Censura à pesquisa, censura em bibliotecas: cena de Chernobyl episódio 4

Censura em bibliotecas no Brasil normalmente aparece em quatro versões: censura religiosa, censura ética/social, censura política e censura militar. Censura religiosa é a que historicamente mais aparece nos noticiários e grande mídia (incluir obrigatoriedade de ou excluir bíblias, disputas no sincretismo, etc); censura ética/social acontece normalmente quando querem expurgar de escolas algum livro do tipo que você costuma ler com uma mão só (se é que me entendem meninos e meninas); censura militar mesmo quem não viveu entre 64 e 85 conhece bem, tem a ver com interesses estratégicos e propriedade industrial. Se confunde com a censura política/ideológica, que em governos supostamente democráticos é mais sutil, mas é a que tem aparecido com mais impulso nos últimos anos, desde a redemocratização.

Isso não é um argumento acadêmico, os dados aqui são difusos, mas mesmo considerando os principais casos de censura não lembro de situações extremas recentes que tenham causado a necessidade de algum tipo de reparação na práxis bibliotecária. Muitas das nossas normativas e código de ética em relação à censura são baseadas em preceitos universais do humanismo e democracia, vagos o bastante para se adequar à nossa realidade local. Isto é, para os bibliotecários, seja em uma biblioteca pública, infantil ou lidando com uma coleção especializada, nenhum instrumento de censura pode ser tolerado. Um ponto essencial é que, como trabalhamos com desenvolvimento de acervos, da compra ao descarte, estamos em posição ambivalente de censurar e sermos censurados. Não vou problematizar. Quem quiser saber mais basta procurar nas fontes da área que existem excelentes trabalhos sobre o tema.

Me peguei pensando nesse tema depois que vi o trecho abaixo, da série Chernobyl:

Também não vou problematizar Chernobyl enquanto série, acho que tá claro ali a narrativa ocidental enviesada ainda que o foco seja na tensão entre os pesquisadores/especialistas e os burocratas. A série é muito baseada no livro da Svetlana Aleksiévitch, Vozes de Tchernóbil, que é um trabalho excelente. São dois pontos que me chamaram a atenção nessa cena: fazer pesquisa na era pré-internet e fazer pesquisa sob regime de censura, ou as duas coisas juntas, tudo isso ambientado na biblioteca tradicional.

Eu sinto muita pena de quem tinha que fazer pesquisa na era pré-internet. Se hoje com a velocidade de troca que a gente tem, às vezes as informações ainda são lentas, imaginem naquela época. Pensem na chatice que era vasculhar catálogos de fichas, ter que fazer solicitações para uma bibliotecária gatekeeper e ainda ter que esperar semanas ou meses para obter um determinado artigo, sem saber de fato se ele é relevante para a pesquisa. Deixo aqui meus parabéns a todos os pesquisadores e bibliotecários guerreirinhos pré 1990s.

Sinto mais pena ainda de quem tem que fazer pesquisa sob censura. No trecho da série acima, a pesquisadora solicitou algo em torno de 4 artigos, mas o censor disse que ela poderia ter acesso a somente um deles. E este artigo ainda vinha com páginas a menos, por conta da censura. Era informação crucial para a prevenção de um acidente nuclear, mas que foi mantido em sigilo por um estratégia de Estado. Deu ruim.

Bem, as observações que eu pontuei na cena da biblioteca enquadram o tema que a série explora de maneira geral: o perigo de um poder tão centralizado que a verdade e a falsidade se invertem. Quando as sociedades depreciam não apenas o conhecimento especializado, mas também a natureza da própria verdade, a catástrofe inevitavelmente se segue. Se a gente aplicar essa maior mensagem da série de TV à mudança climática, a disseminação de fake news, terra planismo, campanhas anti-vacinas, memes bizarros no whatsapp e facebook, ela é uma fábula perfeita para os nossos tempos. E eu me pergunto: como nós bibliotecários vamos nos posicionar e lidar com isso? (quando for o momento, se ele não for agora)

Nós não estamos vivendo no Brasil um estado totalitário, mas estamos numa realidade onde um estudo da Fiocruz sobre uso de drogas no Brasil acabou de ser censurado. Um projeto de lei do governo prevê eliminar multa para quem levar criança sem o equipamento apropriado no carro, sendo que estudos mostram que o uso da cadeirinha reduz acidentes fatais. Um lugar onde a verdade não é fixa e as referências estão mudando, na medida em que a verdade é de quem a controla. Vira uma espécie de commodity, a gente pode comprar na esquina ou num ad farm chinês.

Eu trabalho na universidade, então eu sei que os pesquisadores tendem a ser ambíguos quanto aos controles sobre a aplicação e comunicação científica, porque ao mesmo tempo que se opõem a qualquer tipo de censura que possa prejudicar sua autonomia, aceitam algumas restrições justamente a fim de proteger a comunidade acadêmica de intervenção externa. Já os políticos simplesmente evitam qualquer repercussão baseada em dados científicos que mostra o impacto das merdas que estão fazendo. Escolha a cor da sua bandeirinha, não faz diferença. A novidade é que, além de tentar impedir pesquisas em áreas ditas sensíveis ou de “menor retorno”, o governo brasileiro atual está tentando forçar os cidadãos a ignorar que o conhecimento existe.

O paradoxo dos desenvolvimentos atuais desses mecanismos de censura é que eles tendem a destruir a base dos direitos civis ao restringir a liberdade intelectual e científica, quando o uso apropriado dessa censura seria para coibir a presença do anti-intelectualismo, convenhamos. Bibliotecários devem ter isso muito claro em mente.

A censura na maioria dos casos práticos é reduzida em um agente censor que acredita que um determinado banimento pode melhorar a sociedade, proteger criancinhas e restaurar aquilo que vê como valores morais perdidos. Os censores tentam usar o poder do Estado para impor sua opinião sobre o que é verdadeiro e apropriado, ou ofensivo e censurável, acima de tudo, acima de todos. Os censores pressionam as instituições públicas, como as bibliotecas, a suprimir e remover informações de acesso público que julgam inadequadas ou perigosas, de modo que ninguém mais tenha a chance de ler ou visualizar o material e decidir por ele. Isso tudo tá bonitinho lá nas diretrizes da IFLA, devemos combater com todas as forças. Mas quando bate aqui, na nossa porta, é duro de assimilar. Eu me sinto em 1986. Parabéns aos envolvidos.

Arquitetura de bibliotecas – edição nacional 2019

O dinheiro acabou pra todo mundo, exceto pras escolas Lemann e do high society paulistano. Mas continuo sonhando com obras e reformas de bibliotecas públicas no pinterest. Não fiz categorias específicas ou tendências, vou colocar abaixo alguns projetos que gostei, recentes ou nem tanto, critério estritamente pessoal.

