Três anos de referência

Em três anos trabalhando na referência da Biblioteca da Escola de Comunicações e Artes da USP, além de confirmar que atender ao público é um dos trabalhos mais legais que uma bibliotecária velha e desiludida pode fazer, observei algumas outras coisas nem tão alegres.

Bibliotecas atraem quantidades surpreendentes de pessoas malucas, para usar um termo técnico. Isso eu já esperava, porque sou maluca e gosto de bibliotecas, mas eu não sabia que a gente só percebe a maluquice de alguns usuários depois de uns três anos de convivência. É assim, o indivíduo vem todos os dias à biblioteca, não fala com ninguém, não diz nem bom dia. Só fica lá, quietinho, lendo eternamente um livro de culinária que ele mesmo trouxe, até que um belo dia resolve denunciar que o controle eletrônico da saída está falando com ele, dizendo coisas como “reúna um exército e liberte a França”. Essas máquinas são traiçoeiras, vocês sabem.

Mas não é sobre as peculiaridades desse público colateral que eu quero escrever hoje, mas sobre meus usuários principais, os alunos da Universidade. Aquele pessoal que recebeu na infância proteína suficiente, frequentou escolas minimamente adequadas e conseguiu passar em vestibulares e processos seletivos altamente excludentes. É entre eles que eu identifico, com frequência suficiente para chamar minha atenção, as seguintes façanhas:

  • chegar ao final da graduação sem nunca ter entrado na biblioteca;
  • ingressar no doutorado sem saber encontrar um livro no acervo ou usar o catálogo;
  • não conseguir encontrar um documento de seu interesse buscando pelo Google. Sim, é isso mesmo que vocês leram, há jovens universitários que não conseguem fazer isso;
  • ser capaz de localizar o número de classificação na estante, ficar perplexo ao encontrar um monte de livros com o mesmo número e não cogitar que as letras e números que vem depois devem estar dispostos em algum tipo de ordem;
  • terminar a dissertação sem ao menos se dar conta de que há outras fontes disponíveis para localizar informações, além do acervo pessoal de seu orientador e do Google (nem sempre acadêmico);
  • escandalizar-se quando a bibliotecária avisa que não se deve botar na lista de referências da TESE documentos que não foram citados no texto (“mas eu fiz isso no mestrado e ninguém me falou nada”);
  • descobrir, lá pelo meio da graduação, que a biblioteca não se resume à estante da reserva didática dos professores, aquela que tem menos de uma centena de livros e fica perto da porta de entrada;
  • surpreender-se ao ver que o texto deixado pelo professor na copiadora saiu de um livro que está na biblioteca e pode ser emprestado inteirinho e de graça;
  • vagar entre as estantes sem saber que existe um mecanismo chamado “catálogo” que permite descobrir se o livro desejado existe e se está emprestado ou não;
  • usar o catálogo regularmente e não se dar conta da existência de recursos básicos para ajudar na recuperação, como busca em campos específicos, filtros etc;
  • perguntar aflitamente no Facebook por um texto que não apenas está na biblioteca mas também disponível na web, de graça e mais fácil de encontrar do que digitar o vocábulo “migues”.

Essas situações acontecem na escola onde trabalho, mas tenho razões para acreditar que nas demais unidades da USP não é muito diferente. E estamos falando, senhoras e senhores, de uma instituição de ensino tradicionalíssima, onde ninguém jamais ousou dizer em voz alta que as bibliotecas não são importantes no processo de aprendizado e no desenvolvimento da pesquisa. Onde gente que não sabe onde fica a sua biblioteca bate no peito bradando que nada é mais importante do que uma biblioteca. E onde a Pró-Reitoria de Graduação, tentando ser simpática, publica uma relação de 13 motivos para os alunos ficarem felizes com o fim das férias (provocando hilaridade geral no corpo discente) e não menciona a existência de bibliotecas (provocando um educado comentário do Sistema Integrado de Bibliotecas).

E aí esta bibliotecária velha pergunta pra uma mocinha que passou toda a graduação dentro da biblioteca como é possível que tanta gente estude sem nem passar pela porta e obtém essa resposta singela: “não é possível. Eles não estudam”. Certo. Mas se formam e entram na pós-graduação.

