Um dia na FELIZS – Feira Literária da Zona Sul de São Paulo

Neste Sábado (19/09), fui no emocionante encerramento da FELIZS – Feira Literária da Zona Sul, uma grande festa literária capitaneada pelo imenso e lindo coletivo que forma o Sarau do Binho.

A festa se realizou na Praça do Campo Limpo, na periferia da zona sul de São Paulo, e destaco abaixo alguns dos momentos que mais curti.

Antes, é preciso dizer que é grande a felicidade de ver que a leitura toma um vulto muito maior que uma atividade ligada apenas ao livro, como por muito tempo ocorreu por aqui, contrariando a citação do mestre Paulo Freire que falava em leitura do mundo, algo muito mais amplo. E esse “povo lindo” (frase ouvida todas as terças-feira no Sarau da Cooperifa) anda lendo de tudo e nessas horas parece que agora, a leitura é educação, é brincadeira, é “evolução para construir uma revolução” (palavras do Binho).

Mas agora vou ao que interessa, algumas das leituras que vi, ouvi e senti:

– na Tenda Conversas Literárias foi ótimo ver a presença das mulheres escritoras da periferia na mesa Palavra de Mulher, com a Jenyffer Nascimento (poeta e articuladora cultural, autora de “Terra fértil” um dos mais belos livros de poesia que li no ano passado), Tula Pilar (poeta), Roberta Estrela D’Alva (atriz, MC e Pesquisadora) mediadas pela poeta organizadora do Sarau da Ademar, Silsil do Brasil. Belo!

20150919_150437

– Ainda na tenda Conversas Literárias, a presença de poetas e organizadores de vários Saraus paulistanos (Perifatividade, Cooperifa, Burro, Elo da Corrento, do Kintal, Preto no Branco, Suburbano Convicto, da Brasa, O que dizem os umbigos e outros) em uma grande roda falando suas melhores poesias foi histórico.

Na mesma tenda, tirando um e outro excesso de blá blá blá a programação foi muito boa, pois o foco a todo momento foi a possibilidade de mudança que a leitura possibilita, e como é importante a apropriação dela por qualquer pessoa e como isso pode modificá-la. O amigo bibliotecário Ricardo Queiroz, que curte um bom debate estava lá e diferente de mim, que admito, tenho certa preguiça em relação à falação e análises mais apuradas, fala muito bem sobre políticas públicas de leitura em seu blog, o KlaxonSBC, e ele acaba de publicar um texto que fala com muita propriedade sobre as Feiras Literárias Periféricas que ocorreram em São Paulo essa semana e o que elas representam. Entrem lá: http://klaxonsbc.com/2015/09/20/muito-mais-do-que-feiras/. 

– as oficinas de xilogravura dos lindos do projeto Xiloidentidade, reuniram tanta gente que em menos de duas horas já não havia mais material para tantos interessados em criar seus próprios textos/mensagens e imagens a partir da gravação em madeira, mantendo viva a chama da cultura nordestina em São Paulo.

20150919_150027

– na Tenda das Crianças, rolaram oficinas de xadrez, de criação de livrinho,  intervenções circenses e uma divertida Oficina de confecção de petecas, orientada pelas meninas-mulheres da Brechoteca – Biblioteca Popular do Jardim Rebouças e do Coletivo Brincantes Urbanos, que além de mostrar como fazer a peteca, contavam as histórias da origem dela e de outros brinquedos criados pelos indígenas.

20150919_151902

Nessa oficina havia a presença maciça de uma molecada de uma escola que veio lá do Guarapiranga até o Campo Limpo trazida pela empolgada professora, uma heroína! 

Enxerido que sou, dei uma aulinha de como brincar de peteca e coordenei um racha de peteca de meninas contra meninos (eu bem que tentei criar times mistos, mas fui vencido pela garotada). O resultado foi tão empolgante que fui chamado pela professora para ir brincar na escola com as crianças outro dia. Pronto, posso pedir demissão da Secretaria de Cultura e virar oficineiro-brincante.

– a Bicicloteca, operada pelo bibliotecário Abraão com apoio de outro bibliotecário, o Tadashi, estava lá e distribuiu muitos livros de graça. 

20150919_145553

Foi sensacional ver algumas crianças saindo com aquele sorriso  e os livros nas mãos. 

Menino

– na Tenda Musical – Jazz na Kombi, rolou muita música, mas a Trupe Lona Preta e seu audaz espetáculo de circo e música “O concerto da lona preta” fez crianças e adultos rirem sem parar, com direito a um trecho onde em menos de dois minutos todos fizeram uma viagem pela história da música no século XX! Um espetáculo daqueles que merecem o prêmio da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), aquele onde o juri costuma só ver o que acontece de um dos lados das pontes que ligam o centro à periferia.

Em seguida, outra Trupe entrou por lá, a Benkady, e o coletivo apresentou danças e ritmos do oeste da África, cuja base é a música Malinké e Sussu. A interação com o público foi empolgante e até crianças entraram na dança. Segue foto de três integrantes (eram 9: cinco na percussão e 4 dançarinos) e um breve vídeo do ritmo que botou todo mundo para balançar o esqueleto.

benkady

 

– Como em uma boa feira de livros, haviam os editores. Mas nesse caso, os editores independentes e periféricos, aí incluídos alguns autores que publicam seus próprios livros.

20150919_145651

Como estava sem dinheiro (e há uma fila enorme de livros nas estantes, mesas e racks) comprei apenas um livro de poesia. E por falar em dinheiro, é fundamental que as bibliotecas arrumem formas de adquirir essa produção e a novidade é que o Sistema de Bibliotecas Municipais da Prefeitura de São Paulo em breve terá um Grupo de Trabalho de Desenvolvimento de Coleções composto por gente da sociedade e profissionais de seus quadros para discutir meios de tornar presente toda bibliodiversidade nas bibliotecas, a fim de dar acesso a quem não tem dinheiro para comprar livros.

– e não poderia deixar de fora o cavaleiro-lampião! Ele cavalgou pela praça levando poesias a todos os presentes. Genial!

20150919_194737

 

Para finalizar, vou repetir algo que parecido com o que já disse no último Bibliocamp que participei: se analisar apenas essas poucas atividades citadas, vejo que todas elas poderiam se realizar em qualquer biblioteca pública que queira seguir o muito citado por aqui, mas pouco seguido (por várias razões que não há espaço para aqui enumerar) Manifesto da IFLA/UNESCO sobre Bibliotecas Públicas , especificamente nos 12 tópicos das Missões da Biblioteca Pública.

Enfatizo também a presença de vários colegas bibliotecári@s na festa e a participação de algumas bibliotecas municipais do entorno na programação e que mantêm contato com os grupos/coletivos culturais da região.

Por fim, acredito que um caminho a trilhar para chegar a uma biblioteconomia social e sem fronteiras seja a RUA, lugar onde estão as PESSOAS. Vamos nessa!

Freud versus as requisições de obras

Enquanto os colegas do blog olham para o futuro, vou olhar um pouco para o passado. Mas quem disse que ao olhar para o passado não podemos tirar dados e fatos para remoldar o futuro? É isso que pretendo fazer contando uma história.

 

Tudo começa na Sala de Leitura Herculano de Freitas (atual Circulante), na Biblioteca Mário de Andrade, no ano de 2007. Faltavam alguns meses para se iniciar a grande reforma que mudaria aquela Biblioteca e o estado físico do prédio realmente era deprimente: pisos rachados, vazamentos e infiltrações para todo lado, mobiliário acabado, acervo com pragas e precisando de encadernação e restauro. A falta de pessoal apertava e a estrutura administrativa não existia, a improvisação reinava ali. Para tristeza de todos até chegou a nós uma crítica de um aluno do curso de Biblioteconomia da ECA-USP que dizia que a Mário havia parado na Idade Média.

Exatamente naquela época eu trabalhava como bibliotecário de referência, e fazia o horário das 13 às 21 horas. O trabalho de referência era muito estimulante, mas depois das 18 horas a coisa ficava tenebrosa. A Mário (abreviação carinhosa) ficava bem vazia dali até o fechamento, e naquele dia deviam ter umas 10 pessoas (cabiam 120!), e entediado que estava, pois não havia muito o que fazer (os dois únicos computadores do salão só acessavam o horrível (ainda é!) catálogo eletrônico e o celular não tinha Hungry Birds e muito menos Internet) eu costumava xeretar a vida dos leitores, e ficava tentando identificar o que liam, ou sentava no mesão de referência e ficava anotando no caderno de causos e ocorrências os livros solicitados e não comprados, os assuntos com resultados negativos ou  minhas reclamações e ideias de mudanças.

E naquele dia, eram umas 19 horas, e como sempre, eu acabara de voltar do jantar (normalmente a janta era um lanche de pernil no Bar do Estadão que fica ali perto), quando estava andando por entre as quase 60 mesas de usuários existentes no salão, parando aqui e ali, levantando-as e tentando deixá-las umas atrás da outras na posição certa (toque bibliotecário) que vi aquele usuário sentado folheando os livros. Folheando quase sem parar. Continuei observando e logo depois, ele se levantou, foi até o balcão de entrega de livros, os entregou junto com duas requisições de livros, voltou e aguardou pela chegada de mais livros. Quando chegaram, ele recomeçou a folheação. Mais um tempo passou, ele se levantou novamente e fez tudo de novo.

