Resenha: O nome da Rosa

Terminei esses tempos um livro que há muito estava nas minhas prioridades: O nome da Rosa. Que obra para os bibliotecários, não é mesmo?

Em uma só história temos assassinatos, suspense, intrigas, livros, uma biblioteca proibida e um bibliotecário que cuida dos podes e não podes.

Esse livro me fez pensar um pouco sobre nossa profissão na atualidade. Hoje quase tudo pode, o usuário caminha livre, leva o que quer, escolhe sem restrições e na maioria das vezes sem sequer precisar da ajuda do bibliotecário, mas será que isso tem nos afastado?

Não acho, obviamente, que um acervo fechado e proibido aproxime o bibliotecário e o público, mas acho que é hora de refletirmos se essa relação pode ser mais próxima e melhor. Indicar é um trabalho importante e pode fazer com que aquela pessoa retorne à biblioteca, é um trabalho que não pode ser esquecido pelas facilidades e praticidades com que convivemos.

Deixo aqui a resenha que fiz sobre essa obra fantástica e indico com paixão para aqueles que ainda não leram!

Guerra santa

No mar tanta tormenta, tanto dano
Tantas vezes a morte apercebida
Na terra tanta guerra, tanto engano
Tanta necessidade aborrecida
Onde pode acolher-se um fraco humano?
Onde terá segura a curta vida ?
Que este céu sereno não se arme
Contra um bicho da terra tão pequeno.
                         (Camões. Os Lusíadas)

Nome vagamente recordado de bolorentas aulas de história do passado, para mim apenas um português que serviu para que Camões escrevesse um poema sobre ele, Vasco da Gama é o personagem principal Guerra Santa: como as viagens de Vasco da Gama transformaram o mundo, de Nigel Cliff, lançado no Brasil pela Globo Livros. Da extensa pesquisa do autor surge uma figura surpreendente: um navegador corajoso, um líder militar competente e um assassino desprezível, capaz de massacrar um navio de pacíficos comerciantes muçulmanos pelo único motivo de carregarem mercadorias a serem pilhadas e, claro, serem muçulmanos.

guerra

De fato, como adianta o título, o que estava em questão na viagem de Gama e outros navegadores portugueses não era apenas a imensa vantagem comercial que significava descobrir uma rota marítima para a Índia, mas exterminar os muçulmanos que encontrassem pela frente. Não bastava que os indianos vendessem as cobiçadas especiarias para os portugueses, o rei Manuel esperava que seus novos “amigos” proibissem os muçulmanos de fazer comércio e os expulsassem de suas terras.

Para Cliff, a guerra santa do rei português ainda repercute em nossos turbulentos dias atuais, com termo “cruzada” brotando com frequência das bocas de tanto de líderes islâmicos quanto de presidentes estadunidenses após o ataque ao World Trade Center.

 Não é preciso dizer – e ainda assim é preciso dizer – que as ações dos            terroristas são uma afronta à corrente principal do Islã. O que é dolorosamente claro é que muitas dessas proclamações [de líderes fundamentalistas islâmicos conclamando os fiéis à violência] são, em essência, reflexos da polêmica cristã nas décadas que precederam a Era dos Descobrimentos. Mais impressionante ainda é a forma preferida pela al-Qaeda de contra-atacar o Ocidente: perturbar seu comércio explodindo aviões e causando ‘uma hemorragia na indústria da aviação que é tão vital para o comércio e o transporte entre os Estados Unidos e a Europa’. Substitua navios por aviões e o oceano Índico pelo Atlântico e estamos de volta quinhentos anos atrás (p. 429-430).

Os melhores momentos do livro são as descrições das incrivelmente difíceis viagens marítimas, baseadas em depoimentos de infelizes cronistas da época, em embarcações frágeis nas quais os homens que o mar não comia morriam às pencas de fome, de sede e de escorbuto, um jeito horrível de morrer. E também as descrições dos primeiros contatos dos europeus com povos desconhecidos, que muitas vezes beiram o cômico, como a história dos portugueses pensando que os indianos eram cristãos, porque gritavam algo que soava como “Cristo, Cristo” e achando meio estranhos os santos de muitos braços nas “igrejas” nativas.

A tremenda arrogância eurocêntrica de Gama e sua turma é muito bem documentada. Não vou contar aqui para não chatear quem gosta de surpresas, mas o ilustre pirata quase botou tudo a perder ao cometer uma gafe inacreditável em seu contato com o primeiro governante indiano amistoso que o recebeu de braços abertos.

