As mulheres brasileiras e sua literatura gostosa… de ler!

Desculpem o trocadilho, mas o assunto é sério: a literatura produzida pelas mulheres brasileiras atualmente é muito gostosa de ler! Ela é tão, tão, tão gostosa que não queria parar de ler, situação que motivou o atraso desta postagem que deveria ter sido feita no Dia Internacional da Mulher.

Ficou para os últimos minutos do mês da mulher.

A ideia de escrever sobre o tema estava em mente desde o ano passado, mas como havia lido um número pequeno de romances ou livros de contos de “novas” autoras nacionais, nada aconteceu, mas o fato que deu início à saga foi a leitura de um artigo no blog de literatura Posfácio, onde o colunista falou da campanha mundial traduzida aqui com o horroroso #LeiaMulheres2014.

Não estou menosprezando autoras consagradas como Clarice Lispector, Hilda Hilst, Raquel de Queiroz, Maria José Dupré, Ana Maria Machado, Lygia Fagundes Telles, Maria Carolina de Jesus ou autoras com obras já consolidadas e amadas como Martha Medeiros, Cíntia Moscovich e Lya Luft ou mesmo a multimidiática Thalita Rebouças e a Paula Pimenta, estas últimas best-sellers infantojuvenis.

Meu objetivo é tornar mais conhecidas entre os profissionais (torço para que conheçam!) e leitores do blog algumas boas escritoras que podem ser indicadas e lidas, ampliando o leque de leituras para além das autoras internacionais que infestam o mercado literário nacional.

Antes de começar, eu admito, eu sou muito influenciado por aquele maldito discurso do Ortega y Gasset a respeito da Missão do Bibliotecário….

De antemão, informo que as escolhidas escrevem de forma um tanto diferente uma das outras, com estilos bem diferentes e humores idem. Mas vamos a quem interessa: elas e suas obras!

Começo com uma escritora que conheci pessoalmente em meados de 2005, mas cujo primeiro foi lido somente agora.

Ana Paula Maia, nascida no Rio de Janeiro, é autora dos romances O habitante das falhas subterrâneas (7 letras, 2003) e A guerra dos bastardos (Língua geral, 2007). Em 2006 publicou o primeiro folhetim pulp da Internet brasileira em 12 capítulos. Tem contos publicados em diversas antologias, entre elas 25 Mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira (Record, 2004) e Sex´n´Bossa (Mondadori, Itália, 2005).

degados

De gados e homens (Record, 2013), é seu último romance (é uma novela, pois tem apenas 124 páginas) e é simplesmente devastador. Ana Paula conta o dia-a-dia de trabalhadores em um abatedouro em algum canto do país (o local me lembra muito o interior de Mato Grosso do Sul, lugar onde tenho um primo que trabalha em um abatedouro) sem fazer concessões. É um livro para os fortes e depois de lê-lo você vir a desistir de comer um bom hambúrguer!

[Pô, tive de comprar]

 

Tatiana Salem Levy, é escritora, tradutora e doutora em Estudos de Literatura. Publicou o livro A experiência do fora: Blanchot, Foucault e Deleuze (Relume Dumará) e contos na revista Ficções 11 (7Letras) e nas antologias Paralelos (Agir) e 25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira (Record). A chave de casa, seu romance de estréia, foi publicado primeiramente em Portugal, pela editora Cotovia.

chavedacasa

A chave da casa (Record, 2007) foi seu romance de estréia e já chegou provocando. Composto de pequenos capítulos (moda na literatura brasileira atual) em narrativa não linear, este livro de tom autobiográfico consegue ser terno, histórico e radical, pois cada em capítulo um momento da vida da personagem é contado, e ela passeia por Portugal, Turquia, Rio de Janeiro, Estados Unidos e por sua cama…. e por falar em cama há trechos quentes, que podem interessar àqueles que curtem uma pegada mais sensual. Mas também há um trecho de tortura (sim, a mãe da personagem viveu a Ditadura brasileira).

[Disponível em várias Bibliotecas Municipais de São Paulo e Biblioteca de Niterói]

 

Carola Saavedra nasceu em Santiago do Chile, em 1973, e veio com a família para o Brasil três anos depois. Morou na Alemanha, onde concluiu um mestrado em comunicação, e também na Espanha e na França. Hoje vive no Rio de Janeiro e é escritora e tradutora. Em 2005, publicou o livro de contos Do lado de fora (7Letras, 2005). Recebeu o prêmio APCA de melhor romance pelo livro Flores azuis (2009). Está entre os vinte melhores jovens escritores brasileiros escolhidos pela revista Granta.

todaterca

Toda terça (Companhia das Letras) é um livro escrito a partir de um Divã, local onde dois personagens, uma mulher e um homem, contam seus encontros e desencontros amorosos. Ou seja, aparentemente um livro simples e tradicional mas muito bem escrito.

