Como criar um poster para conferências e congressos

Paula Macedo, que é bibliotecária e/ arquiteta de informação compartilhou nas interwebs o poster que apresentará no IA SUMMIT, e eu me recordei que foram poucas as vezes, nos congressos que participei, que vi um poster tão decente e tão bem desenhado quanto o dela.

poster congresso

Como a maioria dos pesquisadores e pessoas que apresentam trabalhos em eventos, não sou designer, nem trabalho com UX (como a Paula), então o que podemos fazer para impedir ou minimizar o impacto dos nossos posters com padrão de apresentação sofrível?

Pois bem, um poster de grande formato nada mais é do que um grande pedaço de papel (ou monitor de tv) que serve para comunicar a sua pesquisa em uma conferência, geralmente composto de um título curto, uma introdução para a questão de pesquisa, uma visão geral de sua (nova) abordagem, os resultados relevantes em forma gráfica, alguma discussão esclarecedora dos resultados acima mencionados, uma lista de artigos previamente publicados que foram importantes para sua pesquisa e um breve reconhecimento da ajuda e apoio financeiro que você recebeu. Se todo o texto for mantido a um mínimo, uma pessoa pode (deve ser capaz de) ler totalmente o seu poster em menos de 5 minutos.

Embora você possa ​​comunicar todos os itens acima através de uma palestra de 15 minutos na mesma conferência, apresentar um poster permite que você interaja mais pessoalmente com as pessoas que estão interessadas em seu tópico. Posters também são úteis porque eles normalmente podem ser vistos mesmo quando você não está nas dependências do congresso, e até depois do término do evento, se você encontrar um bom prego e local onde possa pendurá-lo. Além disso, apresentar um poster é bastante recomendado se você não sabe falar bem em público (evidência bastante comum nos congressos, de diferentes áreas).

O melhor conselho que eu posso dar a quem está criando um poster pela primeira vez é descrever as circunstâncias em que um cartaz será visto: algum espaço ou sala quente, barulhenta, congestionada e com má iluminação. As sessões de pôsteres são muitas vezes concomitante com as palestras principais e ou até os coffee breaks, de modo que os participantes estão muitas vezes mais preocupados com a comida do que os trabalhos dos colegas. Mas pode piorar. Os organizadores dos eventos invariavelmente situam seu poster entre dois outros que são infinitamente mais interessantes e melhor elaborados, e em algum momento você será obrigado a permanecer ereto ao lado do seu poster, aguardando que uma comissão avaliadora julgue a qualidade do seu trabalho. Por causa de todas essas situações, o poster precisa ser visualmente interessante se ​​você quiser atrair apreciadores ou telespectadores.

Se você é um posteiro de primeira viagem é de bom grado gastar alguns minutos navegando por posters disponíveis online, só para ver a diversidade de layouts que as pessoas têm usado. Além de uma pesquisa no Google Images (tente pôster congresso, por exemplo), navegue pela coleção de posters da Faculty of 1000 ou do PhD posters. Mas não imite tudo que você vê – a maioria dos posters na internet são horríveis e alguns são possíveis crimes contra a humanidade. Parte do problema é que a maioria das pessoas que acabam em disciplinas que exigem posters (hard sciences, engenharias, saúde, etc) nunca são devidamente treinadas na maioria dos conceitos básicos de tipografia, escolha de cores e layout de página. Independentemente da causa, evite modelar seu design do poster sobre outros já publicados na internet (veja abaixo alguns posters que eu selecionei como exemplos de design e concepção, e esses sim, podem servir de modelo).

Ao contrário de um artigo, um poster pode adotar uma variedade de layouts, que usam como base gráficos e fotografias. Na verdade, você provavelmente não quer que seu poster se pareça com qualquer outro poster na sala. Enquanto você manter o espaço em branco suficiente, os alinhamentos de coluna de forma lógica e fornecer pistas claras para seus leitores sobre como eles devem percorrer os elementos de seu poster, você pode e deve ser criativo. Como esse aqui abaixo:

poster conferencia

Que seções incluir e o que eles devem conter?

