente, esse texto me fez decidir que profissional eu buscaria ser dali pra frente. Ainda nesse momento de fervor, em uma palestra organizada pelo Grupo de Estudos, tive o prazer de conversar um pouco com o Professor e receber dele o livro “Acertos e Desacertos da Biblioteconomia”, com dedicatória e tudo.

Também das mãos do Professor, mas sem autógrafo, recebi o livro “Ramiz Galvão”, uma biografia que mostra toda a humildade de quem se sente alegre por escrever sobre uma outra pessoa.

A Professora Gilda Verri, em 2001, por ocasião dos 80 anos do Professor, organizou um livro chamado “Interpretação de Edson Nery da Fonseca”, em que várias personalidades falam sobre o Professor. Um livro belíssimo e importante para entender quem é uma pessoa na visão de quem o conhece. Como o Professor caminhou por várias áreas, religiosa, acadêmica, militar, literária, jornalística, Freireana, então o livro é um apanhado de grandes nomes que escreveram sobre Edson Nery da Fonseca ao longo do tempo, de Álvaro Lins a Eva Grabouer, dando suas opiniões. É um livro que ainda hoje gosto de ler um relato ou outro a fim de entender como alguém sempre polêmico consegue ser tão grande, sem forçar a simpatia.

edson nery

Quando li “Vão-se os dias e eu fico”, que é a sua autobiografia, por assim dizer, fiquei impressionado como o Professor foi tão forte em tantos momentos de sua vida. Sempre altivo e forte. Foi um homem sem medo.

E me preparo para ler “Estão todos dormindo”, seu livro de memórias em homenagem aos amigos que dormiram antes dele. Vou aguardar mais um pouco.

page-numbers

Identificadores de fragmento e DOIs

Antes do conteúdo (ou quase tudo nessa vida) se tornar digital, nós utilizávamos números de página para descrever uma seção específica de um livro ou documentos longos (antes disso, os manuscritos antigos usavam o folio). Os números das páginas migraram para os livros eletrônicos, e leitores como o Kindle oferecem algum tipo de suporte à paginação e sequência de páginas.

folio

Para conteúdo na web, podemos usar o identificador de fragmento #, por exemplo, https://en.wikipedia.org/wiki/Fragment_identifier#Proposals para visualizar uma seção específica de uma página web. Como a ligação a este fragmento é tratada depende do tipo MIME do documento, e será, por exemplo, feita de formas diferentes para uma página de texto e um vídeo – YouTube entende minutos e segundos em um vídeo como identificador de fragmento, por exemplo, https://www.youtube.com/watch?v=0UNRZEsLxKc#t=54m52s. Identificadores de fragmento não são úteis apenas para linkar a uma subseção de um documento, mas, claro, também para a navegação dentro de um documento.

Tudo isso é, naturalmente, muito relevante para o conteúdo acadêmico, que normalmente é muito mais estruturado, com a maioria dos artigos de periódicos seguindo o formato IMRD – introdução, métodos, resultados e discussão – geralmente com seções adicionais, tais como resumo, referências, etc. Uma abordagem para a ligação de figuras e tabelas dentro de artigos acadêmicos é o uso de componentes DOIs, por exemplo, DOIs específicos para partes de um documento maior. A editora PLOS vêm utilizando-os por um longo tempo, o número de componentes DOIs está aumentando, mas a maioria dos artigos de periódicos acadêmicos ainda não utilizam componentes DOIs. E embora os componentes DOIs sejam um grande conceito para conteúdo como figuras (nos permitindo descrever o tipo MIME e outros metadados relevantes), eles provavelmente não são a melhor ferramenta de ligação para uma seção ou parágrafo de um documento acadêmico.