E por que isso ocorre? Respostas simplistas do tipo “as bibliotecas são ruins” ou “os alunos são preguiçosos e os professores indiferentes” não me convencem, primeiro porque não são exatamente verdadeiras, segundo são sintomas, não causas. Parece-me que estamos presos num sistema perverso dimensionado para dificultar o desenvolvimento das bibliotecas, por meio de barreiras impostas pela legislação e incompetência gerencial crônica em vários níveis, que acaba por favorecer o comodismo acadêmico. E que existe há anos, bem antes de existir internet, portanto não venham culpar a tecnologia. Como o sistema garante que ninguém tenha muito tempo pra nada, inclusive para tarefas prioritárias como ensinar, estudar e pesquisar, é muito mais fácil pra todo mundo criar atalhos para evitar que o aluno precise ir à biblioteca.

O lado bom é que “minha” biblioteca não está vazia, muito pelo contrário. Às vezes me pergunto como vamos dar conta de atender todas as pessoas que começam a responder aos nossos chamados. Os jovens professores começam a levar seus alunos para aprenderem a usar os recursos da biblioteca ou estimulá-los a participar de visitas monitoradas e treinamentos.

Fico contente, mas ainda não sei muito bem o que pensar disso. Pode ser apenas uma fase boa que vai durar até que esses docentes animados sejam engolidos pelo sistemão. Ou talvez seja o início de uma reação ao processo de queda de frequência às bibliotecas, cujos efeitos se fazem sentir há algum tempo.

De qualquer forma, continuo curtindo demais encontrar aluninhos perdidos na biblioteca e descobrir que,  quando alguém lhes explica como funciona a coisa toda, eles acham tudo “da hora”.

A importância das Bibliotecas

Há um tempo ando meio insatisfeita com meu canal no youtube. Sentia que deveria fazer mais com o espaço que tenho, principalmente no que diz respeito à Biblioteconomia e divulgação da área.

Pensando nisso resolvi criar uma tag semanal, a “Fala, Bibliotecária”, e através dela discutir assuntos variados sobre a profissão e sobre bibliotecas. Nesse primeiro vídeo achei que seria importante discurtir um pouco da importância desses espaços, começar pelo começo mesmo.

Os vídeos serão dedicados a leigos e profissionais, porque na verdade esse é um assunto que diz respeito a todos. É uma pequena discussão com leveza e bom humor, quem quiser participar está mais que convidado!

13 perfis do Instagram para se seguir!

Eu amo Instagram. Acho que é a rede social mais bacana, principalmente se você for além dos perfis cheios de selfies e comidas! Há um tempo tenho evitado seguir esses perfis pessoais e preferido seguir contas sobre lugares, viagens, editoras e é claro, bibliotecas!

Depois de ver o post sobre a hashtag #marbledmonday feito pelo Moreno aqui para o BSF, eu comecei a ver o que mais os perfis que andavam postando essa hashtag traziam. O resultado é que me apaixonei e passei a seguir vários!

Achei sensacional essas bibliotecas fazerem esse trabalho de divulgação e ao mesmo tempo encher nosso feed de fotos lindas. É aquela modernização que tanto falamos, sabe?

Vou deixar aqui os perfis que estou seguindo e que são de fazer o coração de qualquer bibliotecário parar!

@guildhalllibrary: é uma biblioteca pública de Londres especializada na história da cidade.

@uispeccoll: instagram das coleções especiais e arquivos da Universidade de Iowa, comandado por uma bibliotecária.

@milwaukeepublib: biblioteca pública de Milwaukee

@sfpubliclibrary: biblioteca pública de San Francisco

@uib_ubbspes: departamento de coleções especiais da biblioteca da Universidade de Bergen

@fisherlibrary: insta da Thomas Fisher Rare Book Library, que está na Universidade de Toronto.

@unilib_treasures: coleções especiais e manuscritos da biblioteca da Universidade de Lund.