Não resisti à cena toda e fui lá conversar com ele. Ao chegar perto pedi licença e perguntei:

– O que você está procurando?!

– Preciso localizar dois artigos do Sigmund Freud que estão nas suas Obras Psicológicas Completas que um professor pediu….

– Você não sabe o assunto e o volume ou tem alguma outra informação?!

– Não. Ele parou, olhou num papel todo amassado e leu os títulos dos artigos. Como sempre acontecia na referência, nem eu nem ele entendemos direito do que se tratavam aqueles títulos enormes e sem sentido algum para leigos.

– Realmente, você terá que olhar todos os volumes. São quantos?

– 24.

– E quantos você já checou?

– Olha, estou no sexto volume. Eu não queria reclamar, mas  quando termino de olhar dois, tenho que pedir mais dois e os livros não descem tão rápido. Vai demorar um bocado.

A situação da pobre criatura era crítica, pois a Mário tinha um rígido sistema de regras, sendo as primordiais naquele momento:

1- Cada leitor só podia solicitar 2 livros de cada vez.

2- Os pedidos eram feitos através de um formulário de requisição individual para cada obra. E em cada pedido era preciso preencher os dados pessoais, título e localização da obra.

Isso significava que aquele ser ainda precisava escrever mais 18 vezes as mesmas coisas, mudando apenas a localização da obra.

 

Era óbvio que eu já sabia daquelas regras, e não concordava com elas, mas como era novo na instituição eu meio que deixei estar… até aquele dia, claro!

Diante da situação, como era (sou?!) meio sanguíneo, enlouqueci e o espírito do Ranganathan desceu sobre mim martelando na cabeça aquele trecho da lei mais aterrisadora da biblioteconomia: poupe o tempo do leitor, poupe o tempo do leitor, poupe o tempo do leitor….

Disse ao leitor para aguardar que ia resolver o problema e fui correndo atrás de um carrinho. Encontrei um bem velho e barulhento e avisei as funcionárias do monta carga (elevador de livros da biblioteca) que iria até o oitavo andar pegar toda a coleção do Freud para um usuário consultar tudo de uma vez. A dona Valmira e a Silvania arregalaram os olhos e deixaram o jovem bibliotecário subir, não sem antes avisar que eu estava descumprindo uma regra e que no dia seguinte teria treta (elas falaram isso com outras palavras, claro….).

Bufando, entrei num dos velhos elevadores e fui buscar os livros. Quando os trouxe, a fim de evitar mais tretas (já pensou na zona de outros usuários querendo o mesmo? sem as mesmas justificativas que aquele?!) chamei o usuário e o deixei consultando as obras em uma sala anexa.

Ele ficou muito agradecido, e eu e as “meninas/os” (a Silvania, a Valmira, a Mazé, o Siloni, o Dudu e mais dois colegas que não lembro o nome) nos sentimos no paraíso e não naquela instituição com jeitão de massa falida.

 

Antes do fim, uma pausa para algumas explicações.

Como muitos devem saber, na BMA uma boa parte dos livros ficam na torre e no período citado o atendimento realizado na Sala de Leitura se referia ao que se chama Coleção Geral de Livros, e estes livros ficavam do sexto ao décimo quarto andar. Como haviam poucos funcionários e muitos eram idosos, se tentava evitar muitos vais e vens para não cansar os velhinhos que já reclamavam de dores em quase todo lugar. Além disso, as estantes não eram (e não são) muito ergonomicas, e pegar obras próximo ao chão era (é!) um saco e muito complicado para aqueles senhores e senhoras.

A administração tinha comprado milhões de formulários, e num local onde os recursos eram escassos ou simplesmente não existiam (diferente de hoje, a BMA ainda não tinha recursos próprios, pois acabara de deixar de ser uma espécie de “biblioteca ramal grande” e se transformara finalmente em um departamento)  deixar de utilizar aqueles formulários e criar outros menos grotescos, mesmo que em benefício do usuário, era uma heresia!

Apesar de certa beleza, o tipo de arquitetura da BMA também era (é!) um problema. Ela foi pensada em uma época que o acesso livre às estantes não era uma premissa fundamental como é hoje.

 

Enfim, tal sistema de funcionamento fazia com que problemas surgissem a todo momento e a razão de existir de uma biblioteca, que são seus usuários, eram submetidos a regras e modos de fazer que claramente os faziam perder tempo e se afastassem da biblioteca não somente por causa da situação caótica causada pelo descaso dos políticos (e também dos profissionais bibliotecários, diga-se de passagem) que deixaram uma instituição chegar naquele ponto.

Depois daquele dia ainda tive vários enfrentamentos com as regras da biblioteca e com os colegas, me exasperei e se exasperaram comigo, mas olhando para o tempo que passou vejo que valeu a pena. Muitos daqueles colegas cansados e desmotivados estiveram ao meu lado durante e após a reforma que durou longos 3 anos, e conseguimos avançar bastante, transformando o que eu chamava de uma biblioteca morta mas não enterrada, em uma biblioteca estimulante, com muitos desafios, inclusive uma diretoria atual meio cabeçuda (não que os diretores anteriores e eu, auxiliar deles, não o fossemos também em alguns momentos).

 

Espera aí! Você quer saber o que aconteceu com as requisições?!

Tomei ódio delas e durante a reforma as reencontrei em caixas e mais caixas com milhares delas. E admito que, escondido, durante os três longos anos de reforma, dei fim a muitas delas, mas acredito que em alguma salinha da torre elas ainda esperam o dia de retornarem ao uso e assombrarem a vida dos leitores da Biblioteca, que hoje, podem pedir livros à vontade, mas sem exageros, claro.

 

A livraria do dia dos namorados

Há meses eu passava em frente de uma livraria no bairro das Perdizes (zona oeste da cidade de São Paulo) e queria entrar nela. Lembro-me também de ter lido algo sobre ela nos últimos dias em um artigo sobre livrarias independentes de São Paulo.

Pois bem, no início da noite de sexta-dia do dia 12/06/2015, dia dos namorados, decidi caminhar do morro onde fica Perdizes até os baixos da Barra Funda onde fica o terminal rodoferroviário de mesmo nome.

E no meio do caminho havia a Livraria Zaccara. E é óbvio que não titubeei. Me aproximei primeiro do vidro onde haviam livros excelentes expostos bem à vista de quem passa (1!!!). Em seguida, subi as escadas e me deparei com um espaço clássico de livraria ou biblioteca repleto de estantes, expositores e mesas cheios de livros, quadrinhos, CDs e alguns DVDs.

Fui logo para uma mesa onde haviam vários lançamentos literários. E logo veio a primeira surpresa: os livros estavam dispostos nos famosos montinhos onde normalmente estão 10 ou 20 exemplares do mesmo títulos, mas na Zaccara não. Em vários casos, abaixo de um título do Amós Oz ou do Philip Roth haviam outros títulos do mesmo autor (como acontece normalmente nas estantes das bibliotecas). E para meu prazer, haviam ali vários livros com mulheres na capa (já postei em outro blog várias capas assim que selecionei quando trabalhava na Biblioteca Mário de Andrade).

Depois de alguns momentos, a esposa do dono da livraria se aproximou e perguntou se eu queria algo em especial e começamos a falar sobre alguns autores ali expostos e sobre o Clube de Leitura (ele acontece mensalmente, sempre na segunda segunda-feira do mês).

Após a chegada de outro cliente ela se afastou. O papo inicial já foi bem gostoso. Mas um segundo momento de papear estava por vir.

Após cerca de 20 minutos xeretando o térreo do lugar, e ter selecionado mentalmente uns 20 livros, mas ter levado ao caixa apenas dois (“O muro”, HQ de Fraipont & Bailly e “Submissão” do Michel Houellebecq), encontrei com o Lúcio Zaccara (o dono do negócio) no balcão. Com um suspiro, deixei os livros no balcão, e ele perguntou:
– vi que olhou o “Primeiras vezes” da Sibylline (um HQ adulto bem safadinho!), gostou? Aproveite e veja este daqui…. é um Milo Manara, conheci esses dias.

– sim, achei muito legal ele. É bem forte, não é? Respondi e continuei: e já conheço o Manara….. sabe, quando tinha uns 18 anos sem querer achei o “Perfume do invisível” dele escondido em um arquivo de aço do diretor da empresa onde eu trabalhava. Achei ele muito sacana e anos depois li várias outras obras dele. É um clássico do HQ erótico.

– pois bem, deixa eu te mostrar outra coisa que você vai gostar. O Lúcio foi até a área de quadrinhos e me trouxe outros três HQs da coleção Safadas: Verão, Natal e Encontros (ainda há também Lingeries) e disse-me indo em direção a duas poltronas que ficam num canto do lugar: vamos conversar um pouco.

Ele me falou que o Odilon Moraes (um dos melhores ilustradores brasileiros, recomendo a leitura de “Ismália” que ele ilustrou!) havia indicado a tal coleção. Ele me falou que haviam algumas ilustrações do último livro dele no primeiro andar.

Eu disse que havia conhecido o Odilon quando ele ia até a Biblioteca Monteiro Lobato (BML) pegar livros emprestados.

Falamos sobre a necessidade de diversidade musical e literária e das impressões sobre o tema naquele bairro e nas periferias da cidade.

