Por uma pedagogia da descoberta

A escola mata a descoberta. Ela entrega o conhecimento pronto em um currículo, definido de acordo com aquilo que é considerado por autoridades como conhecimento válido, todo o resto é excluído.

O que há nesse “resto”?  Toda  a experimentação, o conhecimento informal, aprendido nas vivências, os saberes tradicionais, transmitidos pelos mais velhos e a descoberta.

A serendipidade (o princípio da descoberta) só existe quando há liberdade de escolha por caminhos diferentes e aleatórios. A descoberta se dá, principalmente, quando não estamos procurando exatamente aquilo. Esse processo, que não pode ser controlado, é inexistente na grade escolar. Na escola somos todos considerados incompetentes para adquirir nosso próprio conhecimento. E nunca somos estimulados à fazê-lo.

A palavra serendipidade surgiu em referência a um antigo conto persa sobre os três príncipes de Serendip. Em suas aventuras eles viviam se deparando com situações inusitadas e fazendo descobertas ao acaso, encontrando respostas para questões que eles sequer haviam feito. Tinha um pouco de sorte envolvida, mas era a sagacidade dos meninos, um toque genial de mentes abertas para a descoberta, que realmente operava a magia.

Essa qualidade da descoberta não é de forma alguma privilégio de mentes superiores. É uma habilidade e um posicionamento, uma forma de ver o mundo, disponível para qualquer pessoa.

Bibliotecas são um excelente lugar para o exercício de serendipidade e nas escolas elas ficam isoladas das pessoas, que mal as frequentam nos intervalos das aulas. Temos alguma contação de história, mas livros previamente escolhidos. Mesmo quando eles não são previamente escolhidos, raramente é o acervo todo ofertado à escolha e, mesmo que fosse, ainda assim seria apenas uma atividade controlada, algum livro teria de ser “o escolhido”, os outros permanecerão inertes nas estantes.

Em geral é proibido (ou vigiado) andar entre as estantes a procura de livros que não se sabe ainda quais são. Isso é feito em nome da “ordem” que sempre vem de cima, e está sempre acima da vivência, pairando sobre ela, limitando suas possibilidades libertadoras.

Há um tipo de acesso à biblioteca, que é transversal, não linear, baseado quase que puramente na serendipidade. Ao conduzir uma leitura, indo de um texto à outro, colecionando trechos diferentes de cada livro sobre determinado assunto, eu estou praticando a descoberta. Aliás foi essa prática que desenvolveu a ciência como hoje a conhecemos e o acesso não linear a uma coleção de livros foi o embrião do hipertexto.

Essa forma de utilizar acervos surgiu lá na antiguidade e se tornou evidente na Biblioteca de Alexandria. Foi responsável pelo desenvolvimento da filologia, da geografia, da matemática, da astronomia, da medicina, da poesia, da filosofia, da história e de muitas outras ciências e saberes.

A serendipidade foi a maior consequência de se acumular livros em uma sala. Isso desenvolveu toda uma economia e ergonomia do saber: o surgimento da paginação, da referência, da citação, da glosa, do colofão, dos sumários, dos resumos, das bibliografias, dos catálogos, das resenhas… Todas essas formas de diálogo entre livros, escritores e leitores.

Uma biblioteca nunca é a mesma para duas pessoas praticando a descoberta. As escolhas, mais ou menos aleatórias, de livros formam caminhos, percursos diagonais, transversais, paralelos, pela coleção toda. O prazer de percorrê-los é como o prazer do desconhecido, é desbravar os universos não domesticados do saber. E é possível reiniciar muitas vezes o processo, sempre com resultados inusitados.

A autonomia de percorrer estantes, pegar livros, ler um trecho, procurar outro livro, compará-lo com um terceiro, pegar uma enciclopédia e, partindo de um verbete qualquer, buscar outras fontes, é o principio do amor pela pesquisa e do autodidatismo. São qualidades fundamentais para o pensamento livre e crítico.

Não provoca nenhum espanto a pouca valorização das bibliotecas e da leitura nos dias de hoje. É um reflexo do que a educação faz com a descoberta. Em tempos em que a homogeneidade de ideias, comportamentos e atividades e a obediência a regras, controles e currículos é o que está nas bases da educação, é bastante esperado que as capacidades revolucionárias e libertadoras das bibliotecas sejam caladas.

A busca por uma forma de educação livre passa pelo resgate da descoberta como veículo da potência humana. A serendipidade em substituição à rigidez curricular. É aí que está a importância esquecida das bibliotecas!

Em uma pedagogia da serendipidade, a descoberta é o centro do aprendizado e  a biblioteca é o coração da escola.

