Gustavo Henn – blogueiro convidado

O brother Gustavo Henn aceitou meu convite e estará escrevendo no BSF pelas próximas 2 semanas como blogueiro convidado. Seja bem-vindo, Guga!

Gustavo Henn é graduado em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Pernambuco (2003), especialista em Gestão de Unidades de Informação pela Universidade Federal da Paraíba (2006), trabalha na Procuradoria Regional do Trabalho da 13ª Região, é organizador dos livros Biblioteconomia para concursos Vol. 1 (2005) e vol. 2 (2007), editor do Blog Biblioteconomia para Concursos, coordena a Edições Baluarte, cursa mestrado no PPGCI/UFPB, é autor do premiado livro “O Crime da Rua Zico”, casou com Geysa que também é bibliotecária, tem 2 filhos e é fera no Guitar Hero.

gustavo henn guitar hero

Eu sou fã do cara e acho que vai ser uma troca legal de experiências. No final a gente faz uma resenha da visita.

Por favor, dêem as calorosas boas vindas para Gustavo!

Concurso chegando…

Prefeito de São Paulo autoriza concurso para Bibliotecário

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, autorizou concurso para o cargo de Bibliotecário. São 48 vagas e salário inicial de R$ 1.837,00. Os selecionados vão atuar na Secretaria Municipal de Educação, precisamente nos Centros Educacionais Unificados, mais conhecidos como CEUs.

Via: Central de concursos

Concurso da Câmara vs. RABCI

Para quem quer consultar, a prova de Biblio do Concurso da Câmara Municipal já está disponível.

Como vocês poderão perceber, tem muitas perguntas relacionadas a tecnologia. Então, para acabar com o clima de tensão que estou agora esperando o resultado (não fui mal, mas estou dependendo de um monte de combinações.. ahuauhaa), resolvi fazer uma comparação com as questões de tecnologia e o RABCI como brincadeira:

A primeira (questão 18) é sobre Open Access —–> O RABCI está plenamente de acordo com o Open Access, compartilhando trabalhos.

Em relação a MTD-Br (Questão 25) e marcação de conteúdo (Questão 26), não marcamos conteúdo ainda e não usamos o MTD-BR, mas exportamos os registros em endnote e bibtex, outros padrões de metadados, mais utilizados internacionalmente…

Dublin Core (Questão 27) – o RABCI usa o Dublin Core para descrever os itens não bibliográficos, graças ao Drupal.

A questão 28 fala sobre a sintaxe XML. Seria muito útil se existisse um sistema atual que utilizasse o XML nativo para a gestão de documentos. Vou ser sincero, essa é a tendência, mas não conheço nenhum sistema XML que funcione redondo ainda…

Questão 34 é sobre publicação eletrônica de periódicos, não aplicável ao RABCI, mas é uma questão interessante…

Questão 35 – Web Semântica.. sonho ainda, mas vale dar uma entendida nos princípios envolvidos…

Questão 36 – Autoarquivamento – no RABCI utiliza a maneira mais escancarada de autoarquivamento.. acreditar tanto na qualidade dos trabalhos que não avaliamos, e por isso, os autores se responsabilizam sobre a submissão, cabendo a eles a atitude de compartilhar o trabalho.

Questão 37 – Verbos de requisição do OAI.. para mim a questão mais difícil da prova, pois é um conhecimento muito específico… no RABCI disponibilizamos o OAI, então a requisição deve ser feita usando os verbos da resposta 2, como por exemplo: http://infocultura.info/rabci/oai?verb=Identify. Para saber um pouco mais sobre o Protocolo e os verbos, vale a pena visitar: The Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting

Questão 39 – Preservação digital: não fazemos isso no RABCI, mas tem dois ótimos TCCs sobre o tema..

Questão 44 – Web 2.0.. estamos ligados 🙂 .. qq um pode participar..

