Video game na biblioteca paga multas

Post de Jenny

“Ontem eu tive o prazer de conhecer uma bibliotecária adolescente que mantêm um DDR sempre pronto para invocá-lo quando necessário. Por exemplo, se um jovem tiver livros atrasados, ela dança contra a pessoa, e se o usuário ganhar, a bibliotecária isenta as multas.

Além disso, quando as crianças brigam, ela faz com que eles dancem uns contra os outros. É uma grande maneira de canalizar a energia.”

—–

DDR pra quem não sabe é um daqueles jogos encontrados em lojas de video games e shoppings no Brasil onde o jogador tem que pular no piso indicado pelas setas que aparecem na tela. Se você joga em nível avançado, os movimentos fazem você executar uma dança sincronizada.

—–

Se o post já não fosse interessante por si só, a breve discussão que rolou nos comentários rendeu, e a autora prometeu um outro post para incrementar a discussão.

Eis alguns insertos que eu traduzi:

“Então… você está recompensando usuários para a entrega de livros atrasados? Eu não entendi. Se você não quiser multar as pessoas, então não institua multas. E se você quiser usar DDR para algo, por que não para algo mais positivo, em vez de uma maneira falsa de punir as pessoas? Parece também um bocado arbitrário… todos os usuários realmente tímidos e descoordenados nunca terão suas multas eliminadas.”

“Este é o primeiro bom uso de video game nas bibliotecas que eu ouvi. Embora, eu apenas não onsigo areditar que o gaming nas bibliotecas é uma idéia boa. Eu não sou algum tecnofóbico das antigas- eu estou em meus 20 e poucos anos, tenho um PS2 e acredito que as bibliotecas devam constantemente buscar novas maneiras de alcançar os usuários. Eu apenas vejo muitas crianças na filial da biblioteca pública em que trabalho em polvorosa com os computadores e jogando jogos o dia inteiro, mas nunca escolhendo um livro, e sinto como se nós estivéssemos emitindo a mensagem errada. Não é apenas sobre como fazê-los entrar no edifício. É sobre o que se faz dentro do edifício. Há bastante oportunidades de games na internet, em casa, na casas dos amigos, etc. para satisfer a esse impuso. A tecnologia está deixando muitas crianças longe da leitura, e eu sinto como se a biblioteca inadvertidamente emitisse/reforçasse a mensagem de abandonar a prática da leitura em prol do que é novo e sexy no momento.”

“Eu estou curiosa porque você concentra tanto no livro. Eu concordo que não é apenas sobre como inserir crianças na biblioteca, mas eu acredito que os videogames criam comunidades e dão às crianças oportunidades de estarem na biblioteca em uma idade onde estão resistindo a isto e a enxergam somente como um lugar para fazer o trabalho de casa (embora eu discutiria também que as bibliotecas podem oferecer jogos além das crianças e jovens). Além disso, as bibliotecas podem oferecer serviços que as crianças não possuem em casa ou em outra parte (pelo menos, não agora) – um espaço comum para se jogar com um grupo dos amigos, campeonatos, e um lugar seguro fora de casa. As bibliotecas públicas fazem programação adultas que não tem nada a ver com livros, elas oferecem o espaço e os recursos para o grupo local de tricô, mostram filmes, circulam videos, oferecem oficinas para os jovens, etc. – você pode reconciliar esses serviços com as bibliotecas ou você os vê da mesma maneira que faz com os videogames?”

“Eu concentro no livro neste caso por causa das crianças que eu vejo na biblioteca em que trabalho, que gastam suas tardes jogando online, somente para perceber como eles ficam completamente perdidos ao tentar ler algo tão simples quanto a diferença entre ficção e não-ficção. Eu trabalho em uma vizinhança pobre, e nós recebemos muitas crianças que certamente adorariam se nós tivéssemos sistemas de jogos. Nós ficamos cercados por crianças assim que saem do horário da escola, e eu sou certo que nós poderíamos ter maiores multidões se nós tivermos algo tão simples quanto um Nintendo Super. Mas uma frase da canção “Matemática” do MOS Def diz certo: “Os sangues novos não podem soletrar mas poderiam destruí-lo no PlayStation.” E é isso que eu vejo: crianças que podem resolver níveis de Runescape com o melhor de sua capacidade mas que mal conseguem ler e não parecem considerar isso importante. Eu aho que você está simplificando o que eu estava tentando dizer acima sobre os livros, porque é obviamente mais do que apenas os livros. Eu sou um grande defensor das bibliotecas que se inserem no programa tecnologico e que permanecem revelantes às mudanças no mundo em torno delas. Os tempos mudaram e nós também. Dito suficiente. Eu posso compreender a promoção de eventos de videogame como parte da programação, mas como parte dos serviços básicos, eu sinto como ela foge do que nós já oferecemos. Dito isso, nós provavelmente não estamos fazendo bastante e podemos sempre encontrar maneiras novas e melhores de servir à comunidade.”