Centro Educacional Pioneiro, SP

Bernoulli Go, BH

Beacon School, SP

Anglo 21, SP

Escola Eleva, RJ

Insper, SP

Educandario Imaculada Conceição, Florianópolis

Maison de France, RJ

Instituto Quindim, Caxias do Sul

Livro Livre, SP

Casa Plana, SP

Material BA-Z, SP

[créditos]

Centro Educacional Pioneiro e Bernoulli Go: projeto do StudioLux

Beacon School: projeto da Base Urbana

Anglo 21: projeto Novidário

Quindim: projeto de Jessica de Carli, foge bem da pegada das escolas bilingue, excelente. Manteve as características originais do moinho construído no final do século 19.

Eleva: projeto MPGAA

Maison: projeto Peckson

Insper: Athié Wohnrath

Educandario Imaculada Conceição: Studio 8

Casa Plana é livraria, não fazem empréstimo domiciliar, mas eles se auto-intitulam biblioteca, então está aqui pra gente cobrar depois.

Material BA-Z: primeira biblioteca com foco em materiais da América Latina. Aberta para todos os alunos, professores e funcionários da Belas Artes. Público externo, é necessário agendar visita.

Como realizar uma aula pública sobre a biblioteca universitária

Se você tivesse que montar uma banquinha na praça da cidade e explicar como é o trabalho em uma biblioteca universitária, como você faria? Me peguei pensando nisso, já que novamente existe uma pressão para justificar a existência da universidade e seus funcionários (aqui no caso, universidades públicas). Ideologias políticas e biblioteconômicas a parte, concluí que é um pouco difícil fazer essa explicação.

Pessoalmente eu entendo a biblioteca universitária como um conjunto de técnicas aplicadas ao implemento de outras áreas, ou seja, a BU seria uma espécie de meta-ciência, não uma “ciência” propriamente, mas um tipo de atividade no contexto especializado que está ao serviço de outras ciências. Mas como traduzir isso em termos de um entendimento comum, ao público que está fora da universidade?

Talvez essa aula pública pudesse ser um apanhando de experiências diárias, nos moldes do um dia na vida, ou uma espécie de agradecimento ou reconhecimento por parte dos pesquisadores tal qual em uma banca. Claro que em uma aula pública devemos ofertar antes de esperar aplausos e ampla defesa, mas é impressionante que seja tão raro que os acadêmicos de qualquer nível, as pessoas que de fato utilizam as bibliotecas das universidades, falem sobre como bibliotecários moldam seu trabalho quando articulam os métodos da pesquisa.

Pode ter um sido falta de treinamento de pesquisa propriamente ao decorrer de suas carreiras, mas os pesquisadores deveriam pelo menos intimamente reconhecer que as decisões que os bibliotecários tomam impactam o trabalho que eles, pesquisadores, conseguem realizar. No passado e hoje o acesso a coleções (ou falta desse acesso) determina quase toda a pesquisa acadêmica. Bibliotecas são moldadas pelo desenvolvimento dessas coleções, pelas políticas de acesso, gerenciamento de registros e decisões de avaliação feitas por bibliotecários ao longo dos anos, e são essas decisões que impactam as informações que os alunos e pesquisadores conseguem obter, para dar prosseguimento à suas pesquisas.

Quando um pesquisador vai até a biblioteca solicitando determinados materiais, a gente acaba trazendo outros documentos, deixando-o mergulhar a fundo nas coleções. As vezes só podemos oferecer respostas superficiais e acesso limitado aos registros (seja em razão de orçamento e quadro de pessoal insuficientes ou estar sujeitos à políticas restritivas da instituição). As decisões tomadas pelos bibliotecários podem influenciar também nas descobertas eventuais, e nesse caso é necessário o pesquisador confirmar esse processo para articular o desenvolvimento de seus métodos. Este é principal lembrete para bibliotecários de universidades de que todas as nossas decisões moldam o ambiente da pesquisa acadêmica mais profundamente do que nós mesmos tendemos a acreditar.

Ou seja, uma aula pública sobre a BU é bem vinda no momento atual, mas acredito que sempre haverá a oportunidade para desafiar os acadêmicos, mesmo aqueles que agradecem bibliotecários na seção de agradecimentos, a colocar o processo de pesquisa na biblioteca no corpo de seu trabalho e falar sobre como as bibliotecas determinaram e como os bibliotecários auxiliaram suas pesquisas. Se a pesquisa bibliotecária, física ou digital, fizer parte do método, que digam. Se vc faz pesquisa, pense naqueles momentos em que o acesso a coleções de bibliotecas, ou a falta dele, na verdade moldou as escolhas que você tomou. É necessário fazer essa defesa especialmente se a sua experiência de pesquisa na biblioteca tenha sido tão perfeita que você nem pensou em agradece-la.

Nem todo o público, gestores ou políticos entendem a importância e impacto das bibliotecas. Então uma boa maneira de ajudar a defender as bibliotecas na universidade é essa: demonstrar como você as usa.

Cultura e infraestrutura da publicação acadêmica

Apesar do scihub ter ampliado bastante o acesso por meio de leakings o panorama permanece o mesmo: a publicação científica ainda é dominada pelas grandes editoras (com crescentes margens de lucro financiadas pelo erário); a maior parte dos resultados de pesquisa permanece legalmente sob paywalls; pesquisadores dificilmente passam em concursos ou avançam na carreira se não publicarem em top journals; o número de periódicos continua a crescer exponencialmente (apertando ainda mais o gargalo no processo de submissão); problemas de replicação permanecem especialmente por conta desse gargalo (nem os top journals são mais confiáveis); as bibliotecas ainda estão sujeitas ao corpo docente que é intransigente em relação à manutenção das assinaturas de determinados journals; a tecnologia aplicada à literatura ainda é arcaica moldes anos 90 (muitos periódicos não tem hiperlinks, não tem gráficos 3d, não tem seção de comentários, não tem participação aberta, não oferecem plataformas de colaboração, etc); não existem soluções institucionais para armazenar os produtos dos pesquisadores além da produção textual (caso dos repositórios nas principais universidades). Esses pontos estão evidenciados em trabalhos de gente que pesquisa profundamente a publicação científica.