Fomos interrompidos por uma cliente que estava procurando algo para presentear o filho e lá foi o Lúcio conversar com ela e juntos (3!!!!) selecionaram dois CDs e um livro. Enquanto isso, eu folheei as HQs cheias de sexo e erotismo elevados à vigésima potência e com algumas histórias, muito, muito engraçadas. Ainda li o último número da Granta Brasil com o tema “Infiel”.

Quando ele retornou, fomos até o primeiro andar ver as ilustrações. Lá também haviam algumas ilustrações da Laurabeatriz (que na minha época de BML fez muito sucesso com seus livros de animais brasileiros escritos em parceria com o Lalau).

Em seguida nos sentamos e ele falou dos eventos que acontecem na Livraria, do aluguel (R$300,00 por 4 horas e 2!!!!) para grupos do espaço com aquele imenso e aconchegante sofá onde estávamos naquele momento, que também tem outras poltronas, cadeiras e um conjunto de TV, Caixas de som e Receiver de dar inveja. Perguntei se poderia passar um filme baseado em um livro e discuti-lo e ele disse que alguns grupos já fizeram tal coisa. Também pensei em fazer um encontro de bibliotecários e amigos leitores no lugar (que tem uma cozinha onde são feitos bolos, café e onde há também vinhos!) e ele disse que era só falar com ele etcétera e tal.

Ao descer, com mil idéias na cabeça, ainda papeamos com outra cliente, que por acaso também levou “Submissão” para casa. A esposa (puxa, me esqueci de pegar o nome dela, sorry!) do Lúcio se juntou a nós e falamos sobre o desejo deles de não fazer um Clube do Livro com livros fáceis de ler, não porque eles se acham, mas porque acreditam que histórias complexas ou desafiantes também trazem prazer e estimulam novas ideias e críticas. e finalmente paguei os livros e recebi dois marcadores de páginas iguais. Como sou folgado, pedi para trocar um e disse que era porque colecionava-os. Ganhei de presente uns 20, inclusive um muito fofucho da Peppa Pig!

O atendimento personalizado fez a diferença e pelo país afora há muitas outras livrarias e bibliotecas pequenas como a Zaccara que para sair da crise e para enfrentar os velhos problemas (falta de clientes ou usuários, falta de acervo básico e atualizado, falta de informatização, falta de pessoal e muitas outras faltas) poderiam seguir um caminho semelhante, o caminho da comunicação e empatia.

Foram duas horas dentro da livraria e no dia dos namorados, sai apaixonado pela livraria.

Vocês devem ter visto os número seguidos de exclamações, foi meu jeito de anotar alguns pontos que comento abaixo. O que acham?

1- Exposição de acervo tem que estar na entrada das bibliotecas. A arquitetura, ou o design, das bibliotecas que ainda não são assim, deve mudar radicalmente, exceto em caso de edifícios tombados, mas mesmo assim, outras soluções devem ser tomadas.

2- Se houvessem mais salas aconchegantes nas bibliotecas, elas poderiam ser cedidas gratuitamente (ou não dependendo do status financeiro do grupo a fim de angariar recursos extras?) para grupos interessados.

3- Sinto que a entrevista de referência anda tão fora de moda, pelo menos sinto isso e posso estar errado. E a entrevista de referência do Lúcio foi incrível! Quando o leitor está na biblioteca temos que dar mais atenção a ele para que se sinta atendido e volte querendo mais. Foco nas pessoas é fundamental!

E só para constar, seguem as capas dos livros citados:

Ismália – ilustrado pelo Odilon Moraes

 

Submissão

 

O Muro

 

Safadas: Encontros

 

Safadas: Natal

 

Safadas: Lingerie

 

Safadas: Verão

A SABESP e o descaso com a informação

Depois de alguns dias com sérios problemas ligados à informação, eu não poderia deixar de publicar o ocorrido neste blog, afinal, acredito que problemas de informação em serviços públicos nos interessam bastante e essa bagaça é sem fronteiras.

E o caso é bem grave. Trata-se do descaso da SABESP, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, empresa que talvez seja a maior distribuidora de água do Brasil, com a divulgação de informações ao cidadão, que no caso é um mero reles bibliotecário, que há seis dias sofre com a falta de água em uma bairro da cidade de Jandira na região Metropolitana do futuro deserto chamado São Paulo.

Em primeiro lugar, o primeiro sinal de descaso com a informação, ou melhor, com a divulgação de informações sobre os serviços prestados pela empresa. No segundo dia de falta de água, o cidadão, que acredita na comunicação via tecnologia, entrou no site da empresa (www.sabesp.com.br), localizou facilmente (um ponto positivo) a área onde estão os Canais de Atendimento e o Atendimento Online. Lá ele preencheu os dados, localizou sua residência, informou seu telefone e e-mail e ficou aguardando algum contato da empresa.
E lá se foram dois dias e nenhum retorno.  O descaso com a informação tomou forma, pois não é correto você solicitar uma informação e não utilizá-la para nada, e neste caso, foram solicitados dados para contato e nenhum contato foi feito. Acabo de olhar na caixa de e-mails e no aparelho celular e não consta nenhum sinal de vida da SABESP.

No final do terceiro dia tive que fazer uma ligação para a central de atendimento de voz da empresa. Para conseguir falar com um atendente a espera foi muito longa, mas finalmente o contato foi feito, a reclamação da falta de água foi repetida e para surpresa do cidadão, o atende informou que não havia problema de fornecimento de água na região há exatos três dias. Foi preciso argumentar que aquela informação não estava correta, afinal, as torneiras estiveram sem água o tempo todo. Mais um erro! Ao final da conversa, o atendente disse que abrira um chamado e que em 24 horas uma equipe iria ao local para verificar o que estava acontecendo.
Muito bem, se passaram 24 horas, nenhuma equipe apareceu e mesmo após confirmar telefone fixo, celular e e-mails não houve nenhum retorno da parte da SABESP para informar o motivo da falta de água. Nesse meio tempo, a caixa de água já havia se esvaziado, o número de roupas para lavar já se acumulava, os desinfetantes já não suportavam o cheiro ruim e a família foi tomar banho à noite na casa de amigos.

Enquanto aguardava o retorno do site e da central de atendimento de voz, o cidadão tentou contato através das redes sociais (Twitter e Facebook) da SABESP.
No Twitter, a resposta para a reclamação não demorou, e logo depois da publicação da mensagem, foi solicitado o endereço da residência sem água. O endereço foi enviado e há três dias espera-se um retorno com informações e nada até agora.
Já no Facebook parece que ninguém da comunicação da empresinha olha as notificações, pois nenhuma resposta ou pedido de informação foi solicitado. E pensar que as redes sociais servem para fins de comunicação, não é? Mas parece que o Facebook é utilizado apenas para marketing….

Por fim, mais uma vez, na tarde do quinto dia o cidadão entrou em contato com a central de atendimento de voz. O leitor deve estar pensando, mas que cidadão chato! Porque ele insiste em pedir informações para a SABESP?!?! Acontece que a situação se tornou insustentável, pois para comer, vários galões de 20 litros de água foram comprados e até água de um caminhão pipa foi preciso para encher a caixa de água que já acumulava pó. E nada disso foi de graça ou enviado pela concessionária de serviço público, foi comprado! Ou seja, além da falta de respeito e de ao menos uma informação do problema que leva à falta de água, há prejuízos financeiros.
Voltando à ligação, a atendente informou que na tarde daquele dia, os técnicos estavam  na região verificando o ocorrido, e que se a situação continuasse da forma que estava, seriam enviados caminhões pipa para realizar o abastecimento de emergência.
Um sinal de alívio, ufa!
Mas mesmo assim, algumas informações importantes não foram dadas: qual o motivo da falta de água e qual a previsão de data de retorno da mesma.

E assim, ao final do dia, ao chegar em casa, o cidadão é informado pela irmã que um vizinho havia ligado para a SABESP e a mesma informou que a previsão de retorno de água seria para o dia 22/01! Hoje é madrugada do dia 16/01. Ou seja, a previsão de retorno é daqui há seis dias. Ou seja, mais um desencontro de informação, pois um atendente não informou nada sobre previsão de retorno e outro informou para outro cidadão que entrou em contato.

Enfim, como bibliotecário estou horrorizado com o descaso da SABESP com a informação e principalmente com os cidadãos a quem ela tem o dever de atender e manter informados quando não consegue realizar a sua tarefa, tarefa que é remunerada via impostos pagos por todos.

Será que a SABESP não precisa de um bibliotecário para organizar o fluxo de informação entre os atendentes, sites, redes sociais e entre suas equipes a fim de prover informações de qualidade a quem ela atende?

Alguém libera um chuveiro aí?

E-books: a era dos folhetins voltou?

Há alguns meses, um dos escritores brasileiros que mais curto, o Ricardo Lísias, lançou seu novo livro, porém esse novo livro foi publicado à moda antiga: a cada semana ou quinzena, ele disponibilizava um trecho da obra, num total de cinco números, exatamente como eram publicados os folhetins de outrora em jornais e revistas.

Naquela época, se você não comprasse o jornal daquele dia teria que ir em uma biblioteca ou mesmo nas distribuidoras de jornais para adquirir a publicação inteira.

