18 dicas de livros para bibliotecárias – presente de natal

Bibliotecária(o)s gostam de ganhar livros e adoram ler livros sobre bibliotecas e a profissão. Se quiser presentear um bibliotecário neste natal, sem errar, basta escolher um dos títulos abaixo:

1. O futuro da biblioteconomia – Moreno Barros, Dora Steimer, Marina Macambyra, Fabiano Caruso e Gustavo Henn

2. Empreendedorismo na Biblioteconomia – Daniela Spudeit (org)

3. Altmetria para bibliotecários: Guia prático de métricas alternativas para avaliação da produção científica – Andréa Gonçalves do Nascimento

4. De bibliotecas e biblioteconomias: percursos – Briquet de Lemos

5. Tópicos em Biblioteconomia e Ciência Da Informação: Epistemologia, Política e Educação – Jonathas Carvalho

6. Expect More: melhores bibliotecas para um mundo complexo – David Lankes

7. Caderno Especial Direitos Autorais – Revista Biblioo

8. Criação da Faculdade de Biblioteconomia da UnB 1962-1967 – Maria Alice Guimarães Borges

9. A Biblioteca do Mediterrâneo – Gabriela Bazan Pedrão

10. Medieval: contos de uma era fantástica – Ana Lúcia Merege (org)

11. A Biblioteca Invisível – Genevieve Cogman

12. A Livraria dos Finais Felizes – Katarina Bivald

13. O Livro Secreto – Grégory Samak

14. Farmácia Literária – Ella Berthoud e Susan Elderkin

15. Cartas Extraordinárias – Shaun Usher

16. A Livraria Mágica de Paris – Nina George

17. Leo e seus amigos, os livrinhos – Soraia Magalhães

18. A Informação – James Gleick

veja também:
15 dicas de livros para dar de presente a uma bibliotecária
Presente de natal para bibliotecárias – 30 dicas de livros

Como funciona o mercado editorial no Brasil

peço perdão ao Rodrigo por reproduzir aqui na íntegra o conteúdo que foi publicado na newsletter do Grifo Negro. Mas era muito bom pra deixar passar e certamente vai ajudar a desmistificar muito aos bibliotecários, que são grandes compradores de livros no Brasil.

PRODUZIR UM LIVRO SAI MAIS CARO DO QUE PENSAMOS – Vários elementos compõem os custos de um livro: adiantamento e outros acordos de direitos autorais (quando aplicável, de 5% a 10%); tradução (quando aplicável); revisão de prova; revisões (que podem chegar a três); diagramação; capa; impressão; unidades para divulgação (blogs, revistas, jornais); margem de desconto na “venda” para as livrarias; impostos; provisão para inadimplência. Os custos gráficos variam conforme o miolo, a capa, o formato/as dimensões. Uma porcentagem significativa do preço de venda fica com as livrarias, físicas ou digitais. Como regra, as editoras dão para as livrarias um desconto de 50% sobre o valor de capa proposto. Por exemplo, se o preço de capa sugerido for de R$ 39,90, a livraria pagará aproximadamente R$ 20,00. Isso dá margem para promoções, como estamos acostumados a ver. Excepcionalmente, pode existir desconto maior na primeira leva de livros da editora para a livraria, ou outros acordos especiais.

POR QUE AS VERSÕES DIGITAIS SÃO CARAS – Como regra, os contratos estipulam um limite para o valor do ebook de 50% do preço de capa da edição física. Desse modo, como os livros, no Brasil, costumam ter um preço de capa de R$ 29,90 e de R$ 39,90, a versão digital fica com preços maiores do que os praticados, por exemplo, nos EUA.

AS LIVRARIAS SÓ COMPRAM OS LIVROS DEPOIS DA VENDA PARA O CONSUMIDOR – Ao contrário do que acontece em outros países, as livrarias brasileiras não compram os livros das editoras antes de venderem. Existem dois sistemas por meio dos quais distribuem os livros: consignação e venda com direito de devolução. A diferença está no momento em que o dinheiro entra no caixa da editora: na consignação, só entra quando há o acerto de contas, isto é, quando a livraria fatura os livros efetivamente vendidos (ou perdidos) e devolve o restante, se houver; na venda com direito de devolução, o dinheiro entra “imediatamente” no caixa da editora, mas, passado um tempo, a livraria tem o direito de devolver os livros não vendidos e reclamar o dinheiro (proporcional) de volta. O dinheiro não entra imediatamente no caixa das editoras em nenhuma das hipóteses: há prazos entre o faturamento da compra dos livros e a efetiva transferência da quantia. O prazo pode variar de 60 a 120 dias, conforme as negociações entre as partes, e o acerto de contas pode acontecer, às vezes, apenas uma vez por ano. Os pagamentos ainda podem ser feitos por outras formas, como por meio de bonificações em futuras compras. Por exemplo, a livraria devolve um número de livros e fica com um crédito de quatro mil reais que são abatidos da próxima aquisição de livros da mesma editora. Assim, as editoras têm de bancar todos os gastos desde a decisão pela publicação de uma determinada obra até o real recebimento de qualquer repasse das vendas pelas livrarias.

AS EDITORAS NÃO ODEIAM OS LEITORES – As editoras dependem dos consumidores, isto é, dos leitores. Mas a viabilidade de uma obra leva em conta a projeção de recepção pelo mercado em relação aos custos projetados. Em outras palavras, se o livro não se pagar e gerar lucro razoável, ele não será publicado ou republicado. O custo unitário é menor quanto maior for a tiragem. Em contrapartida, o risco é maior, já que o custo total é maior. Se as vendas não atingirem o mínimo, a editora absorve um prejuízo proporcional. O raciocínio se aplica a séries de livros: se o primeiro ou o segundo volume não se bancarem, provavelmente os demais não serão publicados.

