Monografia de Júlio Rei – histórico dos ENEBDs

Gustavo Henn digitalizou aquela que talvez seja a monografia mais disputada dos encontros estudantis de Biblioteconomia e uma das poucas que tratam diretamente de ENEBD: a monografia do próprio Júlio rei, escrita por ele mesmo.

O movimento estudantil e a formação de uma liderança nacional em Biblioteconomia:a contribuição dos Encontros Nacionais de Biblioteconomia e Documentação (ENEBDs)

Monografia de graduação de Júlio Farias de Souza, apresentada em 2000, na Universidade Federal da Paraíba. Orientação de Jemina Marques de Oliveira.

Resumo:
Em 1967, no auge do regime militar onde a liberdade de expressao de pensamento e de comunicação estavam usurpadas, alguns “heróis” discentes do curso de biblioteconomia e documentação fizeram 0 seu primeiro encontro para talvez discutir a atual conjuntura, ou para definir metas. O tema deste primeiro encontro foi 0 ENSINO DE BIBLIOTECONOMIA, ORGANIZAÇÃO E ATUALIZACAO DOS CURSOS, 1967 (currículos, recursos audiovisuais, formação de professores) muito embora saibamos que os encontros de estudantes na época eram estritamente proibidos e deveriam ter disfarces para a sua realização, possivelmente isso explica 0 tema ser um tanto quanto disperso. De lá até hoje, esse evento ganhou força e destaque em nível nacional de modo que é referência para todas os que estão se formando, quanto aos que estão adentrando na vida acadêmica. Sabemos que se nossa formação profissional for depender somente da sala de aula e da experiencia por ela mesma, haverá muito a desejar, porque só esses fatores não trazem muitas contribuições. Há a necessidade de troca, disseminação e integração com novas formas e meios de execuçã do nosso trabalho enquanto profissionais da informação. E isso se consegue com eventos dessa parte, onde experiências adversas seguem os mesmos objetivos. Esse fator é motivador e principal pilar, a nosso ver, da existencia e continuação dos ENEBDs.

A monografia está na ExtraLibris, link para download

Vida longa ao Rei!

julio-rei-tambaba

Twitter no ENEBD

Estou me oferecendo, assim, na cara de pau, para ministrar di grátis um curso ou fazer uma apresentação, qualquer coisa do tipo, sobre Twitter para bibliotecários, durante o próximo Enebd, que será realizado no Rio.

Interessados, falar com a comissão e pedir que entrem em contato comigo. Eu já havia mandado um email, mas como não obtive resposta, estou usando uma nova tática.

Eu sei que não tem a ver com a temática do evento, mas como esses encontros só acontecem uma vez por ano, não dá pra perder a oportunidade.

Além do óbvio da inserção dentro da ferramenta que é a mais hype atualmente, eu estou revendo meus conceitos sobre o Twitter (e outras ferramentas de mídia social) como uma extensão dos serviços da biblioteca. Anteriormente achava que twitter, orkut, msn, website e afins deveriam representar uma extensão dos serviços da biblioteca física. Mas não, eu estava errado. Essas ferramentas precisam ser encaradas como um novo típo de mídia, completamente distinto, um novo tipo de “serviço de informação”, dissociado das práticas ortodoxas da biblioteca física. Ou seja, se você eventualmente utiliza o Twitter como um serviço de alerta para os usuários de uma determinada biblioteca, certamente estará fazendo um bom serviço, mas talvez não está completamente utilizando o que a ferramenta possibilita de melhor: conversação, marketing, interação, etc, coisas que na maioria dos casos, não se aplicam (no sentido de serem feitas efetivamente) na biblioteca física.

E pra esclarecer esses pontos, além de quesitos técnicos que qualquer pessoa que saiba ler é capaz de aprender e resolver na Internet, um minicurso ou palestra ajudaria bastante.

Existem excelentes boas práticas sendo executadas no Twitter. Por isso eu repliquei aquela lista dos melhores bibliotecários twitteiros. Não é uma lista de popularidade, é uma lista pra saber quem faz o melhor uso da ferramenta.

Os bibliotecários já deram mole e perderam o trem dezenas de vezes no passado, mais recentemente com os processos de digitalização e orkut. Vamos ver se vão dar mole de novo com o Twitter.

Quem quiser, estou aí, facinho, facinho. Pressão na comissão : )

O email da organização é esse: enebd.comissoes@gmail.com