Uma mudança de percepção em relação a minha posição no passado foi a noção que o comportamento dos pesquisadores era determinado pelos incentivos. Mas agora entendo que, para além do benefício pecuniário e obtenção de recursos, uma vez inseridos na cultura da publicação científica, eles não se importam. Isto é, pesquisadores/docentes não se importam em pagar pra ter artigo publicado em gold access. Se eles pesquisam um artigo e o encontram via scihub, não conseguem avaliar em que grau isso é ou não prejudicial às suas carreiras. Não fazem a menor ideia de como as bibliotecas funcionam, rúbricas de pagamento, como o portal capes adquire as assinaturas, qual o real papel das bibliotecas nas avaliações da Capes e Inep, por que o sci-hub existe, por que ainda exigem a impressão de teses nascidas digitais, qual é o argumento central do open access, etc etc. Se importam somente com suas pesquisas e departamentos. Lidar com assinaturas de periódicos, aquisições de livros, implantação de uma cultura de acesso igualitário, não é com eles, essa deveria ser uma responsabilidade da burocracia e infraestrutura. Na verdade eles veem com bastante descrédito o sistema de aquisições, seja de periódicos ou livros. Estão errados? Talvez não. Entendo que eles tem suas razões para se ater ao sistema e ir contra o movimento de ciência aberta: falta de tempo para compreender o cenário amplo, medo de competição, preocupação com privacidade, plágio, etc. Alguns professores criticam minha abordagem defendendo que são conscientes de todo esse cenário, estão fazendo sua parte e que a Capes caminha positivamente. Preferem achar distorcida a realidade em que vivo, tratando minha experiência de bibliotecário em uma BU federal como uma narrativa fora da curva, eu generalizando a publicação a tal ponto que fica difícil para eles convencer seus orientandos a importância de escrever artigos.

Quando eu me dispunha a discutir e falar sobre o tema, em qualquer instância da universidade, minha defesa era simples: periódicos não são mais relevantes para a academia (em função das possibilidades de publicação e disseminação em base web, distinta dos moldes originais da royal society); o valor das assinaturas dos periódicos é tão alto que nos limita a investir na criação de uma infraestrutura própria (coisa que o Ibict capitania no Brasil, mas passaram muitos anos desde Budapeste e o parágrafo inicial permanece. O portal Capes é ótimo, não é o problema, mas ofusca o entendimento do panorama maior. Quanto custa anualmente o portal capes inteiro? E se esse dinheiro fosse revertido em outras frentes que não assinaturas?)

Atualmente o custo estimado da publicação mundial é 10 bi dólares anuais; o valor de assinatura de um top journal é da ordem de 5k por artigo. APC (article processing charges) varia entre 100 e 5k dólares. Os movimentos recentes estão na direção em que os recursos/verba devem ser usados para a publicação em vez da leitura (e ainda idealmente os casos de rompimento da alemanha, suécia, california com elsevier, plano S e Fapesp indo green access). O desafio é participar de discussões e atuar na prática em estratégias de acesso aberto total, convencer Capes (na figura do portal) e bibliotecas (como fornecedoras das avaliações e solicitações de assinatura) que é do melhor dos interesses cancelar assinaturas; reverter essa grana para desenvolvimento de infra; desenvolver padrões e definir as funcionalidades necessárias para uma infraestrutura de publicação moderna; estratégia para estabelecer um núcleo de funcionalidades para as instituições cooperadoras/conveniadas/capes. Não é uma tarefa simples, mas imaginem de início um scihub inteiramente legal, fazendo harvesting dos repositórios das maiores universidades daqui, que seriam alimentados localmente a contento (a partir de normativas institucionais ou não). As etapas posteriores são da mudança da cultura de avaliação/punição em relação aos locais de publicação dos produtos de pesquisa (difícil demais isso aqui, como fazer os pesquisadores se desvencilhar do fator de impacto, sou pessimista).

Enfim, a proposta é, deixar de pagar assinaturas e pegar esse dinheiro e investir na implementação de uma infra. Mas por quê? Porque os editores com fins lucrativos estão cada vez se movendo da publicação somente (dentro do ciclo de vida da pesquisa) para a aquisição da infraestrutura de pesquisa. A nossa atenção somente ao paywall nos distraiu das estratégias que essas empresas estão adotando. Não existem mecanismos com força suficiente para mitigar o poder e influência dessas editoras a partir do momento que possuírem controle sobre todo o ciclo da pesquisa (pesquisa, publicação e avaliação). Não existe margem para competição e tendem a adquirir qualquer novo serviço emergente independente (como aconteceu com Mendeley e algumas ferramentas de altmetria). Trata-se da mesma linha de atuação das grandes empresas que controlam os mercados digitais: mão de obra barata ou grátis, serviço em troca da liberação de dados e privacidade, lucros altos e centralização total, não interoperáveis. Uma vez dominado o mercado é impossível não participar do modelo.

Talvez a única maneira de fazer com que os docentes/pesquisadores abandonem as editoras tradicionais (que não seja pela força de normativas) é oferecer uma infra com todas as ferramentas que vc deseja que eles usem, com tudo mastigadinho (por exemplo, o default da publicação sendo aberta e não o contrário). Justamente aqueles que não se importam ou não fazem a menor ideia, vão adotar o que for mais conveniente, rápido e grátis, para enfim poderem focar na pesquisa. Os que tem receios e tem motivos pra manter o trabalho fechado, vão pelo menos ter a chance de avaliar os benefícios. Uma vez criada a infraestrutura para os produtos de pesquisa, pensar depois em mecanismos para avaliar a qualidade da pesquisa em um cenário em que os periódicos não mais existem.

Como ter acesso a artigos científicos pagos

Uma das minhas atividades de trabalho como bibliotecário é ir até as salas dos alunos de graduação, mestrado e doutorado e ensina-los a localizar os documentos que veem nas referências das suas pesquisas. As referências são aquelas listas de artigos/livros que aparecem ao final dos artigos/livros, que contêm todas as citações e menções a outros documentos. Mesmo quem nunca fez pesquisa acadêmica é capaz de reconhecer isso na literatura tradicional e a importância desse modelo para o avanço da ciência.

Normalmente os orientadores começam o processo de pesquisa indicando uma lista de referências e o aluno tem que correr atrás desse material inicial, até começar a se aprofundar no tema e então descobrir e percorrer suas próprias referências de maneira autônoma. O meu papel é fazê-los entender a diferença entre acesso e acessibilidade, nos termos da publicação acadêmica, que é a diferença entre confirmar que um documento existe e saber onde ele se encontra, para a etapa onde é possível de fato ter acesso e consultar esse material, pegar emprestado, imprimir, baixar e ler. Independente de referências individualmente serem bastante citadas, o desafio é garantir que o aluno consiga obter a maior quantidade possível de materiais que ele precisar, na íntegra.

Mas bem, eles não conseguem sozinhos encontrar tudo que precisam, seja por falta de familiaridade com as ferramentas de busca e catálogos de bibliotecas e bases de dados ou simplesmente porque em algum momento empacam em sites de editoras científicas que cobram algumas dezenas de dólares para ter acesso ao texto completo. Quais são então as estratégias que eu uso e indico a eles para conseguir esses artigos na íntegra? Como é o meu esquema de trabalho toda vez que um professor ou aluno me manda um email dizendo “tô precisando dessa publicação, não tem no portal capes, nem no scihub, pode ajudar?”

