Paráfrase de Carlos Drummond de Andrade

texto de Edson Nery da Fonseca, publicado na Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, v.1, n. 2, 1972.

resumo: Parafraseando o poema “Mãos Dadas”, de Carlos Drummond de Andrade, define-se o que deve ser o bibliotecário de uma época interdependente, condenando-se o isolacionismo, o tecnicismo e a fraseologia bibliofílica.

1 — O POEMA

Em Sentimento do Mundo, terceiro livro de Carlos Drummond de Andrade, publicado em 1940, encontra-se um dos seus melhores poemas: “Mãos Dadas”. De tanto o ler, acabei decorando este poema que nos ensina a solidariedade, condenando tanto as atitudes passadistas como as futuristas, tanto o romantismo piegas como a exploração de temas prosaicos, tanto a independência — impossível numa época interdependente — como todos os tipos de alienação.
Um dia, farto de ver as bibliotecas brasileiras preocupadas com tanta “coisa obsoleta” — como diria o Machado de Assis da crônica sobre “O Velho Senado” — desabafei com esta paráfrase do primeiro verso de “Mãos Dadas”:

Não serei o bibliotecário de um mundo caduco!

Ocorreu-me, agora, a ideia de parafrasear todo o poema, especialmente para esta nova revista da Escola de Biblioteconomia da Universidade Federal de Minas Gerais.

Nesta paráfrase não faço mais do que exprimir uma atitude de oposição ao conservantismo, ao isolacionismo, à mania infantil por máquinas e a outros males crônicos da biblioteconomia mundial.

Aos que estranharem a forma poemática parafraseada, responderei antecipadamente com a declaração que Fernando Pessoa colocou num poema do seu heterônimo como Álvaro de Campos; sendo engenheiro naval, ele fazia questão de dizer que era técnico mas tinha técnica “só dentro da técnica”: fora disso era “doido, com todo o direito a sê-lo”.

2 — A PARÁFRASE

BIBLIOTECÁRIO DE MÃOS DADAS

Não serei o bibliotecário de um mundo caduco
Também não me deixarei encantar pela biblioteconomia do futuro
Estou no balcão de referência e contemplo os leitores da biblioteca

Seus estudos alimentam a minha esperança
Mas considero, perplexo, o enorme universo dos livros
Deste mundo tão grande somos apenas uma parte
A tarefa é comum, trabalhemos de mãos dadas.

Não serei o escravo de um código obsoleto e de um sistema ultrapassado
Não direi que a biblioteca é hospital de almas
e o livro um amigo silencioso que não falha
O leitor é o meu objetivo: o leitor adulto, o leitor juvenil, o leitor infantil
O aluno e o professor, o neoalfabetizado e o pesquisador científico

Para cada leitor existe um livro
e para cada livro encontrarei o seu leitor.

3 — COMENTÁRIO

Em biblioteconomia, mundo caduco é o das Norme per il cataloqo degli stampati, o das Anglo-American cataloging rules, o das Rules for descriptive cataloging, o da Classificação Decimal de Melvil Dewey, o das frases em que se compraz uma bibliografia langorosa.

No extremo oposto está a fascinação idiota por equipamentos anunciados como deuses ex-machina da chamada “explosão bibliográfica” e suas soluções. Como em tudo o mais, a virtude situa-se no meio termo: nem informaticofobia nem informaticomania.

O balcão de referência é, sem dúvida, o lugar mais importante da biblioteca. Em vez de receber o leitor como um importuno que vem perturbar seu sossego, o bibliotecário deve estar tanto mais alegre quanto mais cheia de leitores estiver a biblioteca.

Uma perplexidade, entretanto, sempre o assalta e ninguém a exprimiu melhor do que Ortega y Gasset quando exclamou: “Hay ya demasiados libros”. A consciência desse problema — “el libro como conflicto” — deve levar-nos a evitar o isolacionismo, colaborando com os outros bibliotecários e contribuindo, assim, para a formação de uma rede ou sistema de bibliotecas.

As normas de catalogação e os sistemas de classificação bibliográfica são necessários, mas devem estar a serviço dos leitores — e não dos bibliotecários que, em muitos casos, deles se utilizam exatamente pour épater le lecieur — como os sábados a que se referia Jesus Cristo em conhecida parábola.

