Ação cultural: reflexões em torno de um conceito e de uma prática

Apresentação

Quando dei início à elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso -TCC -, no segundo semestre de 2003, pensava em realizar um projeto sobre o processo de implementação de sistema de gestão integrado, motivado por minha experiência como estagiário numa companhia farmacêutica multinacional. Antes de concluir a faculdade, porém, decidi trancar o curso, por um ano, para realizar um sonho: conhecer outras culturas, lugares, e viver a aventura de ser um mochileiro. Viajei, com um amigo professor de história por alguns paises da América do Sul, de carona, e, em meio a diversas experiências fomos observando, refletindo e discutindo sobre a realidade social latino-americana, as semelhanças históricas entre os países deste nosso continente, mas, sobretudo, sobre os resultados que o modelo de ocupação e de colonização impôs a todos nós.

Nossos percursos como viajantes, mesmo se marcados por felizes descobertas, mostravam permanentemente uma desigualdade social de tal ordem, que não pude ficar impassível diante da triste situação encontrada.

Como no filme1, fiquei sensibilizado com a situação de miséria e de abandono das comunidades pobres do continente e não consegui mais deixar de pensar sobre como atuar, a partir de ferramentas da minha área de formação acadêmica, tendo em mente a importância do papel do profissional na inclusão sociocultural e na promoção efetiva da participação cultural dos grupos marginalizados.

Desse modo, ao retornar à faculdade, o antigo projeto de TCC, focado em sistemas de organização e acesso à informação para públicos especializados, – hiper informados e informatizados – já não me fazia muito sentido naquele momento. Ao contrário, a experiência de mochileiro provocara-me outros interesses, ampliando minha visão das possibilidades que a profissão de bibliotecário poderia oferecer no encaminhamento de tais problemas. Todavia, mesmo não sabendo muito bem como abordar a questão, percebi que se estudasse a ação cultural eu teria chances de refletir de modo sistemático sobre essa realidade e passaria a ter elementos que contribuíssem para a qualidade de meu trabalho profissional. Resolvi, por isso, debruçar-me
neste projeto.

1 Diário de motocicleta, de Walter Salles, baseado no diário de Ernesto “Che” Guevara.

Hoje eu tive a agradável surpresa de ver que está no RABCI o TCC do Rômulo Martins Morishita, que começa com a apresentação que está reproduzida integralmente acima. É emocionante ler, ainda mais quando eu tive a oportunidade de acompanhar quando ele nos mandava um e-mail narrando um pouco seus passos pela América Latina.
Confiram o TCC completo: Ação cultural: reflexões em torno de um conceito e de uma prática

Deixe uma resposta