Mestrado de biblioteconomia e ciência da informação no Canadá

Em dezembro, terminei meu mestrado em biblioteconomia e ciência da informação. Eu estudei na Universidade de British Columbia, no Canadá, onde resido há quase sete anos. A convite do Moreno, passo a integrar a equipe de colaboradores do Bibliotecários Sem Fronteiras, e achei que seria legal estrear minha participação aqui falando um pouco de como foi o meu mestrado.

Pra começar, eu não sou graduada em biblioteconomia. Sou jornalista por formação acadêmica, e web-qualquer-coisa por experiência profissional. Foram mais de 10 anos entre a minha graduação e eu finalmente voltar à universidade para fazer um mestrado, que sempre quis. Acabei escolhendo biblioteconomia, mas não vou explicar o motivo aqui agora. O fato é que aqui no Canadá, você não precisa ser necessariamente graduado em biblioteconomia para fazer mestrado na área.

Até porque não existe curso de graduação em biblioteconomia no Canadá.

Biomedical Library
Biomedical Library. Foto de UBC Library Community, no Flickr, sob licença Creative Commons

Posso até ver as caras de espanto do outro lado da telinha. Estranhei muito isso também. O que até me fez questionar o quão “mestrado” era esse mestrado que eu estava fazendo, se tudo que estava estudando aqui, em nível de mestrado, meus colegas no Brasil viram na graduação.

Quer saber outra coisa diferente do mestrado aqui? Não precisei fazer dissertação. O MLIS (Master of Library and Information Studies, em inglês) aqui é considerado um mestrado profissional, tipo um MBA. Por isso não exige que você faça dissertação para obter o grau de mestre. A dissertação é opcional e é geralmente feita por aqueles que querem seguir uma carreira acadêmica, prosseguir para um doutorado e fazer pesquisa na área de ciência da informação. Não fiz dissertação e não faço ideia do que vai ser de mim se um dia eu resolver fazer um doutorado.

Exigências do mercado de trabalho para bibliotecários

Para trabalhar como bibliotecário aqui no Canadá, as bibliotecas – sejam públicas, acadêmicas ou corporativas – exigem que o candidato tenha o MLIS, o mestrado em biblioteconomia. Existe um curso técnico de biblioteconomia, que não tem nível de graduação. Os técnicos são mais envolvidos na área de catalogação. Em poucos casos, os técnicos podem atender o público em serviços de referência. A diferença é o salário e a hierarquia dentro da biblioteca. Os bibliotecários com mestrado ganham mais que os técnicos, e podem exercer cargos de gerência.

Irving K. Barber Learning Centre
Irving K. Barber Learning Centre. Foto de UBC Library Community, no Flickr sob licença Creative Commons

Estrutura do mestrado

O mestrado dura, em média, dois anos. Dá pra fazer em menos tempo se você pegar matérias durante o verão. O ano letivo vai de setembro a abril (dois períodos de 13 semanas cada), e grande parte dos alunos não estuda no verão (de maio a agosto). Ou trabalham, ou somente curtem o pouco sol que temos aqui no hemisfério norte. Pra quem decide estudar no verão, há dois períodos de seis semanas cada com duas aulas por semana em cada disciplina. Durante o outono e inverno, as aulas são semanais.

Para concluir o curso, o aluno deve alcançar 48 créditos. Cada disciplina tem três créditos. Então, com 16 matérias você fecha o curso. Você pode pegar até cinco matérias por período, no máximo. Em dois períodos eu tive quatro e foi muito! Cada aula semanal tem três horas de duração. Mas estima-se que, para cada hora dentro de sala de aula, o aluno deve gastar outras três horas fora de sala de aula com as leituras e trabalhos. Não dá pra estudar e trabalhar nesse ritmo, apesar de que muitos dos meus colegas trabalhavam também.

O que se estuda no mestrado?

São seis as disciplinas obrigatórias. Quatro delas você pega assim que entra no curso: Fundamentos da tecnologia da informação, Fundamentos sobre a sociedade e organizações de informação, Introdução ao controle bibliográfico, Introdução à serviços e fontes de referência. (Desculpem se a nomenclatura não é totalmente correta em português, estou tentando traduzir os nomes das disciplinas. Meu jargão profissional é todo em inglês, desculpem). As outras disciplinas obrigatórias são Gerenciamento de organizações de informação e Métodos de pesquisa.

Fora essas, você pode escolher o que quer fazer de eletivas no resto do curso. Há várias disciplinas dedicadas a serviços para crianças e jovens; disciplinas técnicas como indexação e catalogação (não é obrigatório fazer catalogação para concluir o mestrado. Lembrem, são os técnicos que se especializam nesta área); serviços especializados como biblioteconomia aplicada a registros médico-hospitalares, legais, governamentais ou corporativos; cursos ligados à parte técnica de sistemas, base de dados, programação e tudo ligado a TI; disciplinas sobre o gerenciamento de bibliotecas, arquitetura e planejamento do espaço; livros raros; preservação e arquivo; bibliotecas digitais; e muito mais. Você pode ver a grade de cursos oferecidos na UBC aqui.

O que eu estudei

Eu tentei fazer um pouquinho de tudo, mas tentei focar na parte de serviços para crianças, que é a minha paixão. Contar histórias, cantar músicas para os pequenos. Estudei sobre a formação dos bebês e sobre como é importante ler pra eles desde o nascimento, se possível. Estudei sobre a formação da linguagem, sobre o desenvolvimento motor e intelectual das crianças até cinco anos e como as bibliotecas podem ser fontes super úteis para os pais nesse período crítico de desenvolvimento dos seus filhos. É fascinante!

Também tive que estudar um pouco sobre literatura canadense e norte-americana, conhecer os autores, os livros clássicos de cada geração.