“Eu não estou dizendo que jogos eletrônicos não tenham lugar na biblioteca! Eles certamente possuem! Eu apenas não entendo como algo que é estritamente para entretenimento, altamente caro, fácilmente quebrável, e mais parte da cultura pop do que da intelectual deva ter um lugar proeminente em um centro de paz, aprendizagem e processamento da informação.”

“promover videogame é uma coisa, mas não significa que você se esqueceu de suas responsabilidades como bibliotecário para seus livros e seus fundos. Nós poderíamos supor aqui que o bibliotecário pode bater consideravelmente qualquer estudante no DDR, de modo que a possibilidade de jogar contra o bibliotecário não é tanto uma chance como é uma ‘armadilha’ para pagar as multas. Finalmente, o ponto aqui talvez não seja sobre a promoção do videogame. Eu também coloco DDR (bem, Stepmania, mas a mesma diferença) em uso na minha biblioteca, como uma atividade semanal do campeonato (entre outras coisas). A razão de tudo isso está na promoção de um sentido da “comunidade” em torno de algo que não é relacioando à escola, em um lugar que normalmente deixa os estudantes em sensação incômoda. Nós estamos tentando ensinar às crianças que têm um relacionamento ruim com os livros que, mesmo se puderem resolver níveis de Runescape, eles estão despreparados quando encaram o mais simples dos livros.”

“Baseado em minha própria experiência, eu acredito que nós devemos considerar o interesse na tecnologia baseada em um número de fatores entre indivíduos, não obstante a idade: uma predisposição para gostar de dispositivos eletrônicos, a habilidade de ter recursos financeiras para adquirir as tecnologias novas, o quanto alguém acredita que a tecnologia melhorará nossa vida e aí por diante. Como uma amostragem de minha opinião para o último fator… a Web 2.0 tornou todos mais iguais no mundo digital, mas eu não vejo a tecnologia quebrar desigualdades no mundo não-digital. Na verdade, aqueles que não têm o acesso aos recursos apropriados são marginalizados na Web 2.0. O que a Web 2.0 faz para seu status nestes dia e tempos? Naturalmente, os bibliotecários precisam se interar e pensar sobre maneiras de dirigir essas desigualdades. Eu não estou certo como, mas talvez alguns seminários para usuários sobre começar blogs, wikis, e assim por diante podem ser bons pontos de partida (embora eu suponho que alguns lugares já estejam fazendo).”

“Neste contexto, eu concordo com os comentários que vêem este programa como (1) potencialmente desagradável para crianças tímidas ou menos coordenadas (embora eu não esteja julgando que a bibliotecária pode ser sensível a essa problema e somente a oferecer como uma opção quando for emocionalmente apropriado) e (2) reforço positivo para comportamentos negativos. No geral porém, eu suporto a biblioteca como um espaço social, assim os jogos que envolvem a interação parecem inteiramente apropriados pra mim. Eu vejo um círculo estruturado de DDR como par de um círculo de tricô, e a descrição dos serviços aqui não diz qualquer coisa sobre deixar a máquina livre para o uso constante sem supervisão (que poderia se transformar em problema de inúmeras maneiras). A respeito do risco ao letramento, a criança que odeia e teme a leitura não temerá menos se estiver evitando a biblioteca porque é um lugar entediante. Se aprender a amar a leitura, a pensar crìticamente, ou usar a biblioteca como um recurso através de osmose e propaganda e os bons exemplos, ótimo! Se não, eu penso que a interação social saudável com ambos os pares e adultos responsáveis é um grande fim em si mesmo. A respeito de “aprender mais” com um filme do que um video game, a presunção de que a mídia é valiosa porque você aprende com ela é um julgamento de valor que não se enquadra em meus valores de biblioteca pública. As pessoas não lêem romances clihés nem assistem a “Débi e Lóide” pela 18a vez para aprender qualquer coisa nova ou expandir sua compreensão. Lêem e assitem por prazer, e à biblioteca sustenta isso. Também, é uma presunção inválida que os jogos não ensinem.”