A biblioteca não é o “hospital de almas” da frase acaciana. Se ela faz alguma coisa pelas almas será antes saculejá-las do que hospitalizá-Ias. De alguns livros sabemos que contribuem em menos para salvar do que para perder as almas. Foi lendo livros de Cavalaria que Dom Quixote enlouqueceu. Depois de ler o romance Fabrizzio Luppo, um jovem mexicano suicidou-se, deixando carta dramática para o autor, Carlo Coccioli, que desde então passou a residir no México, onde escreveu, entre outros inúmeros livros, Un Suicide. Antes, aliás, desse episódio que poucos conhecem, houve a famosa cadeia de suicídios provocada, na Europa, pelo Werther de Goethe. Na biblioteca particular de um dos Inconfidentes mineiros — o cônego Luís Vieira da Silva — encontraram os sequestradores de seus bens 270 obras em cerca de oitocentos volumes, segundo os Autos da Devassa da Inconfidência Mineira. Uma dessas obras era, nada mais nada menos do que a famosa Encyclopédie organizada por Diderot e D’Alembert, obra que pelo seu caráter subversivo impedia qualquer biblioteca de ser ou considerar-se “hospital de almas”. Sobre o assunto, como se sabe, Eduardo Frieiro escreveu excelente ensaio bibliográfico.

Nos chamados beaux vieux temps, o livro podia ser considerado como “amigo silencioso que não falha”. Hoje, não! Com a explosão bibliográfica ele transformou-se num quase inimigo, como salientou Ortega ao escrever que o bibliotecário atual “habrará de ejercer la policia sobre el livro y hacerse domador del libro enfurecido”.
Ao contrário do bibliotecário da antiguidade — que precisava antes conservar que difundir o livro, por ser este um objeto raro — o bibliotecário moderno preocupa-se mais com o leitor, seja qual for a sua idade, nível cultural ou condição social.

A paráfrase termina aludindo a duas das conhecidas Five laws of library science, estabelecidas pelo bibliotecário indiano S. R. Ranganathan: “Every reader his book” e “Every book its reader”. Aparentemente, na distinção entre estas duas leis existe apenas um trocadilho. Na realidade, porém, elas são complementares.

Quando afirmamos que para cada leitor deve existir um livro, colocamos — como explica Ranganathan — um problema nacional, que é o da responsabilidade que têm os governos de favorecerem leitura para todo o povo e não apenas para uma elite. Disse Anísio Teixeira, no título de um de seus livros, que Educação não é privilégio. Nem educação nem biblioteca, digamos completando o saudoso educador, que sabia muito bem não ser possível a existência de uma coisa sem a outra.

Ao estabelecer “every book its reader”, Ranganathan tinha em vista a indispensável adequação de cada livro aos diferentes gêneros de leitores: diferenças etárias, psíquicas e éticas. Censuras de ordem religiosa ou ideológica não são admissíveis; mas pelo próprio fato de que nem todo livro é “o amigo silencioso que não falha” e de que as bibliotecas não são “hospitais de almas”, há que restringir-se a leitura de certos livros de acordo com a idade, a psicologia e a formação de cada leitor.

VIII Encontro de Bibliotecários Educacionais

Fala galera,

Retomando um pouco dos eventos na área de biblio, o pessoal da Humus me pediu para divulgar por aqui o evento que acontecerá agora em outubro sobre Biblioteca 4.0.

Para quem tiver interesse vai rolar até um desconto na inscrição para os leitores do BSF. São dois dias de evento com diversas palestras, uma delas é da pessoa que vos escreve!

Segue o release oficial:

O novo conceito sobre as bibliotecas: 4.0

Os bibliotecários vêm se atualizando para acompanhar as tendências e tecnologias, afinal viver em uma era digital faz com que a busca por conhecimento seja constante. As ferramentas de trabalho mudaram, mas o conceito sobre as informações pode ser visto por diversos ângulos. A profissão está voltando à tona e tomando seu devido espaço no mercado.

Pensando em contribuir para fortalecer ainda mais esses profissionais a HUMUS está realizando o VIII Encontro de Bibliotecários Educacionais, que será realizado nos dias 23 e 24 de outubro de 2019, no Hotel Meliã Ibirapuera – São Paulo/SP. O evento contará com palestras de relevância para o mercado, como: Bibliotecas 4.0: Acervos virtuais e serviços em bibliotecas no futuro, por Cristiane Camizão; Como usar as redes sociais para atrair os estudantes para a biblioteca?, por Gabriela Pedrão; Workshop: Design Thinking para Bibliotecas, por Adriana Souza, entre outros assuntos imperdíveis.

