O mito da neutralidade bibliotecária

Bibliotecas são de diversos tipos, mas podemos pegar algumas das principais bibliotecas públicas do Brasil para perceber que as categorias mais populares entre seus usuários estão no espectro de livros para concurso público, artesanato, quadrinhos, culinária, guia de viagens, autoajuda e saúde. Corrijam-me se eu estiver *profundamente* enganado.

Eu não sei o que isso pode dizer sobre nós enquanto sociedade, mas eu acho que explica alguma coisa sobre a biblioteca, com B maiúsculo. Por mais que a gente goste de vender a glória da biblioteca como uma instituição livre e um componente elementar de uma sociedade democrática, parece que, basicamente, as pessoas veem as bibliotecas como espaços recreativos.

E é desta mesma forma que eu, *pessoalmente*, vejo as inúmeras comunidades e grupos sobre bibliotecas e biblioteconomia na web: espaços recreativos, que eu frequento apenas para manter o capital social e nutrir o “fear of missing out”, mas não *necessariamente* para construir uma mentalidade ou posição crítica em relação a todas as coisas.

Foi um alento enorme ter encontrado ao longo destes últimos anos na nossa web local colegas bibliotecários que destoam da maioria conservadora da classe (me corrijam se eu estiver *profundamente * enganado) e que diariamente me oferecem uma curadoria dos seus interesses pessoais na forma de textos e links, que ajudam a moldar o meu posicionamento diante do mundo. Mas eu ainda sinto que falta muito para chegarmos ao nível de densidade das discussões promovidas pelos bibliotecários, por exemplo, americanos, espanhóis e franceses, publicando essencialmente em blogs. Basta comparar o tipo de conteúdo que costuma gerar repercussão nos blogs e redes de lá, com os daqui.

Fica a dica da leitura de livros como Questioning Library Neutrality: Essays from Progressive Librarian e The anarchist in the library, coisa que a gente não vê por aqui.

Tudo isso pra dizer que as “disputas” que aconteceram recentemente no grupo Bibliotecários do Brasil e na lista da ANCIB, em relação à defesa ou não do posicionamento da classe bibliotecária face ao “golpe” ou não, a mim me parecem meramente um desconhecimento sobre como a web funciona, mais do que uma divergência de posições políticas claras entre partes. Quando se questiona o papel de moderadores nestes grupos, falta entender que os moderados não precisam pedir permissão para ninguém para criar o que criaram, porque estão agindo em conformidade com os preceitos da web livre.

A neutralidade da rede se torna uma tragédia, porque justamente no momento em que celebramos o produto destas duas maravilhas – Facebook e o povão – os esclarecidos delegadinhos estão conspirando para remover as condições onde a comunicação não depende de permissão. É um paradoxo.

A minha máxima aprendida em mais de 10 anos publicando neste singelo blog, que contribuiu esparsamente para a promoção do entretenimento bibliotecário, com raros surtos de engajamento coletivo e discussões pertinentes, é “quem fala o que quer, precisa ouvir o que não quer”. Obviamente que ninguém em sã consciência vai defender o direito de ser genocida impunemente. Mas eu quero atentar exclusivamente para o quão despreparados nós estamos para estabelecer uma etiqueta da web quando a maioria de nós só passou a usá-la pouco tempo atrás e continua a usá-la apenas para fins de entretenimento.

Se posso fazer uma analogia, não ficaram sabendo do episódio da bot da Microsoft que se transformou em defensora do nazismo? Só que o robô foi deliberadamente programado para agir como um papagaio, reforçando o que outros usuários do Twitter a induziam a dizer. Na mesma perspectiva do que eu tento explicar – hermeticamente – acima, Tay o bot racista do twitter, nos faz temer a natureza humana, não a inteligência artificial. Se existe um problema de bolha na internet ou comportamento de manada, isso só diz respeito à um problema de filtragem de informação. E na minha humilde opinião, estão a exigir demais de um grupo extenso de microcéfalos. Quem são esses microcéfalos? Bem, podem começar por mim.

Ademais, no meu entendimento *pessoal* a propaganda de ambos lados (PT, PSDB, direita, esquerda, liberais, republicanos, como queiram) deseja defender o indefensável. O que é bastante diferente do que o grupo de bibliotecários pretendia com o vídeo, defender o óbvio: a crise é justamente quando precisamos defender o óbvio, e nesse sentido o vídeo e os textos abaixo estão cobertos de razão. Defendem apenas o estritamente defensável.

