Koha – Software livre para o gerenciamento de bibliotecas

Continuando o post anterior, agora falo um pouco sobre o Koha.

Software livre criado na Nova Zelândia e posteriormente tornado livre, o que possibilitou um desenvolvimento mais rápido e uma grande adoção por bibliotecas de diversos tamanhos no mundo. Hoje é desenvolvido por uma Comunidade aberta em que participam diversas empresas de suporte. Dentre seus diferenciais, podemos destacar:

– Robustez. O Koha é um sistema robusto, capaz de suportar grandes redes de biblioteca. Utiliza o mesmo principio de indexação que o Google, pois cria uma indexação prévia da base, permitindo consultas mais rápidas e menos uso do processamento.
– Flexibilidade. Tudo no Koha é customizável. Exige bons conhecimento de MARC (para a customização do formulário da catalogação – possibilita o uso do MARC21 e do UNIMARC) e de CSS para a customização da interface.
– Servidor Z39.50. É possível configurá-lo como um servidor Z39.50.

Quer testar o Koha?

OPAC: http://compartirweb.com:81/

Administração: http://compartirweb.com:8080/ // usuário: compartir e senha: compartir

ATENÇÃO: O Koha mantido pela Comunidade é o Koha-Community. O outro é um fork de uma empresa que única, o que descaracteriza a idéia de um software aberto.

Se puderem ajudar a traduzir, todos ganham: http://translate.koha-community.org/

5 pensamentos em “Koha – Software livre para o gerenciamento de bibliotecas”

  1. Usado, aprovado e recomendado! É tudo isso que você falou e mais um pouco! Adoro a facilidade dele para importar registros Marc, e de exportá-los de volta, caso seja necessário; quando inaugurei a biblioteca consegui importar uma grande quantidade de usuários de uma vez só usando arquivos .csv; ele tb gera N relatórios a respeito de todos os módulos, vc pode usar o wizard do sistema para construir um ou pegar os códigos SQL de alguns modelos de relatórios prontos no wiki do Koha; além de tudo isso ainda é possível customizar o catálogo e mesmo a interface administrativa; dei uma melhorada no meu catálogo, ñ ficou grande coisa pq ñ sou versada nessa customização, mas ficou melhor que antes.
    Muito legal sua iniciativa de divulgar esses softwares livres no blog Tiago, quem sabe assim a comunidade não se anima a adotar softwares livres mas robustos?

  2. Realmente o Koha não deixa nada a desejar com relação a suportar grandes redes de bibliotecas. Gostei mais do PMB para os casos de bibliotecas comunitárias e públicas. Não consegui me cadastrar como usuária no Koha para fazer os mesmos teste que eu fiz no PMB. Achei um pouco parecido a interface de resultado de pesquisa do Koha com a o Primo usado pela USP e UNESP.
    Mas uma vez quero dar os parabéns ao Thiago pela iniciativa de divulgar e ajudar a traduzir softwares livres como esses.

  3. Olá Tiago, estou em dúvida, preciso me decidir entre o Koha e o PMB. Achei o PMB de fácil instalação e muito intuitivo, mas me esbarrei (até o que pude testar) na geração automática do número do tombo patrimonial. Ao que me pareceu temos que colocar manualmente um número, o que dificulta bastante. Facilidade também na geração de etiqueta de código de barras com o número tombo de cada exemplar. A facilidade do Koha, ao que pude ver é a customização dos formulários de Marc para cada tipo de item do acervo, mas não consegui ver onde se registra automaticamente o número de tombo patrimonial. Há uma tradução liberada para o portugues para o Koha 3.8? Mais uma pergunta: qual é a diferença entre o Koha e o Biblime? Gostaria da vossa ajuda, já que não sou do ramo da bibliteconomia mas tenho em minhas mãos o gerenciamento de uma biblioteca de cinco mil itens de nossa instituição.
    Agradeço

    Marcelo Carlesso

  4. Ricardo….Preciso falar com voce sobre o KOha em São Bernardo do Campo… Entre em contato comigo, por favor no e-mail acima. Asusnto que acho be interessante pra voce…

Deixe uma resposta