Projeto de leitura: “uma experiência canadense”

Compartilho um texto da Professora Maria Cristiane:

Projeto de leitura: “uma experiência canadense”

por Maria Cristiane Barbosa Galvão

Compartilho com você uma experiência vivida enquanto usuária e observadora de uma biblioteca situada em Montréal (Canadá). (http://nelligan.ville.montreal.qc.ca/search*frc). Esta biblioteca fica ao lado da minha casa. Assim, vou com grande frequência até lá. Geralmente, uma ou duas vezes por semana.

A biblioteca desenvolve muitas atividades junto à comunidade. Uma que julgo importante é a forma de empréstimo. Cada criança, por exemplo, pode emprestar até 25 livros pelo período de um mês + ( 5 dvds + 5cds de música) pelo período de uma semana. Assim, uma família com 4 pessoas (um casal e duas crianças) pode emprestar por mês 100 livros + 20 dvds por semana + 20 cds de música… Pode-se emprestar de tudo: dicionários, livros de arte, maravilhosos livros de arquitetura, romances, livros de culinária, histórias em quadrinhos, livros didáticos e paradidáticos, filmes de ficção, documentários, óperas. Tudo está disponível para empréstimo, havendo muito material novo e de ótima qualidade em destaque. Algo que achei diferenciado foi o registro da cultura local na forma de vídeos-documentários. Vídeos sobre o bairro, sobre as comunidades locais, sobre os costumes… Para mim, especialmente, este material foi muito útil para entender a dinâmica social na qual, enquanto estrangeira, estou envolvida.

As atividades da biblioteca são as mais criativas possíveis. Tem o clube do soninho, que ocorre no período noturno e todos (pais e filhos) vão de pijama… Há muitas palestras para pais sobre psicologia infantil, alimentação saudável, educação infantil, merenda escolar etc. Há também muitos encontros com escritores e artistas para públicos diferenciados.

No verão, a biblioteca faz muitas gincanas e sorteios ao ar livre, em parques, nas ruas, em piscinas públicas, em clubes públicos. Geralmente, atividades envolvendo sucos, sorvetes, água, e todo tipo de brincadeira para todas as idades. As crianças ganham muitos prêmios (livros, ingressos para museus, teatro, cinema, vale-presentes, vale-livro etc). A biblioteca tem uma imagem lúdica muito forte.

Outro ponto que adoro é a flexibilidade de horário. Embora a biblioteca seja aberta todos os dias, os horários variam. Por exemplo, no domingo, funciona à tarde, tem dias que funciona até às 21h, tem dia que abre mais cedo e assim por diante. Esta flexibilidade permite que diferentes públicos de trabalhadores e de familias frequentem a biblioteca em concordância com sua disponibilidade.

A biblioteca tem uma agenda anual de atividades. Esta agenda está disponível para todos os frequentadores. Isto permite que você se programe para participar das atividades da biblioteca com antecedência.

No quesito informatização, podemos reservar e renovar todo e qualquer empréstimo de nossa própria casa. Todas as bibliotecas públicas da região estão interconectadas. Assim, podemos ampliar as formas de empréstimo… Quando o livro foi reservado por outra pessoa, é preciso devolver na data especificada.

A biblioteca mantem uma relação estreita com a comunidade, enviando convites ou informações adicionais via correio convencional. É muito legal ter uma/um bibliotecária/bibliotecário preocupada/o comigo e com minha família… Se eu estou feliz com os livros e assim por diante.

No hall da entrada da biblioteca, há ainda muitas atividades de construção coletiva. Por exemplo, cada pessoa que passa no hall, é convidado, por meio de instruções escritas, a fazer um desenho que represente a palavra “casa”… Estas atividades duram aproximadamente de 15 a 30 dias e são substituídas por outras. De qualquer forma, formam bonitos paineis no hall de entrada da biblioteca… Algumas temáticas são relacionadas a épocas do ano, ou são produzidas a partir de uma relação de intertextualidade com livros ou filmes.

Tenho algumas experiências internacionais enquanto usuária de bibliotecas públicas e universitárias. Mas acho que este exemplo é interessante pois não depende tanto de tecnologia (como na Austrália, por exemplo), mas de uma estratégia de ação da biblioteca (inteligência biblioteconômica), investimentos em livros, e o máximo de aproveitamento de recursos públicos em prol da sociedade.

Abraço,

Cristiane

Referência: GALVAO, M.C.B. Projeto de leitura: “uma experiência canadense”. Mensagem postada na lista de discussão Bibliotecas Universitárias, em 16 de janeiro de 2012.

5 pensamentos em “Projeto de leitura: “uma experiência canadense””

  1. Maravilhoso, está de parabéns a Biblioteca Canadense,muito dinâmica interativa e abrindo novos horizontes quanto biblioteca.
    Obrigada pelas informações, elas acrescentaram algumas ideias de projetos para bibliotecas em praças que temos.
    Sucesso.

  2. nossa escola se entereçou pelo projeto, queremos participar,somos uma escola comunitária.Escola Comunitária Carlos Braide.somos de são luis maranhão,Santa Bárbara.professora Rejane educação infantil.

  3. ler seu artigo foi muito enrriquecedor, porém na realidade e na prática dependemos de fatores governamentais e de instituições que nos ampare e que nos dê suporte para desnvolver essa ação. Mais é um caso a ser pensado e analisado, vou tentar desenvolver algumas das ações propostae pelo seu artigo. beijos, Elienes

Deixe uma resposta