POR QUE AS EDITORAS NÃO VENDEM OS LIVROS DIRETAMENTE – Se as editoras vendessem os livros diretamente, por loja ou site próprios, os preços poderiam ser menores e os lucros, maiores. Não existe nenhuma lei que proíba o comércio direto. Porém, haveria uma saia justa com as livrarias, que provavelmente deixariam de distribuir os livros dessa editora, pois não teriam como igualar os preços. O mercado editorial tem um equilíbrio complicado no atual modelo.

QUANTO OS AUTORES RECEBEM DE ROYALTIES – Geralmente as editoras pagam um adiantamento de direitos autorais para o autor contratado. Esse valor corresponde a um valor mínimo assegurado ao autor, ou seja, o autor não deve nem precisa reembolsar o adiantamento caso as vendas não atinjam o valor correspondente. Os royalties correspondem a um percentual do valor de venda, entre 5% e 10%. Se e quando as vendas de livros ultrapassam o valor do adiantamento, o autor começa a receber, no período estipulado no contrato, a sua porcentagem.

NENHUMA EDITORA COBRA PARA PUBLICAR UM AUTOR – Editora (ou editor) é a pessoa física ou jurídica (“empresa”) “à qual se atribui o direito exclusivo de reprodução da obra e o dever de divulgá-la, nos limites previstos no contrato de edição”, nos termos da Lei de Direitos Autorais. Se uma empresa cobra do autor para publicar, não é uma editora, mas uma gráfica ou, no máximo, uma prestadora de serviços. Não basta que se autodenomine “editora.” Em resumo, uma editora é um negócio cujo lucro vem da venda dos livros.

O que eu não aprendi na escola de biblioteconomia

Mesmo com periódicos ajustes e atualizações, dificilmente um curso universitário consegue acompanhar as evoluções do mercado. Isso vale para todas as áreas. Algumas lacunas na preparação tradicional de 4 anos podem ser preenchidas com cursos paralelos e formação continuada. Todos concordamos com isso, mas fico sempre pensando comigo mesmo, como seria uma grade/matriz curricular para o curso de biblioteconomia mais adequada para o mundo atual?

Pensando nisso eu joguei a seguinte pergunta no facebook: o que você não aprendeu na escola de biblio que gostaria de ter aprendido e o que você aprendeu na experiência profissional que não te ensinaram na escola de biblio?

Minha síntese é que a formação do bibliotecário poderia ser melhorada nas seguintes frentes: administração e tecnologia. Normalmente essas disciplinas são oferecidas dentro da matriz como superficiais comparadas às disciplinas de processos técnicos voltadas à gestão de acervos. São ministradas por professores dos cursos de origem, que em geral não tem qualquer conhecimento sobre a operação de bibliotecas (mal os de biblio tem). Lembro de reuniões de departamentos que essas disciplinas eram um fardo, tanto para os professores dos outros cursos como os professores de biblio.

Não acredito que a ABECIN não tenha conhecimento desse tipo de descompasso, que em princípio, não seria algo difícil de ser solucionado. A sugestão inicial seria reduzir algumas disciplinas excessivamente técnicas (quem precisa de três semestres de CDD?) e oferecer mais disciplinas de TI e ADM, com foco especial em bibliotecas. Mas não fazer apenas mudança de nomenclatura de disciplinas com o mesmo corpo docente de sempre, isso não.

Um leque de disciplinas poderia ser oferecido por especialistas que não necessariamente fazem parte do corpo docente, ou então disciplinas a distância ministradas por pessoas reconhecidamente competentes naqueles temas, e já que, afinal, a rede de universidades é praticamente uma só, não seria tão absurdo propor uma equivalência de créditos entre as universidades federais e estaduais.

Um estudo relevante poderia ser feito com os principais contratantes de bibliotecários ao redor do país, públicos e privados, e solicitar que eles indiquem o tipo de profissional que desejam. Ou então elencar descrições de vagas de trabalho que não são direcionadas à bibliotecários, mas que poderiam ser preenchidas por nós. E a partir disso redesenhar a matriz pra atender as demandas.

Claro que vão dizer que alguns cursos já fazem isso e reformularam suas grades, e que a universidade não tem como ensinar tudo, e que o aluno/profissional é responsável por sua formação também, e que a universidade não tá pra formar só mão de obra, e etc. Mas convenhamos né, muito da formação está completamente fora da realidade e a biblioteconomia mudou muitos nos últimos 20 anos. Não dá pra ficar sempre correndo atrás de atualização por fora ao mesmo tempo em que perdemos tempo dentro de sala de aula.

Algumas das respostas estão compiladas abaixo, principais temas que merecem ser ensinados mais e melhor:

ADMINISTRAÇÃO

– gestão de projetos, planejamento estratégico, plano de metas, concorrência a editais

– gestão de orçamentos, como gerir recibos, NFs, Lei 8.666/93 e impostos (processos de aquisição e assinaturas)

– marketing e comunicação da biblioteca (promocional, redes sociais)

– arquitetura de biblioteca, segurança de acervos, insalubridade

TECNOLOGIA

– avaliação de sistemas de automação (quesitos técnicos, customização)

– desenvolvimento de softwares (open source, apps, mobile)

– informação digital (competência digital, social media, mineração de dados)

GESTÃO DE PESSOAS

– atendimento e venda (comportamento informacional)