O texto de Cliff é fluente e isento de pedantismos, mas não chega a ser leve como esses livrinhos de jornalistas que recontam episódios históricos como se fossem uma coluna de fofocas sobre “celebridades”. É um livro para quem gosta de história e tem paciência para ler. Para acompanhar a leitura, sugiro a belíssima canção Tanta tormenta, do grupo Mawaca, que musicou trechos de Os Lusíadas em seu disco de mesmo nome. Bem, o disco todo vale a pena, escutem.

Sou bastante democrática em meu total desinteresse por religiões, ou seja, não me importo com nenhuma delas, mas depois que conheci a Andaluzia comecei a cultivar algum fascínio por essa incrível civilização que acabou destruída pelo fanatismo religioso. Para quem tem interesse pela temática dos choques entre cristãos e muçulmanos e gosta de romances históricos, tenho algumas sugestões que complementam a leitura de Guerra santa. Os livros de Tarik Ali, principalmente O livro de Saladino, sobre o general curdo que conquistou Jerusalém e ficou famoso por NÃO fazer o massacre que todos esperavam e Sombras da romanzeira, que conta uma pungente história dos últimos dias da Granada muçulmana, o último reino de El Andaluz a ser tomado pelos reis católicos. Este último não recomendo para quem não aguenta finais tristes.

livro-sombras-da-romzeira-tariq-ali-9614-MLB20019463318_122013-F

Sobre o mesmo período, li também Boabdil: tragédia del ultimo rey de Granada, de Magdalena Lasala e El manuscrito carmesí, de Antonio Gala, ambos sobre a tristíssima história do último sultão de Granada, um sujeito que não tinha o mínimo perfil para o cargo que foi forçado a assumir. E por último El Mozárabe, de Jesús Sánchez Adalid, que conta uma movimentada história de aventuras baseada em fatos verídicos e ambientada nos últimos tempos do califado de Córdoba, que produziu a bela mesquita cuja foto encabeça este post. Os livros de Ali saíram no Brasil pela Record, mas parece que estão esgotados. Os demais, todos de autores espanhóis, não me consta que tenham sido traduzidos. Mas deve ser possível encontrá-los por aí.

Resenha: Um corpo na Biblioteca

Bibliotecário não pode ver um livro que fala sobre biblioteca que já fica doido para ler, não é mesmo? Então, foi assim que acabei comprando o ‘Um corpo na biblioteca’ da Agatha Christie.

Fiquei encantada com a possibilidade de um suspense daqueles bem pesados e cheio de reviravoltas se passando dentro de uma biblioteca, cheio de mistérios e livros. Pois bem, que engano! Nada disso aconteceu e de quebra ainda levei um livro cheio de problemas de impressão e edição. Como as editoras ainda são relapsas com essas coisas, não é mesmo? Na pressa do lançamento tenho visto muitos livros serem publicados com erros de digitação e edição. Acho isso muito feio e quase uma falta de respeito com o consumidor leitor, que vai pagar caro por aquele livro.

Enfim, deixo com vocês a resenha completa:

Leia Mulheres!

No início de 2014, a escritora Joanna Walsh propôs o projeto #readwomen2014 (#leiamulheres2014), que consistia em incentivar a leitura de mais escritoras. Há algum tempo atrás, o colega William Okubo escreveu aqui no BSF um post sobre literatura de escritoras brasileiras, selecionando alguns livros.

Entendendo que o mercado editorial ainda é muito restrito e as mulheres não possuem a mesma visibilidade que os autores homens, Juliana Leuenroth e Michelle Henriques decidiram trazer a ideia da Joanna para a Blooks livraria, criando um clube do livro chamado #leiamulheres.

11081298_367534470113979_427009074717430434_n
Encontro do dia 24 de março, na Blooks Livraria.

O encontro é aberto à todos e a intenção é realizar mediações mensais, acompanhando leituras de obras escritas por mulheres, de clássicas a contemporâneas. Acredito que este é o tipo de ação cultural que centros de leitura podem replicar ou ainda facilitar, sempre que possível.

O próximo encontro será na Blooks da Frei Caneca novamente dia 22 de abril e o próximo livro será Reze pelas mulheres roubadas, de Jennifer Clement. Esse clube do livro já possui uma página no facebook, que será atualizada com mais informações sobre os próximos encontros.