Agora o e-book fica sempre disponível na estante virtual, bastando você ir até o site da Amazon, Apple, Google Play, Kobo, Livraria Cultura ou da Saraiva, e comprar cada capítulo por R$1,99.

É muita vantagem, não é mesmo?

Mas como sou um chato, estou me perguntando se esse folhetim algum dia será reunido em papel (ou em formato eletrônico) e publicado como alguns clássicos da literatura que surgiram neste formato (veja aqui alguns).

Minha resposta é não, e por isso minha preocupação, pois fico pensando em como dar acesso a esse tipo de publicação nas bibliotecas públicas, escolares e mesmo nas universitárias onde há cursos de Letras.

Nesse momento em que o mercado editorial se modifica de forma mais veloz que essas instituições aqui no Brasil, corre-se o risco de os serviços públicos de informação não disponibilizarem à comunidade de leitores, obras que podem se tornar novos clássicos ou mesmo vir a fazer parte do cânone de determinados gêneros literários, ou não.

O livro do Lísias é comercializado pela editora e-galaxia, que se autodenomina “espaço cultural especializado em e-books”, que além do folhetim já tem uma série de contos denominada “Formas Breves”, com vários autores conhecidos publicados e também edita em parceria com a Editora Mombak a série  “Latitudes” que já tem 5 obras de autores de fora do circuito tradicional (RJ, SP, MG, RS). A maioria destas obras foram lançadas somente em formato digital, e mesmo as que já tem edição em papel, estas são tiragens limitadas e locais de difícil acesso.

Claro que, amanhã ou depois de amanhã, as bibliotecas finalmente comecem a disponibilizar e-books e esse problema seja resolvido, mas é uma questão que desde já deveríamos nos aprofundar (dois colegas certamente já pensaram coisa semelhante: o Moreno Barros que acabou de postar sobre o tema e-book e a Liliana Giusti Serra que lançou recentemente a obra Livro digital e bibliotecas).

Para finalizar, se eu estivesse à frente do desenvolvimento de coleções de uma biblioteca pública ou comunitária interessada em promover novas experiências literárias aos meus leitores, eu ficaria muito chateado em não poder disponibilizar vários dos títulos publicados pela e-galaxia, e na verdade, estou muito chateado, pois adquiri os livros abaixo e não sei quando poderei dizer para algum colega: olha, vá até o site da biblioteca que você poderá ler ele, pois é sensacional.

Mas ao menos eles são bem baratos e para quem tem um pouco de grana e um smartphone, tablet ou e-reader pode adquiri-los.

 

Delegado Tobias – Ricardo Lísias – e-galáxia
Uma história detetivesca envolvendo ficção e realidade. Um dos textos mais divertidos do autor.20.DelegadoTobias1Serie

 

Palavras que devoram lágrimas – Roberto Menezes- Latitude
O autor é um jovem paraibano e a obra retrata os pensamentos de uma mulher que se separou de um homem que é político. A coisa não terminou bem, pois o sujeito é retratado como um traste…..


 

Paixão Insone – Ronaldo Monte – Latitude
O autor é alagoano e a obra  conta a história de Helena, que em meio a solidão busca ternura em meio a ambiente conturbado e violento de uma grande cidade,

A liberdade do leitor

Finalmente criei coragem e vergonha na cara para escrever um pouco sobre o tema que mais me fascina, a escolha do leitor a respeito do que vai ler, ou seja, sua liberdade de escolha, e como podemos, ou não, influenciar nessas escolhas como bibliotecários, professores, livreiros, pais ou mesmo amigos.

Mas antes de escrever sobre um dos vários empecilhos para que os leitores tenham essa liberdade de ler o que quiserem no país, vou apresentar alguns textos que abordam a liberdade do leitor recolhidos em leituras aleatórias (ou seriam libertárias?!) que fiz sobre o tema no último mês.

Começo a jornada com um trecho do excelente ensaio “Como se deve ler um livro?”, escrito por uma das maiores escritoras do século XX, Virginia Woolf. O ensaio foi publicado recentemente no Brasil pela Cosac Naify no livro “O valor do riso”. [Vale a pena ler o livro todo, é muito bom!]

Quero enfatizar, antes de tudo, o ponto de interrogação no fim do meu título. Ainda que eu pudesse responder para uso próprio à pergunta, a resposta só se aplicaria a mim, não a você. De fato, o único conselho sobre leitura que uma pessoa pode dar a outra é não aceitar conselho algum, seguir os próprios instintos, usar o próprio bom senso e tirar suas próprias conclusões. Se nos pusermos de acordo quanto a isso, sinto-me então em condições de apresentar algumas ideias e lhes fazer sugestões, pois você assim não permitirá que elas restrinjam a característica mais importante que um leitor pode ter, sua independência. Afinal, que leis podem se podem formular sobre livros? A Batalha de Waterloo foi sem dúvida travada em certo dia; mas será Hamlet uma peça melhor do que Rei Lear? Ninguém o pode dizer, cada um deve decidir por si mesmo essa questão. Admitir autoridades em nossas bibliotecas, por mais embecadas e empelicadas que estejam, e deixar que elas nos digam como ler, o que ler e que valor atribuir ao que lemos, é destruir o espírito de liberdade que dá alento a esses santuários. Em qualquer outra parte podemos ser limitados por convenções e leis – mas lá não temos nenhuma.

 

Leiamos agora o que diz o velho Roger Chartier (A aventura do livro, 1998):

A queles que são considerados não-leitores lêem, mas lêem coisa diferente daquilo que o cânone escolar define como leitura legítima. O problema não é tanto o de considerar como não-leituras estas leituras selvagens que se ligam a objetos escritos de fraca legitimidade cultural, mas é o de tentar apoiar-se sobre essas práticas incontroladas e disseminadas para conduzir esses leitores, pela escola mas também sem dúvida por múltiplas outras vias, a encontrar outras leituras. É preciso utilizar aquilo que a norma escolar rejeita como um suporte para dar acesso à leitura na sua plenitude, isto é, ao encontro de textos densos e mais capazes de transformar a visão de mundo, as maneiras de sentir e de pensar.

 

Tenha um pouco mais de paciência leitor, as citações já estão acabando. Tanto é assim que as próximas citações todas são de uma única autora. Trata-se da Graça Ramos, detentora do blog  tri-legal “A pequena leitora: literatura infantojuvenil” que fica dentro do portal do jornal carioca O Globo. Um achado!
Na primeira citação apresento dois trechos com constatações que ela alcançou depois de ler a pesquisa de uma professora da UFRJ que analisou os hábitos de leitura de alunos de escolas do Rio de Janeiro e de Barcelona. O artigo pode ser lido aqui.

Nas duas cidades, garotas e garotos não têm quase nenhuma ingerência na escolha de títulos adotados pelo sistema de ensino e apresentam resistência ao que é determinado como leitura pela escola. “Os alunos não são escutados e raramente são atraídos pela forma como lêem autores clássicos”, afirma a estudiosa.

Como ter liberdade de leitura sem poder escolher o que ler? A leitura na escola, e respectivamente, nas bibliotecas escolares, deve mudar, isso está muito claro há muito tempo. Apesar da distribuição de livros pelos governos municipais, estaduais e federal, o quadro não muda, porque? Será que esses programas estão pensando na bibliodiversidade de leitura? Será que ninguém lê? Claro que não, conforme indica a pesquisa, os alunos estão lendo outras coisas.
E por falar nisso, a Graça Ramos escreveu o seguinte em outro artigo:

Penso ainda ser melhor a companhia/leitura de qualquer livro do que a ausência total do hábito de ler.

 

Pronto! Termino o caminho das citações com um depoimento pessoal da própria Graça:

Foi na biblioteca pública da SQS 308, em Brasília, que fiz algumas das melhores descobertas de minha vida de leitora. Respeitada em minhas escolhas, conheci autores os mais diferentes, pois o importante era o prazer de ler. Ainda acho que essa é a primeira premissa para formar leitores.

 

Muito bem, chega de enrolação, agora é minha vez. E já que a arapuca está armada, tenho que dizer que um dos empecilhos para a plena liberdade do leitor, principalmente do leitor com menos recursos financeiros, está na situação constrangedora de nossas bibliotecas, principalmente as públicas e as escolares de escolas públicas, mas não só nestas instituições.

E porque a situação é constrangedora?

Não quero generalizar a situação, mas pelo que conheço posso dizer que a situação em muitas bibliotecas públicas é essa, pois muitas não possuem efetivamente políticas de desenvolvimento de coleções que lhes ofereçam condições de proporcionar real liberdade ao leitor. Muitas vivem de doações, programas de distribuição de obras (com títulos escolhidos pelo doador e não pelo doado) e vários outros tipos de editais não permanentes, como o último edital da Fundação Biblioteca Nacional que na minha opinião, mais serviu para desovar livros encalhados do que para ampliar a diversidade e riqueza dos acervos das bibliotecas. Admito que colegas bibliotecários discordam de mim, e com razão, quando falo do edital da FBN, afinal, para quem não tem recurso para adquirir nada, quando tem a possibilidade de escolher algo, aquilo foi tudo de bom! Mas não posso deixar de me manifestar, mesmo depois de anos do acontecido.

Também não posso esquecer daquelas bibliotecas que possuem recursos, mas não suficientes para grandes compras e para proporcionar uma quantidade mínima de títulos que possibilitem essa liberdade.