Eu venho fazendo muito disso nos últimos 10 anos trabalhando em uma das bibliotecas da UFRJ e embora quase todos os dias seja a mesma coisa, eu nunca soube ao certo como explicar o que faço de maneira clara e coerente. Nos treinamentos que a gente oferece normalmente eu explico os passos superficiais (catálogos de biblioteca, portal capes, comut, ccn) mas sempre esquivo na parte mais complexa dizendo para os alunos não perderem tempo e mandarem pra mim a referência quando encontrarem alguma dificuldade.

Enfim, eu decidi destrinchar algumas das táticas e macetes que utilizo com mais frequência, e oferecer isso em formato de vídeo-tutoriais, onde as pessoas pudessem ver o processo de busca exatamente como eu estou fazendo no meu computador. É um curso basicão sobre como encontrar artigos científicos usando métodos não tradicionais. Serve para bibliotecários claro, mas também para qualquer pessoa interessada ou que esteja fazendo pesquisa científica. O curso é pago, tem um custo operacional da plataforma, mas combinei com o Cauê de deixar bem acessível. A primeira aula é grátis pra quem quiser ver e saber como funciona.

Lista com os 88 livros censurados na ditadura militar (1964-1985)

Na internet existem muitas reportagens sobre a lista de livros censurados no período da ditadura, mas é difícil encontrar a lista propriamente. O livro Repressão e resistência — Censura a livros na ditadura militar (Sandra Reimão, Edusp/FAPESP, 2011) reconhecidamente apresenta a mais completa lista de obras submetidas à censura. Paralelo ao livro é possível consultar uma lista de obras de ficção e não-ficção, peças teatrais e livros pornográficos disponível nos anexos da tese de livre-docência da mesma autora.

O Levantamento bibliográfico sobre censura nos meios de comunicação da Biblioteca de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da UFRJ foi compilado em 1985 e apresenta 428 títulos, referentes ao material cedido pelos sindicatos de editores e escritores àquela biblioteca. Na Listagem da Seção: Censura Prévia — Série: Publicações da Divisão de Censura de Diversões Públicas — DCDP organizada pelos funcionários do Arquivo Nacional de Brasília constam 561 títulos, sendo 470 livros e 91 revistas. A Lista de livros proibidos pelo Ministério da Justiça (1964–1979) elaborada por Maria Mercedes Otero (tese de 2003 da UFPE), apresenta 520 títulos.

Estes levantamentos serviram de base para a pesquisa de Kelly Lima, “Onde estão os livros censurados?: ainda os efeitos de 64 nas coleções de biblioteca”, dissertação de mestrado defendida na UFF em 2016. Lima selecionou 88 livros de não-ficção censurados entre 1964 e 1985, a partir das listas mais abrangentes (ficção e não ficção, livros e revistas). As três listas podem ser consultadas como apêndice da dissertação (link acima). Abaixo os 88:

1 Actas tupamaras: uma experiência de guerrilha urbana no Uruguai
2 ALBUQUERQUE, J. A. Guilhon Movimento estudantil e consciência
3 ALBUQUERQUE, J. A. Guilhon Classes médias e política
4 ALMEIDA, Mauro U.S.A : civilização empacotada
5 ALTHUSSER, Louis La filosofia como arma de la revolucion
6 ALTHUSSER, Louis Marxismo
7 ALVES, Marcio Moreira O despertar da revolução brasileira
8 ALVES, Marcio Moreira Tortura e torturados
9 CABRAL, Alexandre Um português em Cuba
10 CARDOSO, Fernando Henrique Autoritarismo e democratização
11 CASTRO, Fidel et al. A aventura boliviana : Che Guevara
12 CHE GUEVARA, Ernesto Nossa luta em Sierra Maestra
13 CHE GUEVARA, Ernesto Socialismo y el hombre em Cuba
14 CONCEGHI, Manilo; BORIS Ivan. Solano Lopez,o Napoleão do Prata
15 CUBA. Ministério de Educação A educação em Cuba
16 CUNHAL, Álvaro Rumo à vitória
17 DAVID, Moisés MO : nova vida revolucionária
18 DEBRAY,Regis Revolução na revolução
19 FANON, Frantz Os condenados da terra
20 FANON, Frantz Sociologia de una revolucion
21 FONSECA, Rubem Feliz Ano Novo
22 GIAP, Nguyen Guerra del pueblo : exercito del pueblo
23 GIAP, Nguyen Lucha armada : fuerza armada
24 HERZOG, Philipe A união popular e o domínio da economia
25 HITE, Shere O relatório Hite
26 HUBERMAN, Leo; SWEEZY, Paul H. Socialismo em Cuba
27 HUSTON, Oliver Os degenerados da terra
28 KUCINSKI, Bernardo; TRONCA, Ítalo La violence militaire au Bresil
29 LAURENT, Faure Barran Os comunistas e o desporto
30 LAZARENTO Os sindicatos e a gestão de empresas
31 LENINE A doença infantil do esquerdismo no comunismo
32 LENIN, Vladimir Ilitch A catástrofe iminente e os meios a conjurar
33 LENINE Citações de Lenine sobre a revolução proletária e a ditadura
34 LENIN, Vladimir Ilitch O imperialismo e a cisão do socialismo
35 LENIN, V.I. Sobre a caricatura do marxismo e o economismo imperialista
36 LEVY STRAUSS Estruturalismo
37 LÖWY, Michael Método dialético e teoria política
38 MAES, Pierre A concepção de superpotência
39 MAO, TSÉ-TUNG Citações do presidente Mao Tsé-Tung
40 MAO, TSÉ-TUNG Obras escogidas
41 MIROW, Kurt Rudolf A ditadura dos carteis
42 MOÍSES, J. Alvaro et al. Contradições urbanas e movimentos sociais
43 MOURÃO FILHO, Olympio. A verdade de um revolucionário
44 MOVIMENTO Comunista InternacionalLa guerre popular em la Brasil
45 MURARO, Rose Marie A automação do homem
46 MURARO, Rose Marie A mulher na construção do mundo futuro
47 MYRDAL, Jan Uma aldeia da China Popular
48 O’CONNOR, James U.S.A : a crise do estado capitalista
49 POLARI, Alex Meu companheiro querido
50 PORFÍRIO, Pedro Canteiro de obras
51 PORFÍRIO, Pedro O belo burguês
52 POULANTZAS, Nicos. A crise das ditaduras : Portugal, Grécia e Espanha
53 PRADO JR., Caio A revolução brasileira
54 PRADO JR., Caio O mundo do socialismo
55 PREOBRAJANSKY; DEUKSARINE ABC do comunismo
56 ROJO, Ricardo Meu amigo Che
57 Revolucion política del partido comunista en Colombia
58 RIBEIRO, Darcy A universidade necessária
59 ROVETTA, Vicente El direcho a rebelar-se
60 SERRA, José et. al. América Latina : ensaios de interpretação econômica
61 SISSON, Roberto O gênio nacional da história do Brasil
62 SODRÉ, Nelson Werneck História militar do Brasil
63 SOFRI, Gianni O modo de produção asiático
64 SOLLERS, Philippe La teoria revolucionária
65 STRADA, Ezequiel M Mi experiência cubana
66 TERESHOVA, Unikelajeva O papel da mulher na sociedade: do problema
67 Textos de Che Guevara
68 TOURINHO, Nazareno Lei é lei e está acabado
69 TROSTKI, Leon La internacional comunista desde la morte de Lenine
70 URBANO, Miguel Opções da revolução na América Latina
71 VAN THAL, Hoang Guera de guerrilhas em Vietnam
72 ALMEIDA, Hélio de. Basta bastardos
73 BADIA, Joan Sariol Petita historia de la guerra civil
74 BRANDEN, Nathanie. Quem é Ayn Ran?
75 CARMELLO, Amadeu Trinta e quatro anos de desgoverno no Brasil
76 CHATELET, François Logos e práxis
77 EDWARDS, Jorge Desde la cola del dragón
78 GARROCHO, Walter de O. A revolução ganha a rua
79 GUILLEN, Abraham Estrategia de guerrilla urbana
80 KISHERMAN, Natalio Servicio social pueblo
81 LAUPINAITIS, Meldutis Eu acuso: genocídio soviético
82 POERNER Arthur José O poder jovem
83 QUADROS, Jânio Os dois mundos das três Américas.
84 RAMIREZ, Ricardo Autobiografia di uma Guerrilla
85 RAND, Ayn A nova esquerda: a revolução antindustrial
86 WILCZYNSKI, J. The economics of socialism.
87 Cinco anos : julgamento político na União Soviética
88 RAMIREZ, Ricardo Autobiografia di uma Guerrilla