Livros censurados

Esta semana é a semana da liberdade de leitura aqui no Canadá. O evento é uma iniciativa do Conselho de Livros e Periódicos para chamar atenção para a questão de livros que são censurados e às vezes até banidos de escolas e bibliotecas no país. Nos Estados Unidos, a Associação de Bibliotecas Americanas (ALA) promove o evento na terceira semana de setembro.

Em pleno século 21, quem diria que há quem conteste a liberdade de leitura?

10300020646_9586b617cd_b
Timberland Regional Library

Nós sabemos que grande parte da sociedade americana é super conservadora. E são esses que batem de frente com as escolas e bibliotecas e exigem que certos livros sejam removidos de suas coleções por serem ofensivos. De acordo com a ALA, na primeira década do século 21, o Escritório de Liberdade Intelectual recebeu mais de 5 mil notificações de censura. Os livros são questionados pelo seu conteúdo:

  • sexualmente explícito
  • linguagem ofensiva (palavrões)
  • inapropriado para o público alvo
  • violência
  • homosexualidade
  • religiosidade
  • ocultismo

Muitos livros populares – e até clássicos – já entraram na lista negra da censura americana. Nem livro pra criança escapa:

50 Tons de Cinza, de E. L. James
Motivos: linguagem ofensiva, sexualmente explícito

O Caçador de Pipas, de Khaled Housseini
Motivos: homosexualidade, linguagem ofensiva, religiosidade

Procurando Alaska, de John Green
Motivos: linguagem ofensiva, sexualmente explícito, inapropriado para o público alvo

Jogos Vorazes, de Suzanne Collins
Motivos: anti-ético, linguagem ofensiva, falta de sensibilidade, ocultismo, violência

Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley
Motivos: falta de sensibilidade, nudez, racismo, religiosidade, sexualmente explícito

O Apanhador no Campo de Centeio, de J. D. Sallinger
Motivos: linguagem ofensiva, sexualmente explícito, inapropriado para o público alvo

Capitão Cueca, de Dav Pilkey
Motivos: linguagem ofensiva, sexualmente explícito

Harry Potter, de J. K. Rowling
Motivos: ocultismo/satanismo

UTS Library
UTS Library

No Brasil, os casos de censura ocorreram na época da ditadura. Feliz Ano Novo, de Rubem Fonseca; Zero, de Ignácio de Loyola Brandão; Dez Histórias Imorais, de Aguinaldo Silva, são algumas das obras vetadas pelo AI-5 entre 1970 e 1988.

Mais recentemente, em 2012, a obra de Monteiro Lobato foi vítima de censura. O Instituto de Advocacia Racial queria banir Caçadas de Pedrinho das escolas por conteúdo racista.

E o que nós, bibliotecários, temos a ver com isso?

Um dos valores da biblioteca é defender a liberdade de expressão, seja do autor, ou do leitor. É nosso dever promover o acesso livre à informação, seja ela de que natureza for. A troca respeitosa de opiniões distintas, às vezes até controversas, é o que nos ajuda a crescer como indivíduos. É o que promove tolerância e aceitação.

Imagem do topo: Lansing Library, no  Flickr, sob licença Creative Commons.

Por que desenvolver atividade editorial na biblioteca

Por que um projeto editorial seria interessante para bibliotecas públicas e comunitárias?  Como poderia contribuir para a relação da biblioteca com a comunidade e dos indivíduos e grupos da própria comunidade entre si?

Poucos duvidam do valor dos livros e da leitura na transformação das vidas das pessoas. Seja através de um programa formal de educação, seja por interesse pessoal autodidata, livros, revistas, bibliotecas, enfim, a leitura ocupa um espaço de destaque no imaginário de como se aprende alguma coisa.

As bibliotecas públicas e comunitárias (as demais também, até certo ponto) têm por missão principal a disseminação dos livros e o estímulo da leitura.

Fazem isso através de suas coleções, formadas a partir do estudo dos interesses, hábitos e outras características que formam os perfis de seus usuários e também por meio do serviço de referência, marketing, cursos de formação de leitores, eventos e outras atividades desenvolvidas, a partir desses estudos, para aproximar a comunidade dos livros e da leitura.

Fazem isso para oferecer aquilo que o usuário quer e precisa, assim respondendo às 3 primeiras leis de Ranganathan e, por esse trabalho, são as instituições culturais mais lembradas quando se fala em leitura. Entretanto, algumas questões podem ser colocadas ao tipo de contato e serviços oferecidos pelas bibliotecas às suas comunidades:

Quem decide o que o usuário ou a comunidade precisa? Até que ponto nossos estudos de comunidades conseguem identificar desejos e necessidades? Com que frequência superamos o questionário e a análise de dados do censo para determinar esses valores? Quanto de contato real com as pessoas das comunidades para aprofundar as informações quantitativas? E com as pessoas que não frequentam a biblioteca?