@americanantiquarian: biblioteca especializada em história, cultura e literatura americana.

Que não são bibliotecas, mas valem igualmente a pena:

@penguinclassics: editora Penguin, nessa conta eles postam apenas livros clássicos! Serve como inspiração de leitura.

@scifibookcovers: para quem curte o estilo, esse insta posta só capas de livros de ficção científica. Na mesma pegada das inspirações literárias.

@mapcenter: não são livros, são mapas, mas olha, que mapas!

@bookdecorbooks: um perfil pessoal cheio de fotos lindas!

@book_historia: mais um perfil pessoal, a dona estuda história dos livros e trabalha em um antiquario de livros!

Para quem não tem conta no Instagram , todos esses perfis são abertos, então é só acessar e suspirar!

Qual é a finalidade do trabalho bibliotecário?

Durante meus cursos costumo oferecer uma apresentação introdutória contextualizando as mudanças em nossa área traçando uma paralelo com as transformações da economia industrial para a economia da experiência. Um dos objetivos é evidenciar que a miopia de marketing presente em alguns em discursos sobre atuação profissional podem ofuscar reais oportunidades de atuação.

economiadaexperiencia

Quando a formação do bibliotecário era específica para atuação em bibliotecas o marketing da área estava embutido na natureza de cada biblioteca. Ou seja, a finalidade da atuação profissional poderia ser compreendida relacionando o nosso código de ética (preservar o cunho liberal e humanista de sua profissão, fundamentado na liberdade da investigação científica e na dignidade da pessoa humana) que orienta nossas práticas a prestação de serviços para as pessoas, com os tipos de bibliotecas, que as direcionam para comunidades e necessidades pré-definidas. Ou seja, os livros, documentos e as técnicas eram meios utilizados para maximizar o acesso e prover experiências intelectuais positivas em cada tipo de biblioteca.

ofuturodabiblioteconomia

No entanto a partir fase da economia de serviços acompanhamos uma mudança da formação na área orientada para o problema da informação. Bibliotecários passaram também a denominar-se gestores de unidades de informação e/ou mediadores da informação. A miopia de marketing esta na perspectiva de que a informação é a finalidade da atuação profissional. O que não deveria ser pois a informação é um dos meios e não a finalidade da atuação em nossa área. Da mesma forma que os livros e documentos eram nossos meios nas bibliotecas tradicionais na fase pré-digital. Mesmo quando atuamos sobrecarregados de trabalho técnico em bibliotecas sem relação direta com os usuários, poderiamos cumprir nossa função de forma indireta, pois o marketing estava vinculado a experiência dos usuários no acesso aos tipos de serviços  intrínsecos ao tipo de cada biblioteca.

disseminacaodainformacao

Quando divulga-se que a finalidade da atuação profissional é disseminação da informação em qualquer suporte gera-se o grande problema de formação atualmente: a confusão entre meios e fins. Faz sentido enquanto pesquisador  (cientista da informação) tentar compreender como os fluxos da informação (meios) relacionam-se com a realidade. Mas não faz sentido para atuação profissional acreditar que precisamos disseminar a informação indiscriminadamente. Pois a nossa atuação profissional deve ser centrada em como melhor adequar nossos meios (recursos e serviços de informação) para os fins (pessoas). Com esta distinção entre meios e fins que também é possível diferenciar a responsabilidade de técnicos em biblioteconomia e bibliotecários. Os técnicos podem trabalhar exclusivamente com os meios, mas só os bibliotecários podem planejar novos serviços para converter os meios para os fins.

O discurso que vincula as oportunidades de atuação profissional apenas para os meios é o que costumo chamar de ideologia da informação (ideologia é um sistema de pensamento que não corresponde com a realidade). Um discurso muitas vezes proveniente da importação de tendências de outras áreas – como a de gestão  – tentando vislumbrar novas oportunidades de atuação em diferentes suportes. Um dos exemplos esta em práticas como a de Gestão da Informação e na relação entre Dado – Informação – Conhecimento superada em práticas de gestão mais emergentes. Devido a consumerização da tecnologia da informação  muitas práticas de gestão relacionadas a mediação da informação deram lugar a práticas ligadas a Gestão da Inovação e Colaboração. Ou seja, o que pode fazer sentido teórico durante uma pesquisa e revisão de literatura pode não fazer como objetivo da atuação profissional em um cenário de rupturas tecnológicas. 