Acontece que já temos uma ferramenta para isso, visto que o servidor proxy DOI encaminha identificadores de fragmentos. Podemos, portanto, usar um DOI com um identificador de fragmento para:

Seção de resultados: http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0103437#s2
Referências específicas: http://dx.doi.org/10.12688/f1000research.4263.1#ref-7
Decisão editorial: http://dx.doi.org/10.7554/eLife.00471#decision-letter

Obviamente, isso só funciona se o DOI é resolvido para o texto completo, e não uma página de destino. E a maneira como os identificadores de fragmentos são nomeados e implementados é uma decisão do editor, o resolvedor DOI não possui nenhuma informação sobre eles. Esses links específicos são particularmente úteis para as discussões de um artigo, seja no Twitter ou em um fórum de discussão. Parece que, pelo menos, o encurtador de links do Twitter mantém o identificador de fragmento (o link para a carta de decisão da eLife é encurtado para http://t.co/URWaYmGHnY). Esse tipo de vinculação funciona particularmente bem se o editor está usando um sistema refinado de identificadores de fragmentos. A editora PeerJ por exemplo, permite ligações a um parágrafo específico – por exemplo, http://dx.doi.org/10.7717/peerj.500#p-15 – e permite que os usuários façam perguntas ao lado daquela seção.

Todos exemplos acima usam o tipo MIME texto/html, pois esse é o que os DOIs de exemplo resolvem por padrão. Não sei se e como os editores têm implementado identificadores de fragmentos de outros formatos, como PDF ou ePub, e o que acontece se você combinar identificadores de fragmentos com negociação de conteúdo. O serviço shortDOI também trabalha com identificadores de fragmentos: http://doi.org/pxd#decision-letter. Outra questão interessante seria como identificadores de fragmentos são tratados pelos conjuntos de dados. Normalmente DOIs separados são atribuídos para vários conjuntos de dados relacionados, mas poderia também haver um lugar para identificadores de fragmentos, bem como, por exemplo, para especificar um subconjunto através de um intervalo de datas. A solução depende de novo sobre o tipo de conteúdo, e o popular texto/csv infelizmente não é bem adequado para isto, enquanto o JSON – usando JSON Pointer – funcionaria bem.

Além disso, manusear o identificador de fragmento é uma opção do cliente e o identificador de fragmento não é enviado para o servidor. O Acrobat Reader, por exemplo, suporta o identificador de fragmento #page=. Também há uma RFC7111 para identificadores de fragmento para o tipo de mídia texto/csv – browsers no futuro podem aceitar algo como http://example.com/data.csv#linha=5-7.

via Martin Fenner

jcr

Qual é um bom fator de impacto?

Não há um número de FI bom ou certo. Para saber se uma revista possui “bom” fator de impacto, basta compará-la com outras revistas dentro de sua categoria de assunto. Quanto maior o fator de impacto, mais bem classificada a revista é. Ou seja, o fator de impacto é apenas um cálculo que permite classificar as revistas em um ranking. Ele pode ser visualizado por meio do Journal Citation Reports.

Abaixo está a tabela 2012 para as revistas da categoria “Information Science & Library Science”, classificadas por fator de impacto (embora seja possível visualizar no JCR outras medidas como o número total de citações, FI de 5 anos, meia-vida e Eigenfactor):

ci if

Atenção: o FI não foi concebido para comparação entre disciplinas. Isso ocorre porque cada disciplina tem um tamanho distinto e diferentes comportamentos de citação (por exemplo, os matemáticos tendem a citar menos, os biólogos tendem a citar mais. A revista PLoS biology, periódico com maior fator de impacto na categoria biologia, tem um FI 2012 de 12.690. Já o Journal of the American Mathematical Society, o periódico com maior fator de impacto na categoria matemática, tem um FI 2012 de 3.567). Veja a tabela com os maiores rankings, dentre todas as categorias combinadas da edição “ciências”:

fator de impacto

A tabela abaixo oferece algum contexto, em termos de quantas revistas atingem os vários níveis de classificação. Ela mostra o número e a porcentagem de revistas as quais foram atribuídas fatores de impacto em 2012, que variam em uma escala de 1 a 30, para ambos os períodos de um ano e cinco anos. Como mostrado, apenas 21 títulos de revistas, ou 0,2% das revistas monitorados pelo JCR, tem um fator de impacto 30 referente ao ano 2012. Apenas 158 revistas têm um fator de impacto 2012 igual ou superior a 10, que representa 1,9% das revitas no topo do ranking do fator de impacto. 8217 revistas têm um fator de impacto 2012 abaixo de 10.