Desde a primeira vez que li o título do projeto jamais entendi como imperativo, mas como um convite mesmo a uma forma mais consciente de leitura. Enfim, acessem a página no FB, sejam bem vindos aos encontros e inspirem-se.

Livros que falam de livros!

Eu, além de bibliotecária, sou apaixonada pelas possibilidades que um livro oferece. Sempre achei fantásticas as histórias em que uma obra é parte central ou muito importante da trama, sempre existe um mistério envolvido que deixa o livro como um objeto precioso e cheio significados ocultos. Há um bom tempo tenho vontade de falar sobre essa temática de leitura tão amada: livros que tem em seu enredo principal livros. Gravei então esse vídeo mostrando os títulos que eu tenho na minha coleção e falei um pouco deles.

Quem souber de outros títulos diga nos comentários!

🙂

Dica/Resenha: Coração de tinta

Então chegamos no fim do ano! E com ele vem a maratona de amigos secretos e a lista infinita de presentes a se comprar. Aproveitando o momento, deixo aqui a resenha de um livro que é uma ótima opção para presente (e para pedir de presente! rs).

Eu adoro livros que falam sobre livros e esse é um dos melhores que já li! Lindo demais, ele resgata aquela magia da encadernação artística, do livro ser algo precioso e que desperta amor, sabe? Recomendo demais!

E-books: a era dos folhetins voltou?

Há alguns meses, um dos escritores brasileiros que mais curto, o Ricardo Lísias, lançou seu novo livro, porém esse novo livro foi publicado à moda antiga: a cada semana ou quinzena, ele disponibilizava um trecho da obra, num total de cinco números, exatamente como eram publicados os folhetins de outrora em jornais e revistas.

Naquela época, se você não comprasse o jornal daquele dia teria que ir em uma biblioteca ou mesmo nas distribuidoras de jornais para adquirir a publicação inteira.

Agora o e-book fica sempre disponível na estante virtual, bastando você ir até o site da Amazon, Apple, Google Play, Kobo, Livraria Cultura ou da Saraiva, e comprar cada capítulo por R$1,99.

É muita vantagem, não é mesmo?

Mas como sou um chato, estou me perguntando se esse folhetim algum dia será reunido em papel (ou em formato eletrônico) e publicado como alguns clássicos da literatura que surgiram neste formato (veja aqui alguns).

Minha resposta é não, e por isso minha preocupação, pois fico pensando em como dar acesso a esse tipo de publicação nas bibliotecas públicas, escolares e mesmo nas universitárias onde há cursos de Letras.

Nesse momento em que o mercado editorial se modifica de forma mais veloz que essas instituições aqui no Brasil, corre-se o risco de os serviços públicos de informação não disponibilizarem à comunidade de leitores, obras que podem se tornar novos clássicos ou mesmo vir a fazer parte do cânone de determinados gêneros literários, ou não.

O livro do Lísias é comercializado pela editora e-galaxia, que se autodenomina “espaço cultural especializado em e-books”, que além do folhetim já tem uma série de contos denominada “Formas Breves”, com vários autores conhecidos publicados e também edita em parceria com a Editora Mombak a série  “Latitudes” que já tem 5 obras de autores de fora do circuito tradicional (RJ, SP, MG, RS). A maioria destas obras foram lançadas somente em formato digital, e mesmo as que já tem edição em papel, estas são tiragens limitadas e locais de difícil acesso.

Claro que, amanhã ou depois de amanhã, as bibliotecas finalmente comecem a disponibilizar e-books e esse problema seja resolvido, mas é uma questão que desde já deveríamos nos aprofundar (dois colegas certamente já pensaram coisa semelhante: o Moreno Barros que acabou de postar sobre o tema e-book e a Liliana Giusti Serra que lançou recentemente a obra Livro digital e bibliotecas).

Para finalizar, se eu estivesse à frente do desenvolvimento de coleções de uma biblioteca pública ou comunitária interessada em promover novas experiências literárias aos meus leitores, eu ficaria muito chateado em não poder disponibilizar vários dos títulos publicados pela e-galaxia, e na verdade, estou muito chateado, pois adquiri os livros abaixo e não sei quando poderei dizer para algum colega: olha, vá até o site da biblioteca que você poderá ler ele, pois é sensacional.

Mas ao menos eles são bem baratos e para quem tem um pouco de grana e um smartphone, tablet ou e-reader pode adquiri-los.

