Como fazer pesquisa em bibliotecas especializadas ou de obras raras

É muito comum pesquisadores e entusiastas de bibliotecas especializadas e de obras raras se deslocarem muitos kilômetros e dedicarem muitos dias em busca dos seus materiais de pesquisa. Qual é a maneira mais eficiente então de visitar essas bibliotecas, ter acesso ao acervo, consultar os materiais e atender as expectativas dos bibliotecários?

Tendo trabalhado em bibliotecas especializadas e sempre relatando e acompanhando essas visitas (no Caçadores de Bibliotecas e de pesquisadores como o Fabiano Cataldo e a Claudiane Weber, por exemplo), acho que seria interessante oferecer algumas dicas para pesquisadores ou pessoas em geral que precisam consultar algum acervo raro, manuscritos ou materiais especializados. Vamos lá.

Conheça a biblioteca

Antes de visitar uma biblioteca especializada (inclua aqui bibliotecas nacionais, universitárias, religiosas, de obras raras, etc) é importante contactá-la para confirmar que o material que você pretende examinar está disponível nas datas que deseja visitar. Isso é crucial especialmente para quem viaja para visitar bibliotecas de outras cidades e países. Os itens podem algumas vezes estar em exibição em uma exposição, emprestados, passando por algum tipo de conservação ou no estúdio fotográfico. Não tem nada mais simples do que dar um telefonema ou mandar email pra confirmar. Outra coisa importante é verificar se a obra já não foi digitalizada, já que as bibliotecas estão disponibilizando novos materiais online todos os dias.

Especialmente durante viagens, certifique-se que a biblioteca não estará fechada para algum feriado ou evento local. Algumas bibliotecas menores fecham para uma pausa do almoço. Lembre também que muitas vezes você vai ser convidado a deixar o ambiente de pesquisa alguns minutos antes do horário de fechamento indicado.

A maioria das bibliotecas exige que você solicite os itens com antecedência, que deve ser feito pelo menos um dia antes da visita. Isso agiliza a pesquisa porque você não vai precisar ficar esperando as obras serem encontradas nos armazéns e estantes, elas já estarão lá separadas quando você chegar. Provavelmente será necessário obter um passe de leitor ou visitante para a maioria das bibliotecas, ou até mesmo atender requisitos incomuns para entrar em certas bibliotecas especializadas. Tente resolver de antemão, para não correr o risco de chegar lá e descobrir que você não trouxe identificação suficiente para ser admitido.

Tenha sempre em mãos:

1. comprovante de residência
Já que você estará trabalhando com alguns materiais considerados valiosos, vai ser preciso uma prova oficial de endereço para obter o acesso.

2. uma carta de referência ou recomendação
A maioria das bibliotecas especializadas exige que você traga uma carta de recomendação recente indicando brevemente qualquer filiação institucional que você possua e comprovação de experiência com manuseio de materiais e coleções especiais. Ela deve ser impressa em papel timbrado oficial. Leve sempre um original e uma cópia para cada biblioteca que visitar.

3. foto 3×4
Algumas bibliotecas possuem câmeras e tiram sua fotografia na hora. Mas outras bibliotecas menores podem pedir-lhe para trazer uma ou duas fotos para anexar a um cartão de visitante. Se a biblioteca for em outro país procure saber qual é o tamanho exato da foto de identificação que eles exigem.

4. dinheiro vivo e moedas
Normalmente você não pode entrar com bolsas ou mochilas e precisa deixá-los no guarda volumes. Mas na maioria das bibliotecas (fora do país), você recebe uma chave de armário, em troca de uma moeda. Não se preocupe: é um depósito, você vai recebe-la de volta quando retornar a chave. Além disso, as bibliotecas podem cobrar taxas por reprodução de imagens (fotografias, reprografias, microfilmes) e outros serviços, como o próprio cafezinho. Leve dinheiro.

Ao planejar sua visita, não se esqueça de cuidar de si mesmo: algumas bibliotecas podem ser muito frias (bibliotecas de faculdades e catedrais antigas especialmente durante o inverno no hemisfério norte). As grandes bibliotecas nacionais e universitárias tem restaurantes e cafés no local, mas em outros casos você vai querer trazer um estoque suficiente para garantir o dia, sem perder tempo à procura de comida.