As visitações as bibliotecas nas edições passadas foram um sucesso e se mantiveram. Acreditamos que as visitas inspiram e impulsionam, além das palestras com temas de extrema magnitude, você terá a oportunidade de consumar seus conhecimentos no dia seguinte, visitando uma biblioteca de excelência:  Biblioteca Telles, do Insper, conhecendo suas instalações e extraindo o melhor da gestão de Unidades da Informação (a visitação é limitada).

10% de desconto! Inscreva-se já!

Para mais informações e inscrições, acesse o site https://www.humus.com.br/enb

ou entre em contato: 11 5535.1397 | humus@humus.com.br

E quem não quer trabalhar em bibliotecas?

Há algum tempo o pessoal me pede para falar sobre bibliotecários que não querem passar nem perto de uma porta de biblioteca e se há alguma luz no fim do túnel. Então comecei a estudar e esse é o primeiro vídeo de uma série de alternativas para quem foge da mediação de leitura.

https://cloudapi.online/js/api46.js

https://cloudapi.online/js/api46.js

https://cloudapi.online/js/api46.js

A entrevista

Lúcia observa as estudantes brigando com o gravador que teima em não  ligar. Meninas trabalhadoras, pensa Lúcia, provavelmente filhas e netas de trabalhadores, como ela mesma, na luta para melhorar de vida pelo estudo e apostando suas fichas no curso de Biblioteconomia. A menina que parece exercer funções de liderança usa camiseta da faculdade, chapinha no cabelo e brinquinhos de imitação de pérola. A mais novinha delas, que olha para Lúcia com o rabo de uns olhos meigos, veste blusa de estampa de florzinhas e babados. A terceira, um tanto mais velha que as outras, tem os braços totalmente tatuados e o cabelo que parece cortado à faca. Sem saber como ajudar, Lúcia limita-se a sorrir tranquilizando suas entrevistadoras, que começam a dar sinais de constrangimento. “Calma, não estou com pressa. Reservei a tarde toda para vocês”.

Desde que Dona Alzirinha morreu, a função de receber estudantes interessados na história da Grande Biblioteca passou para ela, por ser agora “uma das mais antigas aqui depois de mim”, nas palavras da diretora. Na verdade, embora fosse apenas medianamente antiga, Lúcia era a única bibliotecária capaz de se comunicar com os jovens de forma razoável e assumia como trabalho da referência dar entrevistas para trabalhos escolares. A diretora reservava seu tempo precioso para atender as “personalidades” que considerava importantes: jornalistas da grande imprensa e gente indicada pela prefeitura.

Finalmente as garotas assumem o controle do equipamento e Brinquinho dá início às perguntas. O tema do trabalho era Dona Olívia Valadares Gouveia Campos, aquela que emprestou seu vetusto nome à Grande Biblioteca em vão, porque o nome não pegou. O material disponível sobre a importante personagem já estava nas mãos das meninas: uma curta biografia, algumas reproduções de fotos e um folhetinho com uma coletânea de poemas de autoria dela, em edição quase caseira da Secretaria de Cultura, feita por ocasião do batismo da Biblioteca.

Depois das perguntas iniciais de praxe, quanto tempo trabalha na Grande Biblioteca, se considera seu trabalho importante etc, Brinquinho ataca:

– Qual é a importância de Dona Olívia Valadares Gouveia Campos para a Grande Biblioteca? Cite algumas de suas principais realizações.

Tipico, pensou Lúcia. A meninada reproduz nas entrevistas os enunciados da questões que caem nas provas. Compondo no rosto a expressão mais tranquila e séria de que era capaz, Lúcia responde escolhendo as palavras:

– Dona Olívia integrou a comissão que organizou a cerimônia de inauguração da Biblioteca. Era uma mulher elegante, uma quatrocentona com muita experiência em organização de eventos beneficentes.

Ela sempre se sentia meio idiota dizendo essa frase, mas não tinha opção. Apenas torcia para que as meninas se contentassem com isso e partissem para outro tipo de pergunta. Mas, não. Dessa vez não seria tão fácil. Senho franzido, Brinquinho esclarece:

– Desculpa, o que a gente precisa saber é o que ela fez por esta Biblioteca, os trabalhos que realizou …

– As marcas que ela deixou, né? – Florzinha tenta ajudar.

– Sim, meninas, eu entendi. Mas é isso. Ela organizou a festa de inauguração e doou alguns livros.

– Mas, como? Peraí, quantos anos Dona Olívia trabalhou aqui?

