Lei de Acesso à Informação

Começou a vigorar hoje a Lei de Acesso à Informação (nº 12.527/2011) com o objetivo de garantir o acesso a informações públicas.

Segundo a Cartilha “ Acesso à Informação Pública ”, a Lei 12.527 representa uma mudança de paradigma em matéria de transparência pública, pois estabelece que o acesso é a regra e o sigilo, a exceção.

Em outro trecho da cartilha, é citado que para garantir a observância do que dispõe a Lei, serão necessários recursos financeiros e humanos – estes, devidamente capacitados.

Ao meu ver, a lei deverá demandar bastante trabalho para arquivistas e bibliotecários que já atuam em instituições públicas e torço para que novas contratações sejam realizadas para que realmente a Lei se faça cumprir de forma efetiva.

30 de Março – 10 anos de BSF

10 anos de história… 10 anos de posts, comentários, inquietações, eventos, encontros e desencontros… Mas o principal disso tudo é que são 10 anos de mudanças, muitas mudanças. Como guardar tudo isso na memória?

Tantas perguntas vieram à mente… Por que mesmo que utilizamos “crube.net” por um tempo? Quando decidimos mudar o nome para “Bibliotecários Sem Fronteiras”? E o domínio “.org.br” quando surgiu?

Resolvi então recorrer ao histórico de emails. E ao ler esses emails e relembrar o processo de construção do blog, o que era para ser um post comemorativo, acabou se tornando um post de agradecimento. Agradecimento a todos que de alguma maneira passaram por aqui e deram sua contribuição ao longo do tempo: Iara, Gilberto, Maria Clara, Fernando… Aos blogueiros convidados que por um tempo contribuíram para o engrandecimento do blog… Àqueles que comentam, criticam, sugerem melhorias…

Mas claro que meu agradecimento especial tem que ser para eles: Moreno, Tiago, Diego e Dener. Aliás, vocês nem conhecem o Dener e eu não sei nem por onde ele anda. Mas ele foi por muito tempo o nosso ‘cara da TI’. Hoje em dia, os meninos dão conta muito bem do recado sozinhos, mas nos primórdios recorríamos a ele quando questões técnicas mais cabeludas surgiam.

Sem Moreno e Tiago o blog provavelmente não existiria mais. São eles que mantém o blog com seus posts, novas ideias, reformulações… O Diego, embora tão sumido em termos de post quanto eu, tem papel fundamental quando se trata de servidor, etc, etc.

E eu? Bem, eu hoje sou mais leitora que colaboradora, mas fico feliz que a despretensiosa ideia de criar um blog para divulgar a Biblioteconomia esteja no ar (e ativo) há 10 anos! :)

CBBD 2011

“Ai, ai… Que saudade, ai que dó! Viver, longe de Maceió!”

No dia 10 de agosto foi encerrado mais um CBBD.

Não vou destacar aqui os pontos negativos (com exceção da falta de Wi-fi aberto) porque acho que os positivos superaram os problemas.

O (re)encontro com os colegas foi o maior destaque!
Os momentos mais enriquecedores vieram dessas conversas de corredor entre uma palestra e outra, dos almoços e dos momentos livres em geral.

Houve até um encontro dos Bibliotecários Pop Sem Fronteiras (com exceção de Moreno, que agora só quer saber de eventos internacionais).

Diego, Vivi, Tiago e Iara.

Em relação aos trabalhos, destaco a participação dos estudantes. Inclusive, o Professor Fernando Modesto elogiou a iniciativa de graduandos estarem produzindo e submetendo suas produções.

Os trabalhos estão disponíveis aqui.
Atualizado: Pode-se navegar pela listagem dos trabalhos aprovados também.

Para o próximo, fica a dica de abrir o Wi-fi para os congressistas. O evento poderia ter sido muito mais divulgado nas mídias sociais, se houvesse essa possibilidade.

Nos vemos em 2013!

VI Simpósio Internacional de Bibliotecas Digitais

Começou ontem o VI Simpósio Internacional de Bibliotecas Digitais, organizado pela PUCRS e pelo Consórcio Ibero-americano de Educação em Ciência e Tecnologia (ISTEC).

VI Simpósio Internacional de Bibliotecas Digitais

Confesso que a princípio não esperava muito do evento, pois acho que é complicado sair do discurso “olha como os bibliotecários são importantes na Era Digital”, mas o evento me surpreendeu positivamente.