Chega dessa babaquice de assediar bibliotecárias

[do original #TimesUp on Harassing Your Public Librarian, de Katie MacBride. Livre tradução de Dora e Branca]

Bibliotecárias lidam diariamente com assédio sexual em seus locais de trabalho.

O homem em frente ao balcão de referência pediu uma senha de acesso aos computadores e depois se inclinou para a frente com segundas intenções: “Você já viu o Jornada nas Estrelas original?

Imprimi a senha e sacudi a cabeça. “Não. Você está procurando os DVDs?”

“Não”, disse ele. “Você é idêntica a uma atriz da série que apareceu na lista das “Mulheres mais bonitas de Jornada nas Estrelas’! Você é a cara dela!”

Ele começou a me olhar com cobiça, com uma intimidade atípica. Tinha um olhar esquisito de tiozão, aparentando ter quase 60 anos.

Lidar com perguntas desconfortáveis dos usuários é muito comum para mim e para a maioria das bibliotecárias que lidam com o público. Decidi que a melhor estratégia seria um breve aceno (reconhecer que você ouviu o comentário para que ele não se repita) e um curto, “OK, existe algo na biblioteca que posso ajudá-lo a encontrar?”

Não havia. Ele caminhou até os terminais de consulta e eu teria esquecido a interação se ele não tivesse reaparecido alguns minutos depois.

“Você pode me ajudar a imprimir uma coisa?”

Assenti com a cabeça e o acompanhei de volta para o computador. Na tela havia uma foto de uma atriz loira e uma descrição feita pelo autor da “Lista das mais gostosas”. Lia-se, em parte, “A melhor parte dela é a fantasia sexual de ‘Eu não conheço as sensações humanas. Por favor, me ensine a beijar, abraçar, [insira aqui o ato sexual depravado]’. Oh, sim, por favor!”

O usuário olha excitadamente da tela para mim.

“Veja! Você parece exatamente com ela!”

Dei de ombros.

“Bem, eu quero imprimir essa foto dela”. Ele insistiu. “Vocês tem uma impressora a cores?”

Nós tínhamos. Mostrei-lhe como ampliar e imprimir a imagem. Ele deixou a biblioteca pouco depois, acenando a foto para mim e piscando antes de sair.

Quando o movimento #TimesUp surgiu (Time’s Up é um movimento contra o assédio sexual fundado por celebridades de Hollywood), fiquei satisfeita ao ver o foco no setor de serviços, onde parte significativa do trabalho é ser simpática e estar disponível para clientes e usuários. Porque a verdade é que toda mulher/feminina/cis/trans/bibliotecária tem dezenas de histórias como esta; incômodas, mas inofensivas interações de assédio. Nós reviramos os olhos na sala de funcionários, reclamamos a nossos amigos e pessoas próximas depois de ofensas particularmente flagrantes, mas tendemos a considerar essas ofensas como uma parte infeliz porém inevitável do trabalho. Uma das minhas ex-colegas descreveu perfeitamente o assédio na biblioteca como: “Eu apenas me lembro do sentimento ruim de ser um público cativo”. Afinal, o assédio sexual é sobre poder e vulnerabilidade e um público cativo – como a bibliotecária que não pode se recusar a mostrar ao homem como usar uma impressora – é um público vulnerável.

Muitas vezes, discussões sobre o assédio sexual no local de trabalho focam nas interações entre funcionários e supervisores. Há uma boa razão para isso; os supervisores têm influência, quando não têm o controle total, sobre quem é contratado e demitido. Quando se trabalha no setor de serviços, no entanto, manter o cliente satisfeito costuma ser tão importante quanto manter o chefe feliz. O funcionário que não ri da piada do cliente ou se ofende quando perguntado sobre sua vida amorosa é vulnerável a queixas à gerência. As pessoas que não trabalham em setores de serviços podem se surpreender com a rapidez com que não rir de uma piada sobre a aparência de seu uniforme, segundo a vontade do cliente, pode se transformar em queixas ao seu gerente sobre seu mau comportamento; ou como rejeitar um convite para sair pode se transformar em falsas alegações sobre seu suposto terrível desempenho no trabalho.

Normalmente, essas interações ocorrem dentro de uma janela de tempo limitada. Você serve um jantar para o seu assediador, ele faz comentários inapropriados, mas depois, inevitavelmente, vai embora. Mas e se o usuário nunca precisasse ir embora? E se alguém pudesse entrar no seu local de trabalho, fazer-lhe quantas perguntas quisesse sobre praticamente qualquer assunto, desde o momento em que as portas se abrem de manhã até fecharem à noite?

Funcionárias de bibliotecas públicas são profundamente comprometidas com o acesso. Acreditamos que a biblioteca deve ser aberta a todos e queremos que os usuários se sintam confortáveis ao pedir informações sobre quase qualquer coisa. Você quer informações sobre doenças sexualmente transmissíveis? Sem problemas. Livros sobre sexo tântrico? Por aqui. Nós permanecemos dispostas, amigáveis e acessíveis porque queremos que vocês saibam que não julgamos suas necessidades de informação.

