Um dia na FELIZS – Feira Literária da Zona Sul de São Paulo

Neste Sábado (19/09), fui no emocionante encerramento da FELIZS – Feira Literária da Zona Sul, uma grande festa literária capitaneada pelo imenso e lindo coletivo que forma o Sarau do Binho.

A festa se realizou na Praça do Campo Limpo, na periferia da zona sul de São Paulo, e destaco abaixo alguns dos momentos que mais curti.

Antes, é preciso dizer que é grande a felicidade de ver que a leitura toma um vulto muito maior que uma atividade ligada apenas ao livro, como por muito tempo ocorreu por aqui, contrariando a citação do mestre Paulo Freire que falava em leitura do mundo, algo muito mais amplo. E esse “povo lindo” (frase ouvida todas as terças-feira no Sarau da Cooperifa) anda lendo de tudo e nessas horas parece que agora, a leitura é educação, é brincadeira, é “evolução para construir uma revolução” (palavras do Binho).

Mas agora vou ao que interessa, algumas das leituras que vi, ouvi e senti:

– na Tenda Conversas Literárias foi ótimo ver a presença das mulheres escritoras da periferia na mesa Palavra de Mulher, com a Jenyffer Nascimento (poeta e articuladora cultural, autora de “Terra fértil” um dos mais belos livros de poesia que li no ano passado), Tula Pilar (poeta), Roberta Estrela D’Alva (atriz, MC e Pesquisadora) mediadas pela poeta organizadora do Sarau da Ademar, Silsil do Brasil. Belo!

20150919_150437

– Ainda na tenda Conversas Literárias, a presença de poetas e organizadores de vários Saraus paulistanos (Perifatividade, Cooperifa, Burro, Elo da Corrento, do Kintal, Preto no Branco, Suburbano Convicto, da Brasa, O que dizem os umbigos e outros) em uma grande roda falando suas melhores poesias foi histórico.

Na mesma tenda, tirando um e outro excesso de blá blá blá a programação foi muito boa, pois o foco a todo momento foi a possibilidade de mudança que a leitura possibilita, e como é importante a apropriação dela por qualquer pessoa e como isso pode modificá-la. O amigo bibliotecário Ricardo Queiroz, que curte um bom debate estava lá e diferente de mim, que admito, tenho certa preguiça em relação à falação e análises mais apuradas, fala muito bem sobre políticas públicas de leitura em seu blog, o KlaxonSBC, e ele acaba de publicar um texto que fala com muita propriedade sobre as Feiras Literárias Periféricas que ocorreram em São Paulo essa semana e o que elas representam. Entrem lá: http://klaxonsbc.com/2015/09/20/muito-mais-do-que-feiras/. 

– as oficinas de xilogravura dos lindos do projeto Xiloidentidade, reuniram tanta gente que em menos de duas horas já não havia mais material para tantos interessados em criar seus próprios textos/mensagens e imagens a partir da gravação em madeira, mantendo viva a chama da cultura nordestina em São Paulo.

20150919_150027

– na Tenda das Crianças, rolaram oficinas de xadrez, de criação de livrinho,  intervenções circenses e uma divertida Oficina de confecção de petecas, orientada pelas meninas-mulheres da Brechoteca – Biblioteca Popular do Jardim Rebouças e do Coletivo Brincantes Urbanos, que além de mostrar como fazer a peteca, contavam as histórias da origem dela e de outros brinquedos criados pelos indígenas.

20150919_151902

Nessa oficina havia a presença maciça de uma molecada de uma escola que veio lá do Guarapiranga até o Campo Limpo trazida pela empolgada professora, uma heroína! 

Enxerido que sou, dei uma aulinha de como brincar de peteca e coordenei um racha de peteca de meninas contra meninos (eu bem que tentei criar times mistos, mas fui vencido pela garotada). O resultado foi tão empolgante que fui chamado pela professora para ir brincar na escola com as crianças outro dia. Pronto, posso pedir demissão da Secretaria de Cultura e virar oficineiro-brincante.

– a Bicicloteca, operada pelo bibliotecário Abraão com apoio de outro bibliotecário, o Tadashi, estava lá e distribuiu muitos livros de graça. 

20150919_145553

Foi sensacional ver algumas crianças saindo com aquele sorriso  e os livros nas mãos. 

Menino

– na Tenda Musical – Jazz na Kombi, rolou muita música, mas a Trupe Lona Preta e seu audaz espetáculo de circo e música “O concerto da lona preta” fez crianças e adultos rirem sem parar, com direito a um trecho onde em menos de dois minutos todos fizeram uma viagem pela história da música no século XX! Um espetáculo daqueles que merecem o prêmio da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), aquele onde o juri costuma só ver o que acontece de um dos lados das pontes que ligam o centro à periferia.

Em seguida, outra Trupe entrou por lá, a Benkady, e o coletivo apresentou danças e ritmos do oeste da África, cuja base é a música Malinké e Sussu. A interação com o público foi empolgante e até crianças entraram na dança. Segue foto de três integrantes (eram 9: cinco na percussão e 4 dançarinos) e um breve vídeo do ritmo que botou todo mundo para balançar o esqueleto.

benkady

 

– Como em uma boa feira de livros, haviam os editores. Mas nesse caso, os editores independentes e periféricos, aí incluídos alguns autores que publicam seus próprios livros.

20150919_145651

Como estava sem dinheiro (e há uma fila enorme de livros nas estantes, mesas e racks) comprei apenas um livro de poesia. E por falar em dinheiro, é fundamental que as bibliotecas arrumem formas de adquirir essa produção e a novidade é que o Sistema de Bibliotecas Municipais da Prefeitura de São Paulo em breve terá um Grupo de Trabalho de Desenvolvimento de Coleções composto por gente da sociedade e profissionais de seus quadros para discutir meios de tornar presente toda bibliodiversidade nas bibliotecas, a fim de dar acesso a quem não tem dinheiro para comprar livros.

– e não poderia deixar de fora o cavaleiro-lampião! Ele cavalgou pela praça levando poesias a todos os presentes. Genial!

20150919_194737

 

Para finalizar, vou repetir algo que parecido com o que já disse no último Bibliocamp que participei: se analisar apenas essas poucas atividades citadas, vejo que todas elas poderiam se realizar em qualquer biblioteca pública que queira seguir o muito citado por aqui, mas pouco seguido (por várias razões que não há espaço para aqui enumerar) Manifesto da IFLA/UNESCO sobre Bibliotecas Públicas , especificamente nos 12 tópicos das Missões da Biblioteca Pública.

Enfatizo também a presença de vários colegas bibliotecári@s na festa e a participação de algumas bibliotecas municipais do entorno na programação e que mantêm contato com os grupos/coletivos culturais da região.

Por fim, acredito que um caminho a trilhar para chegar a uma biblioteconomia social e sem fronteiras seja a RUA, lugar onde estão as PESSOAS. Vamos nessa!

Autor: William Okubo

Paulistano, bibliotecário, maltrapilho e inconformado. Metido a escrever poesia, crônicas. Coleciona marca-páginas e burradas.

2 pensamentos em “Um dia na FELIZS – Feira Literária da Zona Sul de São Paulo”

  1. Muito legal e importantissimo o trabalho dessas pessoas. Quem sabe “FAZ”. Quem nao sabe, vive de “aparecer”, falar blablabla e escrever pilhas de artigos de aplicabilidade “ZERO”.

Deixe uma resposta