Sir Ken Robinson – TED Talks

Eu já tinha falado sobre essa palestra na semana passada. Ela tem tudo a ver com a discussão que rolou sobre a CENSURA

do blog de avaliação dos professores da UFRGS .

Com base nos comentários, o que eu percebo é que a crítica recai sempre sobre determinadas posturas e individualidades, enquanto passa longe da discussão o problema real do nosso modelo de educação

The Notebook full

, autoritário e desestimulante.

Escolas foram quebradas dias atrás em São Paulo e só o que se falou foi depredação, alunos delinquentes. O que será que terá levado não um, mas dezenas de alunos a destruir uma escola? Será que o problema é tão simples assim? Não pode ser…

Fabiano Caruso publicou a palestra traduzida do Sir Ken Robinson, no excelente canal de tradução do TED no youtube.

Uma espécie de Ken Robinson brasileiro é o professor Mário Sérgio Cortella. Quem tiver disposição, deve assistir ao segmento do café filosófico, que trata também da questão da educação infantil e da criatividade.

2 pensamentos em “Sir Ken Robinson – TED Talks”

  1. Moreno, vou dar minha opinião sem assistir aos vídeos. Creio que o que leva adolescentes e crianças a agirem assim é a falta de limites, o excesso de consumo, a vontade de ter e não de ser, o imediatismo e também a idéia de que a escola é responável por tudo (idéia esta difundida por muitos pais que não querem ter a responsabilidade sobre a educação de seus filhos). Aqueles livros que indiquei são um bom ponto de partida para pensar sobre isso (falam de valores e ética na educação) Abs!!

  2. Essa palestra do Ken é incrível, me identifiquei bastante. Acho que os vídeos tratam das mesmas coisas: limitações em geral e excesso de limites, embora o problema todo seja bem mais amplo, quase que sociológico mesmo. E isso não é algo específico, mas um problema de época e “costumes”, que acontece por uma série de fatores que a gente ‘nem percebe’ que existem, como o Cortella explicou com detalhes bastante pertinentes (não vi todo o vídeo, vejo depois qdo chegar em casa).

    Por isso tb acho mto simplista querer acreditar que apenas disciplina, remédio ou, no caso do blog de Avaliação dos Professores da UFRGS, censura, resolva um problema que é bem mais sensível do que se imagina. As coisas não funcionam dessa forma. Por mais contraditório que isso pareça, mesmo estando na ‘sociedade da informação’ estamos lidando com uma sociedade decadente por dentro e sem valores fortes. Essa ausência de virtudes, de identidade, de união, afeta pais, professores / profissionais e estudantes que se vêem limitados em vários sentidos.

    Pra algumas pessoas, o objetivo de qualquer criação / pesquisa / trabalho, há muito tempo já deixou de ser ajudar a uma comunidade e às pessoas e voltou-se pra alguns vícios, como a vaidade, ganância, avareza, mesquinhez mesmo. Esses vícios são tão intrínsecos à ‘personalidade’ das pessoas que elas não os reconhecem como vícios, e também faz com que fique difícil acreditar que ocorra mudança em um curto período de tempo. As situações até podem mudar, mas é impossível fazer isso sem que muitas pessoas se envolvam e sem que ocorram ‘perdas e danos’ a ninguém. Enfim.. Acredito (e espero) que as novas tecnologias – no mais, as colaborativas – e principalmente _as pessoas_ que as entendam como aliadas (e não o inverso), ajudem a mudar esse quadro um pouco..

Deixe uma resposta