Questão 46 – Direitos autorais na Web.. todo o conteúdo é disponibilizado em Creative Commons e há bons trabalhos sobre direitos autorais

Não é uma analise tão boa quanto a do Gustavo (apesar de discordar de algumas coisas que ele disse), mas tentei demonstrar que ganhei muito ao construir o RABCI, não foi perda de tempo e dinheiro… e lembrando que ele está aberto a colaboradores.

Um pouquinho de catalogação

Estou lendo atualmente o livro: Documentação jurídica: introdução à análise e indexação de atos legais de Cecília Andreotti Atienza, escrito em 1979.

Estou pasmo de ver que as mesmas técnicas criadas para a indexação usadas em 1979, no início da computação (usava-se fichas perfuradas), estão sendo usadas ainda: DA MESMA MANEIRA!!!

Isso nos mostra o quanto ainda temos que evoluir.. no post abaixo, tem uma versão interessante de catálogo, mas ainda está voltada mais para a experiência em usabilidade do que propriamente uma mudança na concepção de catálogo ainda vigente…

Ah, mudando de assunto: comecei timidamente uma tag Bibliografia para concursos no Infocultura – Comunicação Científica com dicas que encontrei pela net. Sintam se a vontade para contribuir…

Concursos

Eu acabo de ler a prova do concurso para Bibliotecário da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo. Eu acho que nunca vi uma prova tão estranha. Primeiro, não tinha nenhuma questão sobre a área jurídica… depois, olhem o nível das questões:

23 – Sabe-se que Aristóteles foi o primeiro a trabalhar no arranjo de livros, sob um plano definido, que tempos depois foi adotado:
a) Pelos pós-aristotélicos.
b) Por Hermenegido.
c) Por Teódilo de Galena.
d) Pelos Ptolomeus.

Pelo que aprendi, o carinha ai em cima criou um sistema da classificar o conhecimento e não livros… mas posso estar enganado….

ou então:

34- A compatibilidade com padrões de catalogação do Aleph 500 assegura a conformidade com padrões emergentes, tais como:
a) STEFF e BBA52.
b) FRBR e AACR3.
c) KLPS e 555AR4.
d) STUV e RRRBTS.

Essa é ótima… criar siglas inventadas tudo bem, mas pelo menos se dê um pouco de sentido para elas..

Eu ainda fico imaginando que tipo de profissionais eles querem selecionar fazendo umas provas como essas… penso que o objetivo da prova era selecionar os melhores bibliotecários para atuar na instituição….

Para quem quer saber mais sobre concursos, visite o Blog de Concursos da Extralibris

Ou então, faça o download de diversas provas anteriores no repositório do Diego Abadan.

Os nomes de futuros bibliotecários mais bizarros conforme a lista do ENADE

Logicamente, eu não posso falar dos outros com um nome como o meu, mas talvez por isso mesmo, vamos nos divertir um pouco. (colegas citados não se sintam ofendidos, é apenas um levantamento de cunho biblioteconômico…)

ABELANDIA MARIA
ABSON SANY
ADEILDNA
AIRTIANE FRANCISCA
ALA DE JESUS SACRAMENTO
ANDRELINO DA SILVA
ARILMES
BAURILENE
BELIJANE
CAACI (Seria Centro Acadêmico de Arquivologia e CI?)
CÁLICA ANANIAS
CAUÊ MARURI DALLE MOLLE
CELANDRO
CHERLLS GARDENIA
CLAUDEVANE NERIS
COMLAN MARCELINO
CRISELEN JARABIZA
DEUSILENE
DEUSIMÁ
ESTELAMAR
ETCHEILE
GEDEÃO ESCÓSSIA
JOELKSON
JOHN KENEDY
LITYERSSE JESUINO
OGNA
OSMÉLIA OLINDA
RITCHELLY
ROXANA MARIA
SERVULO
ULANA MARIA
USTANA
WALGNEIA
WILLIAM HELMUT
YOHRRANNA KELLY
ZEANIEIDE MARIA
ZIZIL ARLEDI