Qual é a diferença entre um profissional da informação e um bibliotecário? Durante um período de tempo pude atuar com a aplicação de técnicas de organização da informação para o desenvolvimento de portais corporativos e de plataformas de e-commerce. Estava sendo bibliotecário? Não. Pois a atuação estava centrada nos meios para resolver problemas de processos corporativos. Lembram do código de ética com a liberdade de investigação científica? O que otimizar a recuperação de informação em um portal corporativo tem haver com desenvolvimento intelectual? Existe uma relação muito mais direta da aplicação de nossas técnicas para o desenvolvimento organizacional do que o  desenvolvimento humano e em algumas situações eles podem não ser compatíveis.

No entanto acredito na possibilidade de atualizar o sentido da formação profissional em biblioteconomia para o cenário econômico emergente. De que forma? Partindo do princípio de que as bibliotecas sempre foram parte da economia da experiência. Que tipo de experiência? Experiência Intelectual. Logo o objetivo da atuação profissional não tem relação com a disseminação da informação (meios) mas em prover uma experiência intelectual positiva (fins). É possível disseminar a informação com o uso adequado de técnicas da nossa área para organização e recuperação da informação, mas o valor do nosso trabalho só pode ser medido quando conectamos os meios com os fins. 

Planejar e prover serviços de informação orientados a experiência intelectual dos usuários em diferentes contextos.

Qual seria então a finalidade da atuação profissional do bibliotecário que faz mais sentido em qualquer suporte que tem relação direta com a experiência intelectual? Inteligência. A minha defesa é que o nosso objeto de atuação profissional é a inteligência, mesmo que  o de pesquisa continue sendo a informação. Sempre atuamos através das bibliotecas com alguma modalidade de Democratização da Inteligência. Tanto que o campo da Ciência da Informação surgiu com a expectativa de que técnicas oriundas da nossa área poderiam oferecer suporte aos setores de inteligência na área governamental. Um exemplo pode ser a criação de serviços de informação voltados para os distintos níveis de intelecto profissional ou em pesquisa.

democratizacaodainteligencia

Compreendendo que a Democratização da Inteligência é a norteadora para o desenvolvimento de serviços de informação centrados nas pessoas existem pelo menos três linhas de atuação profissional possíveis: Curadoria Digital, Colaboração e Capacitação.

Curadoria Digital é o tema do meu próximo curso na ExtraLibris. Trata-se de uma forma de atualização da disciplina de Referência.

Estas três linhas são uma proposta para melhor relacionar nossos meios com os fins e são temas abordei profissionalmente na última década. Quem sabe, em uma próxima publicação para o BSF escreva com exemplos de práticas profissionais possíveis com cada uma das linhas.

NOTAS:

(1) Importante assistir a apresentação do Joseph Pine sobre a Economia da Experiência.

(2) O artigo original traduzido para português sobre a Miopia de Marketing do Theodore Levitt para a Harvard Business Review – jul/ago/1960 pode ser baixado neste link.

(3) Também vale a pena ler sobre a importância da criação de serviços de informação centrados nas pessoas em um cenário de abundância de informação  no artigo A “fadiga da carne”: reflexões sobre a vida da mente na Era da Abundância, publicado originalmente na EDUCAUSE Review, vol. 39, no. 2 (March/April 2004). Durante a leitura deste artigo na graduação que foi possível compreender que o foco da atuação em ambientes digitais não deveria ser direcionado para a criação de repositórios e bibliotecas digitais.

(4) O que escrevi no post é um direcionamento de um trabalho de pesquisa maior que envolve o cruzamento de diversas outras referências. Durante os meus cursos realizo uma apresentação com mais exemplos, referências e estudos de caso de práticas orientadas a democratização da inteligência que podemos realizar com nossas técnicas para organização e disseminação da informação.