– relacionamento interpessoal, gestão de conflitos, psicologia

– colaboração, mentoring e coaching

PROCESSOS TÉCNICOS e outros

– mediação de leitura

– acessibilidade

– lei de acesso à informação

– idiomas

UNIVERSIDADE

– distância entre teoria e prática (foco na pesquisa em detrimento do ensino e extensão)

– parcerias com as bibliotecas setoriais (estágios e extensão)

– intercâmbio de matrizes, oferta de disciplinas de outras universidades, créditos a distância

10 coisas que aprendi depois de 40 congressos

Acabei de dar uma olhada na programação do SNBU, que vai acontecer na próxima semana, em Manaus. Gostaria muito de ir, mas por motivo de força maior não irei. De qualquer forma, estive presente em várias outras conferências e congresssos nos últimos anos. Fossem elas em nível local, estadual, nacional, internacional, especializada, estudantil, não importa, eu estive lá. Até conseguei montar um “kit de sobrevivência para congressos”, que inclui as roupas certas para cada evento e cidade, os materiais de divulgação ou de apresentação (caso eu fosse dar uma palestra ou curso) e o controle da programação dos grandes congressos, que normalmente colocam apresentações interessantes acontecendo simultaneamente ou em intervalos de tempo muito curtos (o que exige um planejamento para maximizar a grade de horários).

Por mais que a gente às vezes fique irritado com a profissão, no fundo no fundo sempre que participei de um evento da área foi pra ver se eu conseguia recapturar a emoção e crença nas bibliotecas que me fez permanecer na profissão depois desses anos todos. Foi por essa mesma razão que eu resolvi organizar o primeiro bibliocamp, uma conferência para me fazer acreditar de novo, naquilo que eu realizo todos os dias e no que eu dediquei minha vida a concretizar profissionalmente. Spoiler alert: deu certo.

então…o que eu aprendi depois de ter participado de tantos SNBUs, CBBDs, ENEBDs, colóquios, encontros, palestras, etc?

Lição 1: Uma paixão sincera pelo trabalho permeia tudo que os bibliotecários fazem

As principais apresentações e conversas nos eventos levam a esse ponto. Os colegam falam sobre seus projetos bem sucedidos (ou não), discutem entre si o que estão fazendo naquele momento, os esforços em grande parte centrados em seus usuários, com um entusiasmo geralmente reservado a shows do Wesley Safadão. A gente passa horas ou dias rodeados por pessoas sorridentes e orgulhosas sobre o trabalho que elas fazem diariamente. Soraia foi a primeira a dizer que a biblioteconomia é uma profissão de apaixonados. Quem sou eu pra discordar?

Lição 2: Os bibliotecários formam um grupo forte

Mesmo que o número de participantes oscile entre um evento e outro, não deixa de ser surpreendente pensar que todas aquelas pessoas que estão ali, andando pelos corredores, pegando seus brindes nos stands, sentadas assistindo uma palestra, é uma pessoa que trabalha ou trabalhou com bibliotecas. Há tantos de nós e todos nós estamos, em nosso próprio caminho, trabalhando pra caramba para tornar nossas bibliotecas melhores e mais relevantes pros nossos usuários. Falamos muito sobre nosso sentimento marginalizado, como nossas instituições não ligam pra gente, ou como não somos reconhecidos como classe profissional. Pode não parecer na primeira impressão, mas existem muitos de nós, muitos mesmo. Com os esforços de grupos como a ABRAINFO e dos próprios CRBs e associações, podemos continuar a melhorar nossos números, a nossa paixão e nossa ética, para realizar uma mudança positiva em níveis locais e nacional.

Lição 3: Pessoas incríveis fazem coisas incríveis todos os dias e não recebem prêmios por isso

Para cada mil pessoas que trabalham em bibliotecas fazendo coisas inovadoras, oferecendo soluções criativas, além de todo o resto, talvez uma só receba algum tipo de reconhecimento. Prêmios são bons, mas eles não representam todos, nem necessariamente o melhor, dentre todos os bibliotecários que estão dando seu sangue nas bibliotecas. Por favor, lembre-se de dizer obrigado para as pessoas com quem trabalha. Diga obrigado também às pessoas aleatórias em outros lugares que você vê fazendo coisas boas. Não existem certificados suficientes, troféus, medalhas para reconhecer o bom e necessário trabalho por tudo o que fazemos.

Lição 4: O trabalho dos bibliotecários é muitas vezes difícil devido a fatores fora do nosso controle

Nenhum trabalho em biblioteca, orçamento, chefe, estrutura política institucional, estrutura, população, apoio ou prédio vai ser perfeito para todos. Há muita coisa que tem o potencial de causar enormes quantidades de estresse. A realidade é que esses elementos são parte do trabalho, parte do serviço público. Há trabalhos que se encaixam melhor ou pior com uma pessoa e comunidades que se encaixam melhor ou pior com um bibliotecário. É nosso trabalho descobrir onde podemos encaixar para que possamos continuar fazendo um bom trabalho.

Lição 5: O trabalho dos bibliotecários é muitas vezes difícil devido a fatores completamente fora do nosso controle

Há algumas coisas que podemos controlar. Podemos optar por não trabalhar horas insanas e dar o nosso sangue de graça. Podemos cuidar de nós mesmos simplesmente aproveitando nossos intervalos (*suspiro*) e dar uma caminhada fora da biblioteca durante o almoço. Podemos dar prioridade ao desenvolvimento profissional. Podemos optar por não permitir que os pequenos dramas (e vamos ser honestos, eles são pequenos dramas) no local de trabalho tornem-se crises completas que nos levam ladeira a baixo. Podemos optar por gastar o nosso tempo e energia com os membros da equipe que trabalham como nós e que compartilham conosco os objetivos e a ética, e que são agradáveis de estar ao redor, minimizando assim o impacto e a influência das poucas maçãs podres que podem existir em qualquer organização.