O Cristian (que aliás, eu fico feliz por usar o seu poder de hub para alimentar a discussão e botar a cara tapa, seguido de um grupo grande de bibliotecários em seus para lá de 30 anos marcando espaço em um movimento de mídia que, em tese, deveria partir dos bibliotecários mais novos – onde estão estes?) foi bastante claro em seu questionamento:

E bibliotecário pode se manifestar politicamente? A pergunta é de uma ingenuidade só. Afinal de contas, não se trata de uma questão de escolha. Todo mundo dá pinta, mesmo quando de bico fechado. É que o silêncio nos trai, hermanitos. Portanto, não peco contra a virtude da prudência ao me opor à mídia e ao sr. Moro em relação a Lava-Jato. Afinal de contas, prudência não se confunde com medo, letargia e, muito menos, covardia. “Prudentia”, palavra latina, pode ser traduzida como “sagacidade”. Não por acaso, é o nome atribuído a Craytus, o deus romano da guerra. Afirmo, tranquilamente, e sem medo de errar, que um bibliotecário prudente é aquele que, a partir do esquadrinhamento de um determinado quadro social, toma, corajosamente, partido — na guerra, sempre há dois lados, no mínimo –, convencido de que sua leitura de mundo é a mais adequada, a mais justa ou, no mínimo, a mais plausível. Isso não implica negar valor ao discurso do outro, mas em tomar para si certo protagonismo de uma história coletiva que vai de desenhando, certo de que o seu silêncio, embora pessoalmente vantajoso em certos aspectos, pode produzir dor e perdas na esfera pública.

O mesmo vale para o texto publicado na lista da ANCIB pelo Edmir Perroti,

Estamos vivendo uma guerra informacional (vazamentos, escutas telefônicas, bombardeio midiático…) Se outras existiram no Brasil, eram de teor distinto da atual, em volume e procedimentos. Acredito que uma associação de pesquisadores do campo informacional, por mais diferenças que- felizmente!- acolha, têm alguns entendimentos em comum (não teria?) Compartilhar com a sociedade o que é comum seria de grande valia nesta hora de perplexidade. Acredito que para todos nós, mesmo havendo nuances: a) Democracia é um valor acima de qualquer tipo de particularismo; b) Toda e qualquer divulgação de informação, no país, inscreve-se nos quadros dos valores democráticos afirmados em nossa Constituição e ganha sentido em relação a ele; c) A manipulação de informações por interesses de quaisquer espécies, é ato anti-democrático. Seus efeitos acarretam prejuízos à sociedade.

Ir a público para explicar de forma breve essas relações básicas entre Democracia e Informação, bem como manifestar preocupação com atos informacionais que não respeitam valores afirmados em nossa Constituição, é ato pedagógico e não político-partidário; agrega e não separa ou desconsidera diferenças. A hora pede contribuição, esclarecimento, compartilhamento. Não se espera panfleto, em especial de uma Associação como a ANCIB, cujos membros são especialistas renomados que se ocupam justamente de uma das questões que estão no centro dos problemas- as informacionais. É preciso dizer pouco, mas com clareza e serenidade: a matéria a qual nós, cientistas da informação, nos dedicamos- a Informação- não pode ser manipulada à revelia dos preceitos constitucionais por quem quer que seja. As consequências serão graves para todos, cientistas e não cientistas.

Marina, sempre certeira:

Bibliotecários aprendem – ou deveriam aprender – a selecionar e a analisar informação. Eu aprendi.

Bibliotecários devem ser capazes de de entender um texto a partir de uma leitura rápida e fragmentária e dizer do que se trata em algumas palavras. E precisam desenvolver a capacidade de entender um conteúdo qualquer expresso em palavras ou imagens com profundida suficiente para escrever um resumo objetivo e inteligível. Sim, bibliotecários aprendem isso, ou deveriam aprender.

Bibliotecários têm obrigação de desenvolver tolerância e compreensão com a diversidade humana, porque nas bibliotecas entram todo o tipo de pessoas que têm o direito de ser atendidas da mesma forma, sem discriminação nem preconceito.

Bibliotecários não podem ter dificuldades com interpretação de texto. Não podem, simplesmente.

Bibliotecários não podem ser preconceituosos, nem se recusar a combater o preconceito. NÃO PODEM.

Bibliotecários não podem se calar diante da escalada da intolerância por conveniência política nem marchar ao lado de fascistas.

Bibliotecários não podem espalhar notícias falsas pelas redes sociais e nem deixar de olhar criticamente para uma imagem. E nem acreditar cegamente em tudo o que leem na imprensa ou veem na TV.