12 coisas que você pode fazer na biblioteca e nem sabia

por Julián Marquina

Se você acha que uma biblioteca serve apenas para estudar e adquirir os livros para que você realize empréstimos, está muito enganado. As bibliotecas servem para muito mais do que isso… E não, eu não estou falando sobre poder acessar a Internet numa sala de computadores ou por wi-fi, não estou falando sobre os clubes do livro que são organizados ao longo do tempo. Não, não estou falando de nada disso. Estou falando de outra coisa… Algo como assistir filmes, dança, beber vinho, dormir, pegar videogames emprestado… Vamos lá, há todo um repertório que devemos levar em conta e aprender para sabermos que a biblioteca é muito mais do que a leitura e estudo. A biblioteca é conhecimento, lazer e criação.

biblioteca-wowww

Aqui segue uma lista de 12 coisas que você pode fazer em bibliotecas e que você nem sabia que poderia fazer. Agradeço aos colegas Facebook para me ajudar a fazer esta lista, mostrando boas práticas e exemplos de coisas que são feitas em bibliotecas.

Assistir a filmes e cinema

Há poucas bibliotecas que programam em suas atividades a de projetar filmes em suas instalações. O objetivo final desta atividade é fazer com que os usuários da biblioteca possam desfrutar de uma boa seleção de filmes (clássicos e contemporâneos). Além disso, em alguns casos, após a exibição é possível iniciar um debade acerca de impressões e comentários pelo público. Tudo é compartilhado.

Entre a seleção de filmes exibidos nas bibliotecas podemos ver títulos como The Machinist Geral, Os Goonies e Ocho Apellidos Bascos.

bibliocine

Dança, Tai Chi, meditação…

Você decide se deseja um pouco mais de movimentação na biblioteca ou se prefere um pouco mais de relaxamento. As bibliotecas programam oficinas e atividades dedicadas a todos os tipos de bailes e para todos, desde dança até flamenco. Também dedicam oficinas conscientes da mente e do corpo com Tai Chi e atividades de meditação.

Pegue emprestado mais do que apenas livros, CDs e DVDs

Em bibliotecas você pode não apenas emprestar livros, DVDs ou CDs… também podem emprestar outros tipos de materiais que certamente irão te ajudar ou te quebrarão algum galho. Tais materiais vão desde lupas, laptops, eReaders, jogos de vídeo, câmeras, calculadoras, pen drives, ferramentas, instrumentos…

Jogar e criar jogo

Porque em bibliotecas também há espaço para jogos… E existem muitas maneiras de interpretar isso. Há jogos com os quais é possível passar um tempo e ter entretenimento, tais como jogos de tabuleiro ou cartas ou xadrez que visam divertimento em grupo, e há jogos em que você coloca em execução sua capacidade de criação, através de laboratórios de criação de bibliotecas, bibliolabs ou laboratórios nos quais é possível aprender, investigar, inventar e construir compartilhamento de conhecimentos, habilidades e materiais. São muito interessantes as iniciativas YOUmedia ou a Library Test Kitchen.

Imprimir em papel ou plástico

Vale a pena o serviço de impressão em bibliotecas… mais ainda, mas acho que é imprescindível e que deveria estar em todas as bibliotecas. Agora, existem diferentes tipos de impressão: é papel de impressão (fornecido) e vai nos permitir retirar nossos trabalhos ou notas no mesmo suporte, além de cópia, digitalização e até mesmo encadernação e também a impressão em plástico através de impressoras 3D com as quais algumas (não muitas) bibliotecas contam.

Reservar salas de todos os tipos de (acordo com as) atividades

As bibliotecas também disponibilizam aos seus usuários uma série de salas nas quais é possível trabalhar em grupos. Alguns destes quartos têm quadros brancos, ecrãs, computadores, scanners e acesso à Internet. Algumas bibliotecas ainda têm salas especiais para tocar instrumentos e acessar o arquivo de som da mesma.

