Games e bibliotecas

Os videogames são um ambiente em que a inovação é fundamental e o experimentalismo é incentivado. Com isso, surgem bizarrices, mas surgem principalmente inovações interessantes.

O Wii é uma delas. Estou encantado com o Wii, não por seus jogos, que são de certa forma triviais, mas pelas possibilidades futuras e principalmente, pela mudança no mercado que ele está causando.

O Wii, por ser fácil de jogar (os controles são intuitivos e os jogos são simples), modificou o mercado pela inclusão de pessoas não habituadas com jogos e com controles sofisticados. Isso trouxe lucros para a empresa (Nintendo), que hoje vale mais do que a toda poderosa Sony.

Isso demonstra claramente, se não me engano, um texto do Aldo Barreto que dizia que em relação a informação, a oferta gera demanda.

E pelo que ando acompanhando, sei de bibliotecas que usam games para trazer usuários à biblioteca. Vcs acham que isso vale a pena?

2 pensamentos em “Games e bibliotecas”

  1. O que tenho lido é que os games levam usuários de games, e não de livros, para as bibliotecas. Mas isso ainda está começo, e no Brasil é um sonho distante.

Deixe uma resposta