A ridícula ideia de guardar livros ao contrário

Algum tempo atrás apareceram no instagram fotos de estantes cheias de livros dispostos ao contrário (com a lombada pra dentro), seguindo uma proposta de decoração que tem a intenção de reduzir a paleta de cores e “acalmar” um ambiente.

Em primeiro momento podemos todos concordar que a ideia pode ser interessante esteticamente mas impraticável em uma biblioteca de verdade, afinal como encontrar um livro específico ali?

Todo as pessoas são livres pra organizar livros em suas coleções pessoais como bem quiserem. Então a ridícula ideia de guardar livros ao contrário pode ser defendida se ela funciona como uma tática pra saber quais livros faltam ser lidos (como o “want to read” no goodreads, livros com a lombada pra dentro são os que ainda serão lidos, livros com a lombada pra fora são os que já foram lidos) ou simplesmente uma tática para escolher uma próxima leitura aleatoriamente (como as campanhas de “encontro às cegas” que algumas bibliotecas fazem). Existem os extremos onde a apresentação de uma coleção pessoal deseja representar uma intelectualidade que na verdade não existe ou leitores que são tão afetuosos que reconhecem seus livros por tamanho e condição física. Então, fiquem à vontade.

O curioso é que guardar livros com a lombada/espinha voltada pra dentro da prateleira não é um fenômeno recente na história do livro porque nos séculos 17 e 18 os títulos de livros e os autores eram escritos em tinta na borda das páginas, e as lombadas ficavam viradas para dentro para proteger a encadernação em couro. Outra mudança que reforçou esse tipo de disposição foi que os ricos decidiram que ter as bordas das folhas adornadas em ouro daria um certo charme às suas bibliotecas (aqui uma referência sobre a biblioteca real em El Escorial).

Exprimam todo seu desprezo bibliotecário apreciando estas belas fotos (#backwardbooks):

4 pensamentos em “A ridícula ideia de guardar livros ao contrário”

  1. Isso não é organização, é só pra sair bem na foto. Livros são considerados – por pessoas que não têm hábito de leitura, de certo – objetos de decoração que podem enriquecer ou enfeiar os ambientes. Já vi recomendarem manter em coleção apenas o mais novos e bonitos para compor o arranjo das estantes.

  2. Creio que mesmo em coleções pessoais vai expor mais as páginas à poeira e eventuais ataques de mascotes, minha gata iria achar que transformei a estante em uma coleção de arranhadores, rs.

  3. E a tão bela e comentada diversidade, onde fica??? Essa homogeneidade aí não me soa bem nem na foto… e mesmo para separar lidos e não lidos, podemos pensar em técnicas melhores, não??? Pesem os livros e comprem apenas aqueles de dimensões idênticas também, que tal?! Particularmente prefiro a transparência das lombadas. E o que realmente me intriga são as lombadas não seguirem sempre a mesma direção ?

Deixe uma resposta