Representatividade dos trabalhos apresentados no CBBD 2013

Nova colaboração bacana do @ronaldfar para o BSF:

Figura 1 CBBD 2013 Geral

Encerrou-se no dia 10 do mês passado a 25a. Edição do Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação (CBBD 2013) com mais de 1.200 trabalhos apresentados, com textos completos, e disponíveis para consulta nos anais. A cada edição o evento firma-se como o maior e mais importante da área. Da mesma forma que fizemos, após o término da 24a. Edição do CBBD 2011 em Maceió (post) repetimos o experimento no Manyeyes.com para o desse ano, inserindo os títulos, resumos e palavras-chave de todos os trabalhos apresentados no intuito de tentar representá-los seja na (co)ocorrência de termos ou tematicamente (Figuras 1 e 2). A obtenção dos dados só foi possível com uma força do Diego a quem de antemão agradeço.

Para os “numerólotras” temos como Top 10 (termo – frequência):
  • BIBLIOTECA – 2282
  • BIBLIOTECAS – 1653
  • PESQUISA – 814
  • USUÁRIOS – 694
  • ESTUDO – 585
  • SERVIÇOS – 576
  • ACESSO – 554
  • GESTÃO – 515
  • UNIVERSIDADE – 472
  • LEITURA – 469

Claro que tenho minhas impressões sobre as representações seguir, mas o ideal é deixar em aberto para a moçada dizer o que acha, rs.
Dessa vez tentei uma clusterização por aproximação de co-ocorrência usando o Wordstat para verificar se tínhamos alguma representação mais semântica, mas só começou a ficar menos nebuloso a partir de 30 clusters (Figura 3), o que pode não ser muito bem visto por alguns, por beirar uma fragmentação temática, rs. Mas, indo ao que interessa, o que acharam das representações?

Figura 2 CBBD 2013 Conexoes Figura 3 Cluster CBBD Geral 2013

Bibliocamp Floripa

Via @jorgedoprado:

Neste sábado, em Floripa, acontece a segunda edição do BiblioCamp. A desconferência, que nasceu no Rio de Janeiro ano passado, este ano acontecerá na biblioteca comunitária da Barca dos Livros, na belíssima Lagoa da Conceição.

Vale lembrar que a filosofia do BiblioCamp é sair dos moldes dos eventos caros e longos e trazer em um dia um compartilhamento de experiências e ideias. Ninguém paga, o “palestrante” é voluntário, não há certificado. Há ideias, o diferente, as trocas.

Como as vagas são somente 40 e muitos ficaram limitados a distância, outros compromissos ou mesmo sem uma vaga; o BiblioCamp irá para o Twitter e de lá você pode acompanhar tudo. Não há uma conta específica para o BiblioCamp, mas você pode acompanhar por @elisadel e @jorgedoprado, dois dos organizadores da edição de ano (junto de Daniela Spudeit e Diego Abadan). A interação será por meio da hashtag #bibliocamp.

Mais informações pelo site e página no Facebook.

Representatividade dos trabalhos apresentados no CBBD 2011

Depois do Post bacana da Vivi, e do post 1 e post 2 do Tiago temos uma impressão de como o CBBD 2011 foi bom e dos bons trabalhos e profissionais que o evento reuniu. Mas particularmente senti falta de uma visualização geral dos trabalhos, que pudesse representar tematicamente o que foi apresentado. Sendo assim fiz um experimento no Manyeyes.com inserindo os títulos, palavras-chave e resumo de todos os trabalhos submetidos no evento (mais de 600). Só foi possível obter esses dados com a ajuda do Diego, a quem eu desde já agradeço. Tenho minhas impressões sobre as representações a seguir, mas prefiro me expressar nos comentários para não tendenciar opiniões. Mas claro, deixo com as figuras algumas perguntas: o que você achou das representações? Sentiu falta da ocorrência de quais termos? Quais termos você podia jurar que teria maior representatividade e não teve?

Fig.1: Nuvem de tags dos termos mais recorrentes nos títulos
Fig.2: Conexões entre os termos mais recorrentes nos titulos e resumos
Fig.3: Nuvem de tags dos termos mais recorrentes nos títulos e resumos

Por @ronaldfar

Galeno Amorim é o novo presidente da Fundação Biblioteca Nacional

Foi anunciado nesta sexta-feira (21) o nome do novo presidente da Fundação Biblioteca Nacional.