Mas isso também faz do nosso trabalho um terreno fértil para o assédio sexual. Tecnicamente, não há motivo para que um usuário não possa sentar-se em uma mesa vazia e olhar para a bibliotecária o dia todo, pedir ajuda para configurar um perfil de namoro online ou imprimir material explícito. Em muitos casos, não há nada de errado com o comportamento mencionado acima e é isso o que dificulta as coisas. Os bibliotecários resguardam fanaticamente o direito dos usuários de fazerem de tudo, o que torna o assédio sexual tão recorrente nas bibliotecas públicas – até o ponto em que isso se torna um abuso.

Existe um caráter de gênero para o assédio sexual em bibliotecas que é impossível ignorar. Em 2015, a categoria de bibliotecários era composta de uma maioria desproporcional de mulheres (elas representavam 83% de todos os bibliotecários) e, embora o assédio sexual possa acontecer com qualquer gênero, é frequentemente perpetrado contra mulheres. Como diz Kelly Jensen, uma editora contribuinte para a Book Riot e bibliotecária pública: “Quando você trabalha na posição de atendimento ao público, ser mulher é uma desvantagem.” As mulheres não brancas e as pessoas LGBT+ sofrem assédio em taxas particularmente altas. Junte a isso o entusiasmo de todos os bibliotecários (independentemente do gênero) para ajudar e não é difícil ver como a linha entre ter acesso a informações e ter acesso à bibliotecária fornecendo essas informações para você é tênue na mente de algumas pessoas. Às vezes, parece que os homens veem as bibliotecárias como as secretárias da era “Mad Men” que eles nunca tiveram.

A gestão de bibliotecas varia amplamente quando se trata de implementar políticas para lidar com essas situações. A American Library Association não fornece diretrizes ou recursos para lidar com o assédio sexual, seja de usuários ou colegas. Sem essa orientação, cabe às bibliotecas criar políticas individuais para lidar com o assédio de usuários.

Em qualquer cenário de assédio sexual no local de trabalho, não é suficiente apenas conscientizar os funcionários sobre as políticas que os protegem. A gerência também tem de apoiar essas políticas, tomando medidas quando for necessário. Isso nem sempre acontece. Descobri isso em primeira mão quando fui denunciar para meu chefe os constantes assédios por parte de um usuário. Quando relatei esse recente caso de comportamento inadequado, meu chefe perguntou: “Bem, quantos anos ele tem? É possível que você esteja apenas…” Meu chefe se afastou, parecendo implicar que eu estava simplesmente exagerando sobre um homem mais velho que não tinha consciência que estava sendo inapropriado.

Na minha experiência e na experiência de muitas outras bibliotecárias que conheço, a administração geralmente reluta em abordar o problema do assédio sexual – especialmente se for verbal e não físico – pelo medo de gerar repercussões negativas em relação à biblioteca. As bibliotecas públicas necessitam que o público as valorize; quando uma biblioteca de bairro está à beira de ser fechada, muitas vezes os usuários (talvez até os usuários que se envolveram em assédio) se reúnem para nos manter abertas. São cidadãos que aprovam e pagam impostos que mantêm as bibliotecas em atividade. Eu entendo isso. É por isso que passei tantos anos engolindo sapos em relação a comentários sobre como eu realmente pareceria a “bibliotecária sexy” se eu usasse óculos.

Sem padrões formalizados e uma gestão pró-ativa, os bibliotecários fazem o que as pessoas vulneráveis ao assédio sempre fizeram. Nós sussurramos, nós avisamos. Impedimos o usuário que tem a intenção de perseguir a bibliotecária vá até a sala reservada aos funcionários. Se tivermos a sorte de nos depararmos com isso a tempo. Se outros funcionários da biblioteca estiverem presentes naquele momento. Se ele puder ser impedido.

Os bons bibliotecários são alquimistas que transformam as bibliotecas de um edifício com livros e computadores em um vibrante centro de informações e exploração. As bibliotecas precisam dessas pessoas apaixonadas e dedicadas que querem que ela continue existindo. E chegou a hora da American Library Association reconhecer e abordar a realidade do assédio sexual nas bibliotecas. Chegou a hora da gestão de bibliotecas e dos governos das cidades e dos estados aos quais estão afiliadas defenderem inequivocamente o direito das bibliotecárias de atenderem ao público livres de assédio sexual, físico ou verbal. As bibliotecárias apoiam nossas comunidades e é hora de exigir o apoio a elas em troca. Nosso #TimesUp está atrasado.

Proposta de blockchain para as bibliotecas

[Parte 1]

Uma das coisas mais imbecis que existe na biblioteconomia é a duplicidade de trabalho de processamento técnico. Imbecil porque implica em dispêndio de recursos e perda de tempo. Eu gosto de pensar assim: supomos que a gente viva num planeta ideal e que neste lugar toda vez que um novo livro é publicado ele receba no ato de impressão os dados necessários para o controle bibliográfico em diversas bibliotecas ao redor desse mundo. Esses dados poderiam ser chamados de “catalogação na fonte” (que para um leigo seria uma caixinha retangular normalmente aparecendo nas páginas iniciais). Assim que os dados principais são registrados pela própria editora (título, autor, editora, ano), um grupo de bibliotecários especialistas poderia participar do processo de inventário atribuindo outros dados secundários, mas também importantes (categorias de assuntos, controle de autoridade, etc). De modo que uma vez finalizado, o livro poderia circular no mercado, e eventualmente ser incorporado ao depósito legal do país e bibliotecas, utilizando como base os dados impressos ali, na sua concepção.

Isso exigiria um esforço coletivo entre editores e esse grupo de bibliotecários, que no meu país ideal poderia ser simplesmente um grande prédio, com um número razoável de funcionários bibliotecários e especialistas, capazes de processar o volume da produção nacional e com a competência necessária para que esse trabalho pudesse ser distribuído sem a necessidade de replicação em repartições menores da cadeia de suprimento do livro (e demais documentos): o editor tem um livro no prelo; ele envia o conteúdo confidencial para avaliação desses bibliotecários, que em tempo hábil confirmam os dados oferecidos pelo editor e devolvem junto outros dados que serão finalmente incorporados ao livro finalizado, comercializável.

Esse cenário em tese existe e está traduzido na própria catalogação na fonte, no escritório de emissão do ISBN e algum ou outro sistema cooperativo de controle bibliográfico. Mas ele é um tanto quanto ficcional quanto o storytelling acima, já que bibliotecários não confiam nessa catalogação na fonte, não conseguem acompanhar o controle de autoridade e manuais da BN, defendem a especificidade de suas coleções e usuários, e invariavelmente acabam refazendo todo ou parte do trabalho de processamento técnico do um livro antes de incorporá-lo a seus acervos.

