Doutorado de quê?

Há algum tempo as pessoas me perguntam sobre o que pesquiso no doutorado. Percebi que a curiosidade era grande e decidi aproveitar para divulgar um tema meio ~obscuro da Biblioteconomia.

E aproveitando a deixa do vídeo vou colocar aqui algumas leituras que acho bacanas sobre o tema e que o pessoal já me pediu também! (links abaixo do vídeo!)

DENTON – FRBR AND THE HISTORY OF CATALOGING

MEY – BREVE HISTÓRICO DOS CATÁLOGOS

STROUT – THE DEVELOPMENT OF CATALOG AND THE CATALOGUING CODES

CHANDEL AND PRASAD – JOURNEY OF CATALOG FROM PANIZZI’S PRINCIPLES

CAMPBELL AND FAST – PANNIZZI, LUBETZKY AND GOOGLE

ORTEGA – RELAÇÕES HISTÓRICAS ENTRE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Worldcat identities beta

identities

O WorldCat

é o maior catálogo do mundo. Catálogos são basicamente informações bem estruturadas e a OCLC resolveu utilizar melhor essa quantidade de informações que possui e criou o Worldcat Identities . Uma coleção de dados sobre autoridades, mas gerenciados de uma forma bem inovadora.

Dica do grande bibliotecário Diego Ferreyra.

Paranormal Activity video

Semântica web aplicada aos catálogos

OpenLibrary Dat

Kate & Leopold dvdrip

Varsity Blues the movie a é um projeto que visa aplicar conceitos da Web Semântica e conceitos de modelização de registros como o FRBR em catálogos. Os vocabulários usados são: Misc. Open Library Terms (temporary), OpenVocab, Dublin Core, The Bibliographic Ontology,
Music Ontology, BIO (Biographical Information), FRBR, OWL, SKOS, FOAF.

Um registro que vale de exemplo é o
The hobbit, or, There and back again

Neste registro, vale a pena observar como o FRBR foi utilizado e a como foram feitas as relações com as versões.

Por que o catálogo ainda é o mais importante?

Saiu o novo número da Revista Ponto de acesso. E nele está um artigo com o seguinte título: Navegando entre nuvens de etiquetas: Uma proposta de utilização de tag cloud em catálogos eletrônicos de bibliotecas. O artigo de certa forma é óbvio e até um pouco ultrapassado (tags clouds perderam um pouco de espaço na web) mas minha crítica aqui é mostrar insistimos em trazer as ferramentas da web para os catálogos ao invés de levarmos os catálogos para a web.
Precisamos levar nossos catálogos para a web… como?

  • Tornando os indexáveis pelas ferramentas de busca. É algo fundamental, uma vez que a grande maioria dos acessos de qualquer site é por meio delas, mas é algo que nenhuma biblioteca que conheço faz.
  • Criando a possibilidade de usar os catálogos em mashups. Possibilitar pequenos web services com os catálogos, para que possam ser utilizados em outras aplicações.
  • PS. Ainda não me acostumei com essa nova versão do WordPress…