Lição 6: Dinheiro, tipo de biblioteca e tipo de posição afetam significativamente a realidade de um bibliotecário

Um bom número de comentários que ouvi, tanto em sessões formais e conversas informais, refletia um viés pessoal e experiência limitada do palestrante. Nem todo mundo tem um smartphone. Talvez na sua comunidade, mas não na minha. Nem toda biblioteca pode ter um espaço “makerspace”. Nem todo bibliotecário pode pagar um hotel de luxo. Nem todos os usuários da biblioteca podem ler. Nem todo usuário da biblioteca se sente seguro na biblioteca. Nem todo bibliotecário tem suporte para publicar ou buscar o desenvolvimento profissional. Não toda escola possui um bibliotecário. Lembre-se que sua própria situação é apenas isso: a sua própria. Ouça as histórias dos outros e amplie sua compreensão do grande fluxo de nosso trabalho, bibliotecas e comunidades que servimos.

Lição 7: Existe um grupo de bibliotecários mais jovens que estão deixando os mais antigos orgulhosos

Percebi um tempo atrás que eu não faço mais parte da geração dos mais novos. Eu já sou bibliotecário por mais de 10 anos e trabalho em bibliotecas há mais de 15. Muitos novos bibliotecários, e, definitivamente, não apenas os bibliotecários, mas pessoas que trabalham diretamente com bibliotecas, estão fazendo coisas ótimas. A energia, inovação e perspectiva que eles trazem para os seus postos de trabalho me traz esperança de que nossas bibliotecas têm um futuro decente.

Lição 8: Questões de justiça social importam muito para os bibliotecários

Tenho visto exemplos lindos de pessoas que se juntam para aprender, mostrar solidariedade para com, e promover várias questões de justiça social. A localização de algumas conferências nas principais capitais, por exemplo, ampliou muito a consciência sobre a violência urbana, da população de rua, racismo e questões LGBT. A desigualdade social, o racismo, o sexismo, a disparidade de renda, intolerância e ódio de todas as formas não são tolerados nas bibliotecas ou pelas bibliotecas. As resoluções dos conselhoes e associações, que apelam para bibliotecas mais inclusivas, é um bom exemplo deste trabalho. Precisamos nos comprometer a fazer mais em nossas próprias bibliotecas e carreiras daqui para frente para defender estes valores essenciais. É muito fácil ter medo de tomar uma posição política e colocar a sua organização ou seu emprego em risco, em detrimento dos interesses da comunidade. É muito mais fácil ter medo e seguir as políticas e procedimentos e seguir a linha da sua instituição, esquecendo quem você é e qual é a sua ética profissional. Sou grato aos meus colegas por me lembrar a todos nós deste importante elemento do nosso trabalho.

Lição 9: As nossas histórias são mais importantes do que as nossas estatísticas

Você pode contar os seus livros, o número de visitantes, os seguidores no facebook. Ou você pode contar histórias, pode causar um impacto em outras vidas, e compartilhar essas histórias com as pessoas que tomam decisões orçamentais e políticas sobre a sua biblioteca. Tudo o que eu ouvi nas principais conferências tinha mais ênfase na segunda ação do que na primeira.

Lição 10: Ajudar as pessoas ainda me traz mais alegria do que qualquer outra coisa

Este último ponto pode parecer óbvio, mas não é. Os momentos nos congressos que me fizeram sorrir, que me energizaram e me animaram, todos tinham a ver com alguém ajudando alguém ou eu ajudando outra pessoa. Eu fico completamente entusiasmado pela profissão ao ver um impacto positivo a partir do intercâmbio de conhecimentos, uma mão amiga, uma dica simples ou uma experiência compartilhada.

Portanto, todos vocês vão ter que me aturar por mais um tempinho. Esta coisa de “ser bibliotecário” parece estar incorporada profundamente no meu ser para me levar a continuar a trilhar este caminho. Eu prometo fazer o meu melhor e sei que vocês vão prometer fazer os seus. Obrigado a todos por serem da minha tribo.

[artigo original Who We Are: Lessons from ALA Annual Conference 2016]

Como fazer pesquisa em bibliotecas especializadas ou de obras raras

É muito comum pesquisadores e entusiastas de bibliotecas especializadas e de obras raras se deslocarem muitos kilômetros e dedicarem muitos dias em busca dos seus materiais de pesquisa. Qual é a maneira mais eficiente então de visitar essas bibliotecas, ter acesso ao acervo, consultar os materiais e atender as expectativas dos bibliotecários?

Tendo trabalhado em bibliotecas especializadas e sempre relatando e acompanhando essas visitas (no Caçadores de Bibliotecas e de pesquisadores como o Fabiano Cataldo e a Claudiane Weber, por exemplo), acho que seria interessante oferecer algumas dicas para pesquisadores ou pessoas em geral que precisam consultar algum acervo raro, manuscritos ou materiais especializados. Vamos lá.

Conheça a biblioteca

Antes de visitar uma biblioteca especializada (inclua aqui bibliotecas nacionais, universitárias, religiosas, de obras raras, etc) é importante contactá-la para confirmar que o material que você pretende examinar está disponível nas datas que deseja visitar. Isso é crucial especialmente para quem viaja para visitar bibliotecas de outras cidades e países. Os itens podem algumas vezes estar em exibição em uma exposição, emprestados, passando por algum tipo de conservação ou no estúdio fotográfico. Não tem nada mais simples do que dar um telefonema ou mandar email pra confirmar. Outra coisa importante é verificar se a obra já não foi digitalizada, já que as bibliotecas estão disponibilizando novos materiais online todos os dias.