 

Delegado Tobias – Ricardo Lísias – e-galáxia
Uma história detetivesca envolvendo ficção e realidade. Um dos textos mais divertidos do autor.20.DelegadoTobias1Serie

 

Palavras que devoram lágrimas – Roberto Menezes- Latitude
O autor é um jovem paraibano e a obra retrata os pensamentos de uma mulher que se separou de um homem que é político. A coisa não terminou bem, pois o sujeito é retratado como um traste…..


 

Paixão Insone – Ronaldo Monte – Latitude
O autor é alagoano e a obra  conta a história de Helena, que em meio a solidão busca ternura em meio a ambiente conturbado e violento de uma grande cidade,

Criando (e melhorando) o hábito de ler

Há alguns dias fui convidada por Moreno Barros para ser colaboradora aqui no blog. A proposta era trazer para cá um pouco do trabalho que já realizo fora: vídeos com resenhas de livros e assuntos literários. O objetivo é trazer para o universo bibliotecário algumas dicas de livros que podem inclusive ajudar na avaliação de aquisições.

Aproveitei o dia de hoje para começar por aqui. Hoje é Dia nacional do Livro, e achei que nada mais justo do que começar com um vídeo que fiz há algum tempo com algumas dicas de leitura e como começar a criar esse hábito.

Pelo que vejo no meu dia a dia a leitura é algo crescente no mundo atual, não só pelas novas ferramentas que nos ajudam a ler como e onde quisermos, mas também pela ampla divulgação que canais e blogs têm feito. Ler está na moda, ainda bem!

Então é isso, estou bem feliz por estar aqui também. Em breve volto com outros vídeos e alguns textos.

A liberdade do leitor

Finalmente criei coragem e vergonha na cara para escrever um pouco sobre o tema que mais me fascina, a escolha do leitor a respeito do que vai ler, ou seja, sua liberdade de escolha, e como podemos, ou não, influenciar nessas escolhas como bibliotecários, professores, livreiros, pais ou mesmo amigos.

Mas antes de escrever sobre um dos vários empecilhos para que os leitores tenham essa liberdade de ler o que quiserem no país, vou apresentar alguns textos que abordam a liberdade do leitor recolhidos em leituras aleatórias (ou seriam libertárias?!) que fiz sobre o tema no último mês.

Começo a jornada com um trecho do excelente ensaio “Como se deve ler um livro?”, escrito por uma das maiores escritoras do século XX, Virginia Woolf. O ensaio foi publicado recentemente no Brasil pela Cosac Naify no livro “O valor do riso”. [Vale a pena ler o livro todo, é muito bom!]

Quero enfatizar, antes de tudo, o ponto de interrogação no fim do meu título. Ainda que eu pudesse responder para uso próprio à pergunta, a resposta só se aplicaria a mim, não a você. De fato, o único conselho sobre leitura que uma pessoa pode dar a outra é não aceitar conselho algum, seguir os próprios instintos, usar o próprio bom senso e tirar suas próprias conclusões. Se nos pusermos de acordo quanto a isso, sinto-me então em condições de apresentar algumas ideias e lhes fazer sugestões, pois você assim não permitirá que elas restrinjam a característica mais importante que um leitor pode ter, sua independência. Afinal, que leis podem se podem formular sobre livros? A Batalha de Waterloo foi sem dúvida travada em certo dia; mas será Hamlet uma peça melhor do que Rei Lear? Ninguém o pode dizer, cada um deve decidir por si mesmo essa questão. Admitir autoridades em nossas bibliotecas, por mais embecadas e empelicadas que estejam, e deixar que elas nos digam como ler, o que ler e que valor atribuir ao que lemos, é destruir o espírito de liberdade que dá alento a esses santuários. Em qualquer outra parte podemos ser limitados por convenções e leis – mas lá não temos nenhuma.

 

Leiamos agora o que diz o velho Roger Chartier (A aventura do livro, 1998):

A queles que são considerados não-leitores lêem, mas lêem coisa diferente daquilo que o cânone escolar define como leitura legítima. O problema não é tanto o de considerar como não-leituras estas leituras selvagens que se ligam a objetos escritos de fraca legitimidade cultural, mas é o de tentar apoiar-se sobre essas práticas incontroladas e disseminadas para conduzir esses leitores, pela escola mas também sem dúvida por múltiplas outras vias, a encontrar outras leituras. É preciso utilizar aquilo que a norma escolar rejeita como um suporte para dar acesso à leitura na sua plenitude, isto é, ao encontro de textos densos e mais capazes de transformar a visão de mundo, as maneiras de sentir e de pensar.