Estudei novas mídias para crianças e jovens e como incorporar a tecnologia dentro das bibliotecas.

Fiz questão de estudar catalogação, mesmo não sendo obrigatório. Acho que essa disciplina faz parte do coração da biblioteconomia.

Também escolhi algumas das disciplinas mais técnicas como Desenho de banco de dados e Sistemas de automação.

Fugi das disciplinas mais teóricas, da ciência da informação.

UBC Main Library
UBC Main Library, onde fica a Escola de Biblioteconomia, Estudos de Informação e Arquivo. Foto de Thomas Chung, no Flickr, sob licença Creative Commons

Próximos passos

Agora, estou à procura de trabalho. Com o meu diploma, eu posso trabalhar em bibliotecas públicas, acadêmicas ou especializadas/corporativas. Não posso trabalhar em bibliotecas de escola primária ou secundária. Para isso é preciso ser professor também, ter um certificado em Educação. Isso vale para o Canadá somente. Nos Estados Unidos, podemos trabalhar em escolas também.

Por enquanto, estou tentando me manter envolvida na área voluntariando na biblioteca escolar das minhas filhas. Uma vez por semana vou ajudar a professora-bibliotecária a guardar os livros nas estantes.

Imagem principal: Koerner Library, no campus da UBC. Foto de David Baron, no Flickr, sob licença Creative Commons.

O que fichas catalográficas tem em comum com crowdsourcing

Primeiramente, você observa nas Bibliotecas – geralmente universitárias – colegas bibliotecários inconformados, e até mesmo mau humorados, por ficar horas e mais horas elaborando fichas catalográficas de teses e dissertações.

Depois, você lê, ouve, come, respira e transpira que estamos na era da informação, da colaboração, da participação, etc, etc, etc.  Então… bingo!!! Que tal um crowdsourcing?

Não gosto muito de “estrangeirismos”, mas se me for útil e funcional, por que não usar? Crowdsourcing ao pé da letra vem da adesão de duas palavras inglesas, crowd, que significa multidão e source, que significa fonte, origem, raiz e na sua melhor tradução para o termo, fonte de informações.

Crowdsourcing, são então pessoas que se unem para resolver problemas em conjunto, criar novos produtos, testarem sites, criarem conteúdo, encontrarem soluções e muito mais. E é uma tarefa feita por nós há muito tempo, não é uma novidade da internet, as cooperativas são exemplos de crowdsourcing, determinados movimentos também (esse conceito quem me passou foi a mega bibliotecária e amiga Marchelly Porto).

Então mãos à obra. O desafio era encontrar alguém que auxiliasse a montar um código de programação para um sistema de geração automática de ficha catalográfica de teses e dissertações; disponibilizar este formulário numa webpage, e os próprios usuários informar os dados. Gerando assim, mais autonomia ao usuário, e também empregando os bibliotecários em atividades afins na biblioteca.

Encontrei isso já pronto. Quem me cedeu gentilmente o código fonte, para livres adaptações às necessidades das bibliotecas, foi a analista de sistemas Maria Alice Soares de Castro, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo.

De posse do código, comecei a esboçar e adequar os campos. Contei com parceria das bibliotecárias da Universidade  Federal de Santa Catarina, e o então aluno de ciências da computação e estagiário, Bernardo Egelke, que foi o responsável pela implementação do código PHP.

O resultado pode ser conferido nesta página http://ficha.bu.ufsc.br/

Alguns testes com usuários, e percebi que havia muitas dúvidas de como preencher estes campos. Fez-se necessário a elaboração de um tutorial, http://portalbu.ufsc.br/ficha/

Sei que não está dentro das normas de arquitetura da informação, mas após vários testes, resolvi deixar assim, por permitir a leitura em softwares para pessoas cegas ou com baixa visão.

Outro detalhe, resolvemos chamar de Ficha de Identificação da Obra, para não “ferir” o trabalho intelectual do bibliotecário. Afinal, uma ficha catalográfica, precisa ter a CDU/CDD e Cutter, o que não temos aqui.

Agora, o próximo desafio deste crowdsourcing (preciso do auxílio de mais bibliotecários e analistas de TI), é usarmos estes dados que o usuário já informa, e, importar diretamente para os sistemas automatizados das bibliotecas. Sei que foram feitos contatos prévios com o Pergamun, mas não sei como está esse processo. A ideia é que um bibliotecário possa checar algumas informações básicas: confirmar se a tese, dissertação existe,; se está impresso e depositado na biblioteca; e, verificar os metadados, e importá-los já para a catalogação.

Outro modelo muito bem adaptado,  foi elaborado pela Biblioteca da Universidade Federal de Santa Maria, disponível em  http://cascavel.ufsm.br/ficha_catalografica/. Este está com o visual mais parecido com o código cedido pela Maria Alice, ou seja, não foram implementadas folhas de estilo.

Tá… eu sei que tem cloud computing, big data, anotações semânticas e tudo mais, mas às vezes somos desafiados nas pequenas coisas do dia a dia, e não temos verbas para gastar. Aliás, em alguma das minhas próximas postagens quero abordar a seara dos repositórios, sei que vai dar pano pra manga.

No mais, dúvidas, sugestões ou mesmo quem precisar dos códigos, me escreva que enviarei por e-mail.

Biblioteconomia a distância – FATEA

A FATEA, Faculdades Integradas Teresa D’ávila, localizada em Lorena, SP, está com inscrições abertas para o vestibular de biblioteconomia, curso a distância. (Valeu Tavânia)

Update: antes que eu seja processado pela 38° vez, meu pedido formal de desculpas à FATEA e meus pares bibliotecários…(a ser preenchido)

pedido formal de desculpas