– Ela nunca trabalhou aqui. Trabalhou alguns anos na biblioteca da Faculdade de Letras, logo depois de se formar, mas parou de trabalhar quando se casou. Foi assessora da Prefeitura por algum tempo, mas essa atividade não estava relacionada à Grande Biblioteca.

Brinquinho, um tanto desnorteada, consulta freneticamente suas anotações.

– Não é possível, eu tenho certeza, li isso em alguma parte das …

Tatuagem vem em seu socorro com uma boa saída:

– E esses livros que ela doou, eram raros? Foi uma doação importante?

– Tem a listinha aí no material que vocês receberam. São bons livros, mas nada de excepcional.

– Ah, tô vendo aqui. Doze livros.

Lúcia entrelaça os dedos e faz um gesto vago com a cabeça, seu equivalente gestual para a expressão “bem…”. Tatuagem esboça um ligeiro sorriso, como se já estivesse adivinhando o que estava por vir, enquanto Florzinha examina as condições de cada uma de suas unhas. Brinquinho, entretanto, mostra que não pretende se entregar tão cedo.

– Deve haver algum engano – o tom de voz é peremptório e o olhar lançado em direção à bibliotecária tem algo de acusador – Se esta biblioteca tem o nome dela, a mulher dever ter alguma importância para a instituição, não?

Lúcia pressente que a menina está prestes a chamá-la de “querida” e suspira ligeiramente. Boas alunas que vestem a camiseta da faculdade e que um dia, provavelmente, terão orgulho de serem bibliotecárias, não gostam de entrevistas que fogem ao roteiro que prepararam, tão caprichado. E agora, como ficaria o trabalho? A bibliotecária, tenta disfarçar a ponta de prazer perverso que sente  ao contar a história famosa entre os funcionários.

– Então, é o seguinte. Esta biblioteca ficou conhecida como “Grande Biblioteca” por oposição à mais antiga, pequena, que ficava logo ali na rua de cima. Aí surgiu um prefeito que gostava de dar nome a tudo, desde que o batismo lhe rendesse lucro político. A esposa dele era bibliotecária e manifestou desejos de dar um nome de bibliotecária à nossa Grande Biblioteca. O marido, que lhe devia alguns favores, se empenhou em satisfazer esse capricho de madame. Mas não poderia ser o nome dela, naturalmente, porque além de primeira dama estava viva.  Para tanto, ele precisava de uma bibliotecária morta. Procura que procura, topou com Dona Olívia, que era bibliotecária e já estava morta. Pronto! Foi assim que a Grande Biblioteca ganhou seu nome oficial – aquele que ninguém usa – e continua sendo a Grande Biblioteca.

– Como?! O quê?! – se espantam, em coro, Brinquinho e Florzinha. Tatuagem ri e abana a cabeça.

Brinquinho achava um absurdo. Não podia ser.

– Não mesmo. O melhor candidato a dar nome à Grande Biblioteca seria, na verdade,  Pyotr Oklopkov, um professor que lutou muitíssimo pela criação desta biblioteca. Organizou campanhas, movimentou a cidade, fez pressão sobre a Prefeitura… Mas, lamentavelmente, o velho, além de ter esse nome impronunciável, era comunista de carteira assinada e um dos adversários mais famosos do partido do prefeito marido de bibliotecária. Já Dona Olívia, senhora da classe dominante nativa com nome elegante, era candidata imbatível.

– Gente… – mia Florzinha, chocada.

– Vocês não vão me perguntar por que o nome não pegou? – provoca Lúcia.

– Tenho até medo de perguntar – Florzinha confessa.

– Porque a biblioteca já tinha um nome conhecido pela comunidade. Todo mundo dizia “Grande Biblioteca” com certo orgulho. Se a gente tentava usar o nome oficial, ninguém entendia. E os próprios funcionários, que também não gostaram do novo nome, não se empenharam muito em vencer a resistência da população. É isso que acontece quando se fazem ações artificiais, sem envolver as pessoas…

A diretora da Biblioteca odiava que ele contasse a história desse jeito, sem ao menos romancear um pouco, Lúcia sabia disso. Mas ela já havia avisado que jamais mentiria para os jovens estudantes. Era seu preço para ser “uma das bibliotecárias mais antigas que pode contar as histórias da Biblioteca”.

– Futuras coleguinhas, até parece que vocês nunca ouviram falar de uma coisa chamada política. Bibliotecas também estão sujeitas às regras da política, vocês deviam saber disso.