Editorial a cinco mãos publicado na Biblioo:

Mas como acabar com a amorfia que existe na profissão se não discutirmos isso em grupos da área? Os bibliotecários não podem ficar à margem desse e de tantos outros acontecimentos vividos em nosso país. Somos seres políticos, toda ação do homem é política. Precisamos discutir política em todas as esferas, seja dentro da sala de aula, em eventos e também nas mídias sociais, sempre respeitando a opinião diferente, pois divergências sempre surgirão. Não podemos tolerar a censura nas mídias sociais ou em qualquer espaço de construção coletiva e democrática. Devemos rechaçar as manipulações, distorções, alienações ou favoritismos. Precisamos ter respeito às ideias contrárias e nos posicionarmos sem agressão às pessoas com opiniões divergentes.

E finalmente o vídeo:

Estamos em 2016 e “neutralidade” não significa imparcialidade e objetividade, mas muitas vezes soa como “indiferença”. Eu sou cético e pessimista, mas quero me enganar mais uma vez e ter a esperança que essas demonstrações públicas vão estimular ainda mais interesse e debate sobre o conceito de neutralidade entre os bibliotecários e quais brigas nós queremos brigar.

10 pensamentos em “O mito da neutralidade bibliotecária”

  1. Existe uma questão de concurso que aborda essa “neutralidade”. E muitos marcam como certa (a neutralidade) quando na verdade está errada por tudo isso que você abordou acima.

  2. Também sou cética e pessimista, apesar de ter sempre em mente o lema “a luta continua”, só pra não morrer de tristeza. Não sei se o debate sobre a neutralidade vai se ampliar, mas ver bibliotecários se manifestando politicamente é algo, no mínimo, divertido.

  3. Bibliotecários são profissionais alienígenas ou alienados? Neutralidade na rede sim, mas, jamais nas pessoas!

  4. Que texto maravilhoso.. Tenho tido problemas com colegas de profissão por emitir opinião sobre política, por exigir que eles leiam, se posicionem, principalmente os que trabalham em bibliotecas escolares… Vou até salvar o texto, pra mandar como exemplo.

  5. Muito bom! Há um artigo (derivado da dissertação de Mestrado de Angela Maria Moreira Silva, Bibliotecária da Universidade Federal de Roraima) que, ao abordar a trajetória histórica das bibliotecas universitárias federais, toca no cerne de como surgiram esses profissionais destituídos de criticidade e alheios a macro questões sociais, culturais e econômicas: a formação tecnicista e pragmática da Biblioteconomia. Aqui: https://www.researchgate.net/profile/Angela_Maria_Silva/publication/259345328_A_construo_das_bibliotecas_universitrias_no_Brasil/links/0deec52b204740bf11000000.pdf.

  6. Título muito apropriado, que fala por si só e é dissecado no seu texto, caro Murilo. O silêncio, o não dito, a opinião não comunicada para evitar o diálogo com o “outro” já diz muito sobre a pessoa que se fecha na escolha confortável do silêncio… gesto esse que já contém uma informatividade sobre a posição das pessoas. Mas, só de ver coleg@s e amig@s se posicionando publicamente, com rosto e voz, isso já me alegra em meio a essa guerrilha midiática (des)informacional cheia de atripelos. Grande abraço.

  7. Lembrei-me de Noel Rosa com a crítica a quem não se posiciona:
    João Ninguém
    Que não é velho nem moço
    Come bastante no almoço
    Pra se esquecer do jantar…
    Num vão de escada
    Fez a sua moradia
    Sem pensar na gritaria
    Que vem do primeiro andar

    João Ninguém
    Não trabalha e é dos tais
    Mas joga sem ter vintém
    E fuma Liberty Ovais
    Esse João nunca se expôs ao perigo
    Nunca teve um inimigo
    Nunca teve opinião

    João Ninguém
    Não tem ideal na vida
    Além de casa e comida
    Tem seus amores também
    E muita gente que ostenta luxo e vaidade
    Não goza a felicidade
    Que goza João Ninguém!

    João Ninguém não trabalha um só minuto
    E vive sem ter vintém
    E anda a fumar charuto
    Esse João nunca se expôs ao perigo
    Nunca teve um inimigo
    Nunca teve opinião
    Add a playlist
    Cifra
    Imprimir
    Corrigir

    Composição: Noel Rosa · Esse não é o compositor? Nos avise.

Deixe uma resposta