[Disponível em várias Bibliotecas Municipais de São Paulo e Biblioteca Parque de Manguinhos]

 

Adriana Lisboa começou oficialmente sua carreira em 1999, com a publicação do romance Os fios da memória, ao qual se seguiram outros quatro: Sinfonia em branco (2001), que a levou a ser apontada pela crítica como uma das mais importantes revelações da nova literatura brasileira, Um beijo de colombina (2003), Rakushisha (2007) e Azul-corvo (2010). Em 2004 lançou uma coletânea de contos curtos e poemas em prosa, Caligrafias, com desenhos originais de Gianguido Bonfanti. Em 2007 publicou a novela O coração às vezes para de bater, adaptada para o cinema por Maria Camargo. Sua obra se completa com três livros infanto-juvenis: Língua de trapos (2005), A sereia e o caçador de borboletas (2009), ambos ilustrados por Rui de Oliveira, e Contos populares japoneses (2008), ilustrado por Janaína Tokitaka.

Capa Sinfonia em branco alta.indd

Sinfonia em branco (Alfaguara, 2011) se encontra entre os livros mais belos e trágicos que já li. Do ponto de vista de beleza ele me lembrou muito alguns trechos de “Reparação” do Ian McEwan um dos livros que indiquei outro dia como um dos dez melhores que já li. Alguns silêncios parece que gritavam mil palavras enquanto lia. Já o trágico lembrou-me “Os sofrimentos do jovem Werther” do Goethe. Me recuso revelar a história, mas apesar da leveza da escrita o livro é tão pesado quanto o da Ana Paula Maia.

[Disponível na Mário de Andrade e Biblioteca de Niterói]

 

Luisa Geisler nasceu em Canoas (RS), mas passa dois terços de seu tempo em Porto Alegre, estudando Relações Internacionais. Contos de mentira é seu livro de estreia, mas conquistou o prêmio Sesc de literatura. Para alguém que nasceu em 1991, não é pouco o que já fez: ganhou prêmios literários, publicou contos em antologias, revistas e na internet, traduziu, lecionou inglês, arrancou os sisos, tentou fugir de casa, estudou cinco idiomas estrangeiros e somou outros tantos feitos afins.

Quica

Quiçá (Record, 2013) é o segundo livro da jovem autora e nele ela demonstra muita habilidade para misturar vários momentos em um único capítulo do livro, ou seja, ela utiliza a narrativa não linear que cai muito bem nos dois jovens personagens principais, os primos Clarissa, de 11 anos, e Arthur de 18 anos, onde o segundo, após uma tentativa de suicídio, vai morar com a família da garota. Mas o grande problema de convivência não será entre os dois jovens tão diferentes entre si, mas sim com seus pais, família e porque não com a sociedade. Vale muito a pena ser lido!

[Disponível na Mário de Andrade – Circulante, Biblioteca de São Paulo e Biblioteca de Niterói]

 

Vanessa Bárbara nasceu em 1982, é jornalista e escritora. É colunista do International New York Times e da Folha de S.Paulo. Publicou o romance Noites de alface (Alfaguara, 2013), a graphic novel A máquina de Goldberg (Quadrinhos na Cia., 2012, em parceria com Fido Nesti), o livro-reportagem O livro amarelo do terminal (Cosac Naify, 2008, Prêmio Jabuti de Reportagem), o romance O verão do Chibo (Alfaguara, 2008, em parceria com Emilio Fraia) e o infantil Endrigo, o escavador de umbigo (Ed. 34, 2011). É também tradutora e preparadora da Companhia das Letras. Ela contribui para o blog com uma coluna mensal.

Capa Noites de alface.indd

Noites de alface (Alfaguara, 2013) é delicioso. A história dos dois velhinhos do bairro do bairro do Mandaqui em São Paulo (não, o livro não se passa no Mandaqui, mas tudo leva a crer que sim, pois é o bairro onde a autora mora e idolatra) me fez rir à toa em vários momentos. Em seguida, com um deles sozinho após a partida de um deles, certa melancolia toma conta da obra, mas mesmo assim o humor (mesmo que negro) é visível a cada momento até o desfecho inesperado. Recomendo, e dou meu exemplar de presente para quem lembrar de algo que ligue ela aos bibliotecários e bibliotecas…. (risos sarcásticos).