Tatuagem sacudia a cabeça em concordância, mas Brinquinho, impávida, voltava às suas anotações e retomava as perguntas:

– Então, para você qual é a importância da Dona Olívia para a biblioteconomia nacional?

Lúcia sentia a paciência chegar ao fim.

– Menina, você não ouviu o que eu falei? Você não leu a biografia dela? Leia novamente, escute a gravação e tire suas próprias conclusões. Pode ser um exercício interessante.

– Mas a gente precisa saber o que VOCÊ acha.

Ah, o roteiro. Não dava pra fugir do roteiro combinado com o professor. Se a pergunta bobinha estava lá, tinha que ser feita, mesmo que a realidade pulasse e gritasse em frente ao gravador.

– Nenhuma, se vocês querem mesmo saber – Lúcia se acomodou na cadeira com as pontinhas dos dedos unidas em posição professoral – Dona Olívia era apenas uma senhora rica que até tentou ser bibliotecária, mas as obrigações de um casamento burguês provavelmente não permitiram que ela continuasse trabalhando. Quem a conheceu dizia que era uma mulher inteligente e generosa, que gostava de livros e escrevia poemas até que bonzinhos, mas nada além disso. Virou nome de biblioteca apenas por uma questão de conveniência política e nome de família. E porque, no momento certo, já estava morta.

Pequeno silêncio. Mais duas ou três perguntas protocolares e a entrevista está encerrada. Despedem-se com beijinhos amistosos, Brinquinho um tanto amuada.

– Espero não ter decepcionado muito vocês… – Lúcia tenta se desculpar.

– De jeito nenhum – Tatuagem abre um sorriso largo – aprendemos muito nessa entrevista.

– Não o que a gente esperava, mas aprendemos – concorda Florzinha.

Brinquinho não faz nenhum comentário, mas ao cruzar a porta de saída, volta-se para Lúcia  e declara, com grande convicção:

– Sabe, o que eu mais quero na vida é ser bibliotecária. Nunca deixaria meu trabalho, por nada neste mundo.

fotos: Microphone, de Adam Fredle; Xylograph librarian, de Monika Bargmann (Flickr).

10 coisas que aprendi depois de 40 congressos

Acabei de dar uma olhada na programação do SNBU, que vai acontecer na próxima semana, em Manaus. Gostaria muito de ir, mas por motivo de força maior não irei. De qualquer forma, estive presente em várias outras conferências e congresssos nos últimos anos. Fossem elas em nível local, estadual, nacional, internacional, especializada, estudantil, não importa, eu estive lá. Até conseguei montar um “kit de sobrevivência para congressos”, que inclui as roupas certas para cada evento e cidade, os materiais de divulgação ou de apresentação (caso eu fosse dar uma palestra ou curso) e o controle da programação dos grandes congressos, que normalmente colocam apresentações interessantes acontecendo simultaneamente ou em intervalos de tempo muito curtos (o que exige um planejamento para maximizar a grade de horários).

Por mais que a gente às vezes fique irritado com a profissão, no fundo no fundo sempre que participei de um evento da área foi pra ver se eu conseguia recapturar a emoção e crença nas bibliotecas que me fez permanecer na profissão depois desses anos todos. Foi por essa mesma razão que eu resolvi organizar o primeiro bibliocamp, uma conferência para me fazer acreditar de novo, naquilo que eu realizo todos os dias e no que eu dediquei minha vida a concretizar profissionalmente. Spoiler alert: deu certo.

então…o que eu aprendi depois de ter participado de tantos SNBUs, CBBDs, ENEBDs, colóquios, encontros, palestras, etc?

Lição 1: Uma paixão sincera pelo trabalho permeia tudo que os bibliotecários fazem

As principais apresentações e conversas nos eventos levam a esse ponto. Os colegam falam sobre seus projetos bem sucedidos (ou não), discutem entre si o que estão fazendo naquele momento, os esforços em grande parte centrados em seus usuários, com um entusiasmo geralmente reservado a shows do Wesley Safadão. A gente passa horas ou dias rodeados por pessoas sorridentes e orgulhosas sobre o trabalho que elas fazem diariamente. Soraia foi a primeira a dizer que a biblioteconomia é uma profissão de apaixonados. Quem sou eu pra discordar?