Mais importante (e com mais potencial revolucionário): Supondo que realmente sabemos os interesses e desejos de nossos usuários, que os estudamos ao nível do convívio, da conversa, será que os livros que selecionamos correspondem a esses interesses e desejos? Será que são o suficiente?

A verdade é que, por mais que nos esforcemos por compreender o que o usuário pensa e o que ele quer, ainda assim seremos pessoas tentando adivinhar o que os outros precisam e oferecendo acervos e serviços baseados nessa presunção.

Uma biblioteca que planeja seus recursos tendo por base apenas os estudos de usuário, por mais fiéis que sejam, e apenas seleciona um acervo entre as opções oferecidas pelo mercado editorial, está fadada a funcionar como o panóptico de Foucault: um centro que exerce controle a partir da informação que irradia para a periferia* .

A cultura assim difundida não leva em conta a visão de mundo, as criações e potenciais existentes em cada comunidade e em cada indivíduo isoladamente. E isso se torna mais verdadeiro conforme nos aproximamos das periferias das cidades, da pobreza e da exclusão social.

Nesses redutos, onde a presença da cidadania, na forma de serviços públicos, de participação nos processos políticos, e mesmo de condições básicas de existência é precária, produz-se muita cultura, a cultura verdadeiramente popular, riquíssima! Mas essa cultura fica restrita aos becos, vilas e favelas, não é conhecida e nem se demonstra interesse em conhecê-la nos círculos menos precarizados da sociedade. É uma cultura que não tem voz na mídia, que não tem vez nos centros culturais. De tão calada, nem mesmo os atores que a protagonizam valorizam o que fazem. E é justamente nesses locais em que as bibliotecas são mais necessárias. Exatamente para resgatar a identidade, a confiança e a autodeterminação desses sujeitos, através da ação cultural.

Para que uma revolução, que possibilite às pessoas a garantia efetiva de seus direitos e condições de igualdade, aconteça, é necessário que todos e cada um tenham consciência de seu lugar no espaço e no tempo. No espaço, sabendo situar-se em todos os níveis, da comunidade local ao contexto global, de forma política cultural e econômica. E no tempo, reconhecendo a história de sua própria vida, das pessoas de sua família, do seu bairro, cidade, estado, país, continente, mundo… Saber reconhecer o contexto em que se está inserido, os eventos que o levaram a tal situação e as relações entre sua comunidade e as outras forças em jogo é condição sine qua non para o exercício pleno da cidadania. E para adquirir essa consciência e tornar-se então governante de seu próprio destino, o indivíduo precisa reconhecer e valorizar sua própria identidade cultural.

Isso implica reverter o processo elitizante da cultura. Nas periferias, onde a cultura popular é efetivamente produzida, a ideologia dominante distorce a visão dos indivíduos sobre sua própria identidade e vivências, fazendo com que considerem seus próprios feitos como desimportantes ou mesmo repudiem completamente a própria cultura, já que essa não é valorizada, não está nas lojas, nem na televisão, nem nos jornais.

O reconhecimento do valor das experiências de cada um é necessário para a existência de um ambiente criativo e estimulante, apto a resgatar a auto-estima da comunidade e capaz de transformar aquilo que hoje é considerado marginal em um ativo cultural complexo e próspero e, final e idealmente, conduzir à libertação cultural dos sujeitos.

A ação cultural nas bibliotecas, geralmente é vista como a promoção de atividades culturais com o intuito de difundir a “cultura”, tornar as pessoas “cultas”, “levar” até o público-“alvo” os prestigiados valores culturais da sociedade. As atividades são cursos, clubes de leitura, palestras, feiras de troca, peças teatrais, espetáculos de música, entre outras. Todas essas atividades são excelentes para atrair público, divulgar os serviços e ampliar a relação da biblioteca com a comunidade. Elas comprovadamente causam impacto nos hábitos de uso da biblioteca e de leitura dos usuários.

Mas não cruzam a linha da cultura estabelecida. Com raras exceções, essas atividades são planejadas e executadas por pessoas de fora da comunidade. São convidados escritores para falar sobre seus livros, artistas para cantar suas músicas, professores para ensinar suas especialidades, mas, muito raramente, essas pessoas vivem e compartilham os valores e a identidade da própria comunidade. Uma biblioteca popular que realmente queira promover a ação cultural não pode se limitar a divulgação do acervo e a “trazer atividades”.

É preciso enxergar os ativos da própria comunidade, enxergar as pessoas como o acervo. Uma vez li sobre uma ação na qual frequentadores de uma biblioteca sentavam diante de uma pessoa, entre algumas que se podia escolher, e essa pessoa contava a sua história (se alguém lembrar do link, posta nos comentários e eu atualizo depois). Um acervo de pessoas! Mas como seria isso?