Título: deve transmitir brevemente o “problema”, a abordagem experimental e o sistema em questão (ex. organismo, planeta, serviço, biblioteca, etc). Precisa ser atraente, a fim de cativar transeuntes desligados [aproximadamente 1-2 linhas]

Resumo: não inclua um resumo em um poster. Se por algum motivo você for forçado a incluir um resumo no seu poster, obedeça a essas regras. Mas saiba que o poster é um resumo de sua pesquisa, por isso é um desperdício de espaço ter um resumo do resumo. Mas é comum a confusão sobre isso: se você for apresentar seu poster em um evento, provavelmente será solicitado a enviar um resumo. Mas esse resumo é para inclusão nos anais ou catálogo do congresso e não para aparecer espremido no poster.

Introdução: faça com que o visualizador se interesse no problema ou questão usando o mínimo de informação conceitual e definições. Rapidamente coloque a sua questão no contexto da literatura primária publicada, então apresente uma nova hipótese interessante. Em seguida você pode descrever (brevemente) a abordagem experimental que testou sua hipótese. Ao contrário de um artigo, a introdução de um poster é um lugar apropriado para colocar uma fotografia ou ilustração que comunica algum aspecto de sua pergunta de pesquisa [cerca de 200 palavras].

Materiais e métodos: Faça uma breve descrição dos equipamentos e procedimento experimental, mas não com o detalhamento usado para um artigo. Utilize figuras e fluxogramas para ilustrar o delineamento experimental. Se possível, inclua uma fotografia ou desenho rotulado do organismo ou da configuração. Mencione as análises estatísticas que foram usadas ​​e como isso lhe permitiu abordar hipótese [cerca de 200 palavras]

Resultados: Em primeiro lugar, mencione se o seu procedimento experimental efetivamente funcionou (por exemplo, “90% das aves sobreviveram…”). No mesmo parágrafo, descreva brevemente os resultados qualitativos e descritivos (por exemplo, “as aves sobreviventes apresentaram letargia e tiveram dificuldade em localizar sementes”). Para dar um tom mais pessoal ao seu poster, no segundo parágrafo, comece a apresentação da análise de dados que aborda mais especificamente a sua hipótese. Utilize gráficos ou imagens como apoio. Forneça legendas autoexplicativas para as figuras (ou seja, capazes de transmitir alguma ideia para o leitor mesmo que ele ignore todas as outras seções, o que eles normalmente fazem). Você pode também incluir tabelas com legendas, mas opte por figuras sempre que possível. Esta é sempre a maior seção (exceto se você não possui dados). [cerca de 200 palavras, sem contar as legendas das figuras]

Conclusões: Relembre o leitor do resultado maior e rapidamente indique se sua hipótese foi confirmada. Tente convencer o visitante o por que esse resultado é interessante. Afirme a relevância de seus resultados com outros trabalhos publicados e a aplicação no mundo real. Indique as direções futuras. [cerca de 200 palavras]

Literatura citada: siga o formato descrito por sua área de pesquisa (a polícia bibliográfica de algumas conferências vai encontrar até mesmo as pequenas infrações, fique atento). Procure citar sempre outros trabalhos acadêmicos e publicações de periódicos científicos reconhecidos. [5-10 citações]

Agradecimentos: agradeça indivíduos por contribuições específicas (consultoria estatística, assistência laboratorial, comentários sobre as versões anteriores do poster, etc). Mencione quem concedeu financiamento. Não se exceda nos títulos das pessoas (João da Silva pode funcionar melhor do que Dr. Silva). Também inclua nesta seção divulgações explícitas para quaisquer conflitos de interesse e de compromisso. [cerca de 40 palavras]

Mais informações: se você mandou bem, alguns visitantes vão querer saber mais sobre a sua pesquisa e você pode usar esta seção para fornecer seu endereço de e-mail, o endereço do site, ou talvez uma URL, onde eles podem baixar uma versão em PDF do poster ou dados relevantes. Apenas certifique-se de editar a URL (não precisa ser azulada ou sublinhada. Utilize um encurtador).

Alguns dias antes da apresentação solicite que algumas pessoas critiquem seu poster, preferencialmente quando você não estiver presente (se você estiver por perto elas vão dizer “está muito bom!”). Peça-lhes para deixar as suas sugestões anotadas, levando-os a comentar sobre o conteúdo, contagem de palavras, o fluxo da ideia, a clareza das figuras, o tamanho da fonte, ortografia, etc. Você pode imprimir uma versão em miniatura de seu poster. Se você tiver acesso a um projetor, exiba o seu cartaz em uma tela grande e peça às pessoas para indicar na tela suas sugestões (mais uma vez, você deve estar em outro lugar, elas podem deixar post-its colados).