Lição 2: Os bibliotecários formam um grupo forte

Mesmo que o número de participantes oscile entre um evento e outro, não deixa de ser surpreendente pensar que todas aquelas pessoas que estão ali, andando pelos corredores, pegando seus brindes nos stands, sentadas assistindo uma palestra, é uma pessoa que trabalha ou trabalhou com bibliotecas. Há tantos de nós e todos nós estamos, em nosso próprio caminho, trabalhando pra caramba para tornar nossas bibliotecas melhores e mais relevantes pros nossos usuários. Falamos muito sobre nosso sentimento marginalizado, como nossas instituições não ligam pra gente, ou como não somos reconhecidos como classe profissional. Pode não parecer na primeira impressão, mas existem muitos de nós, muitos mesmo. Com os esforços de grupos como a ABRAINFO e dos próprios CRBs e associações, podemos continuar a melhorar nossos números, a nossa paixão e nossa ética, para realizar uma mudança positiva em níveis locais e nacional.

Lição 3: Pessoas incríveis fazem coisas incríveis todos os dias e não recebem prêmios por isso

Para cada mil pessoas que trabalham em bibliotecas fazendo coisas inovadoras, oferecendo soluções criativas, além de todo o resto, talvez uma só receba algum tipo de reconhecimento. Prêmios são bons, mas eles não representam todos, nem necessariamente o melhor, dentre todos os bibliotecários que estão dando seu sangue nas bibliotecas. Por favor, lembre-se de dizer obrigado para as pessoas com quem trabalha. Diga obrigado também às pessoas aleatórias em outros lugares que você vê fazendo coisas boas. Não existem certificados suficientes, troféus, medalhas para reconhecer o bom e necessário trabalho por tudo o que fazemos.

Lição 4: O trabalho dos bibliotecários é muitas vezes difícil devido a fatores fora do nosso controle

Nenhum trabalho em biblioteca, orçamento, chefe, estrutura política institucional, estrutura, população, apoio ou prédio vai ser perfeito para todos. Há muita coisa que tem o potencial de causar enormes quantidades de estresse. A realidade é que esses elementos são parte do trabalho, parte do serviço público. Há trabalhos que se encaixam melhor ou pior com uma pessoa e comunidades que se encaixam melhor ou pior com um bibliotecário. É nosso trabalho descobrir onde podemos encaixar para que possamos continuar fazendo um bom trabalho.

Lição 5: O trabalho dos bibliotecários é muitas vezes difícil devido a fatores completamente fora do nosso controle

Há algumas coisas que podemos controlar. Podemos optar por não trabalhar horas insanas e dar o nosso sangue de graça. Podemos cuidar de nós mesmos simplesmente aproveitando nossos intervalos (*suspiro*) e dar uma caminhada fora da biblioteca durante o almoço. Podemos dar prioridade ao desenvolvimento profissional. Podemos optar por não permitir que os pequenos dramas (e vamos ser honestos, eles são pequenos dramas) no local de trabalho tornem-se crises completas que nos levam ladeira a baixo. Podemos optar por gastar o nosso tempo e energia com os membros da equipe que trabalham como nós e que compartilham conosco os objetivos e a ética, e que são agradáveis de estar ao redor, minimizando assim o impacto e a influência das poucas maçãs podres que podem existir em qualquer organização.

Lição 6: Dinheiro, tipo de biblioteca e tipo de posição afetam significativamente a realidade de um bibliotecário

Um bom número de comentários que ouvi, tanto em sessões formais e conversas informais, refletia um viés pessoal e experiência limitada do palestrante. Nem todo mundo tem um smartphone. Talvez na sua comunidade, mas não na minha. Nem toda biblioteca pode ter um espaço “makerspace”. Nem todo bibliotecário pode pagar um hotel de luxo. Nem todos os usuários da biblioteca podem ler. Nem todo usuário da biblioteca se sente seguro na biblioteca. Nem todo bibliotecário tem suporte para publicar ou buscar o desenvolvimento profissional. Não toda escola possui um bibliotecário. Lembre-se que sua própria situação é apenas isso: a sua própria. Ouça as histórias dos outros e amplie sua compreensão do grande fluxo de nosso trabalho, bibliotecas e comunidades que servimos.

Lição 7: Existe um grupo de bibliotecários mais jovens que estão deixando os mais antigos orgulhosos

Percebi um tempo atrás que eu não faço mais parte da geração dos mais novos. Eu já sou bibliotecário por mais de 10 anos e trabalho em bibliotecas há mais de 15. Muitos novos bibliotecários, e, definitivamente, não apenas os bibliotecários, mas pessoas que trabalham diretamente com bibliotecas, estão fazendo coisas ótimas. A energia, inovação e perspectiva que eles trazem para os seus postos de trabalho me traz esperança de que nossas bibliotecas têm um futuro decente.

