A livraria do dia dos namorados

Há meses eu passava em frente de uma livraria no bairro das Perdizes (zona oeste da cidade de São Paulo) e queria entrar nela. Lembro-me também de ter lido algo sobre ela nos últimos dias em um artigo sobre livrarias independentes de São Paulo.

Pois bem, no início da noite de sexta-dia do dia 12/06/2015, dia dos namorados, decidi caminhar do morro onde fica Perdizes até os baixos da Barra Funda onde fica o terminal rodoferroviário de mesmo nome.

E no meio do caminho havia a Livraria Zaccara. E é óbvio que não titubeei. Me aproximei primeiro do vidro onde haviam livros excelentes expostos bem à vista de quem passa (1!!!). Em seguida, subi as escadas e me deparei com um espaço clássico de livraria ou biblioteca repleto de estantes, expositores e mesas cheios de livros, quadrinhos, CDs e alguns DVDs.

Fui logo para uma mesa onde haviam vários lançamentos literários. E logo veio a primeira surpresa: os livros estavam dispostos nos famosos montinhos onde normalmente estão 10 ou 20 exemplares do mesmo títulos, mas na Zaccara não. Em vários casos, abaixo de um título do Amós Oz ou do Philip Roth haviam outros títulos do mesmo autor (como acontece normalmente nas estantes das bibliotecas). E para meu prazer, haviam ali vários livros com mulheres na capa (já postei em outro blog várias capas assim que selecionei quando trabalhava na Biblioteca Mário de Andrade).

Depois de alguns momentos, a esposa do dono da livraria se aproximou e perguntou se eu queria algo em especial e começamos a falar sobre alguns autores ali expostos e sobre o Clube de Leitura (ele acontece mensalmente, sempre na segunda segunda-feira do mês).

Após a chegada de outro cliente ela se afastou. O papo inicial já foi bem gostoso. Mas um segundo momento de papear estava por vir.

Após cerca de 20 minutos xeretando o térreo do lugar, e ter selecionado mentalmente uns 20 livros, mas ter levado ao caixa apenas dois (“O muro”, HQ de Fraipont & Bailly e “Submissão” do Michel Houellebecq), encontrei com o Lúcio Zaccara (o dono do negócio) no balcão. Com um suspiro, deixei os livros no balcão, e ele perguntou:
– vi que olhou o “Primeiras vezes” da Sibylline (um HQ adulto bem safadinho!), gostou? Aproveite e veja este daqui…. é um Milo Manara, conheci esses dias.

– sim, achei muito legal ele. É bem forte, não é? Respondi e continuei: e já conheço o Manara….. sabe, quando tinha uns 18 anos sem querer achei o “Perfume do invisível” dele escondido em um arquivo de aço do diretor da empresa onde eu trabalhava. Achei ele muito sacana e anos depois li várias outras obras dele. É um clássico do HQ erótico.

– pois bem, deixa eu te mostrar outra coisa que você vai gostar. O Lúcio foi até a área de quadrinhos e me trouxe outros três HQs da coleção Safadas: Verão, Natal e Encontros (ainda há também Lingeries) e disse-me indo em direção a duas poltronas que ficam num canto do lugar: vamos conversar um pouco.

Ele me falou que o Odilon Moraes (um dos melhores ilustradores brasileiros, recomendo a leitura de “Ismália” que ele ilustrou!) havia indicado a tal coleção. Ele me falou que haviam algumas ilustrações do último livro dele no primeiro andar.

Eu disse que havia conhecido o Odilon quando ele ia até a Biblioteca Monteiro Lobato (BML) pegar livros emprestados.

Falamos sobre a necessidade de diversidade musical e literária e das impressões sobre o tema naquele bairro e nas periferias da cidade.

Fomos interrompidos por uma cliente que estava procurando algo para presentear o filho e lá foi o Lúcio conversar com ela e juntos (3!!!!) selecionaram dois CDs e um livro. Enquanto isso, eu folheei as HQs cheias de sexo e erotismo elevados à vigésima potência e com algumas histórias, muito, muito engraçadas. Ainda li o último número da Granta Brasil com o tema “Infiel”.

Quando ele retornou, fomos até o primeiro andar ver as ilustrações. Lá também haviam algumas ilustrações da Laurabeatriz (que na minha época de BML fez muito sucesso com seus livros de animais brasileiros escritos em parceria com o Lalau).

Em seguida nos sentamos e ele falou dos eventos que acontecem na Livraria, do aluguel (R$300,00 por 4 horas e 2!!!!) para grupos do espaço com aquele imenso e aconchegante sofá onde estávamos naquele momento, que também tem outras poltronas, cadeiras e um conjunto de TV, Caixas de som e Receiver de dar inveja. Perguntei se poderia passar um filme baseado em um livro e discuti-lo e ele disse que alguns grupos já fizeram tal coisa. Também pensei em fazer um encontro de bibliotecários e amigos leitores no lugar (que tem uma cozinha onde são feitos bolos, café e onde há também vinhos!) e ele disse que era só falar com ele etcétera e tal.

Ao descer, com mil idéias na cabeça, ainda papeamos com outra cliente, que por acaso também levou “Submissão” para casa. A esposa (puxa, me esqueci de pegar o nome dela, sorry!) do Lúcio se juntou a nós e falamos sobre o desejo deles de não fazer um Clube do Livro com livros fáceis de ler, não porque eles se acham, mas porque acreditam que histórias complexas ou desafiantes também trazem prazer e estimulam novas ideias e críticas. e finalmente paguei os livros e recebi dois marcadores de páginas iguais. Como sou folgado, pedi para trocar um e disse que era porque colecionava-os. Ganhei de presente uns 20, inclusive um muito fofucho da Peppa Pig!

O atendimento personalizado fez a diferença e pelo país afora há muitas outras livrarias e bibliotecas pequenas como a Zaccara que para sair da crise e para enfrentar os velhos problemas (falta de clientes ou usuários, falta de acervo básico e atualizado, falta de informatização, falta de pessoal e muitas outras faltas) poderiam seguir um caminho semelhante, o caminho da comunicação e empatia.

Foram duas horas dentro da livraria e no dia dos namorados, sai apaixonado pela livraria.

Vocês devem ter visto os número seguidos de exclamações, foi meu jeito de anotar alguns pontos que comento abaixo. O que acham?

1- Exposição de acervo tem que estar na entrada das bibliotecas. A arquitetura, ou o design, das bibliotecas que ainda não são assim, deve mudar radicalmente, exceto em caso de edifícios tombados, mas mesmo assim, outras soluções devem ser tomadas.

2- Se houvessem mais salas aconchegantes nas bibliotecas, elas poderiam ser cedidas gratuitamente (ou não dependendo do status financeiro do grupo a fim de angariar recursos extras?) para grupos interessados.

3- Sinto que a entrevista de referência anda tão fora de moda, pelo menos sinto isso e posso estar errado. E a entrevista de referência do Lúcio foi incrível! Quando o leitor está na biblioteca temos que dar mais atenção a ele para que se sinta atendido e volte querendo mais. Foco nas pessoas é fundamental!

E só para constar, seguem as capas dos livros citados:

Ismália – ilustrado pelo Odilon Moraes

 

Submissão

 

O Muro

 

Safadas: Encontros

 

Safadas: Natal

 

Safadas: Lingerie

 

Safadas: Verão