Especialmente durante viagens, certifique-se que a biblioteca não estará fechada para algum feriado ou evento local. Algumas bibliotecas menores fecham para uma pausa do almoço. Lembre também que muitas vezes você vai ser convidado a deixar o ambiente de pesquisa alguns minutos antes do horário de fechamento indicado.

A maioria das bibliotecas exige que você solicite os itens com antecedência, que deve ser feito pelo menos um dia antes da visita. Isso agiliza a pesquisa porque você não vai precisar ficar esperando as obras serem encontradas nos armazéns e estantes, elas já estarão lá separadas quando você chegar. Provavelmente será necessário obter um passe de leitor ou visitante para a maioria das bibliotecas, ou até mesmo atender requisitos incomuns para entrar em certas bibliotecas especializadas. Tente resolver de antemão, para não correr o risco de chegar lá e descobrir que você não trouxe identificação suficiente para ser admitido.

Tenha sempre em mãos:

1. comprovante de residência
Já que você estará trabalhando com alguns materiais considerados valiosos, vai ser preciso uma prova oficial de endereço para obter o acesso.

2. uma carta de referência ou recomendação
A maioria das bibliotecas especializadas exige que você traga uma carta de recomendação recente indicando brevemente qualquer filiação institucional que você possua e comprovação de experiência com manuseio de materiais e coleções especiais. Ela deve ser impressa em papel timbrado oficial. Leve sempre um original e uma cópia para cada biblioteca que visitar.

3. foto 3×4
Algumas bibliotecas possuem câmeras e tiram sua fotografia na hora. Mas outras bibliotecas menores podem pedir-lhe para trazer uma ou duas fotos para anexar a um cartão de visitante. Se a biblioteca for em outro país procure saber qual é o tamanho exato da foto de identificação que eles exigem.

4. dinheiro vivo e moedas
Normalmente você não pode entrar com bolsas ou mochilas e precisa deixá-los no guarda volumes. Mas na maioria das bibliotecas (fora do país), você recebe uma chave de armário, em troca de uma moeda. Não se preocupe: é um depósito, você vai recebe-la de volta quando retornar a chave. Além disso, as bibliotecas podem cobrar taxas por reprodução de imagens (fotografias, reprografias, microfilmes) e outros serviços, como o próprio cafezinho. Leve dinheiro.

Ao planejar sua visita, não se esqueça de cuidar de si mesmo: algumas bibliotecas podem ser muito frias (bibliotecas de faculdades e catedrais antigas especialmente durante o inverno no hemisfério norte). As grandes bibliotecas nacionais e universitárias tem restaurantes e cafés no local, mas em outros casos você vai querer trazer um estoque suficiente para garantir o dia, sem perder tempo à procura de comida.

Traga os instrumentos certos

Pense cuidadosamente sobre suas necessidades de pesquisa antes de ir à biblioteca, e o que você vai precisar para respondê-las. Muitas viagens bem-sucedidas para a sala de leitura podem ser feitas com nada mais do que um método para tomar notas. Mas tudo pode ficar mais fácil com algumas ferramentas simples:

1. uma régua
Esta é a parte mais importante do kit de ferramentas do pesquisador especializado. É bem difícil encontrar uma régua específica para o trabalho codicológico. Os manuscritos são sempre medido em milímetros, independentemente da sua dimensão; isto significa que você quase nunca vai precisa se preocupar com números decimais ou frações para chegar a um nível adequado de precisão, poupando tempo. Infelizmente, a maioria das réguas são marcadas apenas em centímetros, o que torna difícil para ler as inscrições menores. As réguas mais precisas numeram os milímetros individualmente. Ainda melhor é uma régua que marca metade dos milímetros. Como o pergaminho raramente é plano, uma régua flexível é o ideal para trabalhos que avaliam o layout da página ou caligrafia. Uma régua de cerca de 500 milímetros de comprimento é o suficiente para a maioria dos manuscritos.

2. lápis e papel
Bibliotecas com coleções especiais proibem canetas. Muitos emprestam lápis, mas às vezes um lápis emprestado não é o suficiente para a escrita mais estendida; traga os seus próprios lápis, além de um apontador. Mesmo se você estiver usando um laptop, não quer ficar preso se a bateria morrer de repente.

3. uma câmera
Às vezes é mais rápido tirar uma foto e fazer anotações mais detalhadas em casa. Reconhecendo que isso reduz o desgaste das coleções, um número crescente de bibliotecas permite a fotografia de seus itens. Mas não conte somente com isso: muitas salas de leitura tem luz demasiado fraca para obter uma imagem clara de uma página de texto escrito à mão, com uma câmera point-and-shoot ou smartphone tradicional. Mesmo com uma câmera sofisticada o texto pode estar ilegível, necessitando de outra visita. Muitas vezes a opção mais rentável é (quando existir) solicitar uma cópia ao serviço oferecido pela própria biblioteca, que produz fotografias mais claras e profissionais; e se você pedir um manuscrito inteiro, você também vai estar fazendo um favor ao mundo, uma vez que isso permite que as bibliotecas tornem o material disponível através da digitalização das obras. Se você está determinado a tirar suas próprias fotos, esteja ciente de que muitas bibliotecas proibem câmeras SLR que emitem ruidos. A câmera ideal para a maioria dos pesquisadores é uma câmera semiprofissional. Busque a câmera que ofereça maior sensibilidade de captura, já que esta é a chave para obter fotografias nítidas de texto (um sensor APS-C é uma expectativa razoável com a tecnologia de hoje e com o orçamento de um pesquisador). Também é útil ter uma capa de lente, para reduzir o brilho das luzes fluorescentes e garantir que você não fique muito perto do livro.