 

Tenha um pouco mais de paciência leitor, as citações já estão acabando. Tanto é assim que as próximas citações todas são de uma única autora. Trata-se da Graça Ramos, detentora do blog  tri-legal “A pequena leitora: literatura infantojuvenil” que fica dentro do portal do jornal carioca O Globo. Um achado!
Na primeira citação apresento dois trechos com constatações que ela alcançou depois de ler a pesquisa de uma professora da UFRJ que analisou os hábitos de leitura de alunos de escolas do Rio de Janeiro e de Barcelona. O artigo pode ser lido aqui.

Nas duas cidades, garotas e garotos não têm quase nenhuma ingerência na escolha de títulos adotados pelo sistema de ensino e apresentam resistência ao que é determinado como leitura pela escola. “Os alunos não são escutados e raramente são atraídos pela forma como lêem autores clássicos”, afirma a estudiosa.

Como ter liberdade de leitura sem poder escolher o que ler? A leitura na escola, e respectivamente, nas bibliotecas escolares, deve mudar, isso está muito claro há muito tempo. Apesar da distribuição de livros pelos governos municipais, estaduais e federal, o quadro não muda, porque? Será que esses programas estão pensando na bibliodiversidade de leitura? Será que ninguém lê? Claro que não, conforme indica a pesquisa, os alunos estão lendo outras coisas.
E por falar nisso, a Graça Ramos escreveu o seguinte em outro artigo:

Penso ainda ser melhor a companhia/leitura de qualquer livro do que a ausência total do hábito de ler.

 

Pronto! Termino o caminho das citações com um depoimento pessoal da própria Graça:

Foi na biblioteca pública da SQS 308, em Brasília, que fiz algumas das melhores descobertas de minha vida de leitora. Respeitada em minhas escolhas, conheci autores os mais diferentes, pois o importante era o prazer de ler. Ainda acho que essa é a primeira premissa para formar leitores.

 

Muito bem, chega de enrolação, agora é minha vez. E já que a arapuca está armada, tenho que dizer que um dos empecilhos para a plena liberdade do leitor, principalmente do leitor com menos recursos financeiros, está na situação constrangedora de nossas bibliotecas, principalmente as públicas e as escolares de escolas públicas, mas não só nestas instituições.

E porque a situação é constrangedora?

Não quero generalizar a situação, mas pelo que conheço posso dizer que a situação em muitas bibliotecas públicas é essa, pois muitas não possuem efetivamente políticas de desenvolvimento de coleções que lhes ofereçam condições de proporcionar real liberdade ao leitor. Muitas vivem de doações, programas de distribuição de obras (com títulos escolhidos pelo doador e não pelo doado) e vários outros tipos de editais não permanentes, como o último edital da Fundação Biblioteca Nacional que na minha opinião, mais serviu para desovar livros encalhados do que para ampliar a diversidade e riqueza dos acervos das bibliotecas. Admito que colegas bibliotecários discordam de mim, e com razão, quando falo do edital da FBN, afinal, para quem não tem recurso para adquirir nada, quando tem a possibilidade de escolher algo, aquilo foi tudo de bom! Mas não posso deixar de me manifestar, mesmo depois de anos do acontecido.

Também não posso esquecer daquelas bibliotecas que possuem recursos, mas não suficientes para grandes compras e para proporcionar uma quantidade mínima de títulos que possibilitem essa liberdade.

E há também a dificuldade, que já enfrentei  de, com poucos recursos, ter de escolher entre clássicos e livros premiados e os best-sellers e livros de autoajuda. Nas duas últimas bibliotecas onde trabalhei as discussões para determinar a quantidade de obras a serem adquiridas de cada uma dessas categorias sempre gerou discussões sem fim, levando até a xingamentos explícitos em trabalhos acadêmicos!
Acredito que tenha aprendido algo relacionado à quinta lei de Ranganathan: para cada leitor o seu livro.

Essa discussão toda deve ser estimulada em nosso meio sempre, e com o tempo, pode ser possível chegar a parâmetros que atendam a todos os gostos.