“Eu quero apenas anotar que DDR é um de poucos jogos que permitem que pessoas com deficiências possam jogar com qualquer pessoa, já que você pode plugar um controlador e usar seus dedos ao invés de ter que estar de pé e dançar. O jogo disponivel livremente para download Stepmania é um outro grande exemplo. Usar um jogo como “DDR Extreme” também nivela os desafios, de modo que os jogadores sem experiência possam ganhar dos experientes (aconteceu comigo mesma no trabalho), então eu não penso que o problema seja tão pontual como pôde originalmente parecer ser, embora as crianças tímidas poderiam ainda representar um problema (a menos que o DDR estiver em uma área privada – detalhes que eu não consegui extrair da bibliotecária). Eu não posso imaginar esta bibliotecária deliberadamente destruindo cada desafiador no DDR. A respeito da introdução das multas, esta é uma opinião puramente pessoal, mas algumas bibliotecas oferecem semanas de abstinência ou trocas de multas por alimentos, e eu não creio que nós vemos um número significante de pessoas que destroem livros, reforçando comportamentos negativos. Na verdade, algumas bibliotecas estão movendo-se para a abolição completa de multas (um bibliotecário no Novo México fez isso e parece estar dando certo). Naturalmente os argumentos contra o DDR para as multas podem ser levados ao extremo, mas eu acho que o entendimento aqui é que há uma troca para as percepções, um divertimento, e uma comunidade, contra algum dinheiro e algumas potenciais pessoas que causam danos aos títulos, mas que cada biblioteca pode se decidir se vale a pena.”

—–

Queria ver pagar multa dançando DDR assim

—–

Outra iniciativa interessante

7 pensamentos em “Video game na biblioteca paga multas”

  1. Sua réplica foi bem colocada.

    Mas a “preservação” nunca foi uma preocupação central da Biblioteconomia. Não acredito que se possa pensar a biblioteconomia históricamente desta forma, porque antigamente as bibliotecas eram organizadas, mas a criação de cursos de biblioteconomia é uma coisa recente que não tem relação com a história das bibliotecas clássicas. Então não dá para traçar uma “linha do tempo histórica” para tentar justificar o trabalho dos bibliotecários hoje.

    A biblioteconomia como um bacharelado foi criada com o foco no desenvolvimento humano. É um resultado da criação das primeiras bibliotecas públicas. A preocupação central era com o acesso. Quando encontro um bibliotecário hoje que trabalha com arquivos, ou até que trabalha com gestão do conhecimento não o considero um bibliotecário. Para mim o que caracteriza a biblioteconomia não são os serviços práticados com foco no meio (organização, controle, preservação). A biblioteconomia está pautada mais em um código de ética, em que profissionais com diferentes perfís e competências possam pensar em desenvolver serviços com um objetivo em comum: desenvolvimento humano.

    Quando um profissional se especializa em algum tipo de processamento técnico, como organizar acervos ou montar uma página na internet, para mim ele é apenas um entusiasta interessado. Mas se ele desenvolve um serviço de informação preocupado com o desenvolvimento humano e compartilha com os colegas de classe esta preocupação, então o reconhecerei como colega, como bibliotecário.

  2. Sua réplica foi bem colocada.

    Mas a “preservação” nunca foi uma preocupação central da Biblioteconomia. Não acredito que se possa pensar a biblioteconomia históricamente desta forma, porque antigamente as bibliotecas eram organizadas, mas a criação de cursos de biblioteconomia é uma coisa recente que não tem relação com a história das bibliotecas clássicas. Então não dá para traçar uma “linha do tempo histórica” para tentar justificar o trabalho dos bibliotecários hoje.

    A biblioteconomia como um bacharelado foi criada com o foco no desenvolvimento humano. É um resultado da criação das primeiras bibliotecas públicas. A preocupação central era com o acesso. Quando encontro um bibliotecário hoje que trabalha com arquivos, ou até que trabalha com gestão do conhecimento não o considero um bibliotecário. Para mim o que caracteriza a biblioteconomia não são os serviços práticados com foco no meio (organização, controle, preservação). A biblioteconomia está pautada mais em um código de ética, em que profissionais com diferentes perfís e competências possam pensar em desenvolver serviços com um objetivo em comum: desenvolvimento humano.

    Quando um profissional se especializa em algum tipo de processamento técnico, como organizar acervos ou montar uma página na internet, para mim ele é apenas um entusiasta interessado. Mas se ele desenvolve um serviço de informação preocupado com o desenvolvimento humano e compartilha com os colegas de classe esta preocupação, então o reconhecerei como colega, como bibliotecário.

  3. O questionamento da necessidade de um bibliotecário competente só pode vir de alguém que não tem o hábito de procurar informação. Não adianta. Mesmo pesquisadores precisam de algum treinamento na área, senão a gente se perde no meio da quantidade de informação que existe e que está estocada.
    Algum sistema pra isso funcionar para todos tem que ter. Sou bióloga, não bibliotecária, mas sei muito bem o que significa ter volumes e volumes de informação acumulada ou até mesmo perdida. Ao contrário de quem questiona, eu acho que essa profissão nunca foi tão necessária quanto agora, só que com a extensão digital.

Deixe uma resposta