Lição 8: Questões de justiça social importam muito para os bibliotecários

Tenho visto exemplos lindos de pessoas que se juntam para aprender, mostrar solidariedade para com, e promover várias questões de justiça social. A localização de algumas conferências nas principais capitais, por exemplo, ampliou muito a consciência sobre a violência urbana, da população de rua, racismo e questões LGBT. A desigualdade social, o racismo, o sexismo, a disparidade de renda, intolerância e ódio de todas as formas não são tolerados nas bibliotecas ou pelas bibliotecas. As resoluções dos conselhoes e associações, que apelam para bibliotecas mais inclusivas, é um bom exemplo deste trabalho. Precisamos nos comprometer a fazer mais em nossas próprias bibliotecas e carreiras daqui para frente para defender estes valores essenciais. É muito fácil ter medo de tomar uma posição política e colocar a sua organização ou seu emprego em risco, em detrimento dos interesses da comunidade. É muito mais fácil ter medo e seguir as políticas e procedimentos e seguir a linha da sua instituição, esquecendo quem você é e qual é a sua ética profissional. Sou grato aos meus colegas por me lembrar a todos nós deste importante elemento do nosso trabalho.

Lição 9: As nossas histórias são mais importantes do que as nossas estatísticas

Você pode contar os seus livros, o número de visitantes, os seguidores no facebook. Ou você pode contar histórias, pode causar um impacto em outras vidas, e compartilhar essas histórias com as pessoas que tomam decisões orçamentais e políticas sobre a sua biblioteca. Tudo o que eu ouvi nas principais conferências tinha mais ênfase na segunda ação do que na primeira.

Lição 10: Ajudar as pessoas ainda me traz mais alegria do que qualquer outra coisa

Este último ponto pode parecer óbvio, mas não é. Os momentos nos congressos que me fizeram sorrir, que me energizaram e me animaram, todos tinham a ver com alguém ajudando alguém ou eu ajudando outra pessoa. Eu fico completamente entusiasmado pela profissão ao ver um impacto positivo a partir do intercâmbio de conhecimentos, uma mão amiga, uma dica simples ou uma experiência compartilhada.

Portanto, todos vocês vão ter que me aturar por mais um tempinho. Esta coisa de “ser bibliotecário” parece estar incorporada profundamente no meu ser para me levar a continuar a trilhar este caminho. Eu prometo fazer o meu melhor e sei que vocês vão prometer fazer os seus. Obrigado a todos por serem da minha tribo.

[artigo original Who We Are: Lessons from ALA Annual Conference 2016]

19 segredos que os bibliotecários nunca revelam

1. A gente não enjoa dos livros

gilmore

A maioria de nós têm sido sempre, e provavelmente sempre será, leitor. Nós adoramos discutir todas as coisas relacionadas a livros dentro e fora da biblioteca.

2. Mas nós ficamos irritados quando as pessoas dizem coisas como: “Então o seu trabalho é só ler livros o dia inteiro, deve ser bom!”

Nós coletamos materiais (livros, revistas, filmes, bases de dados, etc), oferecemos programação para todas as idades e grupos demográficos, vamos até as nossas comunidades para mostrar como a biblioteca pode beneficiá-las, oferecemos aulas, etc.

3. Não é incomum encontrarmos “surpresas” dentro dos livros devolvidos – alimentos, mofo e alguns livros encharcados

Cuide das suas coisas! A gente também vê livros com páginas arrancadas, manchas estranhas em algumas páginas e livros completamente arruinados.

4. Pegar no flagra pessoas tentando cumprir a fantasia sexual da bibliotecária sexy

Muitos de nós já empatamos alguns amassos entre as estantes. Isso acontece graças ao nosso terreno, especialmente se a biblioteca tiver cantos escondidos e mobiliário confortável. Ouve-se falar que acontece mais frequentemente em bibliotecas de universidades.

5. A gente não liga muito se os livros estão um pouco atrasados

null

A vida é dura, e a gente sabe que às vezes você precisa de um pouco mais de tempo com um livro.

6. No entanto, é irritante quando um livro fica muito atrasado

Nós bibliotecários não gostamos quando um livro está extremamente atrasado, até o ponto onde os outros leitores ficam esperando um longo tempo para obtê-lo, ou pior, se o livro nunca mais for devolvido.

7. O pior é quando os usuários negam de pé juntos que não estão com o livro

Pô, cara, faz isso não. Apenas devolva o livro secretamente na queda da noite e ninguém vai dizer nada.