E novamente, a Virginia Woolf pode ajudar (desculpa, mas não poderia deixar essa citação de fora; é a última mesmo!):

Para gozar de liberdade, se a platitude for desculpável, temos porém, é claro, de nos controlar. Não devemos desperdiçar nossas forças, com incompetência e inépcia, esguichando água por metade da casa a fim de molhar uma roseira apenas; devemos discipliná-las, com rigor e energia, no ponto certo. Essa pode ser uma das primeiras dificuldades com que nos defrontamos numa biblioteca. Qual será “o ponto certo”? Pode bem ser que lá não pareça haver senão acúmulo, senão amontoamento confuso. Poemas e romances, histórias e memórias, dicionários e publicações do governo; livros escritos em todas as línguas por homens e mulheres de todas as raças, idades e temperamentos acotovelam-se nas prateleiras. E do lado de fora o burro zurra, as mulheres tagarelam no poço, os potros galopam pelos campos. Por onde vamos começar? Como vamos pôr ordem nesse caos multitudinário e assim extrair do que lemos o prazer mais amplo e profundo?

 

Para finalizar essa questão, posso me usar como exemplo de leitor.
Gosto de ler os clássicos, quadrinhos, um ou outro best-seller (principalmente os de fantasia) e literatura brasileira e estrangeira contemporânea de autores premiados ou que recebem críticas positivas da famigerada, e em eterna crise, crítica literária brasileira. Também sou leitor de poesia, de literatura periférica paulistana e outras coisas meio estranhas….. Enfim, sou um multi-leitor, nem pior nem melhor que qualquer outro, diga-se, um pouco diferente de muitos leitores que preferem focar em poucos mundos, cada um à sua maneira.

E como leitor, o que sinto nas bibliotecas públicas da cidade onde moro quando a questão é bibliodiversidade e liberdade do leitor?
Infelizmente, não sinto essa liberdade tão citada, seja na Biblioteca de São Paulo, na Mário de Andrade, na Biblioteca do Centro Cultural São Paulou ou na Biblioteca Temática de Poesia Alceu Amoroso Lima.
Na Biblioteca de São Paulo a aquisição de acervo é mais ágil, mas como ela foca bastante em best-sellers, exceção seja feita aos livros ligados ao Prêmio São Paulo de Literatura, ela não agrada minha parte-leitor de livros não populares. Não localizo lá vários autores brasileiros premiados e bem criticados.
Nas outras bibliotecas citadas, em alguns momentos não encontro nem uma coisa ou nem outra, ou a demora é grande devido a toda a imensa burocracia enfrentada pelos colegas para fazer compras e aos constantes cortes e congelamentos de recursos que me canso esperar. Por outro lado, como são bibliotecas com grandes acervos, me divirto pegando clássicos e mais clássicos da literatura.
E mais, senti o mesmo em outras bibliotecas onde entrei: em Barueri-SP, no Rio de Janeiro (apesar de ótimas, o leitor chato aqui sentiu falta de mais variedade em Manguinhos e na Rocinha), em Brasília (na Biblioteca Demonstrativa – e judiada, na Biblioteca “Nacional” de Brasília em uma ramal de cidade satélite), Recife, Fortaleza e Florianópolis entre outras.

Infelizmente, nos últimos tempos tenho sentido essa liberdade nas grandes livrarias. Foi nelas que tive de comprar pelo menos 75% dos livros que tive vontade, desejo ou necessidade de ler!
Tenho alguma condição de fazer isso, apesar de ter prometido à minha conta bancária que não utilizarei recursos dela esse mês para aquisição de livros.
E quem não tem condições, como fica?!
Em tese, quem não tem condições é um leitor sem liberdade, meio que aprisionado em plena era dos e-book/e-readers!
Como muitos ainda não possuem boa internet ou bons smartphones, sequer tem condições de participar das comunidades (piratas) de livros digitalizados e distribuídos a quem contribui com 10 ou 20 reais mensais….

Enfim, é tempo de conquistarmos essa liberdade para nós mesmos e para os nossos leitores, familiares, amigos, cachorros e gatos. Precisamos LUTAR por recursos para bibliotecas, sejam elas públicas, comunitárias ou escolares. Precisamos participar de todos os Planos Municipais ou Estaduais do Livros. Precisamos pressionar governadores, deputados, senadores, prefeitos e vereadores!

Só assim o leitor brasileiro poderá ser livre!