E há também a dificuldade, que já enfrentei  de, com poucos recursos, ter de escolher entre clássicos e livros premiados e os best-sellers e livros de autoajuda. Nas duas últimas bibliotecas onde trabalhei as discussões para determinar a quantidade de obras a serem adquiridas de cada uma dessas categorias sempre gerou discussões sem fim, levando até a xingamentos explícitos em trabalhos acadêmicos!
Acredito que tenha aprendido algo relacionado à quinta lei de Ranganathan: para cada leitor o seu livro.

Essa discussão toda deve ser estimulada em nosso meio sempre, e com o tempo, pode ser possível chegar a parâmetros que atendam a todos os gostos.

E novamente, a Virginia Woolf pode ajudar (desculpa, mas não poderia deixar essa citação de fora; é a última mesmo!):

Para gozar de liberdade, se a platitude for desculpável, temos porém, é claro, de nos controlar. Não devemos desperdiçar nossas forças, com incompetência e inépcia, esguichando água por metade da casa a fim de molhar uma roseira apenas; devemos discipliná-las, com rigor e energia, no ponto certo. Essa pode ser uma das primeiras dificuldades com que nos defrontamos numa biblioteca. Qual será “o ponto certo”? Pode bem ser que lá não pareça haver senão acúmulo, senão amontoamento confuso. Poemas e romances, histórias e memórias, dicionários e publicações do governo; livros escritos em todas as línguas por homens e mulheres de todas as raças, idades e temperamentos acotovelam-se nas prateleiras. E do lado de fora o burro zurra, as mulheres tagarelam no poço, os potros galopam pelos campos. Por onde vamos começar? Como vamos pôr ordem nesse caos multitudinário e assim extrair do que lemos o prazer mais amplo e profundo?

 

Para finalizar essa questão, posso me usar como exemplo de leitor.
Gosto de ler os clássicos, quadrinhos, um ou outro best-seller (principalmente os de fantasia) e literatura brasileira e estrangeira contemporânea de autores premiados ou que recebem críticas positivas da famigerada, e em eterna crise, crítica literária brasileira. Também sou leitor de poesia, de literatura periférica paulistana e outras coisas meio estranhas….. Enfim, sou um multi-leitor, nem pior nem melhor que qualquer outro, diga-se, um pouco diferente de muitos leitores que preferem focar em poucos mundos, cada um à sua maneira.

E como leitor, o que sinto nas bibliotecas públicas da cidade onde moro quando a questão é bibliodiversidade e liberdade do leitor?
Infelizmente, não sinto essa liberdade tão citada, seja na Biblioteca de São Paulo, na Mário de Andrade, na Biblioteca do Centro Cultural São Paulou ou na Biblioteca Temática de Poesia Alceu Amoroso Lima.
Na Biblioteca de São Paulo a aquisição de acervo é mais ágil, mas como ela foca bastante em best-sellers, exceção seja feita aos livros ligados ao Prêmio São Paulo de Literatura, ela não agrada minha parte-leitor de livros não populares. Não localizo lá vários autores brasileiros premiados e bem criticados.
Nas outras bibliotecas citadas, em alguns momentos não encontro nem uma coisa ou nem outra, ou a demora é grande devido a toda a imensa burocracia enfrentada pelos colegas para fazer compras e aos constantes cortes e congelamentos de recursos que me canso esperar. Por outro lado, como são bibliotecas com grandes acervos, me divirto pegando clássicos e mais clássicos da literatura.
E mais, senti o mesmo em outras bibliotecas onde entrei: em Barueri-SP, no Rio de Janeiro (apesar de ótimas, o leitor chato aqui sentiu falta de mais variedade em Manguinhos e na Rocinha), em Brasília (na Biblioteca Demonstrativa – e judiada, na Biblioteca “Nacional” de Brasília em uma ramal de cidade satélite), Recife, Fortaleza e Florianópolis entre outras.

Infelizmente, nos últimos tempos tenho sentido essa liberdade nas grandes livrarias. Foi nelas que tive de comprar pelo menos 75% dos livros que tive vontade, desejo ou necessidade de ler!
Tenho alguma condição de fazer isso, apesar de ter prometido à minha conta bancária que não utilizarei recursos dela esse mês para aquisição de livros.
E quem não tem condições, como fica?!
Em tese, quem não tem condições é um leitor sem liberdade, meio que aprisionado em plena era dos e-book/e-readers!
Como muitos ainda não possuem boa internet ou bons smartphones, sequer tem condições de participar das comunidades (piratas) de livros digitalizados e distribuídos a quem contribui com 10 ou 20 reais mensais….

Enfim, é tempo de conquistarmos essa liberdade para nós mesmos e para os nossos leitores, familiares, amigos, cachorros e gatos. Precisamos LUTAR por recursos para bibliotecas, sejam elas públicas, comunitárias ou escolares. Precisamos participar de todos os Planos Municipais ou Estaduais do Livros. Precisamos pressionar governadores, deputados, senadores, prefeitos e vereadores!

Só assim o leitor brasileiro poderá ser livre!

Só assim poderei chegar em uma biblioteca e encontrar o livro “A Primavera da Pontuação” do Vitor Ramil. Obra que peguei na estante de uma livraria depois de ver um monte de pontos, virgulas, travessões, tremas e outros componentes da língua portuguesa na capa, ler a engraçada apresentação da Natércia Pontes, e mesmo como livro plastificado pegar e levá-lo sem nenhuma referência. Sem nenhuma referência anterior tive acesso a um dos livros mais divertidos que já li na vida e que só depois descobri que havia sido patrocinado pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e publicada pela conceituada Cosac Naify. Liberdade total!

Só assim poderei chegar em uma outra biblioteca e encontrar o livro “A vida do livreiro A. J. Fikry” da Gabrielle Zevin. Best-seller internacional cuja capa com várias janelinhas coloridas me chamou a atenção e que, por acaso, ao pegar vi que se tratava de uma história ligada ao mundo do livro, mas contada de forma suave e divertida, sem a erudição de um Alberto Manguel, lançada pela Paralela, o selo de livros “pop” da Companhia das Letras. [Em tempo, o livro é muito bom]. Liberdade total!

Quero essa liberdade total nas bibliotecas, e quero logo!

Leitura com cães

Ele voltou. Lá vem ele com temas menores. Ficou tanto tempo sem escrever para vir falar sobre leitura com cães?
Meu lado tradicional-conservador está a toda, mas não darei vez a ele….

Vou falar brevemente sobre a importância da leitura com cães como um fator de motivação da leitura de crianças (e não crianças).

Tudo começou quando estava em uma unidade da Livraria da Vila numa sessão de auto-terapia individual literária e partir de lá com a mochila cheia de livros e a revista da dita livraria na mão. Foi sentar no ônibus e começar a ler e chegar até a página que falava sobre a “Roda de leitura TAC+”, uma sessão de leitura com a presença de cães junto das crianças, que se realizou no dia 7 de junho (a atividade foi divulgada aqui).

Tenho que admitir que nunca havia pensado no assunto, mas chegando em casa comecei as pesquisas e consegui levantar mais informações e fiquei entusiasmado com o que li. E não poderia ser diferente. Os cães normalmente fazem a alegria das crianças e deixam até os adultos meio abobalhados, e se, segundo pesquisas eles podem ser companheiros na hora de leitura, a presença deles numa atividade de mediação de leitura certamente transforma aquele momento em um momento alegre e aconchegante (principalmente se o cão for grande peludo e estiver limpinho… risos), tornando por consequência a leitura em uma atividade lúdica daquelas que dá vontade de repetir a dose com ou sem o cão.

Acredito piamente que podemos implantar programas semelhantes em bibliotecas públicas, comunitárias e outros espaços de leitura.

Mas como sou um novato no assunto, simplesmente vou disponibilizar os sites, reportagens e artigos mais legais.

TAC+
associação parceira da Livraria da Vila que estimula Intervenções Assistidas por Animais para ampliar a qualidade de vida das pessoas.  Eles possuem um projeto onde pretendem atuar em bibliotecas públicas (olha a oportunidade aí!)

Librarydogs.com
site bacana com informações sobre leitura com cães. Vale a pena ir na seção Books with your breed, onde há indicações de livros e filmes com várias raças de cães!

Reading Education Assistance Dogs Program
Programa da Intermountain Therapy Animals dos Estados Unidos voltado para leitura com cães. Recomendo clicar em Research & Results e se divertir com o monte de artigos disponibilizados.
Lá é possível encontrar o artigo Man’s friend as a reading facilitator, que é esclarecedor.

TDI – Therapy Dogs International – Children Reading to Dogs
Outro programa internacional sobre a prática chamada de dog-friendly!

Crianças lêem para cachorros na Estônia
Artigo bastante veiculado há alguns meses por aqui (tirei do blog Mundo Bibliotecário)

Projeto L.E.R. Cãofiante
Matéria 1 (com breve entrevista)
Matéria 2
Projeto implantado na Escola Básica do 1.º Ciclo de Silves, em Portugal. Destaco aqui a participação enfática da bibliotecária Maria José Mackaaij em parceria com duas psicólogas.

Reading with Rover
Simpático.

E por último, um artigo na internet similar ao que li na revista:
Roda de leitura com cães gratuita ocorrerá na Livraria da Vila

Enfim, quem tiver mais “coisas” sobre o assunto é só recomendar e se iniciar algum projeto utilizando cães, me chame!

