Os livros que eu ganhei de natal. E vocês, ganharam qual?

Natal perfeito é um natal com livros. Esse ano não rolou o tradicional amigo oculto BSF porque cada ano que passava o grupo ia ficando maior e embora tenha dado tudo certo nos últimos, fica difícil gerenciar muitas pessoas trocando livros remotamente.

Pois bem, os livros no meu natal de 2012 foram esses aí abaixo:

livro natal

funciona assim: durante o ano eu frequento livrarias e bibliotecas e com a câmera do celular eu vou tirando fotos dos livros que parecem ser interessantes ou que simplesmente tem uma capa legal. Daí eu dou uma refinada nas internetz e quando o livro entra na lista de desejos eu coloco nesse álbum aqui no meu pinterest. Então nas datas comemorativas os chegados podem ficar a vontade pra entrar lá e escolher um dos livros pra me presentear. Fica a dica aí pra vocês, migs. Prometo que quando terminar de ler eu doo pra biblioteca pública (normalmente eu mando pras bibliotecas da UFRJ).

Biblioteconomia Para Concursos, Gustavo Henn e Geysa Flávia

biblio para concursos

Dessa lista aí, agradeço Gustavo e Geysa pela dedicatória e por terem me enviado uma cópia da nova edição do Biblioteconomia Para Concursos. O único concurso público que eu passei até hoje foi uma pura cagada e isso porque chamaram trocentas pessoas na lista de inscritos. Coloque 10 questões sobre catalogação e indexação na minha frente e eu erro todas. Mas taí um livro que serve não só pra estudar pros concursos (BNDES taí gente), com várias análises detalhadas dos tópicos recorrentes nos concursos e resolução de provas anteriores, mas pra eu saber a evolução dos tópicos sob a forma de perguntas, o que tá rolando em termos de exigências das organizadores e como está a distância entre o que se ensina na escola de biblio e o que mercado exige dos bibliotecários. Esse aí é bestseller, Briquet e Thesaurus deram mole em não distribuir, o que fez do Gustavo o auto-editor mais bem sucedido da biblioteconomia tupiniquim. Em breve ele vai lançar a versão pra ipad e kindle.

Ex-Libris, Plinio Martins Filho

Eu sou aficcionado por ex libris e hoje em dia é muito fácil encontrar e estuda-los em bibliotecas ao redor do mundo por meio dos projetos de digitalização. Mas até esse livro ser publicado em 2008, não tinha nada ainda visualmente consistente sobre os exlibris criados por e para brasileiros (eu tenho em casa um exemplar do “O ex libris e o Barão do Rio Branco”, de 1953, que tem bastante coisa interessante, mas não é 100% de ex libris nacionais). Então esse aí é um achado, uma pesquisa incrível feita pelo organizador e que com certeza tudo o que aparecer sobre ex libris brasileiros daqui em diante vai beber nessa fonte. Depois com mais tempo eu vou tentar encontrar nas bibliotecas digitais as versões dos ex libris apresentados nesse livro, para inflar a minha coleção de exlibris no pinterest.

Uma senhora toma chá, David Salsburg

Esse aí eu imaginava que seria uma coisa, uma dessas tentativas de humanizar as pessoas envolvidas em adventos científicos e determinadas áreas da ciência, e até é em certo ponto, mas tem muito mais a ver com metodologia científica (metodologia com M maiúsculo) do que propriamente estatística e probabilidade. Ou seja, tô gostando mais ou menos.

Esse ano eu peguei disciplinas com grandes matemáticos, um deles Gregory Chaitin, que tem extensa produção sobre a teoria algorítmica da informação (que não tem nada a ver com a ciência da informação feita no Brasil) e probabilidade, mas que, embora probabilidade e aleatoriedade sendo tópico central, acabou ficando de fora desse livro. O que me faz lembrar um dos grandes livros do ano passado, e que me fez querer ler esse daqui, o “A informação“, que tem um capítulo inteiro sobre Chaitin, enquanto que o “Uma senhora…” tem um capítulo inteiro sobre Kolmogorov, seu parceiro-rival.

Tem uma parte muito boa sobre as submissões de artigos aos periódicos da época e o modo como a publicação era manipulada pelos editores e por autores influentes. O que leva ao último livro:

A impostura científica em dez lições, Michel de Pracontal

que eu ainda não comecei a ler, mas me parece ser uma versão mais acadêmica do “Mundo assombrado pelos demônios” do Sagan, e confiando nos títulos publicados pela editora UNESP, que são sempre bons. Pelas olhadas rápidas, uma coisa que vai me interessar é o mau uso do teorema de Godel (um ano inteiro de disciplinas sobre Godel pra eu conseguir entender qualquer coisa) e o charlatanismo associado à algumas pesquisas que contêm dados fajutos, coisa que apareceu com mais força nos últimos 2 anos. Tá todo mundo muito doido com Big Data e transparência contábil dos investimentos em pesquisa, e eu tô tentando escrever na minha tese uma parte que tenta defender a ciência (com C maiúsculo) desse tipo de “interferência”.

Bom, 2013 tem mais. Feliz ano novo pra vocês!

3 pensamentos em “Os livros que eu ganhei de natal. E vocês, ganharam qual?”

  1. Caro Moreno,
    Gostei muito do livro sobre Ex-libris que vc ganhou de presente. Se você desejar posso enviar para ti, alguns ex-libris bem interessantes. A propósito, na biblioteca do MNBA possuímos 2 catálogos sobre ex-libris: 1ª EXPOSIÇÃO BRASILEIRA DE EX-LIBRIS. RIO DE JANEIRO, 1942 e
    SOCIEDADE DOS ARTISTAS NACIONAIS. SEGUNDA EXPOSIÇÃO BRASILEIRA DE EX-LIBRIS. RIO DE JANEIRO, 1948.
    Devido as obras de reforma no setor não estou tendo acesso aos catálogos, mas assim que liberar posso pegar para vc dar uma olhada.
    Grande abraço,

    Mary

Deixe uma resposta