Resumão do dia do bibliotecário

Introdução da Marcela, que tá mantendo um blog bem legal

Toda profissão deve ser valorizada e datas comemorativas são importantes como marcos em nossas vidas. Servem de guia para refletirmos sobre o que se passou e o que virá a seguir. Por isso, acho que muito mais do que flores e gratificações, o importante mesmo é refletirmos conscientemente sobre o que significa ser um profissional bibliotecário hoje. O que significa em nossas vidas ser um profissional. E o que teremos construído no final dessa jornada

seguido por uma chamada às armas, articulada pela máquina de ideias Jonathas

Na data alusiva ao bibliotecário (12 de março) é muito comum que comemoração e reflexão (esta mais pontual e superficial) seja realidade latente. No entanto, falta o crucial: propor e desenvolver novas ações para o desenvolvimento político da área que, embora crescente, ainda padece de ações mais continuadas e consistentes para/com a sociedade. Esta percepção propositiva e de ação continuada chamarei de “campanhar”.

entremeios, gente que é ao mesmo tempo reconhecidamente bad vibe e as melhores bibliotecárias que eu conheço, achando que não havia nada a celebrar

Marina

Mas que saco de dia de bibliotecário! Coisa mais irrelevante

LuGrings

Sobre o dia de hoje: obrigada pelas lembranças, mas não me sinto com ânimo para comemorar nada. Todo dia me sinto um pouco violentada nesta cidade e neste mundo, tamanha a falta de civilidade, de educação, de respeito à cidade e ao próximo. Todo dia tenho medo de ouvir alguma gracinha indevida e desrespeitosa. Todo dia convivo com dificuldades no trabalho, dificuldades no caminho pro trabalho, vejo gente com dificuldades pessoais oriundas de seus meios de origem. Vejo gente em condições impróprias de sobrevivência, enquanto um bando de corruptos, inaptos, incompetentes e canalhas, eleitos por uma maioria ignorante e vendida por uma cesta básica ganham rios de dinheiros e riem da nossa cara, nós que tocamos esse elefante branco e sem salvação, onde esperto é o babaca que faz uma conversão proibida e otária sou eu que cobro que este merda deveria ser multado.Desculpe, mas não tenho muito o que comemorar.

gente que é too cool to care, feito Dora

Sobre hoje, colegas: whatever

porque a Dora é cool de verdade e pode, eu e o Caruso não, apenas cool wannabes

Passou o dia nacional da vergonha profissional alheia

gente que é reconhecidamente alto astral e que resolveu arregaçar mangas para tornar uma mentira em algo que é possível que se torne uma verdade, como Murakami

Dia do bibliotecário: O resultado que mais gosto da profissão de bibliotecário é saber que aceleramos o desenvolvimento do País, seja colaborando com a ciência, seja incentivando hábitos de leitura ou até acelerando o crescimento econômico por sua atuação em empresas. Gosto de saber que ajudamos a construir uma sociedade mais bem informada e por consequência, melhor para todos viverem.

gente que tem muita história de trabalho pra contar e ofereceu um relato sincero sem tornar tudo uma catarse coletiva,
tipo Soraia

Hoje, Dia do Bibliotecário (a) no Brasil, quis somente destacar que jamais me arrependi da escolha que fiz. A Biblioteconomia me deu muito, apesar de algumas vezes também ter gerado dores. Mas trouxe experiências ricas, trabalhos desafiadores, conhecimento com pessoas e…oportunidades. Por tudo isso sou grata e continuo motivada como a menina que está contida nesta imagem.

e Sandra

Sou Bibliotecária formada, concursada e atuo em uma Biblioteca Pública onde não tenho autonomia para fazer nada, não tenho direito a opinar, não sou ouvida, não sou consultada e fazem o que querem da Biblioteca Municipal, tenho de ver e ouvir passivamente tudo que decidem fazer sem poder intervir ou, evitar que falhas graves sejam cometidas.

gente que pensa antes de falar e fala sem precisar pensar, que decidiu mostrar que os bibliotecários também amam (e me deu a ideia de criar uma série dos momentos mais emocionantes em bibliotecas, em breve), feito Gustavo