As mulheres brasileiras e sua literatura gostosa… de ler!

Desculpem o trocadilho, mas o assunto é sério: a literatura produzida pelas mulheres brasileiras atualmente é muito gostosa de ler! Ela é tão, tão, tão gostosa que não queria parar de ler, situação que motivou o atraso desta postagem que deveria ter sido feita no Dia Internacional da Mulher.

Ficou para os últimos minutos do mês da mulher.

A ideia de escrever sobre o tema estava em mente desde o ano passado, mas como havia lido um número pequeno de romances ou livros de contos de “novas” autoras nacionais, nada aconteceu, mas o fato que deu início à saga foi a leitura de um artigo no blog de literatura Posfácio, onde o colunista falou da campanha mundial traduzida aqui com o horroroso #LeiaMulheres2014.

Não estou menosprezando autoras consagradas como Clarice Lispector, Hilda Hilst, Raquel de Queiroz, Maria José Dupré, Ana Maria Machado, Lygia Fagundes Telles, Maria Carolina de Jesus ou autoras com obras já consolidadas e amadas como Martha Medeiros, Cíntia Moscovich e Lya Luft ou mesmo a multimidiática Thalita Rebouças e a Paula Pimenta, estas últimas best-sellers infantojuvenis.

Meu objetivo é tornar mais conhecidas entre os profissionais (torço para que conheçam!) e leitores do blog algumas boas escritoras que podem ser indicadas e lidas, ampliando o leque de leituras para além das autoras internacionais que infestam o mercado literário nacional.

Antes de começar, eu admito, eu sou muito influenciado por aquele maldito discurso do Ortega y Gasset a respeito da Missão do Bibliotecário….

De antemão, informo que as escolhidas escrevem de forma um tanto diferente uma das outras, com estilos bem diferentes e humores idem. Mas vamos a quem interessa: elas e suas obras!

Começo com uma escritora que conheci pessoalmente em meados de 2005, mas cujo primeiro foi lido somente agora.

Ana Paula Maia, nascida no Rio de Janeiro, é autora dos romances O habitante das falhas subterrâneas (7 letras, 2003) e A guerra dos bastardos (Língua geral, 2007). Em 2006 publicou o primeiro folhetim pulp da Internet brasileira em 12 capítulos. Tem contos publicados em diversas antologias, entre elas 25 Mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira (Record, 2004) e Sex´n´Bossa (Mondadori, Itália, 2005).

degados

De gados e homens (Record, 2013), é seu último romance (é uma novela, pois tem apenas 124 páginas) e é simplesmente devastador. Ana Paula conta o dia-a-dia de trabalhadores em um abatedouro em algum canto do país (o local me lembra muito o interior de Mato Grosso do Sul, lugar onde tenho um primo que trabalha em um abatedouro) sem fazer concessões. É um livro para os fortes e depois de lê-lo você vir a desistir de comer um bom hambúrguer!

[Pô, tive de comprar]

 

Tatiana Salem Levy, é escritora, tradutora e doutora em Estudos de Literatura. Publicou o livro A experiência do fora: Blanchot, Foucault e Deleuze (Relume Dumará) e contos na revista Ficções 11 (7Letras) e nas antologias Paralelos (Agir) e 25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira (Record). A chave de casa, seu romance de estréia, foi publicado primeiramente em Portugal, pela editora Cotovia.

chavedacasa

A chave da casa (Record, 2007) foi seu romance de estréia e já chegou provocando. Composto de pequenos capítulos (moda na literatura brasileira atual) em narrativa não linear, este livro de tom autobiográfico consegue ser terno, histórico e radical, pois cada em capítulo um momento da vida da personagem é contado, e ela passeia por Portugal, Turquia, Rio de Janeiro, Estados Unidos e por sua cama…. e por falar em cama há trechos quentes, que podem interessar àqueles que curtem uma pegada mais sensual. Mas também há um trecho de tortura (sim, a mãe da personagem viveu a Ditadura brasileira).

[Disponível em várias Bibliotecas Municipais de São Paulo e Biblioteca de Niterói]

 

Carola Saavedra nasceu em Santiago do Chile, em 1973, e veio com a família para o Brasil três anos depois. Morou na Alemanha, onde concluiu um mestrado em comunicação, e também na Espanha e na França. Hoje vive no Rio de Janeiro e é escritora e tradutora. Em 2005, publicou o livro de contos Do lado de fora (7Letras, 2005). Recebeu o prêmio APCA de melhor romance pelo livro Flores azuis (2009). Está entre os vinte melhores jovens escritores brasileiros escolhidos pela revista Granta.

todaterca

Toda terça (Companhia das Letras) é um livro escrito a partir de um Divã, local onde dois personagens, uma mulher e um homem, contam seus encontros e desencontros amorosos. Ou seja, aparentemente um livro simples e tradicional mas muito bem escrito.

[Disponível em várias Bibliotecas Municipais de São Paulo e Biblioteca Parque de Manguinhos]

 

Adriana Lisboa começou oficialmente sua carreira em 1999, com a publicação do romance Os fios da memória, ao qual se seguiram outros quatro: Sinfonia em branco (2001), que a levou a ser apontada pela crítica como uma das mais importantes revelações da nova literatura brasileira, Um beijo de colombina (2003), Rakushisha (2007) e Azul-corvo (2010). Em 2004 lançou uma coletânea de contos curtos e poemas em prosa, Caligrafias, com desenhos originais de Gianguido Bonfanti. Em 2007 publicou a novela O coração às vezes para de bater, adaptada para o cinema por Maria Camargo. Sua obra se completa com três livros infanto-juvenis: Língua de trapos (2005), A sereia e o caçador de borboletas (2009), ambos ilustrados por Rui de Oliveira, e Contos populares japoneses (2008), ilustrado por Janaína Tokitaka.

Capa Sinfonia em branco alta.indd

Sinfonia em branco (Alfaguara, 2011) se encontra entre os livros mais belos e trágicos que já li. Do ponto de vista de beleza ele me lembrou muito alguns trechos de “Reparação” do Ian McEwan um dos livros que indiquei outro dia como um dos dez melhores que já li. Alguns silêncios parece que gritavam mil palavras enquanto lia. Já o trágico lembrou-me “Os sofrimentos do jovem Werther” do Goethe. Me recuso revelar a história, mas apesar da leveza da escrita o livro é tão pesado quanto o da Ana Paula Maia.

[Disponível na Mário de Andrade e Biblioteca de Niterói]

 

Luisa Geisler nasceu em Canoas (RS), mas passa dois terços de seu tempo em Porto Alegre, estudando Relações Internacionais. Contos de mentira é seu livro de estreia, mas conquistou o prêmio Sesc de literatura. Para alguém que nasceu em 1991, não é pouco o que já fez: ganhou prêmios literários, publicou contos em antologias, revistas e na internet, traduziu, lecionou inglês, arrancou os sisos, tentou fugir de casa, estudou cinco idiomas estrangeiros e somou outros tantos feitos afins.

Quica

Quiçá (Record, 2013) é o segundo livro da jovem autora e nele ela demonstra muita habilidade para misturar vários momentos em um único capítulo do livro, ou seja, ela utiliza a narrativa não linear que cai muito bem nos dois jovens personagens principais, os primos Clarissa, de 11 anos, e Arthur de 18 anos, onde o segundo, após uma tentativa de suicídio, vai morar com a família da garota. Mas o grande problema de convivência não será entre os dois jovens tão diferentes entre si, mas sim com seus pais, família e porque não com a sociedade. Vale muito a pena ser lido!

[Disponível na Mário de Andrade – Circulante, Biblioteca de São Paulo e Biblioteca de Niterói]

 

Vanessa Bárbara nasceu em 1982, é jornalista e escritora. É colunista do International New York Times e da Folha de S.Paulo. Publicou o romance Noites de alface (Alfaguara, 2013), a graphic novel A máquina de Goldberg (Quadrinhos na Cia., 2012, em parceria com Fido Nesti), o livro-reportagem O livro amarelo do terminal (Cosac Naify, 2008, Prêmio Jabuti de Reportagem), o romance O verão do Chibo (Alfaguara, 2008, em parceria com Emilio Fraia) e o infantil Endrigo, o escavador de umbigo (Ed. 34, 2011). É também tradutora e preparadora da Companhia das Letras. Ela contribui para o blog com uma coluna mensal.

Capa Noites de alface.indd

Noites de alface (Alfaguara, 2013) é delicioso. A história dos dois velhinhos do bairro do bairro do Mandaqui em São Paulo (não, o livro não se passa no Mandaqui, mas tudo leva a crer que sim, pois é o bairro onde a autora mora e idolatra) me fez rir à toa em vários momentos. Em seguida, com um deles sozinho após a partida de um deles, certa melancolia toma conta da obra, mas mesmo assim o humor (mesmo que negro) é visível a cada momento até o desfecho inesperado. Recomendo, e dou meu exemplar de presente para quem lembrar de algo que ligue ela aos bibliotecários e bibliotecas…. (risos sarcásticos).