Só assim poderei chegar em uma biblioteca e encontrar o livro “A Primavera da Pontuação” do Vitor Ramil. Obra que peguei na estante de uma livraria depois de ver um monte de pontos, virgulas, travessões, tremas e outros componentes da língua portuguesa na capa, ler a engraçada apresentação da Natércia Pontes, e mesmo como livro plastificado pegar e levá-lo sem nenhuma referência. Sem nenhuma referência anterior tive acesso a um dos livros mais divertidos que já li na vida e que só depois descobri que havia sido patrocinado pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e publicada pela conceituada Cosac Naify. Liberdade total!

Só assim poderei chegar em uma outra biblioteca e encontrar o livro “A vida do livreiro A. J. Fikry” da Gabrielle Zevin. Best-seller internacional cuja capa com várias janelinhas coloridas me chamou a atenção e que, por acaso, ao pegar vi que se tratava de uma história ligada ao mundo do livro, mas contada de forma suave e divertida, sem a erudição de um Alberto Manguel, lançada pela Paralela, o selo de livros “pop” da Companhia das Letras. [Em tempo, o livro é muito bom]. Liberdade total!

Quero essa liberdade total nas bibliotecas, e quero logo!

Leituras fundamentais para um bibliotecário

Edson Nery da Fonseca foi o segundo que veio a falecer dentre aqueles que considero como os fundamentais da crítica BBBB (bibliografia básica bibliotecária brasileira). Antes dele, Rubens Borba de Moraes. Isso significa que o legado está aí e permanecerá, mas todos os demais grandes autores brasileiros da área estão vivos e produtivos.

Como a biblioteconomia nacional é relativamente jovem, não produz em larga escala e as opiniões dificilmente mudam, é fácil identificar os grandes textos que constituem o núcleo duro da área, e seria perfeitamente possível para um bibliotecário aplicado ler essa produção ao longo de seu período formativo.

Quando ministrei a disciplina introdução à biblioteconomia (em algumas escolas chamada fundamentos da biblioteconomia) um dos objetivos era fazer com que os alunos, a maior parte deles sem saber ainda o que estavam fazendo no curso, reconhecessem os discursos prevalecentes da área e identificar essas correntes por intermédio de seus locutores, os grandes autores vivos.

Esse mapeamento da bibliografia fundamental bibliotecária já foi feito aqui anteriormente pelo Tiago, em duas ocasiões, Livros que influenciaram a biblioteconomia e Livros importantes para um bibiotecário.

Listei então os livros e textos que, para mim, constituem a bibliografia básica ou introdutória da biblioteconomia brasileira (incluído alguns poucos autores estrangeiros que foram bem traduzidos ao português). A maior parte dos livros está esgotada em suas tiragens, encontráveis apenas em bibliotecas e sebos. Algumas obras monumentais certamente ficaram de fora por descuido ou desconhecimento meu. Segue:

LIVROS FUNDAMENTAIS DA BIBLIOTECONOMIA BRASILEIRA

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo. Sociedade e Biblioteconomia. São Paulo: Polis, 1997.
BUTLER, Pierce. Introdução à ciência da Biblioteconomia. Rio de Janeiro: Lidador, 1971.
CASTRO, Augusto Cesar. História da biblioteconomia brasileira: perspectiva histórica. Brasília: Thesaurus, 2000.
CYSNE, Fátima Portela. Biblioteconomia: dimensão social e educativa. Fortaleza: EUFC, 1993.
FONSECA, Edson Nery da. A biblioteconomia brasileira no contexto mundial. Rio de Janeiro : Tempo Brasileiro , 1979
FONSECA, Edson Nery da. Introdução à Biblioteconomia. Brasília: Briquet de Lemos, 2007.
LE COADIC, Yves-François. A Ciência da Informação. Brasília: Briquet de Lemos/Livros, 2004.
MCGARRY, Kevin. O contexto dinâmico da informação: uma análise introdutória. Brasília: Briquet de lemos, 1999.
MILANESI, Luis. Biblioteca. São Paulo : Ateliê, 2002.
MILANESI, Luis. O que é biblioteca. São Paulo : Brasiliense, 1984. [Coleção Primeiros Passos]
MORAES, Rubens Borba de. O problema das bibliotecas brasileiras
ORTEGA Y GASSET, J. Missão do bibliotecário. Brasília: Briquet de Lemos, 2005.
RANGANATHAN, Shiyali Ramamrita. As cinco leis da Biblioteconomia. Brasília: Briquet de Lemos, 2009.
SILVA, Waldeck Carneiro da. A miséria da biblioteca escolar. São Paulo : Cortez, 2003.
SOUZA, Francisco das Chagas. Biblioteconomia, educação e sociedade. Florianópolis UFSC, 1993. 104 p.