Outra maneira de solicitar comentários é converter o poster a um JPG e postá-lo no Twitter, Facebook ou no grupo Pimp My Poster do Flickr, e depois esperar pelas sugestões (“queridos amigos, por favor, me ajudem a tornar meu poster menos horrível. Comentários serão apreciados”).

SOFTWARES DE EDIÇÃO
Posters exigem visualização e impressão em grande formato, então você precisará de um programa específico para isso. A melhor saída é encontrar algum amigo designer que fará o processo de criação em softwares gráficos como Corel, Photoshop, Illustrator, Inkscape. Você pode tentar um software exclusivo para confecção de posters, como PosterGenius, Scribus ou até mesmo LaTeX, mas todos são bastante complicados.

Por sorte, a maioria das conferências hoje em dia solicita apenas a versão digital do poster, já que a apresentação deles é feita (horizontal ou verticalmente, verifique antes com a organização do evento) em telas de tv ou monitores de muitas polegadas. Sendo assim, a maneira mais simples é confeccionar o poster no próprio Power Point, Keynote ou Draw.

TEMPLATES
Você pode buscar por templates na internet ou utilizar os modelos abaixo (Microsoft PPT). Basta ajustar as dimensões na área de configuração do Power Point para que você tenha um modelo do tamanho que deseja (as conferências geralmente especificam o tamanho dos posters). Depois que o tamanho for corrigido, basta substituir o “blá, blá, blá” com seu próprio texto, adicionar alguns gráficos e está feito.

Aqui você encontra 5 tipos diferentes de templates, horizontais e verticais. Cada um deles evidencia melhor uma determinada área, alguns com três, outros com mais colunas. Escolha aquele que melhor se adequa ao conteúdo que você pretende apresentar. Clique sobre as imagens para baixar o arquivo template do Power Point.

1.

2.

3.

4.

5.

O QUE FAZER E O QUE NÃO FAZER
Algumas referências interessantes:
Como fazer um pôster para um Congresso
Como fazer um pôster científico
Preparando um pôster para conferência
Designing conference posters
Michael Barton’s poster tips
Conference posters
Speaking guidelines

INSPIRAÇÃO
Alguns posters que humilham a humanidade científica no quesito design:

Todos os posters acima criação do português Osvaldo Branquinho

Projeto acima de Cátia Costa

[tradução adaptada do post original de Colin Purrington “Designing conference posters“]

12 pensamentos em “Como criar um poster para conferências e congressos”

  1. Muito bom. Desconheço documentos que fornecem estas dicas. Existe até uma norma da ABTN NBR 15437 mas não resolve muito coisa. Parabéns pelo texto.

  2. Valeu Moreno! Só hoje vi esse seu post e agradeço muito. 🙂
    Bom, como conto lá no blog de Ai, http://arquiteturadeinformacao.com/ia-summit-2/pre-historia-da-internet-e-redesenho-do-portal-terra-duas-apresentacoes-brazucas-na-poster-night-do-ia-summit-2014/
    eu tive ajuda de uma aluna de biblio a Larissa Braga – talentosa ilustradora (https://www.flickr.com/photos/lari58)- e também do Seth Perez, que já está muito acostumado a fazer infográficos aqui na INSITUM.
    Eu também não tenho muita facildade para o lado do design, estou sempre apanhando, mas concordo com você, seguir um roteiro ajuda muito.
    No caso desse infográfico do Paul Otlet, nós três sentamos um dia em um café e conversamos sobre o que gostaríamos de fazer no infográfico,quais seriam os blocos de informação e depois trabalhamos a distância e o resultado final foi bem bacana.
    O Seth fez um modelinho de como foi esse processo, e lá tem o wireframe do infográfico, parecido com esses que você colocou neste post.
    http://minalab.insitum.net/2014/03/wireframes-para-hacer-infografias-una-metodologia-paso-a-paso/
    O infográfico completo está no Dropbox, para quem tiver interesse em ver o Mundaneum sob outra perspectiva 😉
    https://www.dropbox.com/s/p8qh05iuuzuzks0/Mundaneum_How%20Hypermedia%20by%20Paula%20Macedo-11-abr-v3.pdf

Deixe uma resposta