Uma das inesquecíveis experiências que tive como bibliotecário foi auxiliar um senhor “que tinha problema de vista” a encontrar a nomeação do filho dele no diário oficial. Ele ficou tão feliz que eu fiquei feliz de contribuir com aquilo.

gente que prefere trabalhar no dia do bibliotecário do que tirar folga, e coberto de razão, tipo Wyse

por um dia do bibliotecário comemorado sem palestras

gente que faz a gente ver que um monte de gente tem o mesmo problema que a gente, tipo Gisela

Inspirado no post de ontem, qual é a frase senso comum que vc mais ouve quando conta a alguém o que vc estuda/trabalha?

e gente que decidiu resgatar sua lembrança mais terna com a bibliotecária de óculos e coque, como o Ruffato

Ao me observar sempre por ali, quieto, sem nada fazer, a mulher de óculos e coque que permanecia sozinha atrás de um longo balcão, rodeada de livros, pensou talvez que eu quisesse fazer um empréstimo, mas que, por algum motivo, timidez talvez, não tivesse coragem de me dirigir a ela. Então, tomando a iniciativa, me chamou, colheu alguns dados, preencheu uma ficha, colocou um livro em minha mão e disse: Leve, leia e devolva daqui a cinco dias… Em pânico, não contestei. Enrubescido, peguei a brochura, coloquei na pasta e deixei rapidamente a biblioteca.

Tudo isso coroado pelas maiores homenagens que poderíamos receber, Armandinho, Cansei de ser gato e The Noite

6 pensamentos em “Resumão do dia do bibliotecário”

  1. Pélamordedeus!!!! Sinceramente vcs acharam que o “The Night” homenageou os bibliotecários? Pra mim eles ridicularizaram o fato de existir um dia pra “isso”!!!

    Querem ver uma homenagem? http://youtu.be/sm4KDyO3WP4

    Pelo menos sabem que a falta de bibliotecas e profissionais contribui para a ignorância do povo!

    Vergonha!

    1. Concordo com a Diana! Assumir que o “The night” prestou uma homenagem à Classe Bibliotecária e citá-los dentre pessoas sérias é reforçar estigmas e se desvalorizar enquanto profissional. Eles não me representam! Nesse caso, a ignorância e a jocosidade que demonstraram é um desserviço à Profissão. Caberia, inclusive, um posicionamento do CFB, no sentido de esclarecê-los em relação a alguns aspectos abordados de forma tão tosca.

  2. A Biblioteconomia é linda e essencial, só é oferecida se maneira superficial e aplicada de maneira mais superficial ainda… certamente com exceções.

    “O Google te dá 100mil resultados e um bibliotecário te dá a certa” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk (piada, só pode)

    das poucas profissões que se valoriza simplesmente por existir e não por ser relevante efetivamente.

    por um dia do bibliotecário sem palestras (Wyse sensacional) e sem auto-lembrança, vamos deixar que os outros lembrem, mas pra isso a gente precisa fazer o proposto bem feito e ser relevante

  3. Opa, Rodrigo, mais um resumo bom pra entrar na lista!
    O desconforto que senti neste dia com tanto profissional se auto elogiando e descrevendo seu trabalho indispensável não tem nem tamanho. E deu até um pouco de vergonha alheia.
    Gente, exigir um posicionamento sério do Danilo Gentili é até inocência…

  4. Olá Gabriela! concordo com você em relação a “exigir um posicionamento sério do Danilo Gentili é até inocência”. Porém, também não podemos ser inocentes a ponto de corroborar com a ignorância e jocosidade dele em relação ao que foi veiculado em cadeia nacional sobre a profissão de Biblioteconomia. Ao contrário, precisamos estar atentos, exercer a autocrítica e ter dignidade profissional, rompendo com estigmas que, dessa forma, nós mesmos ajudamos a propagar. Atentemos para a questão de que não podemos ser inocentes em relação a quem quer que seja quando somos tratados de forma tosca, tacanha, estigmatizada. Ou, que profissionais somos nós, tão propositadamente “inocentes” assim?! Como queremos ser vistos? Como queremos ser tratados? Como queremos ser valorizados e reconhecidos?

Deixe uma resposta