4. uma lupa
Opcional, dependendo de sua visão e da especificidade da pesquisa. Muitas vezes pode ser emprestada nas salas de leitura.

5. uma pequena lanterna elétrica
Ao estudar uma superfície de escrita, seja em pergaminho ou uma página impressa, um feixe de luz pode revelar muitos detalhes. Certifique-se de usar uma luz LED, uma vez que estas produzem menos calor; e tenha cuidado para não cegar outros leitores.

Seja bonzinho com as obras raras

A manipulação de um manuscrito ou obra rara é como cuidar de uma criança pequena. Eles às vezes podem ser surpreendentemente resistentes, mas também podem fazer coisas inesperadas quando não estamos atentos e se machucar facilmente.

Utilize sempre os apoios apropriados para as obras: em geral as bibliotecas disponibilizam apoiadores em cada mesa. As almofadas de espuma em formato triangular estão se tornando comuns e vêm em tamanhos diferentes. Se você não encontrar o que precisa, ou você não tem certeza de como usar os apioadores corretamente, a equipe da sala de leitura está lá para dar uma mão.

A Biblioteca Britânica oferece uma série de filmes que mostra como usar os itens especiais corretamente; mesmo pesquisadores experientes às vezes são surpreendidos ao descobrir que estavam utilizam as obras incorretamente durante décadas. Procure saber na sua biblioteca de preferências se eles oferecem orientações específicas sobre a utilização e conservação das obras.

[artigo original Tips for a Manuscripts Road Trip]

O futuro dos serviços de biblioteca em 3 visualizações

1. A Biblioteca do Futuro é um lugar onde nem livros, nem mesmo informação, estão no centro, mas as pessoas

future

As pessoas desejam espaços onde elas podem se reunir, onde podem aprender, onde possam viver e se divertir. A biblioteca do futuro está equipada para capacitar as pessoas para o conhecimento.

“O conhecimento é mais importante do que o espaço” – Edward Glaeser

Através de amenidades tecnológicas, espaços culturais e de exposições organizados, e uma abordagem de uso misto para a aprendizagem que incorpora tudo desde empreendedorismo e makerspaces até salas de aula no modelo “flipped” e cadeiras especiais para tirar uma soneca, os serviços de biblioteca do futuro vão encontrar as pessoas onde elas estão – e transformar-se em muitas outras possibilidades. Mas o que isso significa para os livros?

2. A Biblioteca do Futuro revive as suas origens como uma grande democratizadora do conhecimento

As bibliotecas antigas foram formadas para democratizar artefatos culturais e conhecimentos – a grande biblioteca de Alexandria, com seus extensos volumes, era um edifício icônico que honrou o compartilhamento do conhecimento. Hoje, as bibliotecas universitárias são confrontadas com as exigências da alta despesa que seus espaços impõem, e demandam novas soluções.

“Uma biblioteca é um lugar onde as pessoas interagem com a cultura” – Edmund Klimek

Ao realocar materiais para fora do campus e usando o capital imobiliário crucial dentro da universidade para fornecer espaços de interação, as bibliotecas podem oferecer um nível inteiramente novo de serviço. Ferramentas como digitalização e catálogos on-line são apenas a ponta do iceberg – com inovações em serviços de biblioteca, as bibliotecas podem reunir as pessoas em torno de um hub de conhecimento, ao mesmo tempo preservando seus ativos para melhorar a longevidade das obras.

3. Para alcançar essas oportunidades de engajamento, a Biblioteca do Futuro deve funcionalmente preservar seus ativos

Para que as bibliotecas funcionem eficazmente, elas precisam ser construídas em torno dos mesmos serviços e processos que suportam. Para as universidades Emory e Georgia Tech, que estavam combinando suas coleções em um único acervo compartilhado, a empresa KSS concebeu um Centro de Serviços de Biblioteca, onde cada metro quadrado é dedicado a um processo contínuo. Este passo na preservação de artefatos culturais da biblioteca é crucial, não só para proteger os bens culturais de valor inestimável, mas também – e talvez contraintuitivamente – para torná-los mais utilizáveis. Ao melhorar a preservação destes materiais, eles estarão disponíveis para as futuras gerações de alunos, avançando o valor e a longevidade da biblioteca por séculos.

A abordagem da “Centro de Serviços de Biblioteca” [eu prefiro a tradução de Library Service Center como “Biblioteca Central de Atendimento”] é fundamental para cumprir o papel da biblioteca do futuro: ao criar uma poderosa instalação fora do campus, uma coleção compartilhada com muito mais materiais do que qualquer uma das instituição tiveram acesso antes, o Centro de Serviços de Biblioteca abre espaço no coração do campus para a aprendizagem compartilhada, reunindo espaços e estudos com alta tecnologia e pesquisa.

“Sua biblioteca é o seu retrato” – Holbrook Jackson

O poder do mundo dinâmico em que vivemos está na quantidade de engajamento que experimentamos diariamente – experiências que são memoráveis, pessoais, sensoriais. A economia da experiência percebe o poder do engajamento – pessoas que se deslocam através e além das comunidades. Para a biblioteca aproveitar esse movimento ela precisa transformar-se, tornando-se uma instituição que serve tanto seus usuários como a sociedade como um todo.