Assistir a concertos

Biblioteca é cultura… e música também. E que melhor do que juntar as duas para celebrar  concertos e levar música para as pessoas através de bibliotecas. Certamente que é uma atividade muito boa.

concierto-biblioteca

Fazer vídeo conferências

As bibliotecas universitárias, principalmente, oferecem salas em que é possível fazer chamadas de vídeo conferência para os usuários. Este tipo de serviço geralmente é dirigido aos professores docentes para que possam dar aulas, embora este serviço não esteje fechado (como biblioteca) a ser utilizado para reuniões e sessões técnicas. A capacidade dessas salas de videoconferência podem variar de acordo com a biblioteca e o objetivo prosseguido com a atividade.

Aprender idiomas

Em bibliotecas você pode adquirir todos os tipos de conhecimento e não apenas pelo que você lê ou consulta, mas também pelo que você pratica. Em um tempo algumas bibliotecas estão montando oficinas ou grupos de idiomas  nos quais a maioria quer aprender Inglês ou Francês (embora não descarte fazê-lo em qualquer outro idioma, desde que haja demanda) por meio conversação e trabalho em grupo.

8671663568_3aea27afce_z

Bibliotecas com a designação de origem: vinho e leituras

Bibliotecas Catalãs criaram há alguns anos o projeto “Bibliotecas com DO” no sentido de aumentar o espaço da biblioteca com atividades e propostas que combinem a literatura com vinho: encontros literários com vinhos, clubesde leitura, música, degustação de vinhos, leitura em voz alta , exposições, etc.

Dê um mergulho entre as leituras

Mais e mais bibliotecas fora de suas paredes (e não falo desta vez através da Internet) para alcançar usuários nas estações mais quentes do ano. Eu estou falando sobre os bibliopiscinas e biblioplayas. As iniciativas destinadas a ir para onde os usuários estão, além de oferecer uma boa leitura e atenção às suas necessidades em seus momentos de evasão por pessoal especializado.

Dormir. Sim, você leu certo.

Você sabia que 6% dos usuários de bibliotecas universitárias usar bibliotecas para dormir? Sim, sim. Não estou inventando isso: os quatro maiores motivos que os estudantes usam a biblioteca. A Biblioteca da Universidade de Michigan criou um projeto piloto de estação cochilo para que estudantes possam descansar de  10 a 30 minutos em épocas de prova e onde as bibliotecas estão abertas 24 horas por dia.

A livraria do dia dos namorados

Há meses eu passava em frente de uma livraria no bairro das Perdizes (zona oeste da cidade de São Paulo) e queria entrar nela. Lembro-me também de ter lido algo sobre ela nos últimos dias em um artigo sobre livrarias independentes de São Paulo.

Pois bem, no início da noite de sexta-dia do dia 12/06/2015, dia dos namorados, decidi caminhar do morro onde fica Perdizes até os baixos da Barra Funda onde fica o terminal rodoferroviário de mesmo nome.

E no meio do caminho havia a Livraria Zaccara. E é óbvio que não titubeei. Me aproximei primeiro do vidro onde haviam livros excelentes expostos bem à vista de quem passa (1!!!). Em seguida, subi as escadas e me deparei com um espaço clássico de livraria ou biblioteca repleto de estantes, expositores e mesas cheios de livros, quadrinhos, CDs e alguns DVDs.

Fui logo para uma mesa onde haviam vários lançamentos literários. E logo veio a primeira surpresa: os livros estavam dispostos nos famosos montinhos onde normalmente estão 10 ou 20 exemplares do mesmo títulos, mas na Zaccara não. Em vários casos, abaixo de um título do Amós Oz ou do Philip Roth haviam outros títulos do mesmo autor (como acontece normalmente nas estantes das bibliotecas). E para meu prazer, haviam ali vários livros com mulheres na capa (já postei em outro blog várias capas assim que selecionei quando trabalhava na Biblioteca Mário de Andrade).

Depois de alguns momentos, a esposa do dono da livraria se aproximou e perguntou se eu queria algo em especial e começamos a falar sobre alguns autores ali expostos e sobre o Clube de Leitura (ele acontece mensalmente, sempre na segunda segunda-feira do mês).