Atualização: Veja também a entrevista A nova política do livro

O escritor e jornalista de Ribeirão Preto, Galeno Amorim é o novo presidente da Fundação Biblioteca Nacional. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (21), pela ministra da Cultura, Ana de Hollanda.
A Fundação Biblioteca Nacional abriga uma das mais tradicionais instituições de cultura do País, e também é uma das oito maiores bibliotecas do mundo.

Galeno Amorim é diretor do Observatório do Livro e da Leitura e considerado um dos maiores especialistas em políticas públicas do livro e leitura da América Latina. Foi responsável pela criação do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), dos ministérios da Cultura e da Educação. Na ocasião, dirigiu a área do livro e leitura na Fundação Biblioteca Nacional e no Ministério da Cultura. Criou e dirigiu programas como o Fome de Livro (para zerar o número de cidades sem bibliotecas), o Ano Ibero-americano da Leitura (VivaLeitura), a Câmara Setorial, o Prêmio Vivaleitura e a desoneração fiscal do livro, entre outros.

Galeno já presidiu o Comitê Executivo do Centro Regional de Fomento ao Livro na América Latina e no Caribe (Cerlalc/Unesco) e foi consultor de políticas públicas da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) para a Educação, Ciências e Cultura, com sede na Espanha. Também integrou os conselhos estaduais de leitura dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Iniciou sua carreira pública em Ribeirão, onde foi secretário de Cultura. Criou, em 2001, a Feira do Livro de Ribeirão Preto, uma das maiores do País e a primeira Lei do Livro entre as cidades brasileiras. Em três anos, abriu 80 bibliotecas e aumentou seis vezes o índice de leitura da população.

Galeno Amorim é autor de 16 livros, entre ensaios e literatura infanto juvenil, com tiragem total de 350 mil exemplares. Entre as obras publicadas, estão Políticas Públicas do Livro e Leitura (OEI/Editora Unesp) e Retratos da Leitura no Brasil (Imprensa Oficial/Instituto Pró-Livro), com os resultados e análises da pesquisa do mesmo nome, que ele coordenou.

Ex-professor de Ética e Legislação no Jornalismo e diretor do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo nas décadas de 1980/1990, Galeno atuou durante mais de 30 anos no jornalismo. Trabalhou em O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Agência Estado e Rede Globo, entre outros.

Criou e dirigiu diversas instituições ligadas à área do livro e leitura, como a Fundação Instituto do Livro, a Fundação Feira do Livro e a Fundação Palavra Mágica, entre outros. Em 2006, liderou o Manifesto do Povo do Livro, entregue aos candidatos a presidente da República. Já recebeu diversos prêmios como personalidade do livro no País.

Fonte: http://eptv.globo.com/lazerecultura/NOT,2,2,332434,Galeno+Amorim+e+o+novo+presidente+da+Fundacao+Biblioteca+Nacional.aspx

Um livro em braille sem páginas perfuradas

Capa do livro acessível "Adélia cozinheira"A designer gráfica brasileira Wanda Gomes criou novo método de impressão com imagens e até cheiro Acaba de ser enviado a escolas, bibliotecas e instituições educacionais, um livro em braille diferente. Adélia cozinheira, que lança a Coleção Adélia, é o primeiro título 100% inclusivo. Isso porque permite a leitura simultânea de crianças com e sem deficiência visual, já que o livro não tem suas páginas perfuradas pelo método tradicional. O trabalho é o resultado da união entre as pesquisas da designer gráfica Wanda Gomes, da concepção literária da escritora Lia Zatz e das ilustrações da artista plástica Luise Weiss. Utilizando o mesmo sistema do braille (com as letras resultando da combinação entre seis pontos), o novo processo diferencia-se por não furar o papel, permitindo a edição de grandes tiragens e em conjunto com a impressão offset, o que garante ao material maior durabilidade e a possibilidade de unir o braille a cores e texturas.

Veja notícia completa na PublishNews.

O início do SindBiblio/SC

Foi iniciada a criação do Sindicato de Bibliotecários de Santa Catarina -SindBiblio/SC, que já conta com proposta de estatuto e lançamento do  Edital de Convocação para sua criação.

Atualizado: A assembléia aprovou a criação do sindicato.