Qualquer biblioteca que você conheça fatalmente vai ter pelo menos 50% de seu efetivo dedicado ao processamento técnico. Ainda que a maior parte desses dados possa ser importada hoje, por meio de protocolos de interoperabilidade, os bibliotecários catalogadores permanecem lá, engordando o efetivo. De modo que, me parece, a conta não fecha: a duplicidade de trabalho está sendo feita em escala tão ampla e demanda tanto tempo que praticamente elimina a necessidade da catalogação na fonte e do compartilhamento de registros processados anteriormente. Tudo está sendo feito como se estivesse sendo feito do zero. Esse é um dado importante porque vai entrar em choque com qualquer mentalidade de gestão que esteja disposta a eliminar o trabalho de catalogação local por completo, utilizando como referência uma grande central de controle bibliográfico na origem.

Pois bem, os principais softwares de automação de biblioteca oferecem de fato algum nível de interoperabilidade, requisito primordial no checklist de qualquer processo de licitação e compra. Ao longo dos anos iniciativas de padronização e interoperabilidade de dados tomaram conta de artigos e congressos da área, salas de aula dos curso de biblioteconomia, e protocolos como marc, aacr, Z39.50, rdf, sparql, bibframe, entre tantos outros, testam a capacidade de memorização de qualquer bibliotecário que deseja passar em concurso público, mas pouco fizeram para efetivamente reduzir a redundância de trabalho.

Um modelo de compartilhamento bem conhecido aqui no Brasil é a rede Pergamum. Mas se vocês buscarem por um título qualquer nessa rede, que engloba todas as bibliotecas que fazem parte do grupo, verão que alguns dados como classificação são bastante distintos entre diversas bibliotecas, o que indica, de alguma forma, duplicidade de trabalho ou necessidade de refino de trabalho similar realizado anteriormente. Isso é perfeitamente justificável, pois como disse acima, muitos bibliotecários catalogadores vão defender as necessidades pontuais de suas coleções e usuários, explicar que não possuem orientações e manuais compatíveis com as agências internacionais que utilizam o aacr2, bem como estarem trabalhando com materiais genuinamente novos, que demandam sim um processamento do zero.

Mas duplicidade de trabalho talvez nem seja o problema maior. O ponto principal é que a) no Brasil não possuímos uma entidade capaz de centralizar o controle bibliográfico e b) não possuímos uma base de dados ou rede verdadeiramente aberta capaz de prover esses dados para todas as bibliotecas.

No primeiro caso minha sugestão particular é simplesmente centralizar a catalogação, mas em um processo gradual de libertação do controle bibliográfico exaustivo, abrindo caminho para inteligência artificial e deep learning (quem explica isso melhor é o fabiano caruso). Ou seja, os dados principais se mantêm porque são definitivos (autor, título, ano, editora) e os dados de indexação seriam apenas uma camada leve de representação (IA define depois a recuperação desses itens nos catálogos locais). No segundo caso, basta tomar como exemplo a oferta do z39.50, que é inexistente, exceto pela Unesp e algum ou outro esforço individual aqui e ali que possibilita a abertura de exportação dos dados, mas que por conta de infraestrutura institucional, prefere manter o protocolo fechado (como é o caso da BN/Sophia). Além disso, o fato de esses dois pontos serem deficientes, impede a criação de um verdadeiro catálogo coletivo nacional, útil ao cidadão, que englobasse os dados das principais bibliotecas públicas e universidades do país.

O panorama é esse: não existe no Brasil um arquivo central de metadados bibliográficos, distribuído, aberto. [existem redes internas como pergamum, sophia, ou o modelo da OCLC lá fora, mas estes não contam porque são consórcios pagos ou detentores dos metadados como produtos de suas empresas. O protocolo não é neutro e algumas vezes permitem importação, mas não exportação dos dados. A questão da descentralização é crucial porque indica que pode existir uma rede aberta, que não é pergamum, que não é oclc, que não cobra assinatura]

É aqui que entra o blockchain como solução.

—–

[parte 2]

Blockchain pode ser um pouco difícil de explicar inicialmente, mas pensem nele como o nosso livro-tombo da biblioteca. Ou até mesmo o próprio catálogo de fichas remissivas. O blockchain é uma base de dados de registros ordenados em sequência, onde cada bloco contém um carimbo de data/hora e está ligado a um bloco anterior. Existem blockchains públicas que qualquer pessoa pode acessar e incluir novos dados (proposta nova, bibframe melhorado, não depende da LoC ou BN) e existem blockchains privadas usadas em uma organização ou consórcio (pensem aleph, sophia, rede pergamum ou oclc).

As informações registradas não podem ser apagadas, exceto por convenção de uma maioria de usuários. O armazenamento de dados não é propriedade de ninguém, é controlado por usuários e não é governado por terceiros ou uma instância reguladora central (gatekeepers).

[Mesmo que os bibliotecários adotassem um blockchain com necessidade de permissões, as partes aprovadas receberiam uma credencial de participação que lhes permite postar na cadeia de blocos. A credencial de participação poderia ser emitida por uma autoridade (BN, CFB, sei lá), ou coletivamente, através de um processo de votação, das partes já participantes. Não é o ideal, mas casa bem com a minha primeira sugestão lá em cima de ter um controle bibliográfico centralizado, num prédião, distribuindo dados abertos, em uma primeira fase de transição, que culminaria por eliminar o controle bibliográfico por completo até IA plena].

Resumindo: blockchain é uma tecnologia para dados descentralizados e auto-reguláveis. Os dados podem ser gerenciados e organizados de forma aberta, permanente, verificados e compartilhados, sem a necessidade de uma autoridade central. É lindo demais. Em termos simplificados, o que acontece no blockchain é que quando um catalogador finaliza um registro, ele fica visível pra todos na rede, imutável, como se fosse um grande google doc compartilhado. Um novo registro, se for idêntico a um anterior, não pode sobrepor (problema do double spending resolvido pelo bitcoin). A atualização ou incremento de um registro original precisaria do consenso da comunidade. Esse blockchain seria alimentado por qualquer bibliotecário que participa da rede trabalhando em sua biblioteca de origem, e se necessário, poderia ser supervisionado/validado por um grupo de especialistas.

Então na minha cabeça o blockchain pode resolver no médio e longo prazo o problema da duplicidade de trabalho e do controle bibliográfico nacional. A proposta é: descentralizar o modelo de consórcio de dados do pergamum ou da oclc. Sendo que no brasil a gente nem mesmo chegou na fase de ter uma oclc ou um verdadeiro catálogo coletivo nacional, então poderemos pular direto pra fase de ter um protocolo estilo z39.50 funcional, independente da infraestrutura local das bibliotecas.