Não que esse discurso não tenha ocorrido, mas houve palestras e debates que fizeram valer a pena.

Conferência de abertura

No primeiro dia, gostaria de destacar:

– Catherine Sohener reforçou a importância da educação continuada e da leitura para bibliotecários. Claro que à primeira vista parece óbvio, mas se refletirmos melhor, quantos bibliotecários que conhecemos estão parados no tempo? Quantos existem que não gostam de ler?

– A @raquelrecuero na palestra que iniciou a primeira mesa redonda do dia, cujo tema foi cibercultura e pensamento contemporâneo, trouxe à tona o fato de que não há compartilhamento desinteressado. As pessoas compartilham porque estão atrás de valores como reputação, visibilidade, popularidade, etc.

– Já o @trasel em resposta a perguntas ocorridas durante o debate da mesma mesa redonda, trouxe em seu discurso o fato de que muitos professores reclamam quando os alunos levam laptops para a sala de aula e utilizam para ver facebook, email, twitter… Ele lembrou que antigamente os alunos não usavam computadores em sala, mas já existia o jogo da forca…

(O que me lembra que as empresas que bloqueiam determinados sites alegando que eles podem baixar a produtividade, esquecem que sempre existiu o cafezinho. Quem não quer trabalhar vai tomar um café e leva duas horas. E aí?).

Houve também uma palestra com Janet McCue que destacou a importância das bibliotecas atuarem fora das bibliotecas, citando o exemplo da Cornell University Library e a mesa redonda com a participação de César da PUCRS e Maria Carmem Romcy de Carvalho.

Tenho somente duas ressalvas a fazer:

– Não há tradução simultânea, o que gerou reclamação por parte de muitos participantes. Ainda que se parta do princípio que a grande maioria fala inglês, acho que essa informação poderia ter sido divulgada no site do evento.

– Senti falta de tweets da @BibliotecaPUCRS sobre o Simpósio. =D

As atualizações no twitter ficaram por conta da @karolbraun majoritariamente.

Vou aguardar o segundo dia. O @trasel já disponibilizou seus slides. A organização informou que as apresentações estarão disponíveis ao final do evento.

(Foto via @danielbeltran )

Gabriel Buchmann

Peço licença aos amigos bibliotecários para um assunto off topic, mas nem por isso menos importante.
O filho de uma professora da instituição em que trabalho encontra-se desaparecido e ela pede ajuda de todos. Mais informações abaixo.
Obrigada!

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
“Essa é a história de Gabriel Buchmann. Gabriel é um economista brasileiro de 28 anos que está perdido desde sexta da semana passada no Monte Mulanje, no país Centro-Africano do Malawi, o país mais pobre do mundo. Precisamos de ajuda para manter o assunto na mídia e garantir o apoio governamental. (…)

Ao longo do último ano, Gabriel Buchmann viajou por 60 países na Ásia, Oriente Médio e África. Sempre com poucos recursos, à base de carona e com a ajuda de locais. Sua intenção era conhecer o mundo, suas belezas, suas dores, seus erros, a pobreza, a injustiça dos homens contra a natureza e contra seus semelhantes. (…)

Essa seria sua preparação para o seu doutorado em Economia da Pobreza, na Universidade da Califórnia (UCLA).
Antes do doutorado, Gabriel precisava viver a pobreza. Não que ele não a conhecesse. (…)”

Quer ajudar?

Blog Ajude Grabriel

Ajude Gabriel no Twitter

Prêmio Viva Leitura 2009

“Estão abertas as inscrições para o Prêmio Vivaleitura 2009, iniciativa que estimula e reconhece as melhores experiências relacionadas à leitura. Em sua quarta edição, o prêmio vai receber projetos de bibliotecas, escolas, ONGs, pessoas físicas, universidades, faculdades e instituições sociais. O vencedor de cada categoria receberá um prêmio de R$ 30 mil. Uma menção honrosa será atribuída a projetos de empresas públicas e privadas. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até 24 e julho de 2009.”

Me chamou atenção um e-mail que recebi informando que do total de inscritos até agora, apenas 10% fazem parte da categoria 1 (Bibliotecas).

Está em cima da hora, mas ainda há tempo para inscrição.