Web 2.0 na Ciência da Informação

Bastante cuidado quando ouvirem qualquer coisa sobre Web 2.0 nos dias de hoje, principalmente porque quem estás a defender Web 2.0 como uma r/evolução na Web hoje, está pelo menos 2 anos atrasado na cronologia dos fatos.

Se uma série de propostas e conceitos está baseada em ambientes colaborativos e a emergência de uma estrutura surgente – bottom up – enquanto que na realidade estão promovendo estas propostas e conceitos sem executá-los de fato, então é bem possível que não compreenderam direito do que se trata Web 2.0.

Um erro comum é tentar a inclusão forçada de um grupo de pessoas em uma esfera colaborativa – intranet 2.0, ciência 2.0, biblioteconomia 2.0, etc, ou por exemplo, em ferramentas educacionais como Elgg, Moodle – imaginando que todas as pessoas criarão seus blogs, professores irão inserir seus insights e todos compartilharão informação, produzindo conhecimento, fazendo a comunidade prosperar. Não, não funciona desta maneira.

O meu entendimento indica que [velha] Web 2.0 não diz respeito às tecnologias colaborativas em si (Orkut, Elgg, Youtube) e sim o que estas tecnologias trazem de benefício para a comunidade a qual se volta. Mas o ponto principal é compreender que a comunidade precisa construir sua necessidade colaborativa. Senão os softwares sociais serão encarados como meros softwares e não como “promotores de uma possibilidade” coletiva.

Existe uma grande barreira cultural e até de aptidão tecnica que tende a posicionar a dita Web 2.0 como mais um questionamento aos profissionais – ó céus, qual é o papel do profissional da informação frente à esta r/evolução? Calma, poucas coisas mudaram, estão mudando e vão mudar, porque todo este conceito é direcionado em grande parte para um elite da Web, já que poucas pessoas ainda são capazes de associar a utilização de softwares com uma estrutura que quebra noções de autoridade.

—–

Esta semana será realizado um evento em Portugal com a temática Web 2.0 relacionada à Ciência da Informação, iniciativa do colega blogueiro Fabiano Caruso.

Visitem o site, a programação está disponível.

1 pensamento em “Web 2.0 na Ciência da Informação”

  1. Concordo com vc Moreno, sempre é preciso tomar muito cuidado com as importações de conceitos para a nossa área. Existe um ótimo artigo da Maria Cristiane Barbosa Galvão de 1998 em que ela estuda como são usados os conceitos externos na nossa área (disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19651998000100006 ). Mas acredito que deve-se ver muito além dos conceitos… devemos estudar os principios por trás desses conceitos. O ambiente colaborativo vem desde sempre, com a diferença que essas ferramentas facilitam a situação. Pode ser útil para a nossa área, mas devemos estar atentos com o que vc disse, a ferramenta não constroe o contexto.

    Ah, lembrei que li no Deakialli uma regra dos 2/18/80 ou algo parecido.. 2 % da pessoas criam conteúdos novos, 18% comentam ou divulgam e 80% leem… não lembro se é exatamente isso…

Deixe uma resposta