JCR impact factor

Ao calcular o fator de impacto de uma revista se leva em conta o número total de citações recebidas por esta publicação em um determinado ano, englobando os dois anos anteriores, e então dividindo-o pelo número de itens “citáveis” publicados por esta revista naqueles dois anos predecessores (a Thomson Reuters, empresa responsável pela confecção do fator de impacto também oferece uma escala de 5 anos, mas o fator de impacto em escala de 2 anos é o mais decisivo).

FI = (citações recebidas em 2013 para artigos publicados em 2012 + 2011) / (nº de artigos “citáveis​​”, publicados em 2012 + 2011)

O Journal Citation Reports abrange cerca de 10 mil revistas em ciência e tecnologia e cerca de 3 mil periódicos em ciências sociais. É um grande banco de dados, mas ainda cobre apenas uma fração das revistas de pesquisa do mundo. Se uma revista não está no banco de dados JCR (como é o caso de muitas revistas brasileiras, em diversas áreas do conhecimento), não só todas as citações a ela não são computadas pelo FI, mas também são perdidas todas as citações em artigos publicados nesta revista concedidos a periódicos pertencentes à base do JCR. Outro problema é que em função da cobertura ter sido criado nos EUA, o JCR tem um viés de língua inglesa bastante influente.

Contagens de citações surgiram na década de 20 do século passado e foram usadas ​​principalmente por bibliotecários acadêmicos que queriam economizar dinheiro e espaço nas estantes, descobrindo quais periódicos representavam o melhor investimento em cada área. Este método teve um sucesso modesto, mas não ganhou muita força até os anos sessenta. Em 1955, Eugene Garfield publicou um artigo na revista Science, onde discutiu pela primeira vez a idéia de um Fator de Impacto com base em citações. Em 1964, ele e seus parceiros publicaram o Science Citation Index (SCI). Mais ou menos no mesmo período, Irving H. Sherman e Garfield criaram o JIF (Journal Impact Factor), com a intenção de usá-lo para selecionar revistas para o SCI.

Não é necessário enfatizar que o FI deve ser apenas um dos indicadores a serem considerados na avaliação de periódicos. Tanto é que nem todas as áreas do conhecimento da CAPES utilizam o indicador FI para estabelecer o Qualis de suas revistas e muitas áreas o utilizam apenas como um dos indicadores, mas não o único.  

O FI (e por extensão o Qualis) vêm há alguns anos sofrendo críticas em relação a funcionar como medida de avaliação da produção de pesquisadores (brasileiros) pelos órgãos de fomento, e nesse sentido as altmetrics aparecem como substituto óbvio capaz de avaliar a qualidade das publicações e pesquisadores.

screencapture-www-abecin-org-br-revista-index-php-rebecin-issue-view-1-showToc

A beleza dos periódicos científicos e acadêmicos

Recebi ontem a notícia do lançamento da Rebecin, uma nova revista da área de informação, e não pude evitar de comparar o lançamento dessa revista acadêmica com o relançamento de uma revista da grande mídia, a New Yorker, que passou por reformulação no seu design e política de acesso aos artigos. A mudança do site da New Yorker destaca um consenso crescente na indústria editorial conforme revistas e jornais se ajustam a um público que se deslocou para a internet, e cada vez mais consome conteúdo por meio de redes sociais e dispositivos móveis.

Algumas poucas discussões acerca do design gráfico de periódicos estão sendo travadas, e giram em torno da evolução do formato tradicional do artigo acadêmico em relação a seus três elementos-chave: apresentação, conteúdo e contexto (ou o modelo leitura-descoberta-extensão). Uma questão pontual é a supressão do PDF em favor do HTML, onde de um lado estão os benefícios da visibilidade em larga escala na web e de outro a cultura enraizada dos pesquisadores de baixar e imprimir os artigos.

Me peguei avaliando apenas a questão estética da apresentação do material dos dois veículos de comunicação citados acima, desconsiderando o caráter acadêmico de um e comercial de outro. Afinal, por que as revistas acadêmico científicas são tão feias comparadas com revistas de banca de jornal?