Veja abaixo algumas perguntas respondidas pela comissão que está a frente deste processo, além de seu manifesto:

Continue lendo “O início do SindBiblio/SC”

Bibliotecários sem Fronteiras: 7 anos!

Hoje completamos 7 anos desde a criação do primeiro blog na área de biblioteconomia no Brasil.
Começou com o nome Blig-o-teconomia, uma brincadeira com o nome do serviço de hospedagem de blogs usado na época pela Vivi, e com outro objetivo: informar pessoas de fora da área sobre o que é biblioteconomia, o que um bibliotecário faz, etc. O objetivo estava sendo alcançado, mas em pouco tempo as visitas de pessoas da área e discussões voltadas para este público dominaram o blog. A coisa cresceu e mais tarde ganhou o nome atual, novo servidor, novos editores, um domínio próprio e até hoje sempre tem alguém pensando em um novo conteúdo ou recurso.
Fica aqui a lembrança do aniversário, e que o sétimo ano seja de muitas novidades!

Livros de biblioteconomia: lançamentos recentes

O livro: Documentos eletrônicos: fundamentos arquivísticos para a pesquisa em gestão e preservação foi lançado no dia 16 de dezembro de 2008 na Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa em Belo Horizonte, MG.

Ele pode ser adquirido na portaria do Arquivo Público Mineiro (http://www.cultura.mg.gov.br/?task=home&sec=5) ou através de contato com o Sr. Flávio no endereço eletrônico: apmcultural@yahoo.com.br.
Custo: R$20

Lançamentos de Briquet de Lemos / Livros:

DICIONÁRIO DE BIBLIOTECONOMIA E ARQUIVOLOGIA
Murilo Bastos da Cunha
Cordélia Robalinho de Oliveira Cavalcanti
Brasília: Briquet de Lemos / Livros, 2008
451 páginas
ISBN 978-85-85637-35-4
R$ 63,00

DIPLOMÁTICA E TIPOLOGIA DOCUMENTAL EM ARQUIVOS
Segunda edição revista e ampliada
Heloísa Liberalli Bellotto
Brasília: Briquet de Lemos / Livros, 2008
106 páginas
ISBN 978-85-85637-37-8
R$ 22,00

FONTES DE INFORMAÇÃO PARA PESQUISA EM DIREITO
Edilenice Passos
Lucivaldo Vasconcelos Barros
Brasília: Briquet de Lemos / Livros, 2009
170 páginas
ISBN 978-85-85637-36-1
R$ 31,00

Via Bib_Virtual

e mensagem do Briquet de Lemos, respectivamente.

A volta dos que não foram

Depois de muito tempo sem publicar nada aqui, estou de volta! Faz tanto tempo que vou até me apresentar:

Participo do BSF desde seu início, passando a ser editor e tendo colaborado mais em sua segunda fase. Na sua terceira fase (quando mudou para o atual domínio, BSF.org.br) acabei tendo uma participação bastante reduzida, apenas nos bastidores. Neste tempo, já formado no curso de Biblioteconomia da UFSC, passei a me dedicar mais a minha área profissional (informática, em especial desenvolvimento de software e administração de redes, em geral utilizando Software Livre).

Em termos de biblio, participei ativamente como “diretor de informática”, cargo informal que as meninas criaram para me fazer participar, mas com alguma participação em quase todas áreas, na Gestão 2005-2007 da Associação Catarinense de Bibliotecários (ACB). Após o término de nossa gestão, ainda colaborei com a organização do Painel 2008, sob a coordenação da Dani.
Em 2005 implantei, juntamente com a professora Ursula, o SEER/OJS na revista da ACB, a primeira de Santa Catarina nesta plataforma e uma das primeiras do país. Após esse pioneirismo, ministrei cursos em algumas das principais universidades daqui (UDESC, FURB, Senai/CTAI, Unisul e Univali) e dei suporte ou consultoria para, além das já citadas, FURG, portal de periódicos da UFSC, Revista Produção On Line, uma revista de educação física, entre outras. A Ursula foi uma grande incentivara do SEER, em especial aqui na região Sul e graças ao seu apoio e colaboração que fiz muito do que fiz nesta área.

Agora espero publicar algo aqui em média uma vez por semana, com o mínimo de um post por mês.

ps.: Apesar da foto e descrição que constava na coluna da esquerda sobre mim, não uso óculos ainda e já não sou tão tímido assim.