[Pô, tive que comprar] 

 

Beatriz Bracher nasceu em São Paulo, em 1961. Formada em Letras, foi editora da revista 34 Letras, de literatura e filosofia, e uma das fundadoras da Editora 34, onde trabalhou por oito anos. Sua experiência com cinema inclui o argumento do filme Cronicamente inviável (1994), co-autora do roteiro premiado do longa-metragem Os inquilinos (2009), pelo o qual ganhou o prêmio de “Melhor Roteiro do Festival do Rio”, ambos em parceria com Sérgio Bianchi e co-autora do roteiro de O abismo prateado (2011), longa-metragem de Karim Aïnouz, selecionado para a Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes. Sua estréia como escritora de livros foi em 2002, com o romance Azul e dura. Em 2009, lançou seu primeiro livro de contos, Meu amor, vencedor do Prêmio Clarice Lispector, da Biblioteca Nacional.

meuamor

Meu amor (34, 2009) é a obra da autora mais experiente da lista, mas não a considero tão conhecida, por isso, entrou na lista. Também a conheço, pois fiz uma visita monitorada especial para ela na Biblioteca Mário de Andrade quando trabalhava lá, e admito que parecia que andava com uma nobre de alguma corte inglesa ao mesmo tempo que ela ria de alguns comentários deste bobo. Mas deixemos minha paixão platônica de lado: a obra traz alguns contos de alguém com severo olhar crítico e ao mesmo tempo amoroso sobre o viver no Brasil hoje. Do ponto de vista privilegiado de alguém ligado a famosa classe média brasileira é incrível a sensibilidade para escrever algo como o trecho abaixo:

Estava parada em um engarrafamento, no final de um dia poluído. O homem surgiu e bateu na janela com uma arma preta. O movimento de sua boca berrava e a voz chegava baixa. Passa o dinheiro, passa o dinheiro ou vai morrer. Agora, abre a janela, agora, agora, ou vai morrer, ou vai morrer. Olhava louco para mim, olhava louco para mim. Ou vai morrer, ou vai morrer. Olhava sua boca, seus olhos, a arma preta, a aflição e a raiva e me convencia que era cinema. Não tentei explicar-lhe, ele entenderia. O vidro blindado transformava sua ação, eu podia olhar, observar os detalhes de sua roupa, a língua escura e o tamanho pequeno das mãos agarrando a arma preta. A arma preta apontada contra meus olhos, o canal oco da arma preta tremendo, argumento claro, abre, sua vaca, eu vou atirar. Minha curiosidade apática minava sua decisão, o argumento oscilava.
O rapaz entendeu sua impossibilidade, titubeou, apoiou as mãos no vidro, uma fechada na arma, aproximou o rosto e cuspiu minha morte mais uma vez. Eram de um animal os olhos, a palma da mão suada e a saliva. Furioso, enjaulado, um fila brasileiro latindo e pulando atrás das grades enquanto caminhamos na calçada. Ele segurou a arma com as duas mãos e mirou meu rosto. Eu mirava calma e hipnotizada, intrigada com o fim.
Um frio monstruoso me sobe do estômago e para meu coração. Hoje é dia de rodízio, eu não estou no blindado. Meus olhos pulam de horror, as mãos crispadas na boca aberta e hirta, sem qualquer possibilidade de voz, pedi piedade. Ele entendeu e riu. Num só golpe, quebrou o vidro com a mão da arma, esmurrou meu rosto e sumiu deixando o revólver de brinquedo no meu colo manchado com o nosso sangue.

[Disponível em várias Bibliotecas Municipais de São Paulo, Biblioteca de São Paulo e Bibliotecas Parque de Manguinhos e Niterói]

 

Natércia Pontes é uma escritora nascida em Fortaleza, filha de Augusto Pontes, ex-secretário da Cultura do Ceará. Estudou Radialismo no Rio de Janeiro. Mudou-se em 2007 para São Paulo.

Copacabana-dreams

Copacabana Dreams (Cosac Naify, 2013) é o primeiro livro oficial da Natércia e é outra daquelas obras que te faz rir sozinho, mas não só, pois há alguns contos, todos ambientados no Rio de Janeiro (de novo!), trágicos ou que demonstram algumas realidades deste lugar emblemático da cidade maravilhosa. Recomendo a leitura de um conto interessante sobre culinária (spoiler: a personagem frita uma parte de seu próprio corpo). O design do livro também se destaca, pois todos os textos são acompanhados por letras e formatação individualizadas! Acompanho a autora no Twitter e suas tuitadas também são bem humoradas, como são muitas das postagens e textos da Vanessa Bárbara que sigo no Facebook.

[Disponível na Mário de Andrade – Circulante]

 

Veronica Stigger, gaúcha radicada em São Paulo desde 2001, é doutora em história da arte, crítica de arte e professora universitária. Defendeu tese sobre a relação entre arte, mito e modernidade, enfatizando as obras de Kurt Schwitters, Marcel Duchamp, Piet Mondrian e Kasimir Malevitch. Em seu pós-doutorado estudou, entre outros, os artistas brasileiros Maria Martins e Flávio de Carvalho. Seu primeiro livro, O trágico e outras comédias, foi publicado pela editora portuguesa Angelus Novus, em 2003 e, no Brasil, pela 7Letras, em 2004. Pela Cosac Naify, publicou Gran cabaret demenzial (2007) e Os anões (2010). Alguns de seus contos foram traduzidos para o catalão, o espanhol, o francês e o italiano.

Anoes

Os anões (Cosac Naify, 2010) deve ser o mais radical dos livros indicados até aqui. Os pequenos textos, pequenos como a própria obra, são repletos de violência, como o conto do título que pode ser lido online (aqui). Apesar da forma literária de escrever os textos deixam bem claro como a violência está em todo lugar no mundo contemporâneo.

[Disponível na Biblioteca de São Paulo e Mário de Andrade – Circulante]

 

Helena Terra é jornalista e escritora, ilustradora e artista plástica. Nasceu em Vacaria (RS), mas mora em Porto Alegre. Participou de oficinas literárias e publicou contos.

condicaoindestrutivel-280

A condição indestrutível de ter sido (Dublinense, 2013) é a estréia da autora na narrativa longa. Última obra descoberta e lida em algumas horas de tão instigante e trata de uma blogueira que se apaixona desesperadamente por um comentarista de seu blog. O grande mérito do livro é sua atualidade, pois via literatura nos faz pensar sobre as novas formas de conhecer e amar, mas que mantem os mesmos problemas de sempre: pode dar certo ou pode ser uma grande ilusão. Há trechos de poesia pura, e momento interessantes onde os personagens parecem se transformar em textos, como no último trecho que transcrevo, veja:

Em menos de um mês, de blogueira passei a ser o mais colorido, incomensurável e perfumado vaso humano.

Escapavam-me doses extravagantes e tumultuadas de ciúmes pelos dedos.

Na primeira vez em que ele escreveu Nós vamos nos misturar feito letras em uma palavra, vi os seus dedos, as falanges, as suas unhas em ação.

[tive de comprar o livro eletrônico na Amazon, saiu por R$13,00 contra R$29,90  em papel e mesmo assim teria que trazer de outro Estado]

 

O fato triste na coisa toda é que alguns destes livros não fáceis de encontrar em Bibliotecas Públicas, tanto que não encontrei o livro que queria de outra autora nova, a Carol Bensimon. Isso é um grande problema, principalmente para quem não tem recursos, e infelizmente acredito que esse problema vá continuar, pois ainda não se aprendeu a comprar com diversidade ou não há recursos mesmo nas Bibliotecas. Pode ser que alguns destes títulos venham a ser comprados, mas só chegam depois de meses ou até anos, se chegarem, mais um problema, a lentidão.  E por fim, que falta faz um catálogo nacional de  acervos de Bibliotecas Públicas, facilitaria minha vida e evitaria a impressão de bairrismo meu ao colocar só livros encontrados no Rio de Janeiro e São Paulo (deu preguiça de abrir outros catálogos!).

Enfim, pretendo continuar lendo sempre que possível alguma nova autora brasileira, agora de preferência de fora do eixo sul-sudeste e também das quebradas (ou periferias), e claro, aceito dicas.

Informação: não me abandone jamais

Vivemos de informação. Não importa aonde ela esteja, ela te encontra e ao te encontrar algo novo ela pode te trazer.

Estava a navegar na Internet há algumas horas atrás, quando me lembrei que havia deixado uma janela aberta com um vídeo onde uma garota portuguesa falava em seu canal de Booktube.

Não sabe o que é um Booktube? Pois é. Eu só soube há algumas semanas o que era: trata-se de um canal onde uma pessoa, normalmente jovens,  posta vídeos sobre livros no Youtube, e nesse canal, além de postar resenhas de livros, acaba falando também dos melhores livros que leu no ano e até mostra, livro-a-livro, sua estante de livros! [Pura loucura, admito, mas muito divertido e interativo. Acredito que as bibliotecas públicas e escolares deveriam atentar para esse formato de divulgação de suas coleções. Alguém da equipe, poderia pegar as últimas aquisições e produzir um vídeo falando delas ou mesmo disponibilizar câmeras ou um canal no Youtube para os usuários publicarem suas resenhas ou indicações. Fica a dica.]

E voltando à minha história, logo depois de ver o vídeo Os (meus) melhores de 2013 do Inês Book, canal de uma simpática portuguesa que elegeu como um dos melhores livros do ano a obra “Jesus Cristo Bebia Cerveja“.