Após a chegada de outro cliente ela se afastou. O papo inicial já foi bem gostoso. Mas um segundo momento de papear estava por vir.

Após cerca de 20 minutos xeretando o térreo do lugar, e ter selecionado mentalmente uns 20 livros, mas ter levado ao caixa apenas dois (“O muro”, HQ de Fraipont & Bailly e “Submissão” do Michel Houellebecq), encontrei com o Lúcio Zaccara (o dono do negócio) no balcão. Com um suspiro, deixei os livros no balcão, e ele perguntou:
– vi que olhou o “Primeiras vezes” da Sibylline (um HQ adulto bem safadinho!), gostou? Aproveite e veja este daqui…. é um Milo Manara, conheci esses dias.

– sim, achei muito legal ele. É bem forte, não é? Respondi e continuei: e já conheço o Manara….. sabe, quando tinha uns 18 anos sem querer achei o “Perfume do invisível” dele escondido em um arquivo de aço do diretor da empresa onde eu trabalhava. Achei ele muito sacana e anos depois li várias outras obras dele. É um clássico do HQ erótico.

– pois bem, deixa eu te mostrar outra coisa que você vai gostar. O Lúcio foi até a área de quadrinhos e me trouxe outros três HQs da coleção Safadas: Verão, Natal e Encontros (ainda há também Lingeries) e disse-me indo em direção a duas poltronas que ficam num canto do lugar: vamos conversar um pouco.

Ele me falou que o Odilon Moraes (um dos melhores ilustradores brasileiros, recomendo a leitura de “Ismália” que ele ilustrou!) havia indicado a tal coleção. Ele me falou que haviam algumas ilustrações do último livro dele no primeiro andar.

Eu disse que havia conhecido o Odilon quando ele ia até a Biblioteca Monteiro Lobato (BML) pegar livros emprestados.

Falamos sobre a necessidade de diversidade musical e literária e das impressões sobre o tema naquele bairro e nas periferias da cidade.

Fomos interrompidos por uma cliente que estava procurando algo para presentear o filho e lá foi o Lúcio conversar com ela e juntos (3!!!!) selecionaram dois CDs e um livro. Enquanto isso, eu folheei as HQs cheias de sexo e erotismo elevados à vigésima potência e com algumas histórias, muito, muito engraçadas. Ainda li o último número da Granta Brasil com o tema “Infiel”.

Quando ele retornou, fomos até o primeiro andar ver as ilustrações. Lá também haviam algumas ilustrações da Laurabeatriz (que na minha época de BML fez muito sucesso com seus livros de animais brasileiros escritos em parceria com o Lalau).

Em seguida nos sentamos e ele falou dos eventos que acontecem na Livraria, do aluguel (R$300,00 por 4 horas e 2!!!!) para grupos do espaço com aquele imenso e aconchegante sofá onde estávamos naquele momento, que também tem outras poltronas, cadeiras e um conjunto de TV, Caixas de som e Receiver de dar inveja. Perguntei se poderia passar um filme baseado em um livro e discuti-lo e ele disse que alguns grupos já fizeram tal coisa. Também pensei em fazer um encontro de bibliotecários e amigos leitores no lugar (que tem uma cozinha onde são feitos bolos, café e onde há também vinhos!) e ele disse que era só falar com ele etcétera e tal.

Ao descer, com mil idéias na cabeça, ainda papeamos com outra cliente, que por acaso também levou “Submissão” para casa. A esposa (puxa, me esqueci de pegar o nome dela, sorry!) do Lúcio se juntou a nós e falamos sobre o desejo deles de não fazer um Clube do Livro com livros fáceis de ler, não porque eles se acham, mas porque acreditam que histórias complexas ou desafiantes também trazem prazer e estimulam novas ideias e críticas. e finalmente paguei os livros e recebi dois marcadores de páginas iguais. Como sou folgado, pedi para trocar um e disse que era porque colecionava-os. Ganhei de presente uns 20, inclusive um muito fofucho da Peppa Pig!