Numa proposta de biblioteca popular, os livros poderiam ser as cabeças das pessoas e o acervo a comunidade. O catálogo representaria a ação cultural nessa alegoria. Então catalogamos “cabeças”, tornamos “recuperável” o material que surge espontaneamente no cotidiano das pessoas, buscamos as associações entre essas e outras ideias, registramos, preservamos e promovemos o acesso a essa coleção.

Cada vila, cada favela tem sua história, tem seus velhos griôs, contadores de história**, verdadeiros compêndios de sabedoria popular, cheios de causos e lendas de sua juventude (e das múltiplas juventudes anteriores que, pela oralidade, transmitiram a eles o compromisso de contar). Tem seus moradores antigos, que estavam lá na primeira invasão, que têm fotografias e histórias para contar sobre esse processo.

As coleções também podem ser formadas pelo padre; pelo pai de santo; pela benzedeira e pela parteira; pelo clube de mães; pelo presidente da associação de moradores; pelo time de futebol de várzea, que nunca ganhou um campeonato, mas conta com uma torcida fiel; pelo MC e pelo DJ; pelo grafiteiro; pela costureira; pela cozinheira que carrega seu livro de receitas, passadas a ela por sua avó, que foi escrava; pelo filho do carteiro, que desenha bem…

Assim, catalogamos, indexamos e buscamos (um serviço de referência) material que complemente e reviva essas narrativas. No caso dos griôs: a música da época de suas histórias, fotografias antigas dos lugares, a literatura, as roupas, os relatos de outros menestréis, etc.

Essa é a matéria que deve compor as bibliotecas populares. Os livros nas estantes devem ser o espelho dessas vivências, que são o verdadeiro acervo. Assim valorizamos o que surge espontaneamente (a verdadeira cultura) e não empurramos algo que muitas vezes é até antagônico aos interesses das comunidades.

O resultado esperado é a valorização dos indivíduos pelo que já são e não mais como seres que precisam atingir um modelo de realização que está distante (não raro inalcançável) e é indiferente a eles.

Nenhuma dessas ideias é realmente nova. Diversos pensadores e educadores, como Ferrer y Guardia, João Penteado e Paulo Freire já lançaram propostas semelhantes. O conceito de ação cultural, como defendido por Luís Milanesi, compartilha desses ideais de cultura popular e do papel das bibliotecas nesse contexto.

Muitas iniciativas já obtêm resultados impressionantes partilhando essas ideias. Dentre essas, destaco a que considero mais próxima do modelo ideal de biblioteca popular: as bibliotecas parque. O conceito, maravilhoso em múltiplos aspectos, surgiu na Colômbia e coloca a biblioteca no centro do projeto urbanístico dos bairros e, mais importante, posiciona bibliotecas muito bem equipadas no coração de zonas de risco social. O Brasil já tem suas primeiras experiências do conceito, nas favelas do Rio de Janeiro. Na favela de Manguinhos o espaço foi rapidamente apropriado pela população, que utiliza e conserva o prédio, os equipamentos e os livros.

Mas então, como identificar, incentivar, registar, editar e publicar esse acervo riquíssimo? Primeiramente é necessário que o bibliotecário deixe o conforto de suas atividades tradicionais e inicie o flerte com a antropologia e com as relações públicas, que se empenhe em participar das entidades comunitárias: associações de bairro, de mães, paróquias, congregações, terreiros, clubes, escolas, etc, e nesses ambientes identifique os potenciais novos “livros” para o acervo.

A partir desse mapeamento, pode se projetar atividades, entrevistas, apresentações. Convidar artistas (de preferência da própria comunidade) para ilustrar a história de algum morador, registrar em vídeo, transcrever em texto. Muitos escritores, podem se interessar por registrar as narrativas recolhidas, universidades podem incentivar programas de extensão para auxiliar nos projetos.

As eventuais publicações dos materiais coletados podem ser financiadas por meio de leis de incentivo, ou (melhor ainda!) de maneira autônoma, por crowdfunding ou arrecadação com eventos e doações espontâneas. E publicações não precisam ser necessariamente caras, podem ser feitas de forma artesanal, com material reciclável, inclusive envolvendo a própria comunidade no processo de confecção dos livros.

Nas próximas postagens pretendo explorar o universo dessas práticas. Abordar o fenômeno das editoras cartoneras, os fanzines e outras modalidades editoriais que podem inspirar ações culturais efetivas para nossas bibliotecas. Conto com o apoio dos leitores para sugestões e críticas!

 

* Não estou propondo que essa cultura, ou esses livros, não tem valor. Mas não deveriam ser o único valor considerado.
** Preferi aqui o termo “contadores de história” a “contadores de estórias” por acreditar que as possibilidades semânticas do primeiro destaquem a relevância do resgate histórico presente nas narrativas desses menestréis contemporâneos.

A imagem do post é dos livros da Eloísa Cartonera, de Buenos Aires