Na prática isso pode ser feito dentro de poucos anos ou meses, com a consolidação da infraestrutura dos blockchain no modelo da appstore: uma camada operacional onde desenvolvedores poderão criar aplicativos. Pode surgir uma blockchain bibliotecária global, mas acho que a pessoa mais indicada para tratar disso no Brasil é o Fabiano Caruso, com o aporte de algum desenvolvedor, para criar esse software, e tornar o blockchain público. Esse sistema seria acessível a qualquer organização que desejar, sem despesas. E então um grupo como o SNBP ou a própria BN poderia ampliar a adesão ao protocolo, por meio de manuais simplificados. Eventualmente outras empresas, que já existem no ramo dos softwares de automação, poderão criar soluções paralelas para inclusão e importação/exportação dos dados. Mas de alguma maneira, sendo esse blockchain efetivo, ele tende a eliminar a necessidade de softwares com módulos de catalogação.

Claro que isso é uma tecnologia complexa e vai esbarrar nos mesmos problemas que todos as outras iniciativas anteriores (barreiras políticas e comerciais, basicamente). Já estamos nessa seara há tanto tempo que sinceramente, nem dá pra se animar muito (tem algo mais simples que não funciona em bibliotecas como deveria do que ISBN e código de barras?). Mas é inegável que é outra oportunidade de fazer algo bem feito, decente, que funcione de fato.

Existem algumas outras aplicações do blockchain às bibliotecas, eu estou estudando isso melhor e me preparando pro que está por vir. A conferir.

A perda de memória do Google

Sempre foi uma constante a comparação do google com o trabalho bibliotecário. Nem acho que a antipatia da nossa parte seja justificada, porque simplesmente nunca deu pra competir. Mas me agrada a oportunidade de rever a finalidade do nosso trabalho quando somos confrontados.

Um texto recente que circulou sugere que o google parou de indexar as partes mais antigas da web: você pesquisa uma página antiga, sabendo que ela existiu, tendo um dia a visitado, utilizando os termos de busca corretos, mas mesmo assim o resultado é zero. Do ponto de vista do business deles, fica impraticável indexar tudo uma vez que não vão conseguir associar banners de propaganda à conteúdos desatualizados e obscuros. ok. Mas o insight do autor do texto é sobre seu modelo mental da web, que pra ele seria uma espécie de arquivo permanente do patrimônio intelectual da humanidade. Para que seja útil, a web precisa ser indexada, assim como conteúdo em uma biblioteca. É um insight sensível e importante. O Google, aparentemente, não compartilha essa visão. Malvado.

Isso casa também com a proposta de arquivamento de tweets pela Library of Congress e recente decisão deles de abandonar a coleta total. A proposta inicial seguia o mesmo motivo por que recolhe outros materiais: para adquirir e preservar um registro de conhecimento e criatividade para o congresso e o povo americano. Mas anos se passaram e o cenário das redes sociais mudou completamente, em suma, esse registro virou uma lixarada só, e desistiram.

Ele faz mea culpa, e talvez muito de nós, estamos usando freneticamente e confiando plenamente na infraestrutura global do Google como índice de pesquisa particular para nossas publicações pessoais. Se essa infraestrutura se perde, a gente desaparece junto. É similar ao antigo dilema de organizar e arquivar fotos na web e constantemente ter de migrar de plataforma, do fotolog para albuns do orkut, do flickr para o google photos, do facebook para o instagram.

Para quem produz conteúdo online isso também é crítico, porque além da dificuldade de acompanhar o lastro das nossas publicações, a ausência de indexação permanente causa um impacto direto nas estratégias de SEO. Não é segredo pra vcs que uma das minhas recomendações a todos os autores deste blog é pensar sempre na composição de títulos e conteúdo que sejam atemporais. Ou seja, que façam sentido pelo maior número de anos possível. Tanto é que a maioria dos posts mais visitados aqui ao longo do tempo pode ser lida e fazer sentido agora tal como quando foi escrita e publicada na origem. Quem trabalha em bibliotecas universitárias sabe que muitos artigos só começam a ser citados décadas após sua publicação, então junte mais essa ao dilema do arquivamento contínuo e perpétuo.

Particularmente não tenho muito neura em relação ao acervo retrospectivo, diferente de quem por exemplo continuamente pesquisa pelo próprio nome no google. Só não dá pra pecar por ingenuidade, reclamar das dores do crescimento da esfera pública online: quem confia em corporações privadas para preservar e arquivar memória e herança intelectual e cultural do público?

Assim, por esses e mais motivos, é obvio que precisamos de iniciativas como o Internet Archive e de preservação do lastro e da privacidade digital, blockchain e tal. E de melhores ferramentas de arquivamento e recuperação. E das próprias bibliotecas. Mas é uma transcendência na nossa atuação, já tentei ser exaustivo no livro sobre o futuro da biblio: tudo isso remete à singela raison d’être bibliotecária que é a organização dos registros do conhecimento para fins de recuperação. Sem tentar ser fofinho, mas seguindo esse quadro a gente ainda se sustenta como profissionais relevantes por mais alguns anos, independente de inteligência artificial. É sucesso.

A ridícula ideia de guardar livros ao contrário

Algum tempo atrás apareceram no instagram fotos de estantes cheias de livros dispostos ao contrário (com a lombada pra dentro), seguindo uma proposta de decoração que tem a intenção de reduzir a paleta de cores e “acalmar” um ambiente.

Em primeiro momento podemos todos concordar que a ideia pode ser interessante esteticamente mas impraticável em uma biblioteca de verdade, afinal como encontrar um livro específico ali?

Todo as pessoas são livres pra organizar livros em suas coleções pessoais como bem quiserem. Então a ridícula ideia de guardar livros ao contrário pode ser defendida se ela funciona como uma tática pra saber quais livros faltam ser lidos (como o “want to read” no goodreads, livros com a lombada pra dentro são os que ainda serão lidos, livros com a lombada pra fora são os que já foram lidos) ou simplesmente uma tática para escolher uma próxima leitura aleatoriamente (como as campanhas de “encontro às cegas” que algumas bibliotecas fazem). Existem os extremos onde a apresentação de uma coleção pessoal deseja representar uma intelectualidade que na verdade não existe ou leitores que são tão afetuosos que reconhecem seus livros por tamanho e condição física. Então, fiquem à vontade.

O curioso é que guardar livros com a lombada/espinha voltada pra dentro da prateleira não é um fenômeno recente na história do livro porque nos séculos 17 e 18 os títulos de livros e os autores eram escritos em tinta na borda das páginas, e as lombadas ficavam viradas para dentro para proteger a encadernação em couro. Outra mudança que reforçou esse tipo de disposição foi que os ricos decidiram que ter as bordas das folhas adornadas em ouro daria um certo charme às suas bibliotecas (aqui uma referência sobre a biblioteca real em El Escorial).

Exprimam todo seu desprezo bibliotecário apreciando estas belas fotos (#backwardbooks):