Traga os instrumentos certos

Pense cuidadosamente sobre suas necessidades de pesquisa antes de ir à biblioteca, e o que você vai precisar para respondê-las. Muitas viagens bem-sucedidas para a sala de leitura podem ser feitas com nada mais do que um método para tomar notas. Mas tudo pode ficar mais fácil com algumas ferramentas simples:

1. uma régua
Esta é a parte mais importante do kit de ferramentas do pesquisador especializado. É bem difícil encontrar uma régua específica para o trabalho codicológico. Os manuscritos são sempre medido em milímetros, independentemente da sua dimensão; isto significa que você quase nunca vai precisa se preocupar com números decimais ou frações para chegar a um nível adequado de precisão, poupando tempo. Infelizmente, a maioria das réguas são marcadas apenas em centímetros, o que torna difícil para ler as inscrições menores. As réguas mais precisas numeram os milímetros individualmente. Ainda melhor é uma régua que marca metade dos milímetros. Como o pergaminho raramente é plano, uma régua flexível é o ideal para trabalhos que avaliam o layout da página ou caligrafia. Uma régua de cerca de 500 milímetros de comprimento é o suficiente para a maioria dos manuscritos.

2. lápis e papel
Bibliotecas com coleções especiais proibem canetas. Muitos emprestam lápis, mas às vezes um lápis emprestado não é o suficiente para a escrita mais estendida; traga os seus próprios lápis, além de um apontador. Mesmo se você estiver usando um laptop, não quer ficar preso se a bateria morrer de repente.

3. uma câmera
Às vezes é mais rápido tirar uma foto e fazer anotações mais detalhadas em casa. Reconhecendo que isso reduz o desgaste das coleções, um número crescente de bibliotecas permite a fotografia de seus itens. Mas não conte somente com isso: muitas salas de leitura tem luz demasiado fraca para obter uma imagem clara de uma página de texto escrito à mão, com uma câmera point-and-shoot ou smartphone tradicional. Mesmo com uma câmera sofisticada o texto pode estar ilegível, necessitando de outra visita. Muitas vezes a opção mais rentável é (quando existir) solicitar uma cópia ao serviço oferecido pela própria biblioteca, que produz fotografias mais claras e profissionais; e se você pedir um manuscrito inteiro, você também vai estar fazendo um favor ao mundo, uma vez que isso permite que as bibliotecas tornem o material disponível através da digitalização das obras. Se você está determinado a tirar suas próprias fotos, esteja ciente de que muitas bibliotecas proibem câmeras SLR que emitem ruidos. A câmera ideal para a maioria dos pesquisadores é uma câmera semiprofissional. Busque a câmera que ofereça maior sensibilidade de captura, já que esta é a chave para obter fotografias nítidas de texto (um sensor APS-C é uma expectativa razoável com a tecnologia de hoje e com o orçamento de um pesquisador). Também é útil ter uma capa de lente, para reduzir o brilho das luzes fluorescentes e garantir que você não fique muito perto do livro.

4. uma lupa
Opcional, dependendo de sua visão e da especificidade da pesquisa. Muitas vezes pode ser emprestada nas salas de leitura.

5. uma pequena lanterna elétrica
Ao estudar uma superfície de escrita, seja em pergaminho ou uma página impressa, um feixe de luz pode revelar muitos detalhes. Certifique-se de usar uma luz LED, uma vez que estas produzem menos calor; e tenha cuidado para não cegar outros leitores.

Seja bonzinho com as obras raras

A manipulação de um manuscrito ou obra rara é como cuidar de uma criança pequena. Eles às vezes podem ser surpreendentemente resistentes, mas também podem fazer coisas inesperadas quando não estamos atentos e se machucar facilmente.

Utilize sempre os apoios apropriados para as obras: em geral as bibliotecas disponibilizam apoiadores em cada mesa. As almofadas de espuma em formato triangular estão se tornando comuns e vêm em tamanhos diferentes. Se você não encontrar o que precisa, ou você não tem certeza de como usar os apioadores corretamente, a equipe da sala de leitura está lá para dar uma mão.

A Biblioteca Britânica oferece uma série de filmes que mostra como usar os itens especiais corretamente; mesmo pesquisadores experientes às vezes são surpreendidos ao descobrir que estavam utilizam as obras incorretamente durante décadas. Procure saber na sua biblioteca de preferências se eles oferecem orientações específicas sobre a utilização e conservação das obras.

[artigo original Tips for a Manuscripts Road Trip]

2 pensamentos em “Como fazer pesquisa em bibliotecas especializadas ou de obras raras”

  1. Faz um tempo que vi um site que continha várias disciplinas do curso de Biblioteconomia organizadas, com foco no estudo para concursos. Alguém, por favor, sabe de qual site se trata?

Deixe uma resposta