DSPACE 4: Vale a pena migrar?

Já faz um tempinho que saiu a versão 4 do DSPACE. Uma nova versão normalmente traz diversas melhorias, porém também é necessário considerar que o DSPACE é um sistema de difícil atualização por conta das customizações necessárias. Este post vai tentar ajudar a refletir sobre a atualização para esta nova versão.

Novidades

Confiram o Release Notes completo. Destes, destaco:

  1. Índices agora estão integrados ao Discovery como padrão: Na versão 3, os índices eram gerados pelo Lucene e a busca usava o Discovery. A argumentação é que o Discovery é mais rápido e ainda fica mais fácil para gerenciar.
  2. Importação utilizando diversos formatos de metadados em lote, como por exemplo bibtex, csv, tsv, endnote e RIS
  3. JSPUI: O JSPUI é a interface que recebeu a maior quantidade de melhorias, como a adaptação ao Bootstrap, processo de submissão que permite uma consulta prévia a bases como a Crossref e PUBMED para importação de parte dos metadados, e interface do SHERPA para exibir a política da revista durante o processo de submissão
  4. Melhoria na ferramenta de EMBARGO
  5. Melhorias para a indexação correta no Google Scholar

O JSPUI já está completamente traduzido, numa tradução que iniciei e foi corrigida e completada pela equipe do IBICT.

Correções

Agora os módulos OAI e SWORD estão funcionando corretamente. Mas versões anteriores apresentavam problemas que foram agora corrigidos.

JSPUI vs. XMLUI

Até a versão 3, é notório que o XMLUI era a interface mais completa do DSpace. Na versão 4, o JSPUI incorporou todas as funcionalidades do XMLUI e ainda trouxe as funcionalidades novas já mencionadas. Neste momento, com todas as funcionalidades e pela facilidade em se trabalhar no desenvolvimento em JSP, eu recomendo a escolha do JSPUI. Mas é claro que esta escolha tem que ser feita levando em consideração a característica da equipe que irá trabalhar no repositório.

Dublin Core

Nesta versão, foi adicionado um novo esquema de metadados Dublin Core, o dcterms. Fiz um gráfico para mostrar as diferenças e semelhanças entre os dois esquemas:

Dublin Core Dspace 4

Para migração de versão, não é necessário usar o novo esquema, dá para optar em manter somente os metadados já definidos.

O processo de migração

Se você vai iniciar um novo projeto, já recomendo optar pelo DSPACE 4.
Mas como a maioria dos casos é de atualização, a recomendação é seguir a documentação.
É importante lembrar que alguns comandos mudaram e é necessário se adaptar. A única consideração importante é que o discovery considera a tabela coluna discoverable da tabela item na indexação. (perdi uma semana para descobrir isso, e impacta diretamente em quantos registros são indexados.)

Lista de discussão

Ainda tem dúvida, poste ela na lista de discussão DSPACE-Brasil que sua dúvida poderá também ser a dúvida de outros participantes da lista, fomentando uma discussão interessante.

Links úteis

Documentação da versão 4
Bootstrap
All About DSpace 4 – Improved Interfaces for Man & Machine

1 pensamento em “DSPACE 4: Vale a pena migrar?”

  1. Com a valiosa ajuda do Tiago Muramaki e do Jan Lara (ambos do SIBi/USP), a PUCRS está fazendo upgrade do sistema DSPACE da versão 1.6.2 direto para a versão 4.1, interface JSPUI.
    Publiquei um breve de relato de como foi realizado esse upgrade e algumas telas da interface, baseada no tema do Cineca.
    A previsão para entrada em produção é o início de junho de 2014:
    https://sites.google.com/site/michelangeloviana/dspace-4-1

    Recomendo a todos essa apresentação do pessoal do CINECA sobre a versão 4.1 do DSPACE e dicas de customizar a interface: http://pt.slideshare.net/DuraSpace/2514-dspace-user-interface-innovation-presentation-slides

Deixe uma resposta