Representatividade dos trabalhos apresentados no CBBD 2013

Nova colaboração bacana do @ronaldfar para o BSF:

Figura 1 CBBD 2013 Geral

Encerrou-se no dia 10 do mês passado a 25a. Edição do Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação (CBBD 2013) com mais de 1.200 trabalhos apresentados, com textos completos, e disponíveis para consulta nos anais. A cada edição o evento firma-se como o maior e mais importante da área. Da mesma forma que fizemos, após o término da 24a. Edição do CBBD 2011 em Maceió (post) repetimos o experimento no Manyeyes.com para o desse ano, inserindo os títulos, resumos e palavras-chave de todos os trabalhos apresentados no intuito de tentar representá-los seja na (co)ocorrência de termos ou tematicamente (Figuras 1 e 2). A obtenção dos dados só foi possível com uma força do Diego a quem de antemão agradeço.

Para os “numerólotras” temos como Top 10 (termo – frequência):
  • BIBLIOTECA – 2282
  • BIBLIOTECAS – 1653
  • PESQUISA – 814
  • USUÁRIOS – 694
  • ESTUDO – 585
  • SERVIÇOS – 576
  • ACESSO – 554
  • GESTÃO – 515
  • UNIVERSIDADE – 472
  • LEITURA – 469

Claro que tenho minhas impressões sobre as representações seguir, mas o ideal é deixar em aberto para a moçada dizer o que acha, rs.
Dessa vez tentei uma clusterização por aproximação de co-ocorrência usando o Wordstat para verificar se tínhamos alguma representação mais semântica, mas só começou a ficar menos nebuloso a partir de 30 clusters (Figura 3), o que pode não ser muito bem visto por alguns, por beirar uma fragmentação temática, rs. Mas, indo ao que interessa, o que acharam das representações?

Figura 2 CBBD 2013 Conexoes Figura 3 Cluster CBBD Geral 2013

Bibliocamp Floripa

Via @jorgedoprado:

Neste sábado, em Floripa, acontece a segunda edição do BiblioCamp. A desconferência, que nasceu no Rio de Janeiro ano passado, este ano acontecerá na biblioteca comunitária da Barca dos Livros, na belíssima Lagoa da Conceição.

Vale lembrar que a filosofia do BiblioCamp é sair dos moldes dos eventos caros e longos e trazer em um dia um compartilhamento de experiências e ideias. Ninguém paga, o “palestrante” é voluntário, não há certificado. Há ideias, o diferente, as trocas.

Como as vagas são somente 40 e muitos ficaram limitados a distância, outros compromissos ou mesmo sem uma vaga; o BiblioCamp irá para o Twitter e de lá você pode acompanhar tudo. Não há uma conta específica para o BiblioCamp, mas você pode acompanhar por @elisadel e @jorgedoprado, dois dos organizadores da edição de ano (junto de Daniela Spudeit e Diego Abadan). A interação será por meio da hashtag #bibliocamp.

Mais informações pelo site e página no Facebook.

Representatividade dos trabalhos apresentados no CBBD 2011

Depois do Post bacana da Vivi, e do post 1 e post 2 do Tiago temos uma impressão de como o CBBD 2011 foi bom e dos bons trabalhos e profissionais que o evento reuniu. Mas particularmente senti falta de uma visualização geral dos trabalhos, que pudesse representar tematicamente o que foi apresentado. Sendo assim fiz um experimento no Manyeyes.com inserindo os títulos, palavras-chave e resumo de todos os trabalhos submetidos no evento (mais de 600). Só foi possível obter esses dados com a ajuda do Diego, a quem eu desde já agradeço. Tenho minhas impressões sobre as representações a seguir, mas prefiro me expressar nos comentários para não tendenciar opiniões. Mas claro, deixo com as figuras algumas perguntas: o que você achou das representações? Sentiu falta da ocorrência de quais termos? Quais termos você podia jurar que teria maior representatividade e não teve?

Fig.1: Nuvem de tags dos termos mais recorrentes nos títulos
Fig.2: Conexões entre os termos mais recorrentes nos titulos e resumos
Fig.3: Nuvem de tags dos termos mais recorrentes nos títulos e resumos

Por @ronaldfar

Galeno Amorim é o novo presidente da Fundação Biblioteca Nacional

Foi anunciado nesta sexta-feira (21) o nome do novo presidente da Fundação Biblioteca Nacional.

