Maneiras alternativas de gerar métricas alternativas

O legal de pesquisar um tema de ponta é que tudo muda a toda hora e sempre há algo novo a acrescentar. O lado ruim é que a cada dia surgem novas referências que fazem com que sua bibliografia se transforme em uma espécie de gremlim que não para de se reproduzir.

Como pesquisador, há poucas coisas melhores do que vivenciar o tema da sua pesquisa na prática. E é o que vem acontecendo comigo há alguns dias.

Meu tema de pesquisa atual são as métricas alternativas, um assunto que ao mesmo tempo está na moda e não faz sucesso nenhum, dependendo para quem você pergunta. Também conhecidas como altmetrics, as métricas alternativas surgiram como uma resposta à crise da avaliação da pesquisa, representada, entre outros fatores, pelas críticas ao atual modelo de avaliação e premiação de pesquisadores, à exagerada importância e mal-uso do fator de impacto como elemento de avaliação e às mudanças no processo e velocidade da produção e disseminação de resultados de pesquisa devido ao surgimento de novas tecnologias.

Um dos pontos que procuro abordar na minha pesquisa é a dificuldade de gerar métricas alternativas para os artigos publicados em revistas brasileiras de maneira sistemática. Para se ter uma ideia da dificuldade, para gerar métricas a partir da principal ferramenta em uso, o Altmetric.com, é necessário pelo menos que os artigos tenham um identificador único – como o DOI ou PubmedID –, que sejam rastreados pela ferramenta, e que recebam citações de fontes cobertas pela ferramenta, como sites de notícias, blogs científicos, e redes sociais, quase todos internacionais. Infelizmente, a maioria dos periódicos científicos brasileiros não atende a nenhum dos dois critérios.

Mas há caminhos alternativos para que o pesquisador possa ter acesso a algumas métricas alternativas sem depender dos periódicos científicos em que seus artigos são publicados. Recentemente, publiquei um artigo sobre – adivinhe? – métricas alternativas, no periódico Ciência da Informação em Revista, que não tem DOI, e portanto seus artigos não podem ser rastreados pelo Altmetric.com.

Porém, é claro que eu queria saber quantas pessoas leram meu artigo, quem são essas pessoas e onde estão compartilhando essa informação. Por isso, tive que me virar.

Para começar, subi uma cópia do artigo publicado para o Figshare, que automaticamente atribui um número DOI ao documento: http://dx.doi.org/10.6084/m9.figshare.1402366. Os trabalhos publicados no Figshare podem ser automaticamente adicionados ao seu perfil do ImpactStory, uma espécie de currículo virtual onde você reúne todos os links a trabalhos seus em vários formatos (apresentações, vídeos, resumos, artigos) e consulta as métricas de uso, download e compartilhamento de cada trabalho.

impactstory1

Coloquei uma cópia também no academia.edu, onde vários colegas da área e outros pesquisadores interessados podem seguir seu perfil. Infelizmente, os trabalhos postados lá não são contados pelo ImpactStory, mas te dá as métricas de visualização e download no próprio site.

academiaedu

Além disso, o Ronaldo Araújo, que também é pesquisador do tema e editor da Ciência da Informação em Revista, me passou as estatísticas de acesso na plataforma do periódico, que até 1 de junho contava com 53 visualizações, 8 interações no Facebook e 1 tweet.

Nascimento Metrics

Nascimento API Metrics

E a partir do link no ImpactStory, finalmente consigo ver como o score do artigo no Altmetric.com:

altmetricscore

Aproveito para agradecer ao pessoal da Biblioteca Central da UFF que tuitou sobre o artigo. (O outro tuíte foi meu, claro :-).

5 pensamentos em “Maneiras alternativas de gerar métricas alternativas”

  1. Muito bom Andréa,
    Já mandei para seu email alguns dados de acesso ao seu artigo no sistema da revista e acho que vale fazer um update por aqui.
    Você fez uma caminho massa para contornar a falta de padrão das nossas revistas, hoje se eu não me engano apenas 08 tem DOI: Ci. Inf.; Persp. Ci. Inf.; Transinf.; BJIS, Encontros Bibli e Revista InCID e Inf. & Inf.; destas a três primeiras só possuem por acesso via Scielo; A BJIS da Unesp está com problema gerando o mesmo numero de DOI ara todos os artigos da revista e a Inf & Inf, embora gerem números únicos para cada artigo percebi erro no DOI deles não sendo identificado por nenhuma das ferramentas que geram métricas alternativas. A Enc. Bibli e a InCID estão a todo vapor com métricas geradas pelo PLOS-ALM.
    Ou seja, 08 revistas, perto no número que temos (acho que 44) é um número baixo, e ainda assim com problemas, reduzindo ainda mais.
    O que nos resta são alternativas como as que você usou e pra quem gosta de se aventurar por APIs também podem retornar alguns dados com parametrizações por URL dos artigos.

    1. Ronaldo, muito obrigada pelos dados. Ja atualizei no post e fiquei super contente de ver que o acesso na revista foi tão expressivo como o do Figshare, o que quer dizer que na verdade o artigo teve o dobro de acessos que eu pensei que tivesse! Realmente, essa questão do DOI das revistas, para mim, é o principal entrave. A saída via API pode ser bem interessante nesse meio tempo. Você já tentou algo assim na revista?
      Felizmente, a cobertura de fontes locais que é feita pelo Altmetric e outras ferramentas já está bem melhor e aumentando. Esse post do BSF mesmo, por exemplo, já conta no score do artigo.

  2. Oi Andréa. Conheço esta parceria, mas é diferente de termos uma agência nacional, como existe para o ISSN e ISBN. Os custos continuam flutuando com o dólar, quem define o modelo de negócio continua sendo a CrossRef e a parceria é restrita a uma parte das revistas brasileiras.
    Em breve devemos também atuar como entidade patrocinadora, oferecendo uma alternativa para quem não tem direito ao convênio com a ABEC.

Deixe uma resposta