O caminho para a Biblioteca do Futuro é claro – ao preservar artefatos culturais em espaços intencionalmente concebidos, as instituições podem maximizar a longevidade funcional, oferecendo oportunidades para o engajamento que moldam um modelo novo do futuro. Bibliotecas tornam-se mais dinâmicas, mais democratizadas, mais acessíveis, mais centradas nas pessoas. Elas percebem seu potencial como lugares emblemáticos na junção de conhecimento e cultura.

[tradução do texto original The future of library services in 3 visualizations publicado pela KSS Architects]

19 segredos que os bibliotecários nunca revelam

1. A gente não enjoa dos livros

gilmore

A maioria de nós têm sido sempre, e provavelmente sempre será, leitor. Nós adoramos discutir todas as coisas relacionadas a livros dentro e fora da biblioteca.

2. Mas nós ficamos irritados quando as pessoas dizem coisas como: “Então o seu trabalho é só ler livros o dia inteiro, deve ser bom!”

Nós coletamos materiais (livros, revistas, filmes, bases de dados, etc), oferecemos programação para todas as idades e grupos demográficos, vamos até as nossas comunidades para mostrar como a biblioteca pode beneficiá-las, oferecemos aulas, etc.

3. Não é incomum encontrarmos “surpresas” dentro dos livros devolvidos – alimentos, mofo e alguns livros encharcados

Cuide das suas coisas! A gente também vê livros com páginas arrancadas, manchas estranhas em algumas páginas e livros completamente arruinados.

4. Pegar no flagra pessoas tentando cumprir a fantasia sexual da bibliotecária sexy

Muitos de nós já empatamos alguns amassos entre as estantes. Isso acontece graças ao nosso terreno, especialmente se a biblioteca tiver cantos escondidos e mobiliário confortável. Ouve-se falar que acontece mais frequentemente em bibliotecas de universidades.

5. A gente não liga muito se os livros estão um pouco atrasados

null

A vida é dura, e a gente sabe que às vezes você precisa de um pouco mais de tempo com um livro.

6. No entanto, é irritante quando um livro fica muito atrasado

Nós bibliotecários não gostamos quando um livro está extremamente atrasado, até o ponto onde os outros leitores ficam esperando um longo tempo para obtê-lo, ou pior, se o livro nunca mais for devolvido.

7. O pior é quando os usuários negam de pé juntos que não estão com o livro

Pô, cara, faz isso não. Apenas devolva o livro secretamente na queda da noite e ninguém vai dizer nada.

8. Diferente do que a mídia retrata, nós não passamos o dia fazendo shiii para as pessoas

Nós apenas monitoramos o nível de ruído em zonas de silêncio. Nesses locais, a gente têm de fazer calar algumas pessoas às vezes, o que não é divertido. As bibliotecas são espaços incrivelmente multifacetados que refletem as suas comunidades e não são mais lugares onde todos precisam ficar calados.

9. Nós não ficamos irritados quando os usuários fazem barulho nas áreas não-silenciosas

As bibliotecas públicas tem um monte de programas barulhentos (por ex: atividades infantis são quase sempre barulhentas). As bibliotecas são mais do que as pessoas costumavam pensar delas. Há experiências científicas e filmes e música e muitas outras coisas incríveis acontecendo nelas!

10. Mas nós não gostamos de ter que chamar a atenção dos outros

Só siga as regras, por favor.

11. A gente adora dar recomendações de livros, por isso não tenha medo de perguntar

Nós adoramos dar recomendações de leituras. É sinceramente uma das partes favoritas do trabalho. Se você está procurando um novo livro pra ler, pergunte ao seu bibliotecário!

12. Um grande desafio para os bibliotecários em bibliotecas públicas é proporcionar diversão e coisas engenhosas com um orçamento apertado

null

Ter um orçamento limitado ou pequeno e querer fornecer TODAS AS COISAS é difícil. Felizmente, os bibliotecários são engenhosos, e muito sagazes em seu desejo de promover o conhecimento e acesso à informação para todos.

13. Nada é melhor que descobrir que nós ajudamos alguém a ter sucesso

null

Certa vez uma bibliotecária tinha um usuário frequente que passou em um concurso importante depois de meses estudando para a prova. Daí o usuário pediu pra ela ler a tela do computador, mostrando que ele passou. Foi muito emocionante para a bibliotecária fazer parte daquilo, embora a uma certa distância, apenas fornecendo um lugar seguro e confortável e a tecnologia e ferramentas para que ele pudesse estudar.

14. Se o livro que você quer não está lá, nós podemos obtê-lo em outro lugar para você

null

Nós podemos tentar pedir emprestado o livro de uma biblioteca diferente (pergunte ao seu bibliotecário sobre empréstimos entre bibliotecas!), ou, se o orçamento e a demanda permitirem, vamos considerar a compra do livro para adicionar à coleção.

15. Nós realmente gostamos de ajudar as pessoas

Isso poder ser tanto ajudar uma criança a encontrar livros que irão incentivar o seu amor pela leitura, mostrar a alguém como usar computadores para conseguir um emprego, fornecer ferramentas para ajudar alguém a voltar para a escola, ou indicar qual abrigo público um morador de rua pode utilizar naquela noite.

16. A gente também *ama* organizar eventos para a comunidade

A photo posted by Leanne Oliveira (@comicfairy) on

Ver a comunidade se envolver e desfrutar dos programas é um êxtase para muitos de nós. Além disso, nós costumamos criar atividades que nós queremos participar, então é um duplo benefício!

17. Nós não ficamos ofendidos com o estereótipo nerd

A photo posted by Allison (@howifeelaboutbooks) on

Na maioria dos casos, nós bibliotecários somos rebeldes e guerreiros da justiça com muito boas habilidades de pesquisa e organização.