Atualização: Veja também a entrevista A nova política do livro

O escritor e jornalista de Ribeirão Preto, Galeno Amorim é o novo presidente da Fundação Biblioteca Nacional. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (21), pela ministra da Cultura, Ana de Hollanda.
A Fundação Biblioteca Nacional abriga uma das mais tradicionais instituições de cultura do País, e também é uma das oito maiores bibliotecas do mundo.

Galeno Amorim é diretor do Observatório do Livro e da Leitura e considerado um dos maiores especialistas em políticas públicas do livro e leitura da América Latina. Foi responsável pela criação do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), dos ministérios da Cultura e da Educação. Na ocasião, dirigiu a área do livro e leitura na Fundação Biblioteca Nacional e no Ministério da Cultura. Criou e dirigiu programas como o Fome de Livro (para zerar o número de cidades sem bibliotecas), o Ano Ibero-americano da Leitura (VivaLeitura), a Câmara Setorial, o Prêmio Vivaleitura e a desoneração fiscal do livro, entre outros.

Galeno já presidiu o Comitê Executivo do Centro Regional de Fomento ao Livro na América Latina e no Caribe (Cerlalc/Unesco) e foi consultor de políticas públicas da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) para a Educação, Ciências e Cultura, com sede na Espanha. Também integrou os conselhos estaduais de leitura dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Iniciou sua carreira pública em Ribeirão, onde foi secretário de Cultura. Criou, em 2001, a Feira do Livro de Ribeirão Preto, uma das maiores do País e a primeira Lei do Livro entre as cidades brasileiras. Em três anos, abriu 80 bibliotecas e aumentou seis vezes o índice de leitura da população.

Galeno Amorim é autor de 16 livros, entre ensaios e literatura infanto juvenil, com tiragem total de 350 mil exemplares. Entre as obras publicadas, estão Políticas Públicas do Livro e Leitura (OEI/Editora Unesp) e Retratos da Leitura no Brasil (Imprensa Oficial/Instituto Pró-Livro), com os resultados e análises da pesquisa do mesmo nome, que ele coordenou.

Ex-professor de Ética e Legislação no Jornalismo e diretor do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo nas décadas de 1980/1990, Galeno atuou durante mais de 30 anos no jornalismo. Trabalhou em O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Agência Estado e Rede Globo, entre outros.

Criou e dirigiu diversas instituições ligadas à área do livro e leitura, como a Fundação Instituto do Livro, a Fundação Feira do Livro e a Fundação Palavra Mágica, entre outros. Em 2006, liderou o Manifesto do Povo do Livro, entregue aos candidatos a presidente da República. Já recebeu diversos prêmios como personalidade do livro no País.

Fonte: http://eptv.globo.com/lazerecultura/NOT,2,2,332434,Galeno+Amorim+e+o+novo+presidente+da+Fundacao+Biblioteca+Nacional.aspx

Um livro em braille sem páginas perfuradas

Capa do livro acessível "Adélia cozinheira"A designer gráfica brasileira Wanda Gomes criou novo método de impressão com imagens e até cheiro Acaba de ser enviado a escolas, bibliotecas e instituições educacionais, um livro em braille diferente. Adélia cozinheira, que lança a Coleção Adélia, é o primeiro título 100% inclusivo. Isso porque permite a leitura simultânea de crianças com e sem deficiência visual, já que o livro não tem suas páginas perfuradas pelo método tradicional. O trabalho é o resultado da união entre as pesquisas da designer gráfica Wanda Gomes, da concepção literária da escritora Lia Zatz e das ilustrações da artista plástica Luise Weiss. Utilizando o mesmo sistema do braille (com as letras resultando da combinação entre seis pontos), o novo processo diferencia-se por não furar o papel, permitindo a edição de grandes tiragens e em conjunto com a impressão offset, o que garante ao material maior durabilidade e a possibilidade de unir o braille a cores e texturas.

Veja notícia completa na PublishNews.

O início do SindBiblio/SC

Foi iniciada a criação do Sindicato de Bibliotecários de Santa Catarina -SindBiblio/SC, que já conta com proposta de estatuto e lançamento do  Edital de Convocação para sua criação.

Atualizado: A assembléia aprovou a criação do sindicato.

Veja abaixo algumas perguntas respondidas pela comissão que está a frente deste processo, além de seu manifesto:

Continue lendo “O início do SindBiblio/SC”