[Pô, tive que comprar] 

 

Beatriz Bracher nasceu em São Paulo, em 1961. Formada em Letras, foi editora da revista 34 Letras, de literatura e filosofia, e uma das fundadoras da Editora 34, onde trabalhou por oito anos. Sua experiência com cinema inclui o argumento do filme Cronicamente inviável (1994), co-autora do roteiro premiado do longa-metragem Os inquilinos (2009), pelo o qual ganhou o prêmio de “Melhor Roteiro do Festival do Rio”, ambos em parceria com Sérgio Bianchi e co-autora do roteiro de O abismo prateado (2011), longa-metragem de Karim Aïnouz, selecionado para a Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes. Sua estréia como escritora de livros foi em 2002, com o romance Azul e dura. Em 2009, lançou seu primeiro livro de contos, Meu amor, vencedor do Prêmio Clarice Lispector, da Biblioteca Nacional.

meuamor

Meu amor (34, 2009) é a obra da autora mais experiente da lista, mas não a considero tão conhecida, por isso, entrou na lista. Também a conheço, pois fiz uma visita monitorada especial para ela na Biblioteca Mário de Andrade quando trabalhava lá, e admito que parecia que andava com uma nobre de alguma corte inglesa ao mesmo tempo que ela ria de alguns comentários deste bobo. Mas deixemos minha paixão platônica de lado: a obra traz alguns contos de alguém com severo olhar crítico e ao mesmo tempo amoroso sobre o viver no Brasil hoje. Do ponto de vista privilegiado de alguém ligado a famosa classe média brasileira é incrível a sensibilidade para escrever algo como o trecho abaixo:

Estava parada em um engarrafamento, no final de um dia poluído. O homem surgiu e bateu na janela com uma arma preta. O movimento de sua boca berrava e a voz chegava baixa. Passa o dinheiro, passa o dinheiro ou vai morrer. Agora, abre a janela, agora, agora, ou vai morrer, ou vai morrer. Olhava louco para mim, olhava louco para mim. Ou vai morrer, ou vai morrer. Olhava sua boca, seus olhos, a arma preta, a aflição e a raiva e me convencia que era cinema. Não tentei explicar-lhe, ele entenderia. O vidro blindado transformava sua ação, eu podia olhar, observar os detalhes de sua roupa, a língua escura e o tamanho pequeno das mãos agarrando a arma preta. A arma preta apontada contra meus olhos, o canal oco da arma preta tremendo, argumento claro, abre, sua vaca, eu vou atirar. Minha curiosidade apática minava sua decisão, o argumento oscilava.
O rapaz entendeu sua impossibilidade, titubeou, apoiou as mãos no vidro, uma fechada na arma, aproximou o rosto e cuspiu minha morte mais uma vez. Eram de um animal os olhos, a palma da mão suada e a saliva. Furioso, enjaulado, um fila brasileiro latindo e pulando atrás das grades enquanto caminhamos na calçada. Ele segurou a arma com as duas mãos e mirou meu rosto. Eu mirava calma e hipnotizada, intrigada com o fim.
Um frio monstruoso me sobe do estômago e para meu coração. Hoje é dia de rodízio, eu não estou no blindado. Meus olhos pulam de horror, as mãos crispadas na boca aberta e hirta, sem qualquer possibilidade de voz, pedi piedade. Ele entendeu e riu. Num só golpe, quebrou o vidro com a mão da arma, esmurrou meu rosto e sumiu deixando o revólver de brinquedo no meu colo manchado com o nosso sangue.

[Disponível em várias Bibliotecas Municipais de São Paulo, Biblioteca de São Paulo e Bibliotecas Parque de Manguinhos e Niterói]

 

Natércia Pontes é uma escritora nascida em Fortaleza, filha de Augusto Pontes, ex-secretário da Cultura do Ceará. Estudou Radialismo no Rio de Janeiro. Mudou-se em 2007 para São Paulo.