Ines

Depois, vi outros Booktubes e comecei a navegar até chegar ao canal  “Lendo & Comentando – Amanda“, onde uma leitora brasileira, além das resenhas, apresentava um tal de Bookshelf tour (um passeio por suas estantes de livros!) de apenas 36 minutos de duração!

Como bom nerd velho, vi todo o vídeo, passei a conhecer novos autores e títulos que a galera anda lendo e depois de tanta informação só me lembrei de um livro: “Não me abandone jamais”, do escritor britânico-japonês Kazuo Ishiguro, cuja história conta a trajetória de três crianças até a sua juventude, período em que se tornam automaticamente doadores de órgãos, pois são clones, e tem como futuro certo a morte. Claro que a morte deles traz como benefício a possibilidade de pessoas doentes viverem mais. Ou seja, pura ficção científica!

Nao-me-abandone-jamais all pop stuff

 

Como não me lembrava do livro, fui ao Google e vi que realmente não o conhecia, apesar de já conhecer o trabalho do autor através de uma adaptação para o cinema do livro “Os vestígios do dia”, que resultou em um ótimo filme com o Anthony Hopkins e a Emma Thompson como protagonistas. Foi ali também que vi que o livro citado pela Amanda também havia sido adaptado para o cinema e optei por ver o filme primeiro. Coloquei o Torrent em ação e vi o filme.

E assim, depois de ser levado de um lugar a outro pela curiosidade e por informações contidas nesses benditos Booktubes e a escolher aleatoriamente um filme mais uma informação surgiu, mas desta vez ela surgiu de minhas próprias leituras: lembrei-me de um conto de um autor brasileiro cujo tema também fala de doação involuntária de órgãos. O nome do conto é “O índio no abismo sou eu”, de autoria do Luís Brás e foi publicado na coletânea de autores “odiados” pela crítica chamada “Geração SubZero” (Record, 2012). Neste conto, um sujeito acorda em um hospital e percebe que despertou no futuro, e apesar disso, logo terá seus órgãos retirados. Quem pagou espera pela doação, mas há uma multidão revoltada em volta do hospital que também quer parte do corpo dele…..

Clique para ampliar

 

Enfim, o livro do Kazuo (ou o filme, que tem belíssima trilha sonora e atuações sensíveis e emotivas – não vá chorar!) e o conto do Luís  possuem tom bastante melancólico, são belas obras e fazem pensar, por isso, são imperdíveis (em tempo, eu não curti a maioria dos textos do Geração Subzero, desculpa aí!).

 

Segue dois trechos das obras citadas:

Somos todos mortais. Talvez nenhum de nós realmente entenda o que passamos ou sinta que tivemos tempo suficiente.

O futuro jamais é para todos. O futuro é apenas para quem pode pagar.

Encontro marcado com alguns livros

Depois de tirar da fila de leitura alguns livros, consegui visitar a Biblioteca Pública mais próxima (a Mário de Andrade lá no centro de São Paulo) e a livraria preferida (a Livraria Cultura do Conjunto Nacional na avenida Paulista) e voltar a ampliar a lista de livros para ler.

E tendo como pano de fundo essas visitas, gostaria de deixar as impressões sobre alguns livros. Não se tratam de resenhas, pois não li todos, mas acredito que possa ser uma forma de dar uma visão parcial aos colegas de profissão e leitores de algumas publicações disponíveis nas livrarias e boas bibliotecas (chamo de boas aqui aquelas que obtêm o beneplácito, segundo os governantes, de adquirir livros com recursos próprios).

Primeiro, fui até  a Biblioteca Mário de Andrade e renovei a reserva do livro “Sinfonia em branco” da Adriana Lisboa (mas só falarei dele em uma próxima postagem sobre autoras mulheres em comemoração ao Dia Internacional da Mulher) e aproveitei para pegar o “Quiça” da jovem Luisa Geisler. Fiquei vidrado em pegar uma outra autora nova, a Laura Erber e algum outro livro do Joca Reners Terron ou um clássico, mas só posso pegar dois livros por vez (Mário, aumenta ao menos para 3 vai!).

O fato engraçado foi que acabei atendendo involuntariamente um pesquisador em busca de obras sobre erotismo e prostituição em São Paulo. Não foi difícil falar de obras como “Pornopopéia” do Reinaldo Moraes, “Zero” do Loyola Brandão, “Eles eram muitos cavalos” do Luiz Ruffato ou mesmo do velho João Antônio e seu “Malagueta, Perus e Bacanaço”, além dos livros sobre prostituição em São Paulo ali disponíveis.

No dia seguinte, mais uma sessão de encontros e lá estava eu carregando uns 10 livros em busca de um lugar confortável para ler na Livraria Cultura. Depois de selecionar os livros que era possível carregar fui me abrigar no salão de música da Livraria, e ali, ao som de música clássica comecei a leitura de trechos, introduções e orelhas dos livros que vou apresentar.

São os seguintes:

De gados e homens – Ana Paula Maia
Pequena novela de não mais que 130 páginas que narra o dia-a-dia de trabalhadores em um matadouro de gado em algum lugar do país. Simplesmente poderoso e leitura só para os fortes! Li em algumas horas, mas falarei dele na postagem citada há pouco.

 

É isto um homem? Primo Levi
Trata-se de um clássico da literatura mundial. Nele o italiano Primo Levi, um dos três sobreviventes do campo de concentração de Auschwitz, narra sua experiência de forma belíssima nessa reedição brasileira. Copio um trecho da poesia de abertura da obra:

É isto um homem?

Vocês que vivem seguros

em suas cálidas casas, vocês que, voltando à noite,

encontram comida quente e rostos amigos,

pensem bem se isto é um homem

que trabalha no meio do barro,

que não conhece paz,

que luta por um pedaço de pão,

que morre por um sim ou por um não.

Pensem bem se isto é uma mulher,

sem cabelos e sem nome, sem mais força para lembrar,

vazio os olhos, frio o ventre,

como um sapo no inverno.

 

Você vai voltar para mim e outros contos – Bernardo Kucinski
Um livro de amor? Não. Inspirado em depoimento da Comissão da Verdade Paulista, a obra retrata 28 histórias que têm a ditadura militar como pano de fundo.  O autor, que é jornalista e cientista político, publicou outro romance que vale a pena ler chamado “K”. E em ambos os livros histórias ternas e chocantes para não nos esquecermos do quão triste e revoltante é qualquer regime de exceção!

 

Fim – Fernanda Torres
Apesar de não confiar muito nas críticas dos grandes jornais e nas indicações do onipresente Jô Soares, a atriz realmente escreveu uma obra contundente. Cheia de sexo e ambientada no Rio de Janeiro, a obra me agradou. Só não me agradou o agradecimento à Rede Globo, mas não vou perseguir ninguém aqui….

 

Pulp Head: o outro lado da América – John Jeremiah Sullivan
Fazia um bom tempo que não tinha coragem de pegar um livro de ensaios, mas depois de ler em alguns blogs sobre este não via a hora de pegá-lo. Foi paixão imediata e olha que li apenas o hilário capítulo onde o Sullivan destaca como foi sua cobertura no maior evento de música gospel dos Estados Unidos. Uma beleza! Uma visão sem preconceitos apesar da extrema discordância dele em relação ao que aconteceu no tal Festival. E ainda citou aquelas bandas que eu tanto ouvia nos anos 1990 (Jars of Clay e Petra estão lá) e umas novas dos anos 2000 que não curto nada… Os tempos mudam!

(Disponível na Biblioteca Mário de Andrade e Centro Cultural São Paulo)

 

31 songs – Nick Hornby
Trata-se de um livro delicioso para quem curtiu ou curte a cultura pop musical, feita pelo britânico especialista em listas (autor do memorável e clássico Alta Fidelidade). O momento especial foi verificar que, assim como eu, ele considera a canção Rain dos Beatles como uma das melhores dos caras de Liverpool!
Não posso me esquecer da Aimee Mann, aquela linda criatura que praticamente deu origem ao roteiro do filme Magnólia (sim, velharia de 1999, assista e ouça esse trecho!). Uma pena não ter sido traduzido para o português ainda (ou nunca).

O frio aqui fora – Flávio Cafiero
Um executivo deixa uma corporação para se tornar escritor. Essa é a história do autor. Confuso? Pois é, nesse livro realidade e ficção se misturam (no que chamam de autoficção e onde o Ricardo Lísias autor de “O céu dos suicidas” e “Divórcio” é mestre) nesse livro lançado no ano passado e cujo conteúdo é bem interessante para reconhecer e ver com outros olhos esse mundo hoje tão distante deste funcionário público….

 

A contadora de filmes – Hernán Rivera Letelier
Este livrinho do chileno que também é roteirista é surpreendentemente gostoso e de cara me fez lembrar do filme “Cinema Paradiso” do Giuseppe Tornatore. Tenho certeza que em breve vira um filme, por isso, fica a dica, leia antes!

(Disponível em quase todo as bibliotecas públicas de São Paulo, menos nas duas centrais: Mário e Lobato. Vai entender!)

 

Por enquanto, são esses os achados! Estou com três deles em casa (A contadora de filmes, De gados e homens e É isto um homem) e posso compartilhar o uso, principalmente entre os paulistanos….

Pô, espero que não esteja desvirtuando o blog! hahaha