18. A gente não se importa em tentar nosso melhor para ajudar a encontrar um livro baseado apenas na capa, mas ajuda muito se você tiver mais informações

null

Não é fácil, mas a gente tenta.

19. Nós gostamos quando os usuários fazem coisas boas pra gente, mas a principal forma de manter sua biblioteca preferida é deixar o governo local saber que ela é importante pra você

null

Nós já recebemos notas de agradecimento, flores, etc., e sempre aprecimos o carinho, mas também tentamos dizer às pessoas para apoiar seus bibliotecários usando a biblioteca e deixando o governo local saber que você ama a biblioteca e deseja ver mais dinheiro investido na compra de livros e novos recursos.

[post original publicado no BuzzFeed: 19 Secrets Librarians Will Never Tell You]

Altmetria para bibliotecários

null

Saiu o aguardado livro da Andréa Gonçalves sobre altmetrics. O livro é resultado da pesquisa dela no mestrado e é ótimo porque mostra vários exemplos de aplicação de altmetria na prática, diferente da maioria dos artigos acadêmicos que apresenta somente o conceito.

O livro não foi escrito somente para bibliotecários, mas acho que nós temos aqui uma chance enorme de aprofundar ainda mais nessa coisa de métricas acadêmicas alternativas.

A gente acaba atuando mais ou menos como consultores dentro das discussões institucionais sobre a comunicação científica e a definição do impacto da pesquisa, os professores estão sempre tirando dúvidas com a gente sobre os indicadores de impacto, não é verdade? Quem também lida diretamente com assinaturas de periódicos e hospedagem de conteúdo em repositórios, por exemplo, vai começar a pautar as decisões de aquisição e renovações de assinaturas a partir do volume de conteúdo compartilhado e reverberado na web. Além disso, nós normalmente somos os responsáveis pelas atividades de mediação e treinamento dos usuários em gestão de informação científica e sobre mídias sociais e ferramentas como Mendeley, Google Scholar, YouTube, Slideshare e blogs. Por isso que a Altmetria pode e deve tornar-se uma parte mais comum do ferramental das bibliotecas acadêmicas e especializadas.

O ebook está disponível nas principais lojas online. Vejam aqui o release completo: Altmetria para bibliotecários Guia prático de métricas alternativas para avaliação da produção científica

Aplicativos mobile em bibliotecas brasileiras – parte 2

Eu quis dar uma atualizada neste post de 2012 depois de constatar duas coisas. A primeira é que cerca de 20% dos acessos ao catálogo da UFRJ são via mobile (smartphones ou tablets). A segunda é que as buscas por “biblioteca” nas lojas de aplicativos (appstore e google play) trazem quase nada relacionado à bibliotecas propriamente.

Ou seja, a primeira preocupação é saber quantos de nossos sistemas (pergamum, aleph, sophia, etc) foram atualizados nos últimos anos para oferecer aos usuários pelo menos um design responsivo do catálogo. A maioria desses OPACs já conta com a possibilidade de fazer reservas e renovação online, o que é ótimo, mas poucos ainda são otimizados para mobile.

Não sei qual é a impressão de vocês, mas a mim, 20% de acessos, 1 a cada 5 usuários acessando o catálogo, é bastante. Essa estatística é proveninente de um grande sistema de bibliotecas universitárias, talvez não seja a realidade de vocês, mas aqui está se tornando cada vez mais comum os usuários chegarem com os números de chamada a partir de telas ou prints que eles tiram acessando o catálogo direto no celular, mesmo quando a biblioteca oferece computadores dedicados para isso. Acabou aquela história de anotar número de chamada no papelzinho.

Pois bem, a solução para o primeiro problema (um número cada vez maior de usuários acessando o catálogo da biblioteca via mobile) seria oferecer um aplicativo da biblioteca, algo simplificado que permitisse a consulta ao acervo, ou algo mais elaborado que permitisse o login a partir do app, para fazer reservas e renovações. Se desenvolver apps é complicado, então que pelo menos o design do catálogo seja responsivo.

Vejam a diferença entre um site responsivo e outro não. A tela de USP aparece limitada, o site é visto exatamente como na tela do desktop, você precisa usar o scroll horizontal. Não é o fim do mundo, mas é chato.

USP

Já a tela do MIT é responsiva, o conteúdo do site se adequa ao espaço da tela do celular. Bem melhor.

mit

O catálogo da USP em si não é responsivo, utilizei apenas como exemplo. Mas o problema foi resolvido com a criação de um app. Conversando com o Murakami sobre o aplicativo deles, que é um dos poucos na app store que contêm essas especificações elaboradas que mencionei acima, ele explicou que o app utiliza uma parte do X-Services no Aleph, uma parte do Restfull do Primo, mais uma parte da autenticação na USP. Ou seja, é uma adaptação, mas inteiramente funcional. Se as estatísticas servem de estímulo, o aplicativo das bibliotecas da USP é bastante usado, com mais de 5000 instalações em cada plataforma (android e ios).

Sobre o segundo problema (buscas por “biblioteca” nas lojas oferecem resultados de diferentes aplicativos, mas poucos diretamente vinculados à bibliotecas), acho que seja um reflexo do primeiro (baixa oferta de apps). Então fica a expectativa de que nós bibliotecários podemos fazer melhor no futuro.

Dentre os aplicativos de biblioteca que podem servir de exemplo estão o da USP, Unesp, Unicamp, Uenf, UCS e Univates.

Home da Unicamp

unicamp

App da UFRGS que inclui a biblioteca dentre todos os serviços da universidade

UFRGS

App da Univates que mostra a localização do livro nas estantes

univates

App da USP que mostra a geolocalização das setoriais

USP