Copacabana-dreams

Copacabana Dreams (Cosac Naify, 2013) é o primeiro livro oficial da Natércia e é outra daquelas obras que te faz rir sozinho, mas não só, pois há alguns contos, todos ambientados no Rio de Janeiro (de novo!), trágicos ou que demonstram algumas realidades deste lugar emblemático da cidade maravilhosa. Recomendo a leitura de um conto interessante sobre culinária (spoiler: a personagem frita uma parte de seu próprio corpo). O design do livro também se destaca, pois todos os textos são acompanhados por letras e formatação individualizadas! Acompanho a autora no Twitter e suas tuitadas também são bem humoradas, como são muitas das postagens e textos da Vanessa Bárbara que sigo no Facebook.

[Disponível na Mário de Andrade – Circulante]

 

Veronica Stigger, gaúcha radicada em São Paulo desde 2001, é doutora em história da arte, crítica de arte e professora universitária. Defendeu tese sobre a relação entre arte, mito e modernidade, enfatizando as obras de Kurt Schwitters, Marcel Duchamp, Piet Mondrian e Kasimir Malevitch. Em seu pós-doutorado estudou, entre outros, os artistas brasileiros Maria Martins e Flávio de Carvalho. Seu primeiro livro, O trágico e outras comédias, foi publicado pela editora portuguesa Angelus Novus, em 2003 e, no Brasil, pela 7Letras, em 2004. Pela Cosac Naify, publicou Gran cabaret demenzial (2007) e Os anões (2010). Alguns de seus contos foram traduzidos para o catalão, o espanhol, o francês e o italiano.

Anoes

Os anões (Cosac Naify, 2010) deve ser o mais radical dos livros indicados até aqui. Os pequenos textos, pequenos como a própria obra, são repletos de violência, como o conto do título que pode ser lido online (aqui). Apesar da forma literária de escrever os textos deixam bem claro como a violência está em todo lugar no mundo contemporâneo.

[Disponível na Biblioteca de São Paulo e Mário de Andrade – Circulante]

 

Helena Terra é jornalista e escritora, ilustradora e artista plástica. Nasceu em Vacaria (RS), mas mora em Porto Alegre. Participou de oficinas literárias e publicou contos.

condicaoindestrutivel-280

A condição indestrutível de ter sido (Dublinense, 2013) é a estréia da autora na narrativa longa. Última obra descoberta e lida em algumas horas de tão instigante e trata de uma blogueira que se apaixona desesperadamente por um comentarista de seu blog. O grande mérito do livro é sua atualidade, pois via literatura nos faz pensar sobre as novas formas de conhecer e amar, mas que mantem os mesmos problemas de sempre: pode dar certo ou pode ser uma grande ilusão. Há trechos de poesia pura, e momento interessantes onde os personagens parecem se transformar em textos, como no último trecho que transcrevo, veja:

Em menos de um mês, de blogueira passei a ser o mais colorido, incomensurável e perfumado vaso humano.

Escapavam-me doses extravagantes e tumultuadas de ciúmes pelos dedos.

Na primeira vez em que ele escreveu Nós vamos nos misturar feito letras em uma palavra, vi os seus dedos, as falanges, as suas unhas em ação.

[tive de comprar o livro eletrônico na Amazon, saiu por R$13,00 contra R$29,90  em papel e mesmo assim teria que trazer de outro Estado]

 

O fato triste na coisa toda é que alguns destes livros não fáceis de encontrar em Bibliotecas Públicas, tanto que não encontrei o livro que queria de outra autora nova, a Carol Bensimon. Isso é um grande problema, principalmente para quem não tem recursos, e infelizmente acredito que esse problema vá continuar, pois ainda não se aprendeu a comprar com diversidade ou não há recursos mesmo nas Bibliotecas. Pode ser que alguns destes títulos venham a ser comprados, mas só chegam depois de meses ou até anos, se chegarem, mais um problema, a lentidão.  E por fim, que falta faz um catálogo nacional de  acervos de Bibliotecas Públicas, facilitaria minha vida e evitaria a impressão de bairrismo meu ao colocar só livros encontrados no Rio de Janeiro e São Paulo (deu preguiça de abrir outros catálogos!).

Enfim, pretendo continuar lendo sempre que possível alguma nova autora brasileira, agora de preferência de fora do eixo sul-sudeste e também das quebradas (ou periferias), e claro, aceito dicas.

Autor: William Okubo

Paulistano, bibliotecário, maltrapilho e inconformado. Metido a escrever poesia, crônicas. Coleciona marca-páginas e burradas.

23 pensamentos em “As mulheres brasileiras e sua literatura gostosa… de ler!”