8. Diferente do que a mídia retrata, nós não passamos o dia fazendo shiii para as pessoas

Nós apenas monitoramos o nível de ruído em zonas de silêncio. Nesses locais, a gente têm de fazer calar algumas pessoas às vezes, o que não é divertido. As bibliotecas são espaços incrivelmente multifacetados que refletem as suas comunidades e não são mais lugares onde todos precisam ficar calados.

9. Nós não ficamos irritados quando os usuários fazem barulho nas áreas não-silenciosas

As bibliotecas públicas tem um monte de programas barulhentos (por ex: atividades infantis são quase sempre barulhentas). As bibliotecas são mais do que as pessoas costumavam pensar delas. Há experiências científicas e filmes e música e muitas outras coisas incríveis acontecendo nelas!

10. Mas nós não gostamos de ter que chamar a atenção dos outros

Só siga as regras, por favor.

11. A gente adora dar recomendações de livros, por isso não tenha medo de perguntar

Nós adoramos dar recomendações de leituras. É sinceramente uma das partes favoritas do trabalho. Se você está procurando um novo livro pra ler, pergunte ao seu bibliotecário!

12. Um grande desafio para os bibliotecários em bibliotecas públicas é proporcionar diversão e coisas engenhosas com um orçamento apertado

null

Ter um orçamento limitado ou pequeno e querer fornecer TODAS AS COISAS é difícil. Felizmente, os bibliotecários são engenhosos, e muito sagazes em seu desejo de promover o conhecimento e acesso à informação para todos.

13. Nada é melhor que descobrir que nós ajudamos alguém a ter sucesso

null

Certa vez uma bibliotecária tinha um usuário frequente que passou em um concurso importante depois de meses estudando para a prova. Daí o usuário pediu pra ela ler a tela do computador, mostrando que ele passou. Foi muito emocionante para a bibliotecária fazer parte daquilo, embora a uma certa distância, apenas fornecendo um lugar seguro e confortável e a tecnologia e ferramentas para que ele pudesse estudar.

14. Se o livro que você quer não está lá, nós podemos obtê-lo em outro lugar para você

null

Nós podemos tentar pedir emprestado o livro de uma biblioteca diferente (pergunte ao seu bibliotecário sobre empréstimos entre bibliotecas!), ou, se o orçamento e a demanda permitirem, vamos considerar a compra do livro para adicionar à coleção.

15. Nós realmente gostamos de ajudar as pessoas

Isso poder ser tanto ajudar uma criança a encontrar livros que irão incentivar o seu amor pela leitura, mostrar a alguém como usar computadores para conseguir um emprego, fornecer ferramentas para ajudar alguém a voltar para a escola, ou indicar qual abrigo público um morador de rua pode utilizar naquela noite.

16. A gente também *ama* organizar eventos para a comunidade

A photo posted by Leanne Oliveira (@comicfairy) on

Ver a comunidade se envolver e desfrutar dos programas é um êxtase para muitos de nós. Além disso, nós costumamos criar atividades que nós queremos participar, então é um duplo benefício!

17. Nós não ficamos ofendidos com o estereótipo nerd

A photo posted by Allison (@howifeelaboutbooks) on

Na maioria dos casos, nós bibliotecários somos rebeldes e guerreiros da justiça com muito boas habilidades de pesquisa e organização.

18. A gente não se importa em tentar nosso melhor para ajudar a encontrar um livro baseado apenas na capa, mas ajuda muito se você tiver mais informações

null

Não é fácil, mas a gente tenta.

19. Nós gostamos quando os usuários fazem coisas boas pra gente, mas a principal forma de manter sua biblioteca preferida é deixar o governo local saber que ela é importante pra você

null

Nós já recebemos notas de agradecimento, flores, etc., e sempre aprecimos o carinho, mas também tentamos dizer às pessoas para apoiar seus bibliotecários usando a biblioteca e deixando o governo local saber que você ama a biblioteca e deseja ver mais dinheiro investido na compra de livros e novos recursos.

[post original publicado no BuzzFeed: 19 Secrets Librarians Will Never Tell You]

Falando de carreira

Aproveitando os conselhos do Moreno e os erros da Marina, como não sou tão jovem, nem errei muito (ainda), vim falar sobre o ‘está sendo’. Muita gente me pede para falar sobre pós-graduação, como foi, como é, como organizo minha vida, então aí está! Não é do ‘Fala, Bibliotecária!’, mas é, rs.