O atendimento personalizado fez a diferença e pelo país afora há muitas outras livrarias e bibliotecas pequenas como a Zaccara que para sair da crise e para enfrentar os velhos problemas (falta de clientes ou usuários, falta de acervo básico e atualizado, falta de informatização, falta de pessoal e muitas outras faltas) poderiam seguir um caminho semelhante, o caminho da comunicação e empatia.

Foram duas horas dentro da livraria e no dia dos namorados, sai apaixonado pela livraria.

Vocês devem ter visto os número seguidos de exclamações, foi meu jeito de anotar alguns pontos que comento abaixo. O que acham?

1- Exposição de acervo tem que estar na entrada das bibliotecas. A arquitetura, ou o design, das bibliotecas que ainda não são assim, deve mudar radicalmente, exceto em caso de edifícios tombados, mas mesmo assim, outras soluções devem ser tomadas.

2- Se houvessem mais salas aconchegantes nas bibliotecas, elas poderiam ser cedidas gratuitamente (ou não dependendo do status financeiro do grupo a fim de angariar recursos extras?) para grupos interessados.

3- Sinto que a entrevista de referência anda tão fora de moda, pelo menos sinto isso e posso estar errado. E a entrevista de referência do Lúcio foi incrível! Quando o leitor está na biblioteca temos que dar mais atenção a ele para que se sinta atendido e volte querendo mais. Foco nas pessoas é fundamental!

E só para constar, seguem as capas dos livros citados:

Ismália – ilustrado pelo Odilon Moraes

 

Submissão

 

O Muro

 

Safadas: Encontros

 

Safadas: Natal

 

Safadas: Lingerie

 

Safadas: Verão

Censura: o dia que o MinC brigou com o Facebook

Escrevo este post para relatar e registrar uma bela novidade e uma bela polêmica, ambas ocorridas nesta semana de meados de abril.

A novidade veio do lançamento oficial do Portal Brasiliana Fotográfica http://brasilianafotografica.bn.br/ resultado de uma parceria entre a Fundação Biblioteca Nacional e o Instituto Moreira Salles. Em seu acervo, além de uma bela curadoria, imagens históricas dos séculos XIX e XX.

A polêmica envolve o Ministério da Cultura, que decidiu adotar as providências legais cabíveis contra o Facebook – às vésperas do Dia do Índio, que será comemorado domingo (19/4), pois a rede social censurou uma foto publicada num post do MinC, que continha uma foto de 1909, feita por Walter Garbe, de um casal de Índios Botocudos, em que aparece uma indígena com o dorso nu. Horas depois da publicação, o Facebook apagou a imagem.

A foto censurada é essa do post e pode ser conferida na íntegra no link

Segundo página do Ministério, este solicitou o desbloqueio, mas a empresa manteve a decisão de censurá-la alegando que não se submete a legislação local e que tem regras próprias, que aplica globalmente.

Diante do fato, o Ministério da Cultura protestou declarando que o Facebook, ao aplicar termos de uso abusivos e sem transparência, tenta impor ao Brasil, e às demais nações do mundo onde a empresa opera, seus próprios padrões morais, agindo de forma ilegal e arbitrária. E mais… que tal postura fere a Constituição da República; o Marco Civil da Internet; o Estatuto do Índio e a Convenção da Unesco sobre Proteção e Promoção da Diversidade e das Expressões culturais. Também desrespeita a cultura, a história e a dignidade do povo brasileiro.

O final desta história é… ao anunciar que acionaria judicialmente o Facebook contra censura na rede, a foto do casal de Índios Botocudos que havia sido retirada voltou a ser incluída na fanpage do Ministério.

Finalizando, compartilhei o assunto, com o intuito de apontar que o tema não encerra por aqui. Na execução de nossas atividades profissionais e mesmo individuais, não estamos livres da tarefa de pensar, discutir e mesmo agir em relação à questões desta natureza. Também é nosso papel discutir ampla e democraticamente o direito autoral, a governança da internet, ou ainda iniciativas como a #‎HumanizaRedes, que pretende conciliar liberdade de expressão e de informação com garantia dos direitos, respeito à diversidade e combate ao discurso de ódio e à discriminação em todas as suas formas.