TEXTOS FUNDAMENTAIS DA BIBLIOTECONOMIA BRASILEIRA

+ Biblioquê?

BARBARA, Vanessa. Leitor de livraria
FONSECA, Edson Nery. Tudo o que no mundo existe começa e acaba em livro
GARRIDO, Isadora. Por que escolhi biblioteconomia?
LEMOS, Briquet de. Cinquenta anos de sonhos e esperanças
MEY, Eliane Serrão Alves. A biblioteconomia envergonhada
SOUZA, Francisco das Chagas de. A escola de biblioteconomia e a ancoragem da profissão de bibliotecário
CUNHA, Murilo Bastos da. O bibliotecário brasileiro na atualidade

+ Práxis bibliotecária

CASTRO, César. Profissional da informação: perfil e atitudes desejadas
FONSECA, Edson Nery. Receita de bibliotecário
GARRIDO, Isadora. Tipos de Bibliotecários – O que faz um bibliotecário?
JAMBEIRO, Othon. A informação e suas profissões: a sobrevivência ao alcance de todos
MILANESI, Luis. A formação do informador
MEY, Eliane. O que fazem os bibliotecários?
ROBREDO, Jaime. Documentação de hoje e de amanhã (Livro)
TARGINO, Maria das Graças. Praxis bibliotecária

+ Epistemologia da biblioteconomia

ANDRADE, METCHKO, SOLLA. Algumas considerações acerca da situação epistemológica da Biblioteconomia
ARAÚJO, Eliany Alvarenga. A subjetividade enclausurada: o discurso científico na Biblioteconomia
VIEIRA, Anna de Soledade. Repensando a biblioteconomia

+ Elementos histórico-sociais das bibliotecas e da biblioteconomia

SERRAI, Alfredo. História da biblioteca como evolução de uma idéia e de um sistema
BURKE, Peter. Problemas causados por Gutenberg: a explosão da informação nos primórdios da Europa moderna
LIVRO: BATTLE, Mathew. A conturbada história das bibliotecas.
LIVRO: BAÉZ, Fernando. História universal da destruição dos livros

+ Legislação e Instituições biblioteconômicas

DIAS, Eduardo Ense. Ensino e pesquisa em ciência da informação
JOB, Ivone. Marcos históricos e legais do desenvolvimento da profissão de bibliotecário no Brasil
MUELLER, Suzana. O ensino de biblioteconomia no Brasil
SANTOS, Jussara. A Estrutura da Carreira em Biblioteconomia: contribuição à Classificação Brasileira de Ocupações
SILVA, Jonathas Carvalho. Perspectivas históricas da biblioteca escolar no Brasil e análise da lei 12.244/10
SOUZA, Victor Roberto Corrêa de. O acesso à informação na legislação brasileira
SPUDEIT, Daniela. Sindicatos de bibliotecários: história e atuação

+ Bibliotecas públicas

LEMOS, Briquet de. A biblioteca pública em face da demanda social brasileira
MIRANDA, Antonio. A missão da biblioteca pública no Brasil
PINHEIRO, Ricardo Queiróz. Biblioteca Pública: teimosia ou prioridade?
SOUZA, Francisco das Chagas de. Biblioteca serve para que? Bibliotecário faz o que?

+ As 5 Leis de Ranganathan

CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. As cinco leis da biblioteconomia e o exercício profissional
CARUSO, Fabino. Reescrevendo as Leis de Ranganathan
FIGUEIREDO, Nice Menezes de. A modernidade das cinco leis de Ranganathan
TARGINO, Maria das Graças. Ranganathan continua em cena

+ Relações biblio x bibliografia x documentação x ci

DIAS, Eduardo Wense. Biblioteconomia e ciência da informação:natureza e relações
FONSECA, Edson Nery da. Ciência da Informação e prática bibliotecária
LOUREIRO, JANNUZZI. Profissional da informação: um conceito em construção
ORTEGA, Cristina. Relações históricas entre Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação
SAMBAQUY, Lydia. Da Biblioteconomia à lnformática
ZAHER, Celia, GOMES, Hagar Espanha. Da Bibliografia à Ciência da Informação: um histórico e uma posição