  1. Registraria também a Fernanda Torres, que apesar de se uma atriz consagrada, escreveu seu primeiro romance “FIM” recentemente e é um sucesso de crítica e público. Abraços

    1. Eu selecionei o livro “FIM” da Fernanda Torres e li vários trechos e achei até bem bacana, mas como já havia lido vários textos onde a história se passava no Rio de Janeiro, como no livro dela, deixei de fora da lista.
      Em linhas gerais achei que ela escreve bem, apesar de exagerar um pouco na linguagem chula, mas dado o contexto da obra não poderia ser diferente. Ela usa uma linguagem bem parecida com a do Reinaldo Moraes em um livro chamado Pornopopéia, este ambientado em São Paulo.
      Enfim, está posto na lista.

      Leandro, Valeu pela participação!

  2. Olha só, eu me propus o desafio de ler mulheres em 2014 sem nem saber dessa campanha #leiamulheres2014! Adoro essas coincidências. Adorei as dicas também, já estou acrescentando à minha lista 🙂

  3. Faltou Andrea del Fuego!!!
    Vale contar com as bibliotecas do SESC, que apesar de você não conseguir consultar online o que está disponível no acervo =/, tem como uma das linhas para aquisição a literatura contemporânea!!! =)
    Por isto vou aproveitar sua seleção para comprar o que ainda não temos por lá!!!
    Ótimo post!!!

    1. Madalice,
      Olha que engraçado… no começo do ano, o primeiro livro de mulher que li foi “Os malaquias” do Andrea Del Fuego! Era para ter entrado, mas me esqueci mesmo… hahaha
      Só posso dizer que “Os malaquias” se parece muito com Gabriel Garcia Marquez e seu “Cem anos de solidão”, claro que em menor escala, mas tem claramente um realismo mágico ali, não é não? Já leu?

      Pois é, tenho que ajeitar minha carteirinha do SESC e pegar uns livros que não encontro em outros lugares por aí!!!!

      Pessoal,
      Fica a dica, leiam também este livro da Andrea Del Fuego!

      1. Não conheço “Os Malaquias mas se é parecido com “Cem anos de solidão” vou correndo atrás dele.Eu amo esse homem!
        Obrigada pelas dicas ,William.

        1. Yara, o livro tem algumas semelhanças, claro, mas não alcança um voô tão longo como o maravilhoso Cem anos, mas não parece uma cópia pois tem a cara do interior do nosso país…. Espero que curta! Me diga depois.

  4. William, excelente iniciativa! Santa ignorância, mas nenhum desses livros já li. Mas, quero muito conhecer a produção das escritoras brasileiras. Já anotei as indicações e vou dar maior atenção e procurar ler essas autoras citadas. Acabei de ler o primeiro romance da Fernanda Torres, Fim, gostei muito. Obrigada pelas dicas!

    1. Iza, não se trata de ignorância, o mercado é tão grande e tão variado hoje que só estudando e pesquisando se encontram novas informações, é o ápice do tal excesso de informação!
      Nesse final de semana inclusive li uma reportagem onde autoras choram a falta de oportunidades de publicar, e isso acontece porque não estamos apoiando a contento a bibliodiversidade…

      O artigo citado:
      http://jovempan.uol.com.br/entretenimento/cultura/nem-altos-custos-nem-falta-de-apoio-desestimulam-escritoras-2014-03-15.html

  5. Experimente “A pequena morte e outras naturezas”, de Claudia Lage, contos. Ou o romance “Mundos de Eufrásia”.

    1. Daniel, anotados! O Mundos de Eufrásia passou pela minha mão em uma biblioteca. E é um tema que pretendo ler mais: romances históricos brasileiros. Um novo filão!
      Vou pegar lá na Mário de Andrade aqui em SP!
      Já dá para começar outra lista….

      1. O barato é que Mundos de Eufrásia não é um “romance histórico” no sentido tradicional. A autora faz um trabalho colocando em xeque o que seria o real – ditado pela História, e a ficção. Muito original o livro. Abs.

  6. Will, nem precisa de carteirinha!!! Todas as biblios do SESC emprestam para não matriculados, só trazer RG e comprovante de residência!!! =)

    E não, Andrea está na fila dos “ler urgentemente”…

  7. Só uma correção: Quando vc lista a Adriana Lisboa, está escrito Adriana Falcão na descrição da autora.

    1. Nádia, obrigado pela correção.
      E por acaso, sempre quis ler algo da Adriana Falcão, pois se os livros forem divertidos como os roteiros de A Grande Família, já valerá a leitura.

Deixe uma resposta