Qual é um bom fator de impacto?

jcr

Não há um número de FI bom ou certo. Para saber se uma revista possui “bom” fator de impacto, basta compará-la com outras revistas dentro de sua categoria de assunto. Quanto maior o fator de impacto, mais bem classificada a revista é. Ou seja, o fator de impacto é apenas um cálculo que permite classificar as revistas em um ranking. Ele pode ser visualizado por meio do Journal Citation Reports.

Abaixo está a tabela 2012 para as revistas da categoria “Information Science & Library Science”, classificadas por fator de impacto (embora seja possível visualizar no JCR outras medidas como o número total de citações, FI de 5 anos, meia-vida e Eigenfactor):

ci if

Atenção: o FI não foi concebido para comparação entre disciplinas. Isso ocorre porque cada disciplina tem um tamanho distinto e diferentes comportamentos de citação (por exemplo, os matemáticos tendem a citar menos, os biólogos tendem a citar mais. A revista PLoS biology, periódico com maior fator de impacto na categoria biologia, tem um FI 2012 de 12.690. Já o Journal of the American Mathematical Society, o periódico com maior fator de impacto na categoria matemática, tem um FI 2012 de 3.567). Veja a tabela com os maiores rankings, dentre todas as categorias combinadas da edição “ciências”:

fator de impacto

A tabela abaixo oferece algum contexto, em termos de quantas revistas atingem os vários níveis de classificação. Ela mostra o número e a porcentagem de revistas as quais foram atribuídas fatores de impacto em 2012, que variam em uma escala de 1 a 30, para ambos os períodos de um ano e cinco anos. Como mostrado, apenas 21 títulos de revistas, ou 0,2% das revistas monitorados pelo JCR, tem um fator de impacto 30 referente ao ano 2012. Apenas 158 revistas têm um fator de impacto 2012 igual ou superior a 10, que representa 1,9% das revitas no topo do ranking do fator de impacto. 8217 revistas têm um fator de impacto 2012 abaixo de 10.

JCR impact factor

Ao calcular o fator de impacto de uma revista se leva em conta o número total de citações recebidas por esta publicação em um determinado ano, englobando os dois anos anteriores, e então dividindo-o pelo número de itens “citáveis” publicados por esta revista naqueles dois anos predecessores (a Thomson Reuters, empresa responsável pela confecção do fator de impacto também oferece uma escala de 5 anos, mas o fator de impacto em escala de 2 anos é o mais decisivo).

FI = (citações recebidas em 2013 para artigos publicados em 2012 + 2011) / (nº de artigos “citáveis​​”, publicados em 2012 + 2011)

O Journal Citation Reports abrange cerca de 10 mil revistas em ciência e tecnologia e cerca de 3 mil periódicos em ciências sociais. É um grande banco de dados, mas ainda cobre apenas uma fração das revistas de pesquisa do mundo. Se uma revista não está no banco de dados JCR (como é o caso de muitas revistas brasileiras, em diversas áreas do conhecimento), não só todas as citações a ela não são computadas pelo FI, mas também são perdidas todas as citações em artigos publicados nesta revista concedidos a periódicos pertencentes à base do JCR. Outro problema é que em função da cobertura ter sido criado nos EUA, o JCR tem um viés de língua inglesa bastante influente.

Contagens de citações surgiram na década de 20 do século passado e foram usadas ​​principalmente por bibliotecários acadêmicos que queriam economizar dinheiro e espaço nas estantes, descobrindo quais periódicos representavam o melhor investimento em cada área. Este método teve um sucesso modesto, mas não ganhou muita força até os anos sessenta. Em 1955, Eugene Garfield publicou um artigo na revista Science, onde discutiu pela primeira vez a idéia de um Fator de Impacto com base em citações. Em 1964, ele e seus parceiros publicaram o Science Citation Index (SCI). Mais ou menos no mesmo período, Irving H. Sherman e Garfield criaram o JIF (Journal Impact Factor), com a intenção de usá-lo para selecionar revistas para o SCI.

Não é necessário enfatizar que o FI deve ser apenas um dos indicadores a serem considerados na avaliação de periódicos. Tanto é que nem todas as áreas do conhecimento da CAPES utilizam o indicador FI para estabelecer o Qualis de suas revistas e muitas áreas o utilizam apenas como um dos indicadores, mas não o único.  

O FI (e por extensão o Qualis) vêm há alguns anos sofrendo críticas em relação a funcionar como medida de avaliação da produção de pesquisadores (brasileiros) pelos órgãos de fomento, e nesse sentido as altmetrics aparecem como substituto óbvio capaz de avaliar a qualidade das publicações e pesquisadores.

3 pensamentos em “Qual é um bom fator de impacto?”

  1. Oi Moreno,
    Interessante o texto, bem como também todos os demais que estão discutindo sobre a importância da Bibliometria, Altmetria.
    Neste sentido, gostaria de contribuir (talvez muitos já conhecem…), sobre outras duas métricas: O SJR (Scimago Journal Rank – http://www.scimagojr.com/index.php) e o SNIP (Source Normalized Impact per Paper-http://www.journalindicators.com/indicators). O primeiro apresenta um portal que com indicadores científicos de países, cujo a fonte de dados é a Base de Dados Scopus (Elsevier B.V.), alem disso é possível vesualizar o ranking de revistas por área, como as publicações em ciência da informação (http://www.scimagojr.com/journalrank.php?area=3300&category=3309&country=all&year=2012&order=sjr&min=0&min_type=cd).
    Já o indicador SNIP é uma fonte normalizada de impacto por publicação, calculado como o número de citações dadas no presente ano para publicações nos últimos três anos, dividido pelo número total de publicações nos últimos três anos. Parece o FI, no entanto, no claculo SNIP são normalizados, a fim de corrigir as diferenças nas práticas de citação entre os campos científicos.

Deixe uma resposta