Isso vale tanto para a versão impressa como digital. E não tem nada a ver com uma revista acadêmica específica, muito menos com o OJS/SEER. Tem a ver com apelo visual na leitura do documento digital (ou que venha a ser impresso). Poucas revistas fogem do tradicional “duas colunas verticiais, times new roman 12″, sem mencionar todo o aspecto de dispersão online dos artigos, que tem seu potencial atrapalhado pelas interfaces ruins onde estão abrigados. Pouco tem a ver também com a oferta de plataformas para publicação de conteúdo (no caso comum brasileiro, meu voto seria ter o SEER funcionando apenas para controle de submissão e revisão de pares, e o WordPress com seus milhares de temas grátis funcionando em paralelo para a publicação dos artigos propriamente).

Em termos comparativos, muitas revistas de grande circulação e periódicos científicos conseguem manter o aspecto sóbrio e formal de suas publicações, sem se prender ao modelo quadrado acadêmico. Muitos editores científicos argumentam que o que privilegiam é o conteúdo de suas edições, mas novamente me pergunto que tipo de esforço e investimento é necessário para explorar melhores formas de apresentar artigos de revistas online e com isso enriquecer seu conteúdo.

Novos visualizadores de artigos estão explorando outras maneiras de interagir com conteúdo de pesquisa na web, os melhores exemplos sendo eLife Lens e PubReader. Alguns anos atrás a Elsevier inaugurou o projeto que redesenhou a interface de apresentação de seus artigos, The Article of the future. O mesmo exemplo foi seguido pela JSTOR, que já oferece design responsivo, e demais bases de dados. A PubMed por exemplo já oferece seus artigos em formato epub.

As feias que me desculpem, mas beleza é fundamental. Escolha a sua revista acadêmica preferida e compare com essas:

stanfor medicine

plos

carbono

new yorker

altmetrics.org/manifesto/ via www.wordle.net
by AJ Cann

Altmetrics: por que se importar?

Na semana passada Moreno e Andréa falaram um pouco sobre as altmetrics: o que são, que possibilidades e desafios oferecem, o que nós bibliotecários temos a ver com isso. Quero acrescentar meus dois centavos nesta conversa, vamos lá?

A altmetrics ou altmetria foi o tema da minha dissertação de mestrado, que está disponível aqui para quem quiser ler e comentar (para ir direto ao ponto, podem ler só os capítulos 4-8). Minha maior motivação para escolher falar disso foi justamente a vontade de apresentar e contribuir para a discussão sobre a área aqui no Brasil.

Mas por que nós deveríamos nos importar com a altmetria? Como o Moreno bem disse, “o panorama sobre o tema ainda não é perfeitamente claro ou consensual”. Uma das coisas que constatei na minha pesquisa é que, por enquanto, ninguém sabe muito bem para que servem as métricas alternativas, ou o que exatamente elas medem. E muita gente no meio acadêmico ainda torce o nariz para as redes sociais – bater papo no Twitter, escrever blog, nada disso contribui para construir uma carreira acadêmica séria. E aí? Vale a pena conhecer, estudar, discutir e divulgar a altmetria? Eu acho que sim, e quero compartilhar com vocês algumas razões para isso.

Razões teóricas

Parte da proposta da altmetria é valorizar outros impactos além da citação, outros produtos além do artigo científico, outros públicos além do acadêmico. Sim, o volume de dados altmétricos gerados para um determinado artigo ainda é, no geral, muito baixo; mas o fato é que as pessoas estão, sim, interagindo com documentos científicos online. Quem são estas pessoas, quais são suas motivações? O fato de não sabermos ainda exatamente o que significa(m) a(s) altmetria(s) não deve ser motivo para descartá-la(s), pelo contrário – é um convite para explorar um campo ainda desconhecido.

Razões práticas

Muitos de nós, bibliotecários, estamos envolvidos na criação e manutenção de repositórios institucionais. Adotar ferramentas de compartilhamento e monitorar a interação dos usuários com seus produtos nas redes sociais pode ser importante para demonstrar diferentes usos e possíveis impactos dos produtos de pesquisa da sua instituição. Este artigo (em inglês) mostra como o uso da altmetria em RIs pode ser valioso para autores e administradores.

A altmetria também pode ser benéfica para o pesquisador individual – e isso vale tanto para os nossos usuários quanto para nós mesmos. Jason Priem e Heather Piwowar, fundadores do ImpactStory, dão 10 motivos para incluir dados altmétricos no seu currículo. Eu acrescento mais um à lista – motivação pessoal. Quem já trabalhou com pesquisa (ou escreveu um TCC) sabe como pode ser desanimador pensar que só a sua banca vai ler aquela coisa linda que você passou semanas/meses/anos escrevendo. Mas quem disse que tem que ser assim? Você pode colocar seu trabalho online em sites como o Figshare (que dá um DOI para cada item postado) e criar seu perfil no ImpactStory para acompanhar quem, onde e o que estão falando sobre o seu trabalho. Claro que nada disso dará muito resultado se você não contar pra ninguém. Divulgue seu trabalho nas redes, envolva-se com as pessoas que se interessam pelas coisas que te interessam, participe da conversa. Os resultados podem te surpreender…

Razões políticas

O surgimento da altmetria não é um acontecimento isolado: ela é parte da reação à crise do sistema de comunicação científica. Um de seus marcos iniciais, o texto Altmetrics: a manifesto, deixa claro um posicionamento crítico à hegemonia do fator de impacto na avaliação da produção científica. Esta crítica também está expressa na San Francisco Declaration on Research Assessment (Declaração de São Francisco sobre Avaliação da Pesquisa, conhecida pela sigla DORA), que traz entre suas recomendações o estímulo à utilização de uma variedade de métricas e indicadores na avaliação de impacto.

As métricas alternativas podem ser especialmente benéficas para países periféricos como o Brasil, ajudando a demonstrar de forma mais completa os impactos da pesquisa realizada por aqui. Mas esses benefícios não são automáticos. A Andréa já comentou sobre alguns dos desafios técnicos e econômicos que precisamos enfrentar nesta área, como o custo para utilização das ferramentas do Altmetric.com e a adoção do DOI e/ou outros identificadores que permitam o acompanhamento adequado dos produtos de pesquisa na web. O argentino Juan Pablo Alperin é bastante enfático ao afirmar que é preciso um esforço consciente e deliberado para aproximar a altmetria dos pesquisadores de países periféricos, evitando os erros que já cometemos em relação ao fator de impacto (ver Ask Not What Altmetrics Can Do for You, But What Altmetrics Can Do for Developing Countries; e Altmetrics could enable scholarship from developing countries to receive due recognition).

Precisamos de mais estudos sobre altmetria e suas possibilidades, e de ferramentas que atendam às nossas necessidades específicas – revelando a qualidade e o impacto das nossas pesquisas, para além das bases internacionais. Acredito que nós bibliotecários podemos contribuir muito para mudar este jogo. Mãos à obra!


P.S.: Tive a honra de ser entrevistada pelo SciCast Podcast, falando um pouco sobre Biblioteconomia, Ciência da Informação, e, claro, altmetria. Ouçam, comentem, critiquem :)

 

bibliotecario

Bancos em formato de livros em Londres

Cinquenta bancos em formato de livro foram instalados em diferentes locais de Londres como parte do projeto Livros sobre a cidade de incentivo à leitura e comemoração da herança literária da cidade.

A lista completa dos livros que inspiraram cada banco, e dos artistas que os criaram, pode ser encontrada no site do projeto. A primeira imagem abaixo é inspirada em Mary Poppins. Vocês conseguem identificar as demais?

Há quatro roteiros que podem ser seguidos e os visitantes podem fazer download de mapas e questionários para responderem ao longo de cada trilha.

Ao final do projeto em outubro os bancos serão leiloados e a renda revertida para a organização do projeto, a National Literacy Trust. Para nós que não moramos em Londres é possível seguir os bancos no Instagram, Facebook e Twitter.

mary poppins

clarice bean

sissou

